CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

HÉLIO FONTES – VIDEIRA-SC

Berto:

Para os alfinetes da Chupicleide e as rações de Xolinha e Polodoro.

R. Vosso generoso depósito já está na conta desta gazeta escrota, meu caro.

Acabei de conferir.

Primeira doação do ano!!!

Xolinha arreganhou a tabaca e danou-se a latir.

Enquanto Chupicleide e Polodoro fizeram um coral afinadíssimo de relinchos.

Foi uma zuada arretada aqui na redação. Coisa mais linda!

Agora, o nosso técnico e hospedeiro Bartolomeu pode começar a ficar tranquilo: o pagamento dele deste mês de janeiro já começou a ser a arrecadado.

Brigadíssimo e uma excelente noite de domingo, meu caro!!!

Muito obrigado, estimado leitor Hélio Fontes! Feliz Ano Novo!!!

J.R. GUZZO

SUPREMO DÁ AS ORDENS

Talvez pela ruindade sem limites dos políticos brasileiros, talvez por causa da falência geral de órgãos que vai degenerando cada vez mais a vida pública nacional, talvez porque os poderes Legislativo e Executivo raramente foram habitados por gente tão frouxa quanto hoje, tanto nas ideias como na conduta, ou talvez por tudo isso ao mesmo tempo, o fato é o seguinte: os ministros do Supremo Tribunal Federal decidiram que não há mais ninguém no governo da República, e que cabe a eles mandar no Brasil. Comparando uns com os outros, dá provavelmente na mesma. Mas, com certeza, um país está com problemas sérios de funcionamento quando começa a ser governado “por default”, como se diz hoje. Na falta de outra coisa, entra automaticamente em ação um mecanismo que passa a operar o aparelho por sua própria conta, e sem nenhuma consulta ao usuário.

A dificuldade, no caso, é que o STF está operando mal. Como poderia ser diferente? Os onze ministros não apenas governam o Brasil sem serem eleitos, mas sem terem nenhuma das responsabilidades que vêm junto com a tarefa de governar – e, obviamente, com risco zero de responder pelas consequências das decisões que tomam. Não pode dar certo. Na prática, isso significa que eles mandam em tudo mas não se obrigam a pagar por nada – a começar pelo pagamento propriamente dito das despesas que criam ou ajudam a criar. O STF dá ordens, apenas isso, e só dá ordens sobre o que lhe interessa – o Brasil que se vire para cumprir. É onde estamos.

Não há nenhuma lei que esse novo governo se sinta obrigado a obedecer; quem obedece, em sua visão das coisas, são sempre os outros. Como durante o AI-5, quando o regime deu a si próprio o direito de não submeter à Justiça nenhuma das suas decisões, o STF de hoje não responde a ninguém. Ainda outro dia, e mais uma vez, o ministro Alexandre Moraes prendeu um jornalista no inquérito abertamente ilegal que conduz sem nenhum controle há mais de um ano, como se o STF fosse uma delegacia de polícia da ditadura. O ministro Lewandovski decide o que você tem de fazer, e o que não pode fazer, em todas e quaisquer questões relativas à vacina; deu à sua palavra o status de verdade científica.

O ministro Fachin proibiu a polícia de sobrevoar com helicópteros as favelas do Rio de Janeiro, e decidiu que a revista íntima às visitas feitas a presidiários é “inconstitucional” – os visitantes estão liberados para levar drogas aos presos, por exemplo, e não podem ser condenados por isso. O ministro Marco Aurélio solta criminosos condenados a 25 anos. O Supremo decide sobre a nomeação do diretor da Polícia Federal, a eleição das mesas do Congresso e as fases da Lua.

O público é obrigado, além disso tudo, a ouvir lições de filosofia, de moral e de ciência política dos onze ministros – e ouvir o tempo todo. Todos eles estão convencidos de que têm o direito de pensar por você, e escolher o que é melhor para cada cidadão brasileiro – independente da opinião pessoal que o próprio cidadão possa ter. O último palpite sobre o bem comum foi dado pelo ministro Barroso, um dos que mais se encanta com a própria voz. Segundo ele, “o País” precisa do voto obrigatório; não se deve deixar as pessoas livres para exercerem o direito de votar, pois a seu ver isso leva ao “radicalismo”. E por aí vamos.

Juízes, em qualquer país decente, têm a obrigação de ser imparciais, sobretudo se estão no topo do Poder Judiciário. No Brasil é exatamente o oposto: O STF se transformou num partido político, com militantes, facções internas e todo o resto – um partido que não recebe um único voto. Dá nisso que se vê.

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

SONETO DA VIRGEM – Manuel Antônio Álvares de Azevedo

Passei ontem a noite junto dela.
Do camarote a divisão se erguia
Apenas entre nós – e eu vivia
No doce alento dessa virgem bela…

Tanto amor, tanto fogo se revela
Naqueles olhos negros! só a via!
Música mais do céu, mais harmonia
Aspirando nessa alma de donzela!

Como era doce aquele seio arfando!
Nos lábios que sorriso feiticeiro!
Daquelas horas lembro-me chorando!

Mas o que é triste e dói ao mundo inteiro
É sentir todo o seio palpitando…
Cheio de amores! e dormir solteiro!

Manoel Antônio Álvares de Azevedo, São Paulo (1831-1852)

FALA, BÁRBARA!

DEU NO TWITTER

JORNAL BOSTIONAL

RODRIGO CONSTANTINO

A ESQUERDA NÃO VIVE SEM HIPOCRISIA (E CENSURA)

A marca da esquerda é a hipocrisia, o duplo padrão, o “faça o que eu digo, não o que eu faço”. Não por acaso escrevi um livro todo só sobre esse fenômeno, o best-seller Esquerda Caviar. Tocou numa ferida, pois expôs toda essa contradição de quem vive para sinalizar (falsa) virtude, enquanto pratica algo totalmente distinto longe dos holofotes.

“A hipocrisia é a homenagem que o vício presta à virtude”, resumiu La Rochefoucauld. Nessa pandemia a coisa ficou ainda pior. Ela rendeu a oportunidade perfeita para quem vive de bancar o bonzinho. O esforço é quase comovente: essa turma precisa o tempo todo encenar, posar de bom samaritano que sacrifica seus interesses em prol do coletivo, do outro. Tudo mais falso do que uma nota de três reais!

Só nessa semana tivemos três casos. O governador João Doria voltou a fechar bares e restaurantes, na véspera das festas natalinas e de fim de ano, aumentando as restrições com base na “ciência”. Depois pegou o avião e se mandou para Miami, para curtir suas férias! Com a péssima repercussão após ser pego de calça curta, disse que voltou (mas ninguém viu) e fez um pedido de desculpa mais encenado ainda.

A médica Thelma Assis, por sua vez, fez fama no BBB e dinheiro em campanha para o governo de SP, mandando os outros ficarem em casa. Dizem que recebeu quase duzentos mil reais pelo vídeo, em que afirma estar há meses trancada em casa. Nesses dias ficamos sabendo que ela alugou junto com amigas, entre elas a atriz Bruna Marquezine, uma ilha particular para seu Revéillon, e num vídeo dá para vê-la ao lado das companheiras, sem máscara. Fique em casa você, que eu vou para uma ilha privada!

Por fim, o youtuber Felipe Neto foi pego batendo uma pelada com os amigos, e causou algum espanto ele ter amigos. Seus seguranças não foram capazes de impedir o registro das imagens, desta vez, e Rica Perrone colocou a boca no trombone e apontou a mentira do riquinho mimado. Sem muita alternativa, Felipe Neto “pediu desculpas” por esse “descuido”, um caso “isolado”, garante. O ministro das Comunicações do governo Bolsonaro, Fabio Faria, ironizou:

Você não erra jamais, cara! Todo mundo sabe que você jogou de máscara e passando álcool na bola e na trave sem parar. Foi a única vez que saiu de casa este ano e não tirou a máscara nem pra fazer refeições. Você é um exemplo pra sociedade e para as crianças.

Para as crianças certamente ele não é exemplo, mas para algumas “datilógrafas” sim, a ponto de ser convidado para um tradicional programa de entrevistas. Orgulhosa do feito, a âncora ainda colocou novamente em destaque o troço. Afinal, Felipe Neto pode ser um boboca, mas serve ao intuito de atacar o governo, não é mesmo?

E assim segue nossa esquerda, de mentira em mentira, de hipocrisia em hipocrisia, sempre tentando viver da imagem de abnegada. É a visão estética de mundo, onde aparências importam muito mais do que realidade.

Como as redes sociais furaram a bolha e não permitem mais o monopólio hegemônico da imprensa, para repetir como são pessoas maravilhosas esses esquerdistas, eles precisam nos calar. E é por isso que a tentativa de censura só aumenta nas redes sociais, com “cancelamentos” promovidos por inquisidores laranjas, com pressão nas próprias empresas para filtrarem conteúdo conservador etc.

No Youtube mesmo eu já tive duas “lives” canceladas, só por questionar a clarividência da OMS. Não pode desafiar a narrativa fabricada pelos globalistas, pelo visto. Fazer perguntas incômodas não é mais permitido. Mas enquanto houver algum espaço, lá estaremos os que não se curvam diante da patota, os que não aceitam censura, os que buscam a verdade e expõem a hipocrisia. Pai, afaste de mim esse cale-se!

DEU NO TWITTER

DEU NO JORNAL

ENXADADA NA POSSE

* * *

Este fato se assucedeu-se na aprazível cidade de Tabocas do Brejo Velho, no interior da Bahia.

Foi durante a posse do novo prefeito na Câmara de Vereadores.

Eu acho que o desespero do prefeito não foi por conta do medo de ser ferido pela enxada.

O pavor, o terror, foi por conta de ter pensado que ele teria de pegar no cabo da ferramenta pra trabalhar durante o mandato.

Aí ele se cagou-se todinho nas calças e correu em disparada.

Foi grande o medo.

PERCIVAL PUGGINA

VAI PRA CUBA! E LULA FOI

Condenado em dois processos e respondendo acusações em outros três ou quatro, Lula está passando algumas semanas em Cuba a expensas da sociedade brasileira. Esse benefício desperta sentimento de repulsa, mas é escandalosamente legal. No Brasil, tais regalias são todas concedidas em lei. Os ex-presidentes da República não recebem pensão vitalícia, mas as compensações são muito mais vantajosas. Dilma, por exemplo, pode correr mundo, em 2019, pondo fogo onde houvesse fumaça contra o Brasil, com luxo, assessores e despesas pagas.

Pode isso? Pode, sim. Os ex-presidentes têm direito a dois carros oficiais e oito servidores, entre motoristas, seguranças e assessores cujos salários e despesas de viagem correm por nossa inesgotável conta. Enquanto o presidente recebe R$ 0,37 milhão por ano (R$ 30 mil/mês), em 2019 os ex-presidentes gastaram: valores entre R$ 0,490 milhão (Temer) e R$ 1,07 milhão (Dilma).

Lula, então, está em lua de mel no Caribe. Para todos os efeitos, viajou com o intuito de conceder entrevistas ao cineasta Oliver Stone que está gravando um documentário sobre a América Latina. Espero que o cineasta aproveite aquela excelente base para documentar, em imagens, o fracasso do comunismo cubano num paraíso caribenho que era próspero até 1959 e parou no tempo desde então, malgrado seu pequeno crescimento demográfico (45% em 60 anos) um dos menores do mundo ocidental.

Espero que ele tenha interesse em visitar presos de consciência, condenados por pedirem liberdade, condenados por terem sido acusados de conspiração contra o Estado por uma polícia política e uma justiça afinada com esta e com o governo comunista da ilha. Seria uma excelente matéria para o documentário e, para Lula, uma informação que talvez o faça compreender o mal que ele os seus causaram ao povo cubano. Junto com Fidel Castro, Lula criou o Foro de São em 1990 e, a partir de 2003, os governos de seu partido financiaram aquela ditadura que ontem completou 62 anos.

Um olhar cuidadoso e responsável sobre as instituições da ilha mostraria uma Assembleia Nacional cujos membros pertencem, todos, ao mesmo partido comunista e que jamais, em seis décadas, rejeitou algo vindo do governo. Mostraria que os juízes do Tribunal Superior Popular são escolhidos pelo Conselho de Estado (um colegiado extraído da Assembleia Nacional) e submetido à mesma Assembleia Nacional. É um esquema em que o totalitarismo se impõe num círculo fechado e no qual tudo se opõe à democracia; em que tudo e por tudo carece de legitimidade.

Talvez deva Oliver Stone ler as duas primeiras páginas da novíssima constituição cubana (2019), cujo art. 5º define:

“O Partido Comunista de Cuba – único, martiano (de José Martí), fidelista (de Fidel Castro), marxista, (de Karl Marx), leninista (de Vladimir Lenin), vanguarda organizada da nação cubana, sustentado em seu caráter democrático e na permanente vinculação com o povo é a força política dirigente superior da sociedade e do Estado”.

Bestialógico tão hipócrita e contraditório só poderia nascer, em pleno século XXI, entre mentalidades abusada e doentiamente totalitárias.

DEU NO TWITTER