RODRIGO CONSTANTINO

A HIPOCRISIA DA ESQUERDA “DEMOCRATA” E “PACIFISTA”

As cenas da invasão ao Capitólio nesta quarta foram lamentáveis, preocupantes e tristes. Os apoiadores de Trump têm todo direito de estarem indignados, há indícios de fraudes eleitorais e o jogo foi sujo, a começar pelo papel da mídia. Mas nada justifica invadir o Congresso e intimidar parlamentares. Essa “ucranização” desgasta ainda mais as instituições, por mais compreensível que seja a revolta popular.

Antes dessa invasão, porém, as cenas em Washington eram inspiradoras, de resistência pacífica, de alerta sobre os limites do poder do establishment. As ruas estavam tomadas por gente cansada de manipulação midiática, demonstrando que imprensa e democratas não podem tudo, pois nem todos são trouxas. A coisa degringolou no final, e forneceu o pretexto perfeito para os cínicos de sempre. E que show de cinismo!

Vimos vários conservadores e republicanos condenando a invasão do Capitólio, algo que nunca vimos na esquerda sobre black blocs, Antifa ou Black Lives Matter. Foi um bom dia para catalogar hipócritas: todos que estão externando seu horror aos acontecimentos em Washington, usando palavras como “terrorismo doméstico”, “fascistas” e “antidemocráticos”, mas que se calaram quando Antifa e BLM tocavam o terror no país, incendiando cidades, são canalhas.

E por falar em hipócritas e canalhas… Marcelo Freixo foi um dos que aproveitaram o momento para destilar hipocrisia. O partido do sujeito defende o ditador venezuelano, aplaude invasores comunistas, e agora manda essa, exigindo a prisão de Trump. Vamos prender quem convoca manifestação que acaba em desrespeito à lei e à ordem agora, é? Opa, gostei disso. Podemos aplicar geral?

Faltava o cínico-mor, o mais mentiroso de todos, o canalha dos canalhas, o bandido defensor de tiranos comunistas. Óbvio que Lula não ficaria de fora dessa malandragem tosca:

A esquerda é fofa, pacífica e democrática. Por isso Caetano Veloso, um de seus símbolos, defende professor stalinista e apoiava com essa imagem patética abaixo os black blocs. E jornalistas “sérios” e “liberais”, como Pedro Doria, querem chama-lo para o debate civilizado, até mesmo para uma… união!

Mas por que ficar nos plagiadores brasileiros? Vamos direto ao ponto, na origem da podridão, no mais destacado aluno do Foro de São Paulo:

O jornalista Leonardo Coutinho, que vem esmiuçando os podres venezuelanos, desabafou: “Os absurdos de hoje servem de pretexto para o chanceler de um cartel de drogas brincar de democrata. Tiempos brutos”. Flávio Gordon ironizou: “Os democratas do mundo estão se unindo em defesa da democracia americana. Aguardemos ainda a declaração de Xi-Jinping. É lindo!” E a mídia dando destaque, como se fosse algo sério:

Mas além da extrema esquerda latino-americana, os “democratas” e ministros do Supremo também tiraram casquinha da situação. Estavam todos assanhados, querendo usar o caso para avançar algumas casas extras no controle social em nosso país.

Rodrigo Maia é um estadista defensor do diálogo e da democracia, por isso está horrorizado com os apoiadores de Trump, e por isso está fechado com o PT na disputa do comando da Câmara, o PT, que defende Maduro e sua ditadura opressora na Venezuela. Tem mais:

Os exemplos abundam. Todos “chocados” com o ocorrido e concluindo que é preciso apertar o cerco contra “fascistas”, sendo que nenhum deles demonstrava qualquer preocupação com terroristas da Antifa e marxistas revolucionários do Black Lives Matter espalhando o caos e o terror pelo país.

São “democratas” de ocasião, com viés, duplo padrão e seletividade. Condenam invasões e violência, desde que associadas à direita. A esquerda pode tudo, tem salvo-conduto, pois é “do bem”, luta “contra” o fascismo. Foi Barroso quem disse que antifascista no nome significa antifascista no ato, o que é uma piada de mau gosto.

João Amoedo, do Novo, para não perder o bonde da lacração, aproveitou também para denunciar o suposto método trumpista, numa clara associação ao bolsonarismo:

O problema é que ele está descrevendo exatamente o que a esquerda democrata vem fazendo faz tempo, e que piorou muito com Obama. Vamos lembrar que quem quer que criticasse a gestão medíocre de Obama era logo rotulado de racista, para impedir o debate e blindar o presidente. A mídia trata todo eleitor de Trump como deplorável, idiota ou fascista. Quem segregou o país? Quem dividiu todos? E quem enfraqueceu as instituições? Sobre a perda de confiança no sistema eleitoral, desnecessário até comentar, já que nunca antes na história deste país houve tanto voto por correio, suspeito, fazendo do apático Joe Biden alguém teoricamente mais popular do que Obama e Trump juntos!

Enquanto Trump condenava atos violentos e pedia paz, o Twitter achou adequado censurar o presidente dos Estados Unidos.

Não é uma plataforma neutra; é um veículo de comunicação, um publisher que filtra conteúdo de acordo com sua visão ideológica de mundo. O presidente dos EUA só pode postar aquilo que os censores do Twitter considerarem adequado. Pergunta retórica: todo aquele que defender Antifa e BLM ou manifestações que acabem com confusão e desrespeito à lei e a ordem vai sofrer a mesma punição ou só o Trump? Não obstante, vimos jornalistas aplaudindo, como a “respeitada” Miriam Leitão, do Globo:

Esses “progressistas” se acham detentores da Razão, falam em nome da “ciência”, e enxergam em seus oponentes um bando de bárbaros e fascistas. Diante desse quadro, o que é uma censurazinha básica, não é mesmo? Eis o real perigo: a esquerda, convencida de que luta para impedir um fascismo real, não se importa de lançar mão dos métodos fascistas nessa batalha. E com isso enfraquece as instituições democráticas e asfixia a liberdade.

Quem está feliz hoje é todo inimigo da América e o que ela simboliza para o mundo. E a mídia é cúmplice com seu duplo padrão: fala em antidemocráticos agora, mas se calou diante de Antifas e BLM incendiando o país. E fingiu que a eleição foi absolutamente normal, desqualificando quem ousasse desconfiar de algo claramente suspeito. Quem planta vento colhe tempestade.

Quem não acha normal ou aceitável tacar fogo nas cidades e pregar fim da polícia, dezenas de milhões de votos suspeitos por correios com a mídia tratando isso como algo trivial, e a invasão do Capitólio, precisa se unir para salvar a América dos radicais e seus cúmplices “isentões”.

Sim, pois houve uma vítima fatal nessa invasão, e a imprensa está ignorando, tratando-a como uma “terrorista”. Leandro Ruschel resumiu bem: “O erro da Ashli Babbitt, veterana da Força Aérea morta na invasão do Capitólio, ontem, foi acreditar que tinha os mesmos direitos dos Antifas e Black Lives Matter. Se fosse esquerdista, estaria sendo tratada como heroína e vítima. Como não é, virou terrorista”.

O discurso do senador republicano Mitch McConnell após a volta dos trabalhos no Capitólio foi uma defesa das instituições, apesar do que fez a oposição com apoio da mídia. A hipocrisia da esquerda é asquerosa, mas se a direita virar o mesmo monstro, acabou, perdemos. Que venha agora a vigilância! Mas sem dar qualquer moleza para esses hipócritas da imprensa e os “isentões” da política…

A PALAVRA DO EDITOR

É HOJE A CONFERÊNCIA SEMANAL FUBÂNICA

Daqui a pouco, às sete e meia da noite, começa a reunião semanal dos grandes cientistas, intelectuais, pesquisadores, mestres, pensadores, sábios, doutores e expoentes culturais que dão expediente nesta gazeta escrota.

No comando da palestra de hoje estará o colunista fubânico Rodrigo Buenaventura de Léon, em cuja pele costuma baixar o espírito da impagável Mercedita.

Depois de ter nos brindado, há pouco tempo, com uma instrutiva conferência sobre a viadagem em Pelotas, nesta quinta-feira, dia 7 de janeiro, a primeira do ano, Rodrigo irá deitar falação sobre as Charlas do Sul, discorrendo a respeito dos Dialetos Gaúchos.

Simplesmente imperdível.

Contamos com a participação de todos vocês.

Para entrar na sala, confortável e com ar condicionado, basta clicar aqui

Até lá!

Flagrante da última assembleia realizada no majestoso  salão fubânico, mais conhecido como “Cabaré do Berto”

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

RÔMULO SIMÕES ANGÉLICA – BELÉM-PA

Sobre as manifestações em Washington (EUA) e a invasão do congresso americano

Prezado Berto,

Observando as imagens dos protestos que ocorreram ontem (06/01/2021), nos EUA, com a invasão do Capitólio, não tive como deixar de lembrar de um exemplo caseiro, que gostaria de compartilhar com os nossos leitores.

Aconteceu na universidade para a qual que eu prestei concurso público para professor e, infelizmente, tenho que dizer que é onde trabalho.

Chama-se Universidade Federal da Pá Virada, também conhecida como UFPA.

Era o final do ano de 2016, governo Temer, e acabava de tomar posse o atual reitor, que no ano passado iniciou o seu segundo mandato.

Em pouco menos de um mês do início da gestão, a reitoria da UFPA foi invadida, e o reitor despejado do seu gabinete pelos, digamos, “manifestantes”.

Vejam bem, o que aconteceu foi exatamente isso:

O reitor recém empossado no cargo foi DESPEJADO, ENXOTADO do seu gabinete, e o prédio da reitoria foi ocupado por cerca de 45 dias. Ninguém podia entrar no prédio sem a autorização dos “manifestantes”.

Em um grupo de whatsapp, o reitor anterior, já falecido, postou uma foto do alto do prédio da reitoria (infelizmente não consegui recuperar essa foto), mostrando a multidão que se aglomerava no seu entorno, um pouco antes da invasão, e escreveu a seguinte frase que nunca mais sairá da minha memória:

– “Esses meninos estão fazendo história!”

Impressionante. A sua casa está sendo invadida e você se retira e ainda aplaude os invasores.

E agora, a pergunta que não quer calar:

Quer dizer que aqueles “manifestantes” puderam invadir prédios públicos, expulsar os seus gestores, responsáveis pelos bens públicos e ainda serem enaltecidos por isso ?

E os de ontem, nos EUA, não podem ?

Qual é a diferença entre os dois tipos de manifestantes ?

Será que é essa estória de manifestante do bem e manifestante do mal ?

Deixo com vocês algumas imagens e notícias da ocupação da UFPA, da época, facilmente extraídas da internet.

Esse vídeo é impagável !

Clique aqui para ver o vídeo completo.

Não deixem de ver pelo menos o início, quando um dos militontos grita.

– “E viva o socialismo!”

E logo em seguida uma outra militante estabelece a sequência de ocupação dos andares e retirada dos servidores.

A seguir, fotos publicadas na página G1 e no blog Gerson Nogueira:

JESSIER QUIRINO - DE CUMPADE PRA CUMPADE

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

ARAEL COSTA – JOÃO PESSOA-PB

Começo dia estupefacto ou estupidificado com a notícia que transcrevo (nota abaixo), tirada da página do UOL, sobre mais essa aberração.

Parte da multa pelo fechamento da exposição Queermuseu em Porto Alegre, em 2017, vai custear a Parada do Orgulho LGBTI+ deste ano e das edições de 2022 e 2023 na capital gaúcha. O evento presencial foi cancelado no ano passado devido à pandemia do coronavírus, mas as entidades que o organizam já se preparam para a edição em 2021. A mostra foi cancelada pelo Santander Cultural um mês depois da abertura, devido a protestos de grupos conservadores que consideraram o conteúdo imoral, ofensivo e incentivador da zoofilia e da pedofilia. A exposição acabou ocorrendo no Rio de Janeiro quase um ano depois.

Não é possível, na minha concepção, procedimento dessa natureza, notadamente envolvendo aqueles que por dever de ofício deveriam resguardar os princípios de moralidade da sociedade que lhes dá função de destaque e ótimos salários.

Hoje, a partir das sete e meia da noite, é dia da esculhambação geral e estarei lá.

Abraços, 

Inté mais tarde…

A PALAVRA DO EDITOR

AGRADECIMENTO RELINCHADO

A secretária de redação Chupicleide, o jumento Polodoro e a cachorra Xolinha agradecem do fundo do coração as doações dos amigos fubânicos, leitores e colunistas, feitas neste começo de mês e de ano.

A direção da Empresa Bartolomeu Silva, responsável pela hospedagem e pela assistência técnica ao JBF, respirou aliviada: está afastada a possiblidade de calote ou de atraso de pagamento no mês de janeiro.

Ufa!!!

Gratíssimo aos leitores Hélio Araújo, Fernando, Rubem Rodrigues, César d’Ávila, Áurea Regina, Manuel Feitosa e Cláudio da Silva, e também aos colunistas Fred Monteiro e Rodrigo de Léon

Chupicleide manda dizer que está aqui torcendo pra que a generosidade de vocês sirva de exemplo pros miscos, pros pirangueiros, pros somíticos, pros fominhas, pros tacanhos, pros sovinas, pros avarentos e pros unhas-de-fome que ainda resistem em enfiar a mão no bolso e mandar uns trocados pra ajudar a pagar o salário dela.

O salário dela, o capim de Polodoro e a ração de Xolinha.

Uma excelente quinta-feira pra todos vocês!!!

Polodoro e Chupicleide: uma dupla relinchando afinada, demostrando muita alegria com a generosidade dos fubânicos doadores

DEU NO TWITTER

PENINHA - DICA MUSICAL

GENIVAL LACERDA – NOSSA HOMENAGEM

Nosso Brasil está triste hoje!

Encantou-se Genival Lacerda, o “Rei da Munganga”!

Veio ao mundo em 15 de abril de 1931 na cidade de Campina Grande, na Paraíba e nos deixa hoje, 7 de janeiro de 2021, aos 89 anos.

Vá com Deus Genival, faça a alegria do céu com a sua alegria e suas músicas!

Nós, aqui na terra, teremos a sua lembrança e a suas músicas para nos alegrar!

A PALAVRA DO EDITOR

GENIVAL LACERDA VIAJOU ANTES DO COMBINADO

Encantou-se hoje de manhã, aos 89 anos, o grande Genival Lacerda, aqui em Recife.

Um dos maiores nomes da música brasileira, um ícone da cultura da Nação Nordestina.

Nasceu em Campina Grande-PB, e era conterrâneo dos meus queridos amigos Jessier Quirino e Olando Tejo.

Tejo contava muitas e muitas histórias de Genival.

Descanse em paz, seu cabra.

Você vai continuar vivo na minha estima.

Este Editor com Genival Lacerda, num evento em Recife, novembro de 2011

DEU NO TWITTER

SUPREMO INXIRIMENTO BANÂNICO

* * *

Os ministros da Suprema Corte dos Zistados Zunidos não fizeram qualquer pronunciamento.

Lógico, claro, evidente. 

Eles respeitam rigorosamente os limites de sua atuação.

Mas os ministros da Republica Federativa de Banânia já se manifestaram, mesmo sem ter porra alguma a ver com o acontecido!!!

Aqui eles se metem em tudo (e também metem em todos… Vôte!)

E dão pitacos em assuntos que vão deste “acasalemento de muriçoca até atracação de navios“, conforme consta no poema do colunista fubânico Jessier Quirino.

Já implantaram a ditadura judiciária interna e estão com projetos de alargar as fronteiras.

E ainda fazem postagens no Twitter com cara mais lavada e afrangalhada do mundo, posando de justiceiros internacionais, magistrados planetários e peruadores universais.

Senso de ridículo é uma coisa que passa bem longe desses urubus banânicos.

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!