A PALAVRA DO EDITOR

A PALAVRA DO EDITOR

COMO TEM GENTE BESTA NO MUNDO

Nos últimos tempos, a quantidade diária de acessos a esta gazeta escrota tem subido um tanto a cada dia.

Tá só crescendo o número de leitores.

Num sei se é falta do que fazer, interesse por besteiras ou quarentena compulsória.

Saltamos da faixa dos habituais 4.000 e pulamos pra faixa de 5.000.

E aí, quando foi ontem, segunda-feira, dia 30, ultrapassamos a barreira dos 6.000 acessos!!!

Foram exatamente 6.297 acessos, conforme estatística do nosso hospedeiro.

Num é nada, num é nada e, no final das contas, num é merda nenhuma mesmo.

Mas prum jornal safado feito esse, editado artesanalmente, escrivinhado aqui no meu cantinho dentro de casa, assessorado por Chupicleide e protegido pelos mascotes Xolinha e Polodoro, é coisa pra cacete.

Chupicleide e Polodoro relincharam de alegria, enquanto Xolinha arreganhou a tabaca de tão feliz que ficou.

Gratíssimo a todos os viciados fubânicos!!!!

Vocês leitores são a força que mantém esta gazeta escrota avuando nos ares.

Leitor fubânico viciado, acessando o JBF no café da manhã

A PALAVRA DO EDITOR

TERRORISTAS MIDIÁTICOS

Coisa mesmo da grande imprensa bostífera deste país.

Médico fala ao vivo na CNN o que os jornalisteiros não queriam ouvir: que o Corona Virus não dissemina bem no calor

Monalisa Perrone, ex Globo, sussurra no meio da entrevista “corta” e o áudio vaza.

Em seguida interrompem a entrevista.

As boas notícias que o doutor estava dando não agradaram aos terroristas mídiáticos.

Uma vergonha indescritível, ao vivo e a cores.

A ordem na Globo, CNN, Veja, Estadão, Folha e outras bostas mais, é espalhar o terror e botar a culpa no governo.

Nada de divulgar esperanças ou boas novas.

A PALAVRA DO EDITOR

UMA DISPUTA ACIRRADA

O Instituto Data Besta informa os números finais da nossa última Enquete.

A disputa foi acirrada.

Quase que dava empate.

Este Editor agradece a todos os leitores que participaram e deram seu pitaco.

Uma excelente semana pra toda comunidade fubânica!!!

A PALAVRA DO EDITOR

O DATA BESTA QUER SABER

A enquete fubânica continua no ar e será encerrada amanhã.

O Instituto Data Besta quer saber a sua opinião.

A disputa entre os dois canalhas, Lula e Doria, está acirrada.

Vá aí do lado direito e dê seu pitaco.

Em qual dos dois a palavra “demagogo” melhor se encaixa?

A PALAVRA DO EDITOR

O HOMI TÁ CERTO!

Esse áudio foi gravado por um médico que está na linha de frente do Hospital Ronaldo Gazola, no Acari, Rio de Janeiro.

Acabei de receber de um leitor fubânico que é médico .

Prestem atenção em cada frase.

Sobretudo na revelação que ele faz no final, quando diz que já foi entrevistado várias vezes e que suas palavras nunca foram ao ar na televisão.

Pra grande mídia oposicionista zisquerdóide, o que interessa é gerar pânico e prejudicar o governo.

Vamos acabar com essa onda de terror e pessimismo.

E que tenhamos todos um excelente final de semana!

A PALAVRA DO EDITOR

O INSTITUTO DATA BESTA ESTÁ NA RUA

Informo ao distinto público desta gazeta escrota que uma nova Enquete do Instituto Data Besta está nos ares.

Vá aí do lado direito e cumpra seu dever de cidadão fubânico.

Dê seu pitaco e tenha um excelente final de semana!!!

Dicionário Aurélio:

Demagogo: Político inescrupuloso e hábil que se vale das paixões populares para fins ilícitos.

Em qual dos dois a palavra “demagogo” melhor se encaixa?

A PALAVRA DO EDITOR

XÔ, DESGRACISTAS ! ! !

Enquanto a gigante mídia (que está cada dia mais anã…) despeja desgraça e pessimismo durante as 24 do dia, esta gazeta escrota vai despejar um pouco de putaria.

Pra alegrar a nossa sexta-feira, levantar o astral e nos fazer esperar o final de semana com alegria e sorrisos.

A  blogueira Dada Coelho numa antiga entrevista no Programa Jô Soares:

A PALAVRA DO EDITOR

UMA MÚSICA INTRIGANTE

Em sua última postagem, intitulada “Uma Carta de Peraí“, o colunista fubânico Jessier Quirino conta de uma lembrança forte de sua infância.

A história de uma música, intitulada Mensagem, composta por Aldo Cabral e Cícero Nunes, que fala de uma carta. 

Uma carta que a destinatária não chega a abrir e, por conta disto, não toma conhecimento do teor da missiva.

Jessier fala sobre a curiosidade que tem, desde os tempos de infância, a respeito do que estava escrito na danada da carta, a ponto de chegar a compor um poema sobre o assunto, intitulado Uma Carta de Peraí.

Poema que está publicado num dos seus livros.

E este assunto me toca bem fundo, pois eu também trago esta mesma curiosidade desde os tempos de infância, quando me emocionei ao ver, pela primeira vez, Isaurinha Garcia cantando. Foi num filme nacional, um musical da Atlântida, que assisti no Cine Apolo, lá em Palmares.

Compartilho com os leitores fubânicos esta tocante composição, gravada em 1955, na doce e suavíssima voz de Isaurinha Garcia (1923-1993), uma talentosa paulistana.

Vou ouvir junto com vocês e vou passar o resto do dia pensando que danado poderia estar escrito nesta carta…

A PALAVRA DO EDITOR

DE QUARENTENA NA RUA

Tô saindo agora pra ir comprar abacaxi num supermercado aqui perto de onde moro.

Felizmente não ordenaram o fechamento desses estabelecimentos.

E depois vou passar na padaria pra comprar bolacha, pamonha, canjica e pão.

Sem abacaxi ou mamão, nas três refeições do dia, eu não consigo sobreviver.

Já a canjica e a pamonha são indispensáveis na janta.

Entendo e respeito quem segue a quarentena braba e não sai de casa de jeito nenhum. Cada um pensa dum jeito.

Mas eu não entro nesta onda de apavoramento que varre o país nem com a porra!

Tomo as medidas básicas e mínimas de precaução, recomendadas por quem entende do assunto, e sigo em frente, tocado normalmente minha rotina.

E, como já disse numa postagem que fiz esta semana, minha quarentena de preguiça, de coçar o saco e de tirar cochilo na rede, eu já cumpro há anos, desde que me aposentei no século passado.

Estou com o meu conterrâneo que foi entrevistado pela Globosta enquanto caminhava pela praia.

Estou com ele e não abro.

Vejam a estocada que ele deu no olho do furico do jornalisteiro: