CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

CARMEM LÚCIA TELLES – FEIRA DE SANTANA-BA

Caro Editor,

Esse sujeito não tem jeito.

É um caso perdido mesmo:

Vou votar nele novamente em 2022 pra ver se ele aprende a não falar mais palavrões.

E que aprenda a roubar como Lula.

Minhas cordiais saudações baianas!

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

BOAVENTURA BONFIM – FORTALEZA-CE

Caro Berto,

Envio-lhe dois discursos proferidos, em momento de raiva, por pessoas diferentes e em dias distintos.

É arqui-sabido que existe uma nítida diferença entre a fala de um ser humano que lê, e a fala de um ser humano indigente de leitura, principalmente diante da adversidade.

O ser humano que lê, isto é, o ser humano culto, transforma seu discurso raivoso em sublime poesia.

O ser humano que não lê, isto é, o ser humano indigente de leitura, transforma seu discurso raivoso em deprimente chularia.

Um forte abraço,

Vejamos:

1º) Discurso, sob raiva, de um homem que lê:

2º) Discurso, sob raiva, de um homem que não lê:

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

XICO BIZERRA – JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE

Meu Papa,

com pesar tomei conhecimento, hoje, da “viagem” para o outro lado da vida de Dona Maria Lia, mãe do colunista deste JBF, José Paulo Cavalcanti, no sábado que passou.

Tristes os amigos e parentes, toda a sociedade pernambucana também sentirá a sua falta.

O céu, por outro lado, estará mais iluminado a partir de agora com a chegada por lá de Dona Maria Lia.

R. Meu caro Xico Bizerra, assim como você, José Paulo também está na minha lista de amigos do zap, com quais estou sempre em contato.

Pois ontem, domingo pela manhã, mandei uma mensagem pra ele e Dona Maria Lectícia.

Veja que triste coincidência, conforme está registrado aqui no meu celular, a mensagem que mandei e a resposta que ele me deu:

Fiquei abalado, consternado com o encantamento de Dona Maria Lia, uma figura pela qual eu tenho uma grande estima.

Desde ontem que eu estava tentando redigir, e não conseguia, uma postagem sobre esta notícia triste, até que recebi esta sua mensagem, meu caro Xico.

E estou agora falando sobre o assunto.

Conheci Dona Maria Lia num encontro festivo, o aniversário de José Paulo. Conversamos, trocamos ideias e, de imediato, fiquei fascinado por aquela figura humana fantástica e bela.

Na ocasião, ela autografou pra mim um exemplo do seu excelente livro Recordar é Viver, composto por crônicas, poemas e fotos, tudo reunido numa obra de leitura cativante.

Um volume cujos onze capítulos vou reler esta semana.

O jornal Folha PE, edição de ontem, domingo, publicou esta matéria:

Descanse em paz, Dona Maria Lia.

E, daí do infinito, vele por todos nós.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JACOB FORTES – BRASÍLIA-DF

DUPLA SERVENTIA

A pandemia que serviu de motivo para conceder livramento a criminosos, estupradores e outros celerados, também serviu para algemar e encarcerar inofensivas senhoras, e outros cidadãos brasileiros que transitavam por ruas ou logradouros.

Este insignificante detalhe ocorreu não exatamente em território de Adolfo Hitler ou de Saddam Hussein, mas em chão do “Brasil brasileiro, Terra de samba e pandeiro”.

Tamanho desatino não poderia causar outro sentimento senão o do assombro e da perplexidade.

É só impressão ou alguém está agindo sob o delírio da febre?

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

MARA MONTEZUMA ASSAF – SÃO PAULO-SP

PASSOU DOS LIMITES

O inconformismo de alguns ministros do STF contra Bolsonaro começou no dia mesmo de sua posse quando a ministra Rosa Weber, ao invés de dar-lhe as boas vindas, arengou soturnamente sobre a defesa dos direitos humanos, como se a simples vitória de Bolsonaro já se caracterizasse como um atentado aos mesmos.

O tempo passou e as coisas pioraram.

O ápice desta revolta contra o presidente se materializou ontem quando o ministro decano Celso de Mello enviou à PGR pedido para apreender o celular de Bolsonaro.

Que bom que ele fez isso, deixando clara a interferência do STF nos outros poderes, além do achincalhe que estes togados estão a cometer contra o presidente constituído, a falta de respeito com a liturgia do cargo, enfim, desfraldando a toga rasgada e esfiapada da justiça deste país para quem quiser ver.

Uma overdose de ideologia, partidarismo e repulsa pela figura do presidente levou este ministro, no afã de atingi-lo, a atentar contra a própria Constituição .

O general Heleno mandou um recadinho do tipo: tamanha falta de respeito vai ter consequência desagradável, aguarde!

O grande juiz Ives Gandra, quando fala da garantia da lei e da ordem, fala exatamente da obrigação, numa democracia, de cada poder ficar contido dentro de seus limites.

E em caso de conflito entre os poderes, quem define os pingos nos is não é o Judiciário, mas as Forças Armadas.

Para bom entendedor uma palavra bem dita é uma enciclopédia!

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

ENESIDEMO CRATES – FLORIANÓPOLIS-SC

A REUNIÃO MINISTERIAL E A ATRAÇÃO DO BRASILEIRO PELA BRUTALIDADE

Reflito sobre a discussão que surgiu com a divulgação do vídeo da reunião do Presidente da República com seus ministros.

Sim, essa mesma, na qual Bolsonaro diz um monte de palavrões e demonstra estar praticamente sem paciência com as amarras impostas ao Presidente da República pelo Estado Democrático de Direito.

Nada tenho a dizer quanto ao fato de o tal vídeo ter sido exposto publicamente. Não tem como as pessoas “desvirem” o vídeo, então, qualquer discussão a esse respeito ficou inútil.

Mas… afinal, Bolsonaro ganha ou perde com a divulgação do vídeo?

Alguns fatos do passado recente indicam que o brasileiro tem uma tendência a gostar de quem fala alto, bate o pé, dá murro na mesa.

Fernando Collor bradava que tinha aquilo roxo e caçaria os marajás. Tornou-se o queridinho da mídia e elegeu-se Presidente da República.

O próprio Lula, que se elegeu presidente depois de virar Lulinha Paz e Amor, ganhou notoriedade falando grosso e dizendo – lá nos anos 1990 – que o Congresso Nacional tinha uns 300 picaretas.

Dilma Rousseff deixou de ser uma burocrata obscura para se tornar presidenciável após calar Agripino Maia com uma resposta dura no Congresso Nacional. E prosseguiu com seu jeito pouco sutil para consolidar a fama de “gerentona”.

Joaquim Barbosa ganhou popularidade no mensalão, não apenas por ser relator do processo que condenou lideranças políticas, mas também pela indelicadeza com que tratava colegas de plenário. Especialmente o comedido Ricardo Lewandowski.

Depois que deixou o Supremo, parou de dar chiliques e foi rapidamente encaminhado ao arquivo do esquecimento.

Desnecessário falar dos inúmeros apresentadores de programas policiais que se elegem tendo como plataforma eleitoral os berros que davam na TV, prometendo ser duro com bandidos.

Vamos direto a Bolsonaro. Mesmo empurrado pelo antipetismo, talvez jamais tivesse chegado onde chegou se não fosse a figura explosiva que é. Pôde-se falar o que quiser de Bolsonaro, mas não que ele tenha ocultado o comportamento que exibe atualmente.

Ou seja, o brasileiro tem essa tendência a gostar de quem ganha no grito.

Como as regras sempre têm exceções, talvez Ciro Gomes e Sergio Moro sejam duas delas. O primeiro tenta ganhar popularidade com esse método da brutalidade, mas alguma coisa sempre dá errado; o segundo ganhou popularidade sendo duro, não no discurso, mas em suas decisões judiciais.

Mesmo nesses dois casos, porém, Ciro sempre ganha algum espaço na mídia com suas bravatas. Enquanto isso, Moro perdeu muito depois que se mostrou contido na política.

Ou seja, exceção mesmo, só o Fernando Henrique Cardoso, que se elegeu presidente duas vezes, com o jeitão vaselina que mantém até hoje.

Tudo isso me faz crer que Bolsonaro se fortalece com a divulgação do vídeo da reunião. Muita gente, mas muita gente mesmo, achou linda a postura do Presidente. Para essas pessoas, que não são poucas, os palavrões pronunciados por Bolsonaro soam como música.

Aliás, se as reuniões ministeriais forem sempre assim, o presidente já pode pensar em transmitir todas do vivo, pela internet.

Tem tudo para elevar seus índices de popularidade.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

MARCOS ANDRÉ – RECIFE-PE

Aparelhamento do judiciário

No twitter de Roberto Jefferson

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JOÃO ARAÚJO – MUNIQUE – ALEMANHA

Saudações Poéticas, caro amigo Luiz Berto,

Envio-lhe o Episódio-2 sobre o grande poeta violeiro Pinto do Monteiro.

Aqui é mostrado como ele arranjou uma SAÍDA GENIAL numa rapidez da gôta para um MOTE INESPERADO e muito DIFÍCIL. Ficou parecendo Poesia Surrealista. Imperdível!

Vídeo pertencente à Série Mestres da Poesia: grandes repentistas, poetas, violeiros.

E para os leitores que quiserem acessar gratuitamente o link de inscrição no meu canal é só clicar aqui

Obrigado, forte abraço e até a próxima declamação.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

SANCHO PANÇA – SÃO BERNARDO DO CAMPO-SP

Panem et circenses, que siga el espectáculo.

– Onde está meu crachá de velhote fundador do Clube do Coronapânico ¿Cuándo levantan la cuarentena? Não mais quarentena… Se depender do governador teremos a quarETERNA? El día de la marmota… Groundhog Day (O Feitiço do Tempo).

A história se passa em qualquer cidade do mundo atual, em que TODOS NÓS personificamos um cidadão, que é escalado por nossos (des)governantes para a cobertura da própria, inacabável e TEDIOSA QUARENTENA, POIS ficamos presos numa armadilha temporal, que nos faz reviver o mesmo dia vezes sem fim.

Embora no começo aproveitemos a repetição, para fugir do chefe chato, da escola mais chata, ainda, do trânsito, da poluição, dos compromissos, acabamos ficando cansados em ter de sucessivamente acordar, diariamente, ao som de I Got You Babe de Sonny & Cher, em um longo e tedioso processo repetitivo, e haja repetição, que a cada intervenção do des(governante), sinto seu przer (?) em adiar para o próximo mês o fim, que um mês depois será novamente adiado e adiado e adiado.

Más dos meses de empezada la cuarentena, los días se parecen entre sí de una forma extraña.

“Óhh!, Raiush… – Juaquim, ao escorregaire em uma b’nana. (Frase extraída do livro “Humor e Humorismo – Paródias”, Editora Brasiliense – São Paulo, 1961, pág. 312.)

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

LINDALVA FONTANA – ARAGUARI-MG

Nobre Editor Luiz Berto:

Seria possível publicar o vídeo anexo neste jornal democrático?

Acho que os leitores irão gostar e também opinar.

Meus parabéns pelo sucesso juntamente com os meus agradecimentos.

R. Cara leitora, nesta bodega quem manda é o freguês.

Vocês leitores é que dão as ordens e que mandam no estabelecimento.

O vídeo que você nos mandou está logo a seguir.

Abraços e bom final de semana.