DEU NO JORNAL

O ÍDOLO DOS BANDIDOS DA REPÚBLICA DE BANÂNIA

O ministro Gilmar Mendes, que é o membro do STF que mais manda libertar políticos presos, mandou soltar o secretário estadual dos Transportes do governo de São Paulo, Alexandre Baldy.

Gilmar contrariou decisões do juiz federal Marcelo Bretas e do próprio TRF2 do Rio.

Ontem, pouco antes da decisão do ministro, a Justiça Federal do Rio de Janeiro tinha negado pedido de soltura do secretário Alexandre Baldy.

O político foi preso na quinta (6) por prática de fraudes em contratos da área de saúde.

Alexandre Baldy deixou o prédio da Polícia Federal, na Lapa, por volta de 2h45 deste sábado (8).

* * *

O corrupto não esperou nem o dia amanhecer: saiu correndo da cadeia hoje de madrugada.

Daqui pra frente o nome de Gilmar não será mais Gilmar Boca-de-Buceta.

“Manda Soltar” foi incorporado ao sobrenome do ídolo dos ladrões deste país cheio de ladroagens.

Ficará assim:

Vossa Solturessência, o Dr. Gilmar Mendes Manda Soltar.

Num tá lindo???!!!

Gilmar tá soltando mais bandidos do que peidos durante as sessões no supremo cabaré da Praça dos 3 Poderes.

DEU NO JORNAL

TOCAR A VIDA É NECESSÁRIO

Rodrigo Constantino

O presidente Jair Bolsonaro disse que mortes por outras causas estão sendo registradas como provocadas pela Covid-19 no Brasil e que, nesses casos, os médicos “poupam autópsias”.

“A pessoa está em situação complicada, vem a falecer e o pessoal mete Covid. Não é uma regra isso, mas é em alguns casos, o médico poupa uma autópsia. Alguns casos têm chegado ao conhecimento da gente. Não vou dizer que são fontes confiáveis, mas vou dizer que chega ao conhecimento”, disse ele em live transmitida pelo seu Facebook, nesta quinta-feira.

“Alguns governadores, não sei com qual interesse, encaminham nesse sentido”, completou. Sobre o avanço da doença, o presidente da República afirmou: “Estamos chegando ao número de 100 mil [mortes]; vamos tocar a vida”. Nesta quinta, o país chegou a 98.493 mortes em decorrência da pandemia conforme dados do Ministério da Saúde; os infectados são quase 3 milhões.

A fala do presidente gerou reação esperada naqueles que tentam pinta-lo como basicamente o responsável pela pandemia e pelas mortes. É legítimo achar que Bolsonaro não demonstrou sensibilidade suficiente nessa crise, desde o começo. Mas há também muitos oportunistas tentando distorcer tudo o que ele diz, para acusa-lo de “sociopata” ou mesmo “genocida”, o que é bizarro.

Gosto de lógica, da aristotélica mesmo. Então, vamos lá: a alternativa para “vamos tocar a vida” é… “não vamos tocar a vida”. Ou seja, a paralisação, a imobilização, a histeria e o pânico na inação. Pergunto: e você, caro leitor, está tocando sua vida hoje? Ou está paralisado, paradinho, imóvel quase sem respirar?

Ora, morrem todo ano mais de um milhão de brasileiros. Cerca de 60 mil só por homicídios, fora inúmeras doenças. Claro que uma pandemia choca, mas, em que pese a suspeita legítima do presidente com algum tipo de exagero ou fraude, as pessoas precisam sim tocar suas vidas, ainda mais os autônomos que dependem da batalha diária para sobreviver.

O Poder360 publicou um texto, no começo da pandemia, com as causas de mortes no Brasil e nos EUA, e fica claro que já morrem todos os anos dezenas de milhares por doenças cardíacas e respiratórias. Isso não é banalizar as mortes por coronavírus, óbvio, mas entender que não há alternativa para “tocar a vida”, e o risco é parte inexorável da vida.

É impossível acompanhar a postura dos detratores do presidente e não concluir, com o mestre Fiúza, que a turma aderiu à Seita da Terra Parada. O oportunismo salta aos olhos. Não se trata de empatia humanitária genuína, mas de um jogo político sujo, de uma narrativa que tenta desgastar o presidente.

Fizeram uma celeuma quando o número de mortes bateu em 50 mil, e podemos esperar nova rodada agora com 100 mil (sendo que o tal “cientista” da patota falava em mais de dois milhões de mortes!). São abutres que dançam sobre o caixão das pessoas, objetivando colher dividendos políticos. É bem mais podre do que qualquer fala “desastrada” de Bolsonaro.

DEU NO JORNAL

NO OLHO DO FURICO DO BANDIDO

As redes sociais e emissoras de TV viralizaram o vídeo a seguir, porque ele flagrou o secretário-executivo do ministério das Comunicações, Sérgio Wajgarten, que também é chefe da Secom de Bolsonaro, no momento em que prende o ladrão que tentou assaltá-lo diante da casa do seu pai, São Paulo.

Foi anteontem, quinta-feira.

Armado, Sérgio reagiu, perseguiu o criminoso e imobilizou-o até a chegada da Polícia.

* * *

Este fato deve ser divulgado amplamente.

A publicidade é muito importante por uma razão:

Matar de raiva os tabacudos zisquerdóides, os babacas que militam em favor dos Direitos dos Manos e os descerebrados que adoram bandidos, os “excluídos pela burguesia capitalista”.

Gente da laia da petralha Maria do Rosário.

Neste caso, o CPF do bandido não chegou a ser cancelado, mas já valeu a pena ter tomado no olho do furico em sua frustrada tentativa de assaltar um cidadão no meio da rua.

O Secretário Sérgio Wajgarten, que tem porte de armas, merece os cumprimentos de todos os cidadãos de bem deste país.

DEU NO JORNAL

DEU NO JORNAL

MAIS UM PROCEDIMENTO ABSURDO E ANTIÉTICO

O Presidente Bolsonaro esteve em São Vicente, no litoral paulista, nesta sexta-feira, onde recebeu o título de cidadão vicentino no 2º Batalhão de Infantaria e visitou a Ponte dos Barreiros.

Bolsonaro foi visto com nome do prefeito escrito na palma da mão.

Bolsonaro visitou São Vicente e foi visto com o nome do prefeito da cidade escrito na mão esquerda

* * *

Esta denúncia gravíssima – nome de um prefeito escrito na mão esquerda do presidente -, foi publicada ontem, sexta-feira, no G1, a página internética do jornal O Globo.

Este procedimento absurdo do primeira mandatário da nação merece uma investigação séria e profunda.

Os órgãos da grande imprensa do Brasil estão aguardando as determinações do STF para que seja feita uma apuração rigorosa do fato pela Polícia Federal.

DEU NO JORNAL

SUPREMAMENTE ASSESSORADOS

A maioria do plenário virtual do Supremo Tribunal Federal decidiu manter suspensas as operações da polícia em favelas do Rio de Janeiro.

De acordo com a liminar, a polícia só poderá entrar nas comunidades do Estado em casos excepcionais, com justificativa por escrito às autoridades competentes.

* * *

O crime organizado do Rio é tão organizado que tem até departamento jurídico em Brasília.

Os bandidos estão muito bem assessorados.

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!

DEU NO JORNAL

“VALE-TUDO” E “CONSEGUE O QUE QUER”

O suposto dossiê sobre servidores militantes de partidos de oposição, atribuído ao Ministério da Justiça, já estaria no campo das “fake news” se o “vale-tudo” não estivesse em vigor, no Supremo Tribunal Federal.

Com base em uma notícia, e sem prova de violação de preceito fundamental, como manda a lei, o partido Rede ingressou com Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) que deveria ter sido arquivada.

Mas o Rede sempre consegue o que quer no âmbito do STF.

O STF fechou os olhos ao fato de o Rede não haver oferecido prova da violação, na Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF).

A ministra Cármen Lúcia impôs prazo de 48 horas para que o ministro da Justiça explicasse notícia de um site sobre uma acusação sem provas.

Há uma lei (nº 9.882/99) que condiciona qualquer ADPF a apresentação de prova. Isso é especificado em seu art. 3º, incisos II e III.

A lei ignorada pelo STF determina que uma ADPF deve conter “indicação do ato questionado” e “prova da violação do preceito fundamental.”

* * *

Fiquei curioso com duas frases contidas nesta notícia aí de cima.

A primeira é esta aqui:

O Rede sempre consegue o que quer no âmbito do STF“.

A outra frase é esta:

“O vale-tudo está em vigor no STF”.

Acho que tô ficando meio leso…

Não entendi o que há por trás destas duas afirmações.

Peço ajuda aos antenados e bem informados leitores desta gazeta escrota.

Me digam-me que danado isto significa.

Enquanto aguardo, sugiro a vocês a leitura das duas matérias cujo título está abaixo.

É só clicar e acessar

Governo rechaça possibilidade de compartilhar relatório da Justiça com o STF

O STF não pode colocar em risco a Segurança Nacional

DEU NO JORNAL

PESQUISA FURADA: TÁ FALTANDO GENTE

Pesquisa PoderData mostra o presidente Jair Bolsonaro como líder isolado na intenção de votos para o 1º turno da disputa ao Planalto, em 2022.

É o favorito de 38% dos eleitores.

O 2º colocado, o ex-ministro Fernando Haddad (PT), é o escolhido de 14%.

A diferença entre o presidente e o petista é de 24 pontos percentuais. É maior que os 17 pontos percentuais que os separaram no 1º turno de 2018. Bolsonaro teve 46% dos votos. Haddad alcançou 29%.

O ex-ministro Sergio Moro (sem partido) aparece em 3º na corrida presidencial, com 10% de preferência.

O levantamento também incluiu Ciro Gomes (PDT), Luiz Henrique Mandetta (DEM), João Doria (PSDB) e Flávio Dino (PC do B).

Eis abaixo o resultado:

* * *

Essa pesquisa aí de cima circulou ontem por tudo quanto é canto na internet.

Já mandei mensagem pro PoderData lavrando o meu protesto.

Tá faltando o nome da minha candidata, Marina Silva.

Eu fui entrevistado para esta pesquisa e citei o nome dela.

E ela não consta da lista.

Certamente todos os números aí de cima estão furados.

Não aceito estes percentuais de modo algum!!!

“Sacanearam eu e o Editor. Sou a favorita absoluta”

DEU NO JORNAL

DEMOCRACIA MONICAL FOLHETÍFERA

A jornalista Mônica Bérgamo, Folha de São Paulo, usou seu Twitter ontem para pedir censura de um colega, no caso o jornalista Oswaldo Eustáquio.

Oswaldo Eustáquio foi parceiro do UOL, portal da Folha, onde trabalha Mônica.

Ela está furiosa por que o STF cassou os registros do jornalista nas redes sociais, mas ele continua publicando seus comentários e entrevistas, inclusive denúncias.

No Twitter, Mônica Bérgamo escreveu:

* * *

A bovina zisquerdelha apelou pra instância certa: o STF.

Falou em acabar com liberdade de imprensa e de opinião, o lugar certo pra se recorrer é àquela porra mesmo.

A luleira da cara lisa tá puta porque o colega continua “a mil no Twitter”, exercendo seu direito de opinar.

Esta é a ideia de “liberdade de imprensa” dessa canalhada jornalisteira que passa o dia peidando nas cadeiras das redações e cagando bosta fedorenta nos teclados dos computadores.

É este o conceito de democracia da grande mídia extremista.

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!

DEU NO JORNAL

RECEITA DO PREFEITO DOTÔ: OZONIO NO FURICO DO POVO


* * *

Este cidadão, Volnei Morastoni, prefeito da cidade de Itajaí, em Santa Catarina, virou celebridade depois da publicação deste vídeo aí de cima.

Tomou conta da internet, está em todas as redes, em todos os cantos.

Tornou-se notícia nacional e planetária.

Uma aplicação de ozônio, “via retal”, ou seja, no olho do toba, dois ou três minutinhos por dia.

Aplicação ligeira, rapidinha, de apenas dois minutos.

Com um “cateter fininho”, de modo que o bufante do munícipe não vai sentir nadinha, nadinha.

Pela receita do prefeito dotô, o cidadão irá tomar no rabo durante dez dias seguidos! Tomar ozônio, não custa nada ressaltar…

O leitor fubânico José Mauro, residente em Curitiba, me enviou uma foto mostrando o aparelho com o qual o burgomestre de Itajaí pretende injetar ozônio no fiofó dos contribuintes de sua terra.

Por uma questão de pudor, já que esta gazeta escrota é um lugar sério, um jornal puro e sem putarias, cortei a parte da baixo da foto, onde aparece o terminal da mangueira do extintor: uma pica com uma cabeça descomunal.

Vejam que armação da porra:

É só enfiar rabo a dentro e apertar o botão!!!

Depois que fui atrás da ficha desse prefeito, entendi perfeitamente esta terapia furical que ele está propondo.

O dotô prefeito atualmente é do MDB, mas começou sua brilhante carreira no PT.

Foi o fundador da quadrilha em sua cidade, no ano de 1980.

Ele foi filiado ao bando de Lula por 34 anos, e só saiu de lá em 2015.

Foi deputado estadual petralha por três mandatos e, em 2016, foi eleito prefeito de Itajaí já pelo seu novo bando, o PMDB.

Mas, como já sabemos, uma vez petista, para sempre petista.

É uma sina incurável.

Os vermêios-istrelados compõem uma raça de políticos que tem a tara de viver enfiando alguma coisa no boga do povão, seja um “cateter fininho” ou seja uma pajaraca bem grossa.