CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

SPOCK LEE – NEW CASTLE, DELAWARE-US

Prezado Berto,

Saudações Fubânicas a Comunidade JBF pelo Dia de São João!!!

Tenho a ingrata satisfacção de compartilhar-vos consigos mesmo, um imperdível eventu, capaz de arrombar de vez a tabaca da Xolinha e deixar o furico compenetrado dos pettrallas latejando de lisonja!!!

O Núcleo de Evagélicos do PT promove no dia 26 de junho, a partir das 10h, o debate (massacre) “Os Evangélicos e os desafios do Plano de Transformação e Reconstrução do Brasil”, com transmissão ao vivo pelo canal da Fundação Perseu Abramo no Youtube e pelo perfil da instituição no Facebook.

O evento será aberto pela presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffman, e mediado (pasmem!!!) por Cricielle Aguira Muniz, evangélica, secretária de Estado do Maranhão e integrante da Direção Nacional do PT.

Gostaria de contar com o insofismável e sincero comentário de Voça Autarquia (e demais leitores fubânicos) sobre a participação ou não em evento de tal monta, se possível esclarecendo o que significa o termo “Núcleo dos Evangélicos do PT (NEPT)”

R.S.V.P.

P.S. VOTÊ!!!!… Já estou preparando suco de maracujá adoçado com rapadura… está cada vez mais difícil lidar com a maléfica e incansável criatividade desses seres trevosos!!!

R. Meu caro, você já resumiu tudo: esse é o tipo de evento capaz de arrombar a tabaca de Xolinha!!!

Minha Autarquia nada mais tem a dizer ou comentar.

Vou apenas pedir a opinião do Pastor Silas Malafaia sobre esta ocorrência surrealista que vai acontecer depois de amanhã.

O fato é que os ateus zisquerdóides-comuno-sócio-petralhas são de uma devoção exemplar, pois tanto rezam e comungam num templo católico como também participam de um evento num ambiente evangélico avermêiado.

Essa tal “plano de transformação e reconstrução do Brasil”, que será levado a efeito por este time que consta do cartaz que vocês nos mandou, não arromba apenas a tabaca da coitada da Xolinha, mas também deixa em pandarecos o furico de nossa estimada cachorra.

Coitada da bichinha.  

Que esses tabacudos recebam no lombo as merecidas lapadas do chicote de Satanás!!!

E que nós tenhamos um Feliz Dia de São João!!!

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

NECY MONTEIRO – PETROLINA-PE

Prezado editor:

Meu marido já me falou que este jornal é um espaço democrático e que publica de tudo.

Então tomo a liberdade de enviar este vídeo que está em anexo.

Pergunto: pode ser publicado?

Meus parabéns pelo sucesso do blog e meus votos de um Feliz São João!

Um grande abraço.

R. Minha cara, seu marido acertou em cheio.

Esta gazeta escrota realmente publica tudo que os leitores mandam pra cá.

Sem qualquer restrição.

E ainda tem o espaço dos comentários, sem moderação ou censura.

Qualquer um pode baixar a lenha em quem bem entender.

Ainda hoje dois leitores se pegaram no cacete, um atacando e o outro defendendo Bolsonaro.

Eu só gostaria de ressaltar que este vídeo que você nos mandou é uma paródia de uma composição muito conhecida.

Uma composição intitulada Tareco & Mariola, de autoria do pernambucano de Caruaru Petrúcio Amorim, cantor e compositor de grande talento.

Esta música foi gravada pelo artista paraibano Flávio José, uma das mais belas vozes do cancioneiro nordestino da atualidade.

De modo que vou tomar a liberdade de publicar, logo após a paródia que você nos mandou, o vídeo com a gravação original.

Disponha sempre e mande as ordens.

Vocês leitores são a força que mantém esta gazeta escrota nos ares.

Um grande abraço pro estimado casal junto com os votos de um Feliz São João! 

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

VIOLANTE PIMENTEL – NATAL-RN

UMA SAUDADE COM CHEIRO DE “SÃO JOÃO”

Sonho sempre com Nova-Cruz, e de ontem para hoje o meu sonho teve cheiro de “SÃO JOÃO”. Vi a Praça Barão do Rio Branco transformada em um corredor de fogueiras. Do lado da nossa casa, as fogueiras maiores e mais bonitas eram as de Seu José Henrique e Dona Eugênia, e a de Seu Manoel Silvério e Dona Conceição. Todas as casas tinham a sua fogueira.

Meu pai ornamentava o terraço da nossa casa com lanternas coloridas, enquanto minha mãe preparava a mesa com iguarias deliciosas, típicas dessa época do ano. Não faltavam canjica, pamonha, milho cozido e pé-de-moleque. O maior destaque viria em seguida: O milho assado na fogueira de São João. Isso encantava minha alma de criança.

É fim de tarde. Está na hora de acender a fogueira.

A notícia de que o fogo havia pegado e a fogueira estava acesa era sinal de Sorte, recebida com alegria por crianças e adultos. O cheiro de lenha queimando inundava o ar. A fumaça da fogueira fazia chorar. Mas eram lágrimas misturadas com sorrisos. Lágrimas de felicidade.

A noite de São João era uma festa! E a alegria era contagiante. Não havia luz elétrica e os balões eram permitidos, sem qualquer perigo.

As lembranças doem dentro de mim. Trago na memória bandeirinhas tremulando, fogueiras acesas e o céu iluminado por estrelas e luar. Todos os corações estavam em festa. Era o nascimento de São João Batista, primo de Jesus Cristo. Os fogos, bandeirinhas e lanternas coloridas completavam o cenário da história do nascimento de São João Batista, o dono da festa.

A fogueira aquecia e iluminava a nossa alma. E o sereno era o bálsamo que caía sobre as famílias que enchiam as calçadas, nessa noite de magia.

Hoje, ao recordar o antigo São João de Nova-Cruz, meus olhos ficam molhados de saudade…

Saudade de Nova-Cruz, da antiga paz que existia na cidade, e do meu porto seguro, Dona Lia e Seu Francisco.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JACOB FORTES – BRASÍLIA-DF

QUEM É O DONO DO CURRÍCULO?

Nascimento: 24 de junho de 1898. (Serra da Colônia, Município de Afogados da Ingazeira, Estado de Pernambuco).

Falecimento: 04 de dezembro de 1970, Garanhuns/PE.

Aos oito anos, trabalhando com os pais, os camponeses Henrique Bezerra da Silva e Marcolina Bezerra da Silva, aprendera a manejar armas com um parente.

Aos quatorze anos, depois de moído por uma edificante sova de relho, aplicada pelo pai por contravir ordens de não se inclinar para as bandas de uma moça, desertou para a capital, Recife.

Tempos depois, 1919, alicerçado de algum estudo, ingressou na Polícia Militar de Alagoas onde permaneceu por mais de trinta e cinco anos. Ainda jovem, assustou a todos do seu chão natalício matando uma onça que dizimava os animais. Isso lhe rendeu gordas prendas por parte dos criadores da região.

Essas breves citações referem-se à pessoa de João Bezerra da Silva que, em julho de 1938, ainda tenente, deu cabo do cangaceiro Lampião e seus sequazes, em combate mortífero travado na Grota de Angicos, atual município de Poço Redondo, estado de Sergipe.

Com uma Folha de Serviços apinhada de elogios, promoções, condecorações e atos de inexcedível coragem, além de delegatário em doze cidades, e interventor de Piranhas, fora recebido e condecorado pelo então Presidente Getúlio Vargas, no Palácio do Catete, Rio de Janeiro, 1938, ocasião em que o mandatário brasileiro estadeou, orgulhosamente, para a imprensa nacional e internacional, a pessoa do destemeroso tenente João Bezerra. Na sequência, o homenageado fora convidado pelo Presidente Vargas para um churrasco na sua casa de campo, Petrópolis, RJ.

Curiosidades:

a) quando ainda soldado, numa missão, parou numa casa para pedir água ao que foi atendido por uma linda menina que brincava de boneca à porta: Cyra Gomes de Britto, 1935 -1970. Tempos depois Cyra tornou-se a amada esposa de João Bezerra;

b) por encontrar-se longo tempo em missão de rastejar o banditismo nas longínquas caatingas, veio a conhecer a sua primeira filha somente quando esta tinha vários meses de nascida.

Lázaro, o matador que vem aterrorizando comunidades do estado de Goiás, instou-me a estes lampejos de história com os quais ponho em relevo e exalto a figura desse heroico legionário, João Bezerra, de olhos claros, o xerife da volante que exterminou o bando nômade e sanguinário, embora os escritores de esquerda prefiram enfatizar as façanhas dos cangaceiros ao invés de enaltecer o trabalho árduo dos valorosos militares que arriscaram suas vidas para combater as hordas facinorosas que infligiam agruras às comunidades pacatas, indefesas.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JACOB FORTES – BRASÍLIA-DF

HILARIDADE DOS APELIDOS

Quando se fala em apelido logo acorre à mente a cabroeira de Lampião, o Rei do Cangaço. É na horda bárbara que vamos encontrar pitorescos apodos. Os cangaceiros eram tratados, invariavelmente, pelas suas alcunhas; algumas picarescas, outras virulentas.

Essas alcunhas exprimiam: características pessoais, habilidades, tamanho da crueldade, coragem, vingança, fatos biográficos, vida de aventura ou elementos telúricos.

Porém, havia os que recusavam esses subterfúgios; bradavam com valentia os seus nomes verdadeiros para ofuscar o apelido.

Dentre as dezenas de apodos, de singular extravagância nominativa, tem-se: Cobra Preta; Bagaço; Besta Fera; Caninana; Corisco; Bicheiro; Cachimbo; Café Chique; Cansanção; Tempestade; Chico Caixão; Cravo Roxo; Devoção; Fiapo; Fura Moita; Bacalhau; Jararaca; Labareda; Latada; Mansidão; Mão-de-Grelha; Pancada; Pilão Deitado; Quinta-Feira; Rajado;; Ventania; Volta Seca, Anjo Novo; e por aí além.

Que tal transplantar para os políticos corruptos o critério adotado por Lampião, apodá-los consoante as suas características, seus perfis, seus protagonismos, como, aliás, procedeu a Odebrecht?

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JOÃO VEIGA – RECIFE-PE

Os artigos sobre a eficiência do tratamento medicamentoso para o Covid-19 “pipocam” em revistas científica em todo mundo.

Senado dos USA já se pronuncia sobre “genocídio da OMS, China e órgãos de imprensa pagos pelo governo chinês para “demonizar” quem prescreve e combater a prática do tratamento medicamentoso”.

Os dois colegas médicos, desrespeitados pelos senadores que comandam a CPI, um deles, o formado em medicina, Humberto Costa, provaram que tratar esses pacientes é salvar vidas baseado em evidências científicas.

Nós médicos salvamos muita gente.

Médicos como Gustavo Carvalho e Antonio Aguiar Filho, Eduardo Jerônimo são RESPONSÁVEIS, por milhares de vidas salvas, inclusive a minha – já vacinado com a segunda dose da CoronaVac, e peguei a virose na forma grave.

Esquerdistas e médicos que orientam “vá pra casa e volte quando cansar” não comemorem as vidas ceifadas pelo Covid-19.

Lamentem, médicos, a covardia de não tratar pessoas doentes.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

MAURO PEREIRA – ITAPEVA-SP

BANÂNIA REVERENCIA SEU ETERNO PRESIDENTE!

Apesar de ter sido defenestrado do poder pelo voto popular em 2018, às vezes eu ainda me pego a reclamar de algum deslize inocente ocorrido durante o governo do PT e, então, me dou conta de até aonde pode chegar a canalhice, a ingratidão e o egoísmo do ser humano. Muito constrangido, confesso, sou obrigado a reconhecer que minha figura inexpressiva é prova cabal de que o maior defeito do ser humano é ser humano.

Nós não podemos permitir que a leviandade e o mau-caratismo se apossem de nossas almas e nos façam olvidar o caos ao qual estávamos submetidos até o final do século 20. Era uma época sofrida em que as trevas cobriam com seu manto escuro e assustador os horizontes de todo os quadrantes da nossa querida e amada República Federativa de Banânia. Éramos vítimas da corrupção, da busca do poder a qualquer custo e do desrespeito à constituição.

Nossa gratidão será eterna ao todo poderoso que, no limiar do novo milênio, nos enviou aquele que veio para nos redimir e livrar Banânia da escuridão que a martirizava e a mantinha refém do atraso e do subdesenvolvimento. A partir daqueles dias sagrados deu-se a luz e a paz e a harmonia se fizeram prevalecer, sem contar o extraordinário desenvolvimento experimentado pelo nosso país, reacendendo nos corações dos bananieros o sentimento de felicidade, há muito esquecido. Toda essa comoção coletiva só foi possível graças a ação da divindade que nos foi enviada pelos deuses: o nosso eterno presidente!

Sob a sua batuta, tivemos a oportunidade singular de apreciar estupenda transformação. Sob sua sabedoria abaixo de qualquer suspeita, recuperamos nossa cidadania vilipendiada e assistimos o apreço à democracia e à constituição ser regenerado. Jamaisznahistóriadestepaiz se registrou uma administração tão transparente e inimiga visceral da corrupção. Damos graças aos céus por ter nos concedido o privilégio de termos, somente para nós, o nosso eterno presidente!

Nascido da vontade divina, veio ao mundo na periferia de uma das cidades que compõem o cenário riquíssimo e pra lá de desenvolvido do nordeste de Banânia. Porém, concebido para ser humilde, nasceu em uma casa de pau-a-pique, confortavelmente acomodado em uma caixa de água mineral da marca Ypióca Ouro – Tipo Exportação -, que lhe serviu de berço. A apoteose daquele momento encantado manifestou-se na devoção de um bode, dois jegues e três porquinhos de propriedade de uma comadre de sua mãe. Guiados por uma estrela branca com o rabo vermelho, treze reis pagos atravessaram o país para testemunharem o acontecimento, completando o cenário divinal.

Cercado pelos carinhos da mãe, que era imaculadamente analfabeta, e dos mimos do pai, caboclo conformado que tinha como profissão a serraria – serrava cigarro dos irmãos, cachaça dos parentes e ambos dos vizinhos -, logo se destacou entre as demais crianças. De inteligência diferenciada, aos dez anos já era respeitado na arte da bebedeira e preparava, sozinho, o seu rabo de galo manipulando com destreza inimaginável para a idade, que era pouca, as garrafas de 51, Velho Barreiro e Cinzano ávido por curar a ressaca, que era muita.

Quando jovem, inconformado com a trairagem dos cabras safados dos seus irmãos que estavam vendendo no mercado negro seu estoque de manguaça, deitou o chicote na cambada e os expulsou de casa. Ali por volta dos seus trinta e poucos anos, zangou-se com uns senhores sulistas de alta patente que estavam de saco cheio de brincar de governar e transformou-se em sólida liderança trabalhista. A partir dali, nunca mais pisou no chão de uma fábrica, pois estava sendo preparado pelo onipotente para exercer sua divindade que, embora temporariamente fora do poder tem, nos tem liderado com todo zelo e amor ao longo desses últimos quase vinte anos. Orgulhemo-nos, pois, bananieros. Este é o nosso eterno presidente!

Morram de inveja noruegueses, dinamarqueses, alemães e outros povos menos afortunados. Sufoquem nas lágrimas acre da desilusão a triste condição de miseráveis e analfabetos que os persegue e procurem sobreviver, da melhor maneira possível, no lodaçal que sufoca essas republiquetas terceiromundistas paupérrimas e corruptas.

Estamos atentos para rechaçar qualquer manobra rasteira visando cooptar nossa divindade. Não cogitem, sequer, da possibilidade de se enveredarem pelos caminhos da espiritualidade, pois seria uma jornada vã e fadada ao fracasso. Nem mesmo poderosas mandingas e oferendas ministradas pelo mais poderoso pai-de-santo de vocês seriam suficientes para o espírito coruscante do nosso eterno presidente tragar. Ele é intragável!

Cedê-lo em comodato mas nem em sonho, pois a mais tênue suposição de ficarmos um dia que seja sem sua proteção nos causa pânico. Além do mais, nosso eterno presidente não é um enviado qualquer e as estruturas combalidas de suas nações falidas não seriam suficientes para suportá-lo. Ele é insuportável!

Tirem o “zóião” grande de cima dele, brancaiada ignara. Não estamos dispostos a dividir sua luz e sua divindade. Perderam arianaiada indecente. Definitivamente, não! Emprestá-lo, então, nem sob tortura.

Nosso eterno presidente é imprestável!

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

NACINHA – CUIABÁ-MT

Prezado editor e senhores leitores,

Sabe aquele arrependimento por ter votado em Bolsonaro?

Nunca tive. Nunca mesmo.

KKKKK

Vou votar nele de novo no ano que vem.

Agora vamos deixar a política de lado.

Vou dar uma dica de português.

A diferença entre sela com “s” e cela com “c”.

Vejam qual é: