RODRIGO CONSTANTINO

ELES SUMIRAM! OU: O POVO NÃO PERDOA TRAÍRA

Nota do autor: qualquer semelhança entre esses nomes e alguns conhecidos é mera coincidência

Acordei com uma sensação estranha, sem saber o motivo. Quando olhei para meu telefone, quase caí da cama: a data mostrava 12 de agosto de 2026! Fui transportado para o futuro?! Ou será que fiquei em coma esse tempo todo?! Pois poderia jurar que fui dormir no dia 11 de agosto de… 2022! Olhei em volta com cuidado, tateando o escuro, e liguei a televisão na FoxNews Brasil. Opa! Sim, Bolsonaro ainda é o presidente. Isso, confesso, acalmou um pouco meus ânimos. Eu poderia ter acordado na Argentina, quiçá na Venezuela lulista!

Mas logo fui acometido por uma curiosidade incontrolável: que fim levaram, então, todos aqueles traíras do Brasil, que tentaram derrubar o presidente após surfarem na onda criada por ele? Dei de ombros para o fenômeno estranho da viagem no tempo e saí em busca de respostas, tal como um Sherlock Holmes tupiniquim. O que encontrei foi incrível.

Após muito esforço – e ter molhado a mão de muita gente do submundo – descobri que o Alex Fruta tinha voltado a fazer filmes pornográficos. “Justo”, pensei comigo. Sem interesse em verificar sua “arte”, parti para o próximo alvo. E descobri que o Jonny Doriana fazia agora dancinhas para animar festas LGBT! Acho que vi o que parecia uma seringa à guisa de um pênis pendurado atrás dele. “Mais justo ainda”, pensei.

Circulando pelas ruas do Leblon, esbarrei no João Ameba. Ele soltava sua mão de alface em cima de qualquer um que passasse, pedindo em sua voz mansa para cada transeunte assinar um Novo pedido de impeachment de Bolsonaro. Fiquei com pena, admito.

Fui relaxar num bar, e lá vi Luís Mandeitá jogando uma sinuca como se não houvesse amanhã. Ele não usava máscara. Ou seja, nada havia mudado nesse aspecto desde aquela pandemia famosa do passado. Mandeitá falava de seu passado com estranhos presentes no bar, que não demonstravam qualquer interesse e sorriam constrangidos. “Eu já fui ministro!”, soltava todo vaidoso.

Comecei a ouvir gritos histéricos do lado de fora. Fui verificar, e era Joy Rassel. Ela tinha o rosto cheio de hematomas, e berrava que tinha levado uma surra de Bolsonaro. Atraía olhares curiosos e muitos risos. Uma alma mais caridosa ligou para os homens de branco e resolveu dar fim àquela triste loucura exposta em praça pública.

Felipe Doura Barril estava jogando xadrez em Copacabana com Alex Burres, que tinha acabado de descer do apartamento de sua mãe, onde ainda morava, com quase 60 anos. Ele estava quase terminando seu primeiro livro acordado com a editora. Ambos sussurravam que eram os únicos defensores da verdadeira direita. Ninguém em volta sabia quem eles eram. Fiquei com pena dos ex-relevantes formadores de opinião conservadores, que nunca tiveram coragem de voltar a criticar o aborto em público.

Arthur Duvall, antigamente conhecido como Mamãe Peguei, estava participando de sua quarta edição do programa “Fazenda”. No último ano, soube que ele tinha levado uma surra de um colega do reality show, ao tentar forçar uma relação com uma mulher bêbada. Ele gritava: “Assim é melhor, mulher bêbada é mais fácil de pegar”. Pegou foi um olho roxo.

Sergio Morno fora visto pela última vez após disputar – e perder – o cargo de vereador numa cidadezinha paranaense. Ele concedeu uma entrevista a um estagiário do Grobo e alegou que estava lutando para proteger sua biografia. Mas levou uma baita bronca de sua esposa, Roseana, que o mandou para casa lavar a louça. Nunca mais foi visto em público depois disso.

Rodrigo Laia foi encontrado num spa, tentando queimar parte dos seus 136 quilos, mas foi descoberto um esquema em que ele pagava para os funcionários levarem chocolate escondido no seu quarto. Laia, confrontado pelo diretor do spa com a prova do crime na mão, rebateu: “Você sabe com quem está falando?! Eu fui o presidente da Câmara! Você me deve obediência!”. Foi expulso no ato.

Os irmãos W foram vistos pela última vez provocando apoiadores do Bolsonaro, no afã desesperado de terem algum holofote. A última “live” deles tinha tido apenas três visualizações, contando com a mãe e o pai. Ao me reconhecer, o Abraão berrou: “Rato! Vem cá, vamos debater!!!”. Virei as costas com pena e fui embora. Ouvi algo que parecia muito com um choro contido atrás de mim.

Diogo Mau Nardi tinha voltado de Veneza e procurava emprego no Brasil247, sem sucesso. Ronaldo Azedo era o responsável pelo marketing do PSTU. Guilherme Malatossi não consegui encontrar fácil, pois ninguém sabia quem era, mas depois descobri que estava trabalhando como copeiro do Azedo. Marquinho da Vila, conhecido como Professor Papagaio, circulava pelas ruas xingando todo mundo de fascista, nazista, e algumas almas caridosas colocavam umas moedas no chapéu dele.

Fui para casa um tanto melancólico, pensando em como a vida tinha dessas guinadas. Todos eles tiveram lá sua importância num determinado momento, mas resolveram trair a nação, virar a casaca. E o povo não perdoa mesmo traidor.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

A PALAVRA DO EDITOR

É HOJE QUE O BAMBU VAI GEMER

Sexta-feirou!

Sexta-feira, 12.

Ainda bem que, por um dia, escapamos da aziaga sexta-feira, 13.

Vôte!

Hoje é dia de Chupicleide cair na gandaia, encher o rabo e piranhar.

O bambu vai gemer, a jiripoca vai piar e o vento assoviar!

Ela já acertou com Bosticler pra se encontrarem no Bar Pentelho-de-Burro, que fica na praia do Buraco da Velha, bairro do Pina, zona sul do Recife.

Os dois vão fazer uma farra arretada hoje de noite.

Isso por conta das generosas doações feitas esta semana pelos leitores Urbano José, Esdras Serrano, Manuel M. Sabino, Aldemar do Couto e Helena de Souza.

Gratíssimo a todos vocês que nos ajudam a manter essa gazeta escrota nos ares, cobrindo as despesas de hospedagem e manutenção, e ainda pagando as cachaçadas de Chupicleide e Bosticler!

Um excelente final de semana para toda a comunidade fubânica!!!

A nossa escrotíssima secretária me pediu que eu fechasse a postagem com uma música que ela mesma escolheu.

PERCIVAL PUGGINA

JORNALISMO TÓXICO

Quando o jornalismo assume as condutas a seguir descritas, acolhe, também, responsabilidade pelas consequências. Refiro-me às seguintes ações e omissões:

– silenciar, durante 43 meses sobre todas as ações abusivas, truculentas e inconstitucionais do STF e só prestar atenção aos malfeitos daquele poder quando os ministros encomendam lagostas ou aumentam os próprios vencimentos;

– isentar STF e TSE de sua total responsabilidade na atual crise política ao impor suas vontades, durante três anos, contra manifestações de rua por urnas com impressoras e auditoria nas apurações;

– desconhecer, ou quando conhece, desprezar, ridicularizar e adulterar os legítimos conteúdos das manifestações populares;

– nada dizer sobre o sinistro processo de dominação e imposição do pensamento único na Educação brasileira, nem sobre o amplo uso das universidades públicas para fins rigorosamente políticos e partidários;

– fazer de conta que não vê o imenso rol de privilégios financeiros e normativos autoconcedidos pelos congressistas na presente eleição em detrimento do desejo de renovação manifestado pela sociedade;

– perseguir de modo sistemático o presidente da República, que dispõe apenas de um ou outro programa de tevê e redes sociais para se fazer ouvir;

– repetir chavões contra o presidente e contra a maioria conservadora da sociedade como quem copia e cola de alguma cartilha oposicionista;

– avaliar o desempenho parlamentar contando projetos de lei e despesas de gabinete, sem se interessar pelo mais importante, que é clareza ou obscuridade das posições, a coerência ou incoerência das condutas e a efetiva contribuição para o bem (ou mal) do país;

– acolher centenas de milhares assinaturas à Carta da USP como sendo a mais legítima representação possível da sociedade e, por anos a fio, desprezar a voz de dezenas de milhões de cidadãos que vão às ruas sem serem ouvidos pelo Congresso e pelo STF;

– jamais escrever uma linha sequer sobre os gravíssimos motivos da poluída interação havida entre o Supremo e o Senado da República.

Poderia prosseguir, mas basta. A mais grave consequência da desinformação, da notícia transformada em retórica, da estratégia editorial persistente, é o agravamento da crise que diz combater; é fugir da solução e jogar a nação no colo do problema. Nosso país precisa resolver seus embaraços institucionais e eles não se solucionam com sofismas, cartilhas ideológicas, etiquetas e ocultações.

Não é dever da mídia tornar a nação mais sábia. É seu dever, porém, não intoxicar a democracia.

DEU NO TWITTER

DEU NO JORNAL

DITADURA DA NICARÁGUA FECHA RÁDIOS E PRENDE BISPO

Revista Oeste

Daniel Ortega está a frente do país desde 2007

Daniel Ortega está a frente do país desde 2007

A Nicarágua fechou sete emissoras de rádio católicas ligadas ao bispo Rolando Álvarez, forte crítico do ditador Daniel Ortega e membro da Conferência Episcopal da Nicarágua (CEN).

Há uma semana, Álvarez denunciou o fechamento de rádios religiosas. Ele exigiu que Ortega “respeitasse a liberdade de culto diante do assédio” que, segundo ele, a igreja católica sofre. O bispo acabou detido pelas forças de segurança, acusado de tentar desestabilizar o país.

Na quinta-feira 11, o bispo Álvarez disse que está bem de saúde, assim como as pessoas com ele na cúria. “Graças a Deus estamos bem de saúde, vivendo em comunidade”, afirmou em uma missa transmitida pelo Facebook. “Estamos nas mãos de Deus. Estamos vivendo a detenção como um retiro espiritual.”

As autoridades da Nicarágua acusaram o padre de tentar “organizar grupos violentos” e incitar “a realizar atos de ódio com o objetivo de desestabilizar o Estado”, informou a polícia.

Relações conturbadas com a Igreja Católica

As relações entre a Igreja Católica e a ditadura de Ortega começaram a se deteriorar em 2018, quando vários templos abriram suas portas para abrigar manifestantes feridos durante os protestos contra o ditador.

O governo Ortega sustenta que essas manifestações fizeram parte de uma tentativa de golpe promovida pela oposição, com o apoio dos Estados Unidos e cumplicidade dos bispos.

Brasil repudia atos

Dias depois da denúncia do fechamento das rádios católicas, o Brasil repudiou a decisão e o “uso abusivo da violência policial contra líderes religiosos e fiéis”.

Em nota, o ministério de Relações Exteriores manifestou sua “grave preocupação” e instou ao governo de Ortega a restabelecer “sem demora” o funcionamento das emissoras e “o pleno exercício da liberdade religiosa”.

“A medida constitui mais um severo golpe ao espaço cívico na Nicarágua e viola o direito à liberdade de religião ou crença, assim como à liberdade de opinião e de expressão”, comunicou o governo brasileiro em nota.

“O governo brasileiro defende o direito à liberdade de toda pessoa de escolher e praticar livremente sua religião”, finaliza o documento.

Repressão

A repressão do governo Ortega aos seus opositores se intensificou em 2021, com a proximidade das eleições presidenciais e não parou de escalar desde então.

A partir de 2020, novas leis foram aprovadas no país e têm levado à prisão ou fuga de opositores. Além disso, o tribunal eleitoral foi dominado por juízes ligados ao partido Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN).

DEU NO TWITTER

PEDRO MALTA - REPENTES, MOTES E GLOSAS

JONAS BEZERRA E ACRÍZIO DE FRANÇA: DOIS REPENTISTAS TALENTOSOS

Acrízio de França

Hoje aqui nesse festim
A viola emociona
Quem chegar aqui na zona
Pra poder nos escutar
Essa arte popular
Vai voar pro exterior
Então vamos cantador
Vamos viajar
Vamos cantador
Pegue a viola e se arrume
Porque já virou costume
Fazer mala e viajar.

Jonas Bezerra

Agora peguei o ritmo
Que manda Acrízio de França
Porque a minha esperança
Aqui não vai apagar
Estilo pode criar
Você é meu professor
Então vamos cantador
Vamos viajar
Vamos cantador
Pegue a viola e se arrume
Porque já virou costume
Fazer mala e viajar.

Acrízio de França

O estilo da cantoria
Vem da minha criação
Se esse estilo é bom ou não
Você é quem vai julgar
Tem você pra me ajudar
E o povo pra dar valor
Então vamos cantador
Vamos viajar
Vamos cantador
Pegue a viola e se arrume
Porque já virou costume
Fazer mala e viajar.

Jonas Bezerra

Respondo a sua pergunta
Eu gostei do seu estilo
Mais parece o rio Nilo
Indo pra dentro do mar
Depois que na terra entrar
Eu rasgo como um trator
Então vamos cantador
Vamos viajar
Vamos cantador
Pegue a viola e se arrume
Porque já virou costume
Fazer mala e viajar .

Acrízio de França

Hoje aqui na grande festa
Dos poetas violeiros
Nós trouxemos os redeiros
Pra poder nos apoiar
Mesmo em cantiga de bar
Esses jovens dão valor
Então vamos cantador
Vamos viajar
Vamos cantador
Pega a viola e se arrume
Porque já virou costume
Fazer mala e viajar.

Jonas Bezerra

Cantando o rio
Chamado rio Piranhas
Eu sou filho das entranhas
Da Paraíba exemplar
Minha homenagem
É pra todos do setor
Então vamos cantador
Vamos viajar
Vamos cantador
Pegue a viola e se arrume
Porque já virou costume
Fazer mala e viajar.

Jonas Bezerra

Voa sabiá
Veja outros horizontes
Passe por cima dos montes
Enxergue cada pomar
Viva feliz
Com os filhotes no seu ninho
Do jeito de um passarinho
Eu também quero voar
“Voa sabiá”.
Do galho da laranjeira
Que a pedra da baladeira
Vem zoando pelo ar “.
“Voa sabiá”.
Do galho da laranjeira
Que a pedra da baladeira
Vem zoando pelo ar”.

Acrízio de França

Ao caçador
Eu peço a partir de agora
Não bote o fogo na flora
Pra ver onde ele pode estar
Também já fui
Caçador de espingarda
Mais hoje em dia eu sou guarda
Pra deter quem for matar
“Voa sabiá”.
Do galho da laranjeira
Que a pedra da baladeira
Vem zoando pelo ar”.
“Voa sabiá”.
Do galho da laranjeira
Que a pedra da baladeira
Vem zoando pelo ar”.

DEU NO JORNAL

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

MAURÍCIO ASSUERO – RECIFE-PE

Ilustre Editodos,

por favor, avise aos fubânicos cabarelistas que hoje vamos nos reencontrar na porta do Cabaré mais famoso do Brasil.

Será um reencontro de amigos para jogar conversa fora, falar da vida alheia, de poesia, de poetas, com a irreverência que sempre marcou os encontros semanais dessa gama de gente espirituosa que pula a cerca para chegar ao Cabaré são e salvo.

Tivemos que fechar o Cabaré por uns dias, mas foi para reforma.

Botamos um palco novo, a caixa acústica agora é uma LG XBOOM RN9, trocamos os tamboretes de zona por cadeiras anti-peidos, o piso do dancing está mais liso do que muçum ensaboado e, agora, a luz negra é a base de LED, mas continua a proibição de cuspir no chão…..as cortinas todas novinhas em folhas.

A única coisa que não mudou foi o endereço.

Basta clicar aqui que as portas estarão abertas, pontualmente, às 19h25.

Vamos nessa!!!!

Obrigado

R. O recado está dado, nobre gerente cabarezeiro.

Teremos hoje mais uma sexta-feira rica de fuxicos, de presepadas e de encantos.

A instalação de caixa acústica, novos tambores e de cadeiras anti-peido constituem um progresso fantástico pro nosso cabaré.

Estou doido que chegue logo a noite de hoje pra gente se encontrar e matar as saudades, a partir das sete e meia.

Contamos com a presença de toda a comunidade fubânica!!!!