DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

UMA RODA DE GLOSA EM HOMENAGEM ÀS MÃES

Mote desta colunista

Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Dalinha Catunda:

A mãe vira onça ferina
Pra defender sua cria,
E clama a virgem Maria,
Pela proteção divina.
Uma mãe que desatina,
Não briga pra defender,
Filho não merece ter!
É uma mãe desalmada:
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Araquém Vasconcelos:

Mãe ê uma instituição
Onde se projeta a vida
Quem tem sua mãe querida
Dê a ela atenção
Abra o seu coração
Procure reconhecer
Todo o seu bem querer
Não a despreze por nada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Bastinha Job:

Minha mãe se foi tão cedo,
Fiquei sem o seu carinho,
Sem ela, o meu caminho
Perdeu-se em seu enredo
De tudo eu tinha medo,
Consegui sobreviver
Sem abraço a me acolher
Que orfandade malvada:
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Jairo Vasconcelos:

Mãe é uma flor do jardim
Que nunca perde o perfume
Do filho sente ciúme
Mesmo ele sendo ruim
Mamãe é o amor sem fim
Não deixa o filho sofrer
No frio quer aquecer
Quando precisa ela agrada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Dulce Esteves:

Mãe é uma escudeira
Garantindo proteção
Seu peito traz armação
Pois, assim se faz guerreira
Tem armas e faz trincheira
Seu varão vem defender
Vai à luta por prazer
Não se sente ameaçada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Rivamoura Teixeira:

Amor de mãe não se mede
Por ser fora do limite
Por isto não se admite
Duvidar pois não procede
Pra defender intercede
Pense num amor de ser
Seu carinho é pra valer
Sua vida é consagrada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

F. de Assis Sousa:

O amor é incondicional
A ternura é sem limite
Ela jamais admite
Que ninguém o faça mal
Da forma mais natural
Seu instinto é defender
Não queira pagar pra ver
Qualquer uma indignada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Vânia Freitas:

O maior amor do mundo
É aquele que recebemos
De nossas mães e sabemos
Que este amor é tão fecundo
Se tornando mais profundo
Por nada em troca querer
Mãe é um ser que faz valer
O amor a sua cria amada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Fabiana Viera:

Tem mãe que os sonhos enterra
Gestante adolescente
Abandonada e doente
Pela justiça da Terra
Vive no meio da guerra
Procura sobreviver
Pra ver o filhinho vencer
É feroz onça pintada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Creusa Meira:

Há tanta dor pra sentir
Pranto para derramar
Mãe que vai pra não voltar
Mãe que vê filho partir
Filho sem mãe, sem porvir
Sem o colo pra aquecer
Filho na creche morrer
Chacina na madrugada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Paola Tôrres:

Para viver bem a vida
Carecemos de um teto
Pão, carinho, colo, afeto
Sopro na nossa ferida
Música na despedida
Amor que nos faz vencer
Caminhos pra percorrer
Mil abraços na chegada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Chacina, ódio e desgraça
Eu vi na televisão
Uma grande comoção
Tristeza que despedaça
Tiros na rua e na praça
Sangue humano a escorrer
Ver tanta gente morrer
Estendido na calçada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Rosário Pinto:

Nossa mãe vive na lida.
Não tem dia, não tem hora
E desde o romper da aurora
Ela segue na corrida:
Fazer o bolo e a comida.
E para o filho atender,
Trabalha para prover.
À noite chega cansada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Silvinha França:

Mesmo distante é presente
Nunca foge da batalha
Derruba qualquer muralha
Quando a dor do filho sente
Pois é dela a semente
Que Deus a fez conceber
Não se deixa emudecer
Até quando não é chamada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Joabnascimento:

Do seu ventre uma semente
Ressurgiu com muito amor
Superando todo dor
A mãe o abraça contente
Num cenário comovente
O seu olhar vem dizer
Você é meu bem querer
Para toda minha jornada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Pedro Sampaio:

Quando uma Mãe se consome
Pro Filho satisfazer
Ela deixa de comer
Mas do Filho mata fome
Tudo faz pelo seu nome
Também pra lhe socorrer
Não importa o padecer
Nem que seja massacrada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

Dalinha Catunda:

Uma mãe que é ciente
Que seu filho é maltratado
Morreu por não ser cuidado
Não posso chamar de gente
Não passa de uma serpente
É cobra! posso dizer,
Em vida vai padecer
Jamais será perdoada
Um filho é coisa sagrada
Mãe morre pra proteger

DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

GLOSAS

Mote desta colunista:

Esse meu jardim florido,
É cacimba de saudade!

1
Quando rego minhas flores,
Desperto a recordação,
Que mora em meu coração.
Entre suspiro e rumores,
Evoco antigos amores,
E choro a fugacidade,
Do que foi felicidade,
Porém hoje é fenecido…
Esse meu jardim florido,
É cacimba de saudade!

2
Recordo nós dois juntinhos
Debaixo do pé de ipê
Era só eu mais você
Numa sombra sem espinhos
Seguindo os mesmos caminhos
Vivendo a mesma verdade
E mesmo na tenra idade
O tempo não foi perdido:
Esse meu jardim florido,
É cacimba de saudade!

3
Quando chega a primavera
Eu puxo pela memoria
Cada flor é uma história
Pra quem viveu de quimera
Então digo: quem me dera
Com toda sinceridade
Viver com intensidade
Tudo de bom já vivido:
Esse meu jardim florido,
É cacimba de saudade!

4
Debaixo duma latada
Era o cravo era a rosa
Era um verso era uma prosa
Numa conversa animada
Era a mais bela jornada
Em meio a simplicidade
Era amor era amizade
Era a flecha do cupido:
Esse meu jardim florido,
É cacimba de saudade!

5
Recordar é reviver
Diz o dito popular
Por isso vivo a lembrar
Sem pensar em esquecer
O que senti florescer
Em tempos de liberdade
Na mente é prioridade
Não é sonho adormecido:
Esse meu jardim florido,
É cacimba de saudade!

6
Das flores do meu jardim
Só de lembrar sinto o cheiro
São flores do meu canteiro
É cheiro que não tem fim
Só por isso eu canto assim
Com gosto e vivacidade
Seguindo a minha vontade
Nesse mote repetido:
Esse meu jardim florido,
É cacimba de saudade!

DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

DALINHA DAS IPUEIRAS E LINDICÁSSIA DE BARBALHA

Dalinha Catunda

Quem diabo que é essa doida
Que vem lá do Cariri
Comendo cuscuz com ovo
E um balaio de pequi
Com fumaça no cachimbo
Pra assanhar meu inxuí

Lindicássia Nascimento

Quem diabo é esse Zumbi
Que parece assombração
Com molambo na cabeça
E uma boneca na mão
Achando que é gostosona
A crueira do sertão.

Dalinha Catunda

A minha apresentação
Faço agora com audácia
Sou abelha do sertão
Meu ferrão tem eficácia
Para Dalinha Catunda
Se apresente sem falácia.

Lindicássia Nascimento

O meu nome é Lindicássia
Sobre nome Nascimento
Sou mulher de atitude
Cheia de atrevimento
Quando me dano a brigar
Brigo até no pensamento.

Dalinha Catunda

Não venha afoitamento
Pois eu posso ser cruel
Minha língua é venenosa
Já derrubei menestrel
Mas se quer mexer com cobra
Lhe apresento a cascavel.

Lindicássia Nascimento

Amargo igualmente a fel
Sem medo vou pra disputa
Seu veneno não me atinge
Bicha besta e biruta
Eu também sou cobra ruim
Na Selva sou mais astuta.

Dalinha Catunda

Eu vejo que nessa luta
Só tem cobra peçonhenta
Vou pegar teu desaforo
E esfregar na tua venta
A bicha besta e biruta
É você coisa nojenta.

Lindicássia Nascimento

Já vejo que não aguenta
Essa nega cangaceira
Se eu puxar o meu facão
Boto seu fato na feira
Pergunto quem quer comprar
O resto da mulambeira.

Dalinha Catunda

Se eu puxar minha peixeira
Eu entorto o teu facão
Corto um palmo da tua língua
Mudo a tua profissão
Nunca mais voltas a ser
Lambe saco de patrão.

Lindicássia Nascimento

Comigo tem isso não
Mulher fraca igual a tu
Faz zoada mais não morde
Só incha igual cururu
E quando me vê se esconde
No buraco do tatu.

Dalinha Catunda

Nem que tu faças vodu
Xexelenta macumbeira
Eu não fujo dessa briga
Meta seu pé na carreira
Peça logo seu penico
Que o medo dá caganeira.

Lindicássia Nascimento

Deixe de falar besteira
Franga “véia” de macumba
Eu quebro teu espinhaço
Antes de mandar pra tumba
Te faço lamber o chão
Bem antes que tu sucumba.

Dalinha Catunda

Tu tá querendo quizumba
Do choco vou te tirar
As penas desse teu rabo
Uma a uma vou puxar
Depois que eu quebrar teu bico
Quero ver cacarejar.

Lindicássia Nascimento

Basta tu se imaginar
Na mesma cena isolada
Mas as penas que eu puxar
Nessa peleja arretada
Vou queimar com gasolina
No meio da encruzilhada.

Dalinha Catunda

Eu não vou sair queimada
Deixe já de picuinha
E nem vou lhe depenar
Já desmontei minha rinha
Isso tudo é presepada
Tanto tua como minha

Lindicássia Nascimento

teu pensamento se alinha
e me causa emoção
somos luzes da lapinha
do céu a constelação
na terra somos semente
lançada em riba do chão.

Dalinha Catunda e Lindicássia Nascimento

Cumprimos nossa missão
Com rimas e brincadeiras
Lindicássia de Barbalha
Dalinha das Ipueiras
Pois além de cordelistas
Também somos cantadeiras.

DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

O TROTE

Um microconto

Certa noite, eu já deitada, perdida em meus pensamentos a embalar-me numa rede…

Eis que de repente, não mais do que de repente, toca insistentemente o telefone em sua base fixa, preguiçosamente levanto-me para atender.

Sonolenta pego o aparelho e me surpreendo:

– Alô, quem fala?

– Aqui, é a amante do seu marido!

Nessa hora tive vontade de rir e quase gargalhei, mas compenetrada respondi:

– Olha, querida, se fosse a esposa do meu amante eu até te daria um papo, mas…

Desliguei o telefone, voltei para meu ócio noturno, com o pensamento em novas e emocionantes tardes…

DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

RODA DE GLOSAS

Xilogravura de Cícero Lourenço

Roda de glosa coordenada por Dalinha Catunda.

Mote de Zé Limeira:

Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

* * *

Dalinha Catunda:

Chegou essa pandemia
parecendo um vendaval.
Confesso que fiquei mal
de medo eu quase morria,
e morrendo de agonia,
hoje a Jesus eu recorro,
morro pedindo socorro,
pois penico eu já pedi:
Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

Joab Nascimento:

Eu já fui contaminado
Por essa tal pandemia
Juro qu’eu quase morria
Com o vírus desgraçado
Fiquei muito desgastado
Nem sequer subi o morro
Já no mato sem cachorro
Mas logo sobrevivi
Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

Bastinha Job:

Vou dar uma de artista
No mote de ZÉ Limeira
Nascido lá em Teixeira
E era surrealista
Foi notável repentista
Famoso igual ao Zorro
Na décima então discorro
Em Orlando Tejo li:
Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

Araquem Vasconcelos:

Aprendi vencer a morte
Pois já morri uma vez
Comigo não tem talvez
Eu sou caboclo do Norte
Vencer heróis é meu forte
E se vier pega esporro
Eu nunca pedi socorro
E nem de medo eu corri
Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

Gevanildo Almeida:

Quando comecei saber
Desse vírus condenado
Fiquei desorientado
Disse agora vou morrer
Deus veio me socorrer
No meu leito pôs um forro
Com ele eu disse, não corro
Seguir firme decidi
Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

Jairo Vasconcelos:

Quando chegou no Brasil
Essa grande pandemia
Me causando uma agonia
Morreram duzentos mil
Mantando mais que fuzil
Chorando pedir socorro
De medo quase eu escorro
Me segurei não escorri
Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

Rivamoura Teixeira:

Foi sim eu morri de medo
Me tornei um mascarado
O mundo todo tomado
De um virus do degredo
Eu me levantava cedo
Ia parecendo um zorro
Se for me abraçar eu corro
Faça boca de siri
Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

Francisco de Assis Sousa:

Eu já vivo é morrendo
De medo todos os dias
Entre susto e agonias
Assim eu sigo vivendo
Com tudo é me benzendo
Até de espiro eu corro
Uso máscara, alcool, gorro
Não quero arribar daqui
Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

Creusa Meira:

Ao sentir que o dia nasce
Abro os olhos com surpresa
Vejo se não tem fraqueza
Nas pernas, calor na face
Respiro fundo, com classe
E toda a casa, percorro
A mais um dia, concorro
Pra viver, estou aqui
Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

Ritinha Oliveira:

O vírus me derrubou
Igual coice de jumento
Fui ao céu dum passamento
São Pedro me avistou
Ao me ver se agoniou
Gritou pedindo socorro
Eu num mato sem cachorro
Me expulsaram eu corri
Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

Giovanni Arruda:

O eterno Belchior
Cantor de belas canções
Teve nas composições
Zé Limeira coautor
Essa dupla infernizou
Aquela turma do gorro
Sofreu censura e esporro
Mas resistiu que eu vi
Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

Vânia Freitas:

A nuvem ficou escura
Vírus das trevas saiu
E o pior que ninguém viu
E nem vê a sua feiura
Só atrás da lente dura
E quem vê pede socorro
Faz da cara um porta-forro
É coisa que nunca vi
Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

Tião Simpatia:

Faz um ano que me escondo
Desse corona maldito,
Já não conto, nem recito,
Engordei que tô redondo!
O sol nascendo e se pondo
Todo dia por trás do morro;
Eu vi a morte de gorro,
Mas acordei e me benzi…
Ano passado eu morri,
Mas esse ano eu não morro.

DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

ROGANDO EM GEMEDEIRA

Deus me livre desse mal
Inda tenho tanta vida
Trago meu sorriso largo
Alguém me chama querida
Eu não quero ir agora
Ai, ai, ui, ui,
Ô meu pai me dê guarida.

Quero viver utopias
Tenho tanto amor pra dar
No calor da minha rede
Inda quero me embalar
Mesmo no outono da vida
Ai, ai, ui, ui,
Vejo meu sonho brotar.

Quero meus dias brejeiros
As noites de cantoria
Com viola e lua cheia
Deus do céu me alumia
Salve todos do naufrágio
Ai, ai, ui, ui,
Nos poupe dessa agonia.

Faço prece pra Maria
Faço prece pra Jesus
Peço a Deus onipotente
Aquele que nos conduz
Que tire dos nossos ombros
Ai, ai, ui, ui,
Essa tão pesada cruz.

DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

A DAMA-DA-NOITE

Foto desta colunista

Tão plena em sua brancura
Tendo o vento como açoite
Ontem a dama-da-noite
Abrolhou com formosura
Encantamento em fartura
Exibiu na ocasião
Vem provocando paixão
E realmente me apraz
Tão bonita, mas fugaz
Essa Dama em explosão.