XICO COM X, BIZERRA COM I

ARQUIVOS DA DOR

Nas conversas que travo com meu Notebook eu nunca faço hoje o que posso deixar pra depois. Não vale a pena salvar bobagem e ocupar memória com coisas que não agregam, que nada acrescentam à vida. Para que ficar remoendo as mágoas, as dores, os ressentimentos, as desalegrias e os desgostos se posso deles me livrar? Prefiro ocupar o HD de minha memória afetiva com o que de bom vivi. E assim configurei meu coração e criei uma senha secreta que só ela e eu temos acesso. Arquivos da dor, deleto-os todos. Mando-os à lixeira. Prefiro acessar os programas da alegria e gargalhar no site das coisas boas. Sob o domínio da felicidade, sonho forró e danço xote cheirando o seu cangote. Num intervalo, envio ZAPs de amor a quem amo e até a quem não gosto muito. Minha senha secreta não conto pra ninguém (só eu e ela sabemos). Ao resto do mundo, apenas digo que começa com Paz e termina com Amor. Indeletável, pois.

Todos os Livros e a maioria dos Discos de autoria de XICO BIZERRA estão à disposição para compra através do email xicobizerra@forroboxote.com.br. Quem preferir, grande parte dos CDs está disponível nas plataformas digitais. Visite nosso site: www.forroboxote.com.br

XICO COM X, BIZERRA COM I

DANÇANDO À BEIRA-MAR

A placa, com letras azuis em fundo cor-de-rosa, anuncia o ofício a que se dedica aquele velho homem, barbas brancas e longas por fazer: ALUGAM-SE BORBOLETAS. Ele, que já vendera nuvens de todos os formatos, agora alugava borboletas numa banquinha na areia branca da praia de Candeias. Haveria clientes naquele lugar? Quem vai à praia, pouco interesse tem por alugar borboletas, penso eu. Ledo engano: à frente de sua barraca formava-se fila imensa, homens, mulheres e crianças, todos interessados no produto ofertado. Aquele povo, vivente da Capital, já quase tinha esquecido os belos bichinhos voadores, com suas asas coloridas, e pagavam com um abraço – este o ‘preço cobrado’, o prazer de com elas conviver, por cinco minutos que fosse, tempo suficiente para redescobrir o sonho bom de voar e dançar com as borboletas. Os humanos buscavam estes prazeres, antes de se lambuzarem na areia da praia, sob a vigilância inclemente do sol e o olhar desatento de uma ou outra gaivota que se arriscava a embelezar o azul do céu. As borboletas não paravam de dançar.

Todos os Livros e a maioria dos Discos de autoria de XICO BIZERRA estão à disposição para compra através do email xicobizerra@forroboxote.com.br. Quem preferir, grande parte dos CDs está disponível nas plataformas digitais. Visite nosso site: www.forroboxote.com.br

XICO COM X, BIZERRA COM I

DONA LUA

Sobre a cidade fria e dura, muito cimento, muito concreto. Dona Lua se achega, devagarinho, brilhando soberana e altaneira, vigiando a tarde que se vai e abraçando, com a ternura que lhe é própria, a noite que se anuncia. Logo, logo ela vai se impor e clarear com sua luz intensa o escuro que domina a paisagem em meio a nuvens fugidias, acompanhantes da estrela sol que, sorrateira e lentamente, ruma ‘amontado’ num arrebol para o seu descanso após doze horas de reinado. Naquele desencontro de lua e sol, todos participam da festa: nuvens, céu, outras estrelas e satélites distantes … Com o seu chegar branco e brilhante começa a função diária da lua de embelezar o mundo, de encantar as pessoas, de fornecer sustança a corações apaixonados. Os violões e seus donos não resistem à tentação, se inspiram e fazem-lhe companhia até sua despedida, algumas horas depois. Poetas nela enxergam motivação para versos e, inspirados, fazem com que poemas surjam, sonetos de amor se espalhem por todos os lados. Respira-se afetividade. Dia seguinte, mesma hora, ela estará de volta e o mundo ficará outra vez mais belo, as pessoas mais apaixonadas e os violões mais plangentes e encantadores. Também para isto Dona Lua existe.

Todos os Livros e a maioria dos Discos de autoria de XICO BIZERRA estão à disposição para compra através do email xicobizerra@forroboxote.com.br. Quem preferir, grande parte dos CDs está disponível nas plataformas digitais. Visite nosso site: www.forroboxote.com.br

XICO COM X, BIZERRA COM I

TEATRO VAZIO PARA UMA DAMA QUE SE FOI

Vivia do amor desde a adolescência distante no interior bem interior. Até que uma ‘bondosa’ alma levou a menina esbelta para uma cidade maior, dando-lhe abrigo e um lugar, a que chamava de quarto, onde guardava suas poucas coisas e recebia a ‘clientela’ para o exercício de seu ofício tão cheio de desesperada sofreguidão. Vendia amor. E assim foi sua vida: carinhos falsos recebidos e reciprocados em proporção maior, na maior parte das vezes. Fingir era preciso. Poeticamente, fingia. E fingia tão bem fingido que chegava a pensar que era amor o amor nunca sentido. Pessoa que lhe conceda perdão. Muito mais que a paga final, agradava-lhe a eventual palavra de alguns homens, afiada e cortante como faca, mas verdadeira e real como a vida. Tinha plena ciência de que, logo, logo, a cortina se fecharia. Definitivamente. Sem aplausos. Sem luz. Será quando restarão apenas as palavras que lhe foram presenteados na última noite, fria, sem gozo. O derradeiro ato estará encerrado e a vida daquela mulher, então não mais esbelta, será transportada para outro plano. Talvez menos glamoroso, certamente menos sofrido.

Todos os Livros e a maioria dos Discos de autoria de XICO BIZERRA estão à disposição para compra através do email xicobizerra@forroboxote.com.br. Quem preferir, grande parte dos CDs está disponível nas plataformas digitais. Visite nosso site: www.forroboxote.com.br

XICO COM X, BIZERRA COM I

UMA QUASE ODE ÀS TRAÇAS

Passo a passo a traça passa
Sem ter pressa no passar
Penso e peço não se impeça
Dar-se à traça o seu traçar
Torço e rezo com meu terço:
Que não possa esse apreço
Verso e prosa destroçar

A traça abandona seu casulo e habita minha estante. E é lá que ela traça tudo que é troço que tenha letras. Livros, nenhum escapa, novelas ou contos. Os bons, traça-os. Os ruins, destroços que só à traça interessa, ela também os traça. Quando muito, sobra uma capa. Daquelas duras. Por vezes se empanturra com volumosos romances e tira gosto com pequeninos poemas, lancha kai-kais. Outras, apenas belisca crônicas breves, de pouco alfabeto, parecidas com as que teimo em escrever. A tudo devora, sem dó nem piedade. Não as inspeça: não adiantará. Surpresas há: um Saramago, restou quase intacto. Certamente não gostaram do cardápio português, do seu pouco tempero, sem quase nenhum condimento, ponto ou vírgula. Alguns, começavam pelo prólogo, como se antepasto fosse. Outros, como meu Manoel de Barros preferido e por mim tantas vezes lido e relido, foi devorado a partir da página 53, aleatoriamente, sem critério lógico nenhum. Ao fim, sobreviveu apenas o índice onomástico. Acho que em respeito às pessoas e bichos importantes ali contidos. Fico a perguntar-me: por quantos serão lidas minhas mal tecladas e traçadas ‘croniquetas’, extraídas com tanto esforço e paridas de meu sofrido e limitado intelecto? Ou servirão apenas de alimento suprindo a sanha avassaladora por ‘literatura’ desses bichinhos pequenos e vorazes, de instinto faminto e destruidor? Bicho mais ‘letrado’ que a traça não há. Até merecia uns versos, tivesse eu a certeza de que não seriam por ela traçados. Pior: mesmo que eu esconda minha biblioteca nas nuvens do Windows, não demora surgirá um hacker que, maldosamente, inventará traças cibernéticas, perigosas vilãs virtuais, devoradoras de bits que porão a perigo minhas pobres letrinhas.

Todos os Livros e a maioria dos Discos deste colunista estão à disposição para compra através do email xicobizerra@forroboxote.com.br. Quem preferir, grande parte dos CDs está disponível nas plataformas digitais. Visite nosso site: www.forroboxote.com.br

XICO COM X, BIZERRA COM I

ESTRADA DO AÇUDE

A estrada velha que leva ao antigo açude ainda está no mesmo lugar, mais abandonada do que nunca. Poucos passam por ali. Resta, no local da água, um vazio seco e nenhum outro atrativo que o torne objeto de cobiça de alguém. Só os saudosistas, como eu, sentem vontade de andar na estradinha. Há os que moram à margem do que um dia foi açude. São vizinhos da dor, adjacentes do sol. Muitos anteontens e pouquíssimos amanhãs povoam a alma daquela gente. Meus pés conhecem bem o trajeto: quantas vezes por ali passaram, descalços, rumo a um banho restaurador, um abraço na natureza, um encontro com a Paz e os passarinhos. Um paraíso de bichos pequenos, grilos e rãs, cantos e sons cheios de ternura. Aquele caminho continua vivo em mim e tem o efeito de ser como as lembranças do que não houve, os carinhos não recebidos ou os desejos não concretizados. Ventos e luzes de pirilampos penetram nas rachaduras do chão seco e fazem cócegas nas frestas da saudade, iluminando o algo distante em que tanto pisei. Um passado que se torna um presente ante o incerto futuro.

Todos os Livros e a maioria dos Discos deste colunista estão à disposição para compra através do email xicobizerra@forroboxote.com.br. Quem preferir, grande parte dos CDs está disponível nas plataformas digitais. Visite nosso site: www.forroboxote.com.br

XICO COM X, BIZERRA COM I

O PRANTO AZUL DAS VIOLETAS

Esta noite cismei de responder às perguntas de Pablo. E quando um dia eu descobrir a cor do perfume que exala do pranto azul das violetas, mandarei uma carta para ele dizendo-lhe da novidade, não sem antes agradecer àquelas flores o cheiro bom que me oferecem nas madrugadas insones. Sei que elas, a exemplo da esperança, são regadas com o mais puro orvalho das manhãs. E enquanto a resposta não vem, o céu, da mesma cor do pranto das violetas, reverenciará meu jardim, regando-o com igual intensidade das lágrimas que escorrem do meu rosto quando descubro a saudade. Chuva e lágrimas se misturam no horizonte distante que me carrega em sonhos até um infinito que um dia será meu. Depois do almoço tentarei descobrir de onde vem o sal do mar, se doces são todos os rios. Essas perguntas, e outras mais, atormentaram Pablo toda a vida. Mas continuo quebrando a cabeça para descobrir as respostas que nem o Poeta conseguiu descobrir. Se não as encontrar, deitar-me-ei na rede branquinha e vou fazer Palavras Cruzadas. Antes, beberei uma água friinha, recolhida da moringa de barro num canto da sala, depois de um doce pedaço de rapadura gerada nos engenhos do Crato. No mais, apenas observarei a flor voar de sabiá em sabiá, sendo feliz como a chuva que teima em chover toda a sua alegria…

Todos os Livros e a maioria dos Discos deste colunista estão à disposição para compra através do email xicobizerra@forroboxote.com.br. Quem preferir, grande parte dos CDs está disponível nas plataformas digitais. Visite nosso site: www.forroboxote.com.br

XICO COM X, BIZERRA COM I

O CÉU E O INFERNO

Ir-se ao céu é muito bom. Ao inferno, nem tanto, mas necessário, às vezes: conhecendo o lado ruim, talvez aprendamos a valorizar, na medida exata, o lado bom, a entendermos opiniões divergentes das nossas. Amigos, tenho nos dois territórios. Mas também possuo o dom de compreendê-los e até perdoá-los. Tenho a plena consciência de que não devo tentar persuadi-los a mudar de lado: se do lado errado, lá estão por entenderem ser aquele o lado certo. Por assim ser, eles estão certos. E até digo: pode ser que o lado errado seja o meu, sei lá. Apenas fico triste ao constatar pessoas próximas e queridas, tidas como inteligentes e esclarecidas, defendendo o que para mim é indefensável. Lutam, a meu olhar, por causas nem um pouco nobres. Inocentes? Não sei. Sei que, quando o filho do meu neto um dia souber que eu nunca aceitei as práticas equivocadas de quem é contra o bem e a favor do mal, eu me sentirei recompensado por assim ter me posicionado, esteja onde estiver: no céu ou no inferno …

Todos os Livros e a maioria dos Discos deste colunista estão à disposição para compra através do email xicobizerra@forroboxote.com.br. Quem preferir, grande parte dos CDs está disponível nas plataformas digitais. Visite nosso site: www.forroboxote.com.br

XICO COM X, BIZERRA COM I

AGENDA CHEIA

Meu amigo relaciona as tarefas do dia. São coisas que já faço há muito tempo. Mato o mato e rego a flor desde que o cão era menino. E olha que o cão já está na boa idade. Mas cumpro minha rotina diária falando sozinho e repetindo as sílabas difíceis da palavra felicidade. Seco as garrafas de dor e as encho de um verde-água que lembra a ausência. Mas a saudade é da boa e deixo que ela prevaleça sobre qualquer pensamento ruim. Vadio por estradas coloridas e converso com todos os besouros que encontro e, às vezes, brinco de roda com as borboletas preguiçosas que só pensam em voar. Elas querem me ensinar a arte do voo, mas tenho medo de altura e prefiro não arriscar. Um dia, talvez, aprenda e saia plainando por aí pelo alto do mundo. Terminadas as tarefas do dia, imitando o meu amigo, aprumo o corpo na rede vermelha e me embrulho com um lençol de cambraia branquinho e cheiroso para não permitir, de jeito nenhum, a fuga dos sonhos bons. Por via das dúvidas, aviso aos Deuses que moro aqui, logo depois da ladeira onde o sol inventa a luz. É longe, mas é bem ‘pertim’. A Paz nunca erra o endereço.

Todos os Livros e a maioria dos Discos deste colunista estão à disposição para compra através do email xicobizerra@forroboxote.com.br. Quem preferir, grande parte dos CDs está disponível nas plataformas digitais. Visite nosso site: www.forroboxote.com.br

XICO COM X, BIZERRA COM I

O HOMEM QUE VENDIA ESTRELAS

Na esquina do Cine São Luiz, à beira da ponte, o homem vendia estrelas. Em seu mostruário – uma bacia do tamanho do céu – cabiam as grandes e as pequeninas, umas brilhantes, outras nem tanto. Cada estrela custava um sorriso. Homens de boa-fé compravam-nas. Por descrédito, ou interesses escusos, alguns desdenhavam da mercadoria e sequer percebiam o ofício de quem as vendia. Às mulheres, ele oferecia um par delas em troca de apenas um abraço. E de um sorriso, claro, por mais breve que fosse. A cada dia sua banca juntava mais gente em busca de estrelas luzentes. Um caminhante apressado nem ao menos ouviu a oferta e, passos rápidos, foi embora rumo ao Savoy, onde lhe esperavam 29 copos de chope, além do seu. Seus desejos presos foram malogrados: já não mais havia o Savoy. Estariam lá os milhares de sonhos frustrados, pensou. Voltou à esquina. Queria, agora, comprar estrelas. Tarde demais: nuvens escuras de tristeza escondia-as. Sumiram todas como também sumiram os cinemas Trianon, Art Palácio e Moderno. Também sumiu o vendedor. Como toda ilusão de cinema, o céu da esperança, cada vez mais nublado e despido de corpos celestes, estampou um melancólico The End na tela do firmamento.

Toda a obra do colunista Xico Bizerra, Livros e Discos, pode ser adquirida por e-mail xicobizerra@forroboxote.com.br ou através de seu site Forroboxote, link BODEGA. Entrega para todo o Brasil.