ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

O INVERNO NOS VERSOS DOS REPENTISTAS

Quando o chão está molhado
Aparecem coisas boas:
Se levantam cogumelos
Que as capas parecem broas;
Os sapos chocam de ruma;
Bordam com cachos de espuma
O cenário das lagoas.

Sebastião Dias

A chuva chegando sana
Até problemas sem cura;
O funeral da miséria
Foi feito sem sepultura,
E a chuva botou tempero
No cardápio da fartura.

Raimundo Nonato

Com esse inverno abundante
Todo clamor se desterra;
De manhã, as névoas brancas
Pousam na face da serra,
O choro das mães dos astros
Consola os filhos da terra..

Antônio Nunes de França (1936-2018)

O sertão estava enxuto,
De repente a chuva veio;
A peixeira do relâmpago
Rasgou a nuvem no meio;
O rio foi dormi seco,
Quando acordou, tava cheio.

Ismael Pereira

Ronca o trovão no nascente,
Sopra o vento, a chuva bate;
As nuvens da cor de chumbo;
A terra cor de abacate;
E o campo troca de terno
Sem precisar de alfaiate.

Pedro Bandeira (1938-2020)

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

O POEMA PREFEITURA SEM PREFEITO, DE PATATIVA DO ASSARÉ, CONTINUA ATUALÍSSIMO

Antônio Gonçalves da Silva (1909-2002), mais conhecido por Patativa do Assaré, foi um poeta popular, compositor, cantor e repentista brasileiro. O cearense de Assaré teve sua obra registrada em folhetos de cordel, em discos e livros. Aos 16 anos, comprou sua primeira viola e começou a cantar de improviso. Com uma linguagem simples, porém poética, retratava a vida sofrida e árida do povo do sertão. Projetou-se com a música “Triste Partida” em 1964, uma toada de retirantes, gravada por Luiz Gonzaga, o Rei do Baião. Seus livros, traduzidos em vários idiomas, foram tema de estudos na Sorbonne, na cadeira de Literatura Popular Universal.

Seu trabalho se distingue pela marcante característica da oralidade. Seus poemas eram feitos e guardados na memória para depois serem recitados. Daí o impressionante poder de memória de Patativa, capaz de recitar qualquer um dos seus poemas, mesmo após os noventa anos de idade. Ele não retocava seus versos como os poetas de bancada costumam fazer; cada linha da poesia e rimas eclodia em sua cabeça como as plantas desabrochavam em seu roçado. O poema nascia inteiramente feito, harmônico, sem precisar de reparos.

O poeta Patativa do Assaré fez um dos maiores protestos políticos em poesia de cordel, quando criticou o abandono em que se encontrava a cidade de Assaré, na região do Cariri, no interior do Ceará, onde nasceu e viveu, sem nunca deixar de ser agricultor. Esta poesia cabe muito bem para os dias de hoje, em diversas cidades do Nordeste, bastando trocar o nome de Assaré pelo da sua cidade para alguém enxergar a situação em que vive.

PREFEITURA SEM PREFEITO

Nossa vida atroz e dura
Tudo pode acontecer,
Muito breve há de se ver
Prefeito sem prefeitura;
Vejo que alguém me censura
E não fica satisfeito,
Porém, eu ando sem jeito,
Sem esperança e sem fé,
Por ver no meu Assaré.
Prefeitura sem prefeito.

Por não ter literatura,
Nunca pude discernir
Se poderá existir
Prefeito sem prefeitura.
Porém, mesmo sem leitura,
Sem nenhum curso ter feito,
Eu conheço do direito
E sem lição de ninguém
Descobri onde é que tem
Prefeitura sem prefeito.

Ainda que alguém me diga
Que viu um mudo falando
E um elefante dançando
No lombo de uma formiga,
Não me causará intriga,
Escutarei com respeito,
Não mentiu este sujeito,
Muito mais barbaridade
É haver numa cidade
Prefeitura sem prefeito.

Não vou teimar com quem diz
Que viu ferro dá azeite,
Um avestruz dando leite
E pedra criar raiz,
Ema apanhar de perdiz
E um rio fora do leito,
Um aleijão sem defeito
E um morto declarar guerra,
Porque vejo em minha terra
Prefeitura sem prefeito.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

FRASES ANÔNIMAS BEM-HUMORADAS

“Se der errado, a gente dá um jeito. Se quebrar, a gente conserta. Se bagunçar, a gente arruma. E se tudo acabar, a gente recomeça.”

“Amigo não é só aquele que oferece o ombro para você chorar, mas também o que te dá um chute no traseiro para você reagir.”

“A gente já tem dó de trocar a nota de 100 reais. Se pegarmos uma nota de 200 reias, vamos guardar para sempre.”

“Não é porque você leu bons livros e conhece coisas boas que você é inteligente. Você pode ser apenas um idiota com boas referências.”

“Minha dor na coluna, só pode ser por estar carregando o fardo de ser o mais bonito da família.”

“Se falar gentilmente com plantas, ajuda elas a crescerem, imagine o que acontece quando você fala gentilmente com pessoas…”

“Todo mundo te manda fazer do limão uma limonada. Só que tem gente que tem espremedor automático importado e tem gente que tem uma faca meio cega.”

“Sou tão ansioso, que a pessoa nem me decepcionou, e eu já estou pensando em como vou fazer para superar a decepção.”

“Eu gosto de ver relato de gente que parou de tomar refrigerante, porque parece que a pessoa está contando que está a 10 anos sem usar drogas.”

“A vida do jovem adulto não será completa e realizada, até que ele eventualmente arrume confusão no caixa do supermercado por um produto que estava com preço marcado na prateleira diferente do que deu no caixa.”

“Vai ser mais fácil achar um lobo guará no terreiro da minha casa do que uma nota de 200 no meu bolso.”

“Criança de hoje em dia ganha celular, tablet e vídeo game. Na minha época, eu ganhava uma Havaianas e uma surra com o próprio presente.”

“Pareço normal, mas já coloquei minha mão em frente ao leitor de código de barras, só pra ver se aparecia o preço.”

“Em 2020 está tudo tão anormal, que agora são os supermercados que estão assaltando os mascarados que entram.”

“Eu decidi deixar meu passado pra trás. Então, se eu te devo dinheiro, me desculpe, mas eu segui em frente.”

“Se você é uma dessas pessoas que não tem sorte, quando vir a luz no fim do túnel… corra, pois é um trem.”

“Quando vi o valor da fatura, me assustei e achei que levei um golpe financeiro. Quando olhei minuciosamente, percebi que sou meu próprio golpe.”

“Existem dois tipos de pessoas: As que acordam cedo e já querem resolver tudo para ficar livre logo, e as que fazem as coisas quando sentem vontade. Geralmente as duas moram juntas.”

“Fui ao Oftalmologista e ele me mandou abrir o olho. Será que ele está sabendo de alguma coisa que eu não sei?”

“A vida adulta funciona basicamente assim: você decide juntar dinheiro para alguma coisa, daí quando você acha que finalmente conseguiu, vem algum problema completamente aleatório que custa 120% do dinheiro que você juntou. “

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

A MORTE NOS VERSOS DOS REPENTISTAS

Versejar falando em morte
Me entristece e me revolta.
Caminho aonde todos vão
Numa viagem sem volta,
E o cemitério é cadeia
Que prende a gente e não solta.

Geraldo Amâncio

É um dia de tristeza
Quando a mãe para o céu vai.
Os filhos se cobrem em prantos;
O caçula diz: ô pai,
Não vê, mamãe tá dormindo!
Abre o caixão que ela sai!

Sebastião Dias

A morte conduz consigo
Certos caprichos sem fim.
Tem levado tanto Abel,
Deixando tanto Caim.
Para quem é justiceira
Não devia ser assim.

Otacílio Batista (1923-2003)

Meu coração será húmus
Quando a terra o decompor
Sobre os meus restos mortais
Irá brotar uma flor,
Que o poeta mesmo morto
Serve de impulso pro amor.

Rafael Neto

Nós temos por certo a morte,
Mas ninguém deseja tê-la…
Quando morre uma criança,
O pai lamenta em perdê-la,
Mas Jesus, todo de branco,
Abre o céu pra recebê-la.

Diniz Vitorino (1940-2010)

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

FRASES SÁBIAS DE AUGUSTO CURY

“Os problemas nunca vão desaparecer, mesmo na mais bela existência. Problemas existem para serem resolvidos, e não para perturbar-nos.”

“Uma pessoa imatura pensa que todas as suas escolhas geram ganhos. Uma pessoa madura sabe que todas as escolhas tem perdas.”

“Se você tem um inimigo, fica mais barato perdoá-lo. Faça isso por você. Caso contrário (…) o inimigo dormirá com você e pertubará seu sono.”

“Sem sonhos, as perdas se tornam insuportáveis, as pedras do caminho se tornam montanhas, os fracassos se tornam em golpes fatais…”

“Dinheiro em si mesmo não traz felicidade, mas a falta dele pode tirá-la drasticamente. O dinheiro não enlouquece, mas o amor por ele destrói a serenidade. A ausência do dinheiro nos torna pobres, mas o mau uso dele nos torna miseráveis.”

“A vaidade é o caminho mais curto para o paraíso da satisfação, porém ela é, ao mesmo tempo, o solo onde a burrice melhor se desenvolve.”

“O passado é uma cortina de vidro. Felizes os que observam o passado para poder caminhar no futuro.”

“Uma pessoa inteligente aprende com os seus erros, uma pessoa sábia com os erros dos outros.”

“Os nossos maiores problemas não estão nos obstáculos do caminho, mas na escolha da direção errada.”

“O amor faz o ser humano ser capaz de superar os seus limites. Nós somos rápidos para exigir e lentos para compreender.”

“Somos estimulados a fazer um brinde à sabedoria e a nunca desistir de nós mesmos, por piores que sejam nossos problemas e por mais amargas que sejam as nossas dificuldades.”

“Não deixe as frustrações dominar você, domine-as. Faça dos erros uma oportunidade para crescer. Na vida, erra quem não sabe lidar com seus fracassos.”

“Quem lamenta as suas perdas, olha para os seus próprios pés. E quem olha para os seus próprios pés, acha que o mundo é do tamanho dos seus passos.”

“A individualidade deve existir, pois ela é o alicerce da identidade da personalidade. (…) Não há duas pessoas iguais no universo. Mas o individualismo é prejudicial.”

“Antidepressivos tratam a dor da depressão, mas não curam o sentimento de culpa e nem tratam a angústia da solidão.”

“Muitos dos que tem endereço certo passam pela existência sem nunca percorrer as avenidas do seu próprio ser, são forasteiros para si mesmos, por isso são incapazes de corrigir suas rotas e superar suas loucuras.”

“Todos sabem que errar é humano. Mas insistimos em sermos deuses, temos a necessidade neurótica de sermos perfeitos.

“Por detrás de uma pessoa que fere há sempre uma pessoa ferida. Ninguém agride os outros sem primeiro se auto-agredir. Ninguém faz os outros infelizes, se primeiro não for infeliz.”

“A sabedoria de um homem não está em não errar e não passar por sofrimentos, mas no destino que ele dá aos seus erros e sofrimentos.”

“Ser feliz é deixar de ser vítimas dos problemas e se tornar um autor da própria história. É saber falar de si mesmo. É não ter medo dos próprios sentimentos…”

“Quando somos abandonados pelo mundo, a solidão é superável; quando somos abandonados por nós mesmos, a solidão é quase incurável.”

Augusto Jorge Cury é um médico, psiquiatra, psicoterapeuta, doutor em psicanálise, professor e escritor. Nasceu em Colina, interior de São Paulo em 2 de outubro de 1958. Seus livros já venderam mais de 20 milhões de exemplares somente no Brasil, tendo sido publicado em mais de 70 países. O autor estudou com profundidades as dinâmicas da emoção e da construção dos pensamentos.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

TROVAS DE GERALDO AMÂNCIO

Cuida o homem do roçado,
Ara a terra, cava e planta,
Quando escuta no telhado
A canção que a chuva canta.

Em minha morada antiga,
Em anos que estão distante,
Dormi ao som da cantiga
Das águas rumorejantes.

Como começa se finda
A história da nossa vida,
Nada trazemos na vinda,
Nada levamos na ida.

Quando a noite vai embora
Nas bordas do amanhecer,
O parto sem dor da aurora
Faz a luz do sol nascer.

Eu pouco penso em morrer,
A morte não me estarrece;
O meu medo é não saber
Depois dela o que acontece.

Eu sinto em cada passada
Do tempo cruel que avança,
A minha alma tatuada
Com tintas de insegurança.

Eu já tenho proclamado
Com desengano profundo,
Que nasci no tempo errado,
O mundo não é meu mundo.

Da ânsia de almas sedentas
De amor, beleza e magia,
Eu fabrico ferramentas
Pra construção da poesia.

Geraldo Amâncio Pereira é poeta, repentista, trovador, cordelista e contador de causos. Nascido no sítio Malhada da Areia, município do Cedro, Ceará, em 29 de abril de 1946. Cursou faculdade de História em Fortaleza. Começou com acompanhamento de viola em 1966. Participou de centenas de festivais em todo o país, e classificou-se mais de 150 vezes em primeiro lugar. Organizou festivais internacionais de repentistas e trovadores, além do festival Patativa do Assaré. É autor das três antologias sobre cantoria em parceria com o poeta Vanderley Pereira. Gravou 15 CDs ao longo da carreira, além de ter publicado cordéis em livros. Apresentou o programa dominical “Ao Som da Viola”, na TV Diário em Fortaleza.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

LITERATURA DE CORDEL

Literatura de cordel é um gênero literário popular, escrito de forma rimada, originada em relatos orais e depois impressa em folhetos. Remonta ao século XVI, quando o Renascimento difundiu a impressão dessas narrativas, mantidas até a atualidade, como forma de expressão poética no Brasil. O nome tem origem na forma como tradicionalmente os folhetos eram expostos para a venda em Portugal, pendurados em cordas, cordéis ou barbantes.

No Nordeste do Brasil o nome foi herdado, entretanto a tradição portuguesa não se perpetuou: o folheto brasileiro pode ou não estar exposto em barbantes. Alguns poemas são ilustrados com xilogravuras, também usadas nas capas. As estrofes mais comuns são as de dez, oito ou seis versos. Os autores ou vendedores de cordéis recitam esses versos de maneira melodiosa e cadenciada, algumas vezes acompanhadas de pandeiro, além de fazerem leituras ou declamações muito empolgadas e animadas para conquistar os possíveis compradores.

Os temas abordados na literatura de cordel são diversos, geralmente estão ligados a acontecimentos do cotidiano, lendas, religião e episódios históricos. Qualquer assunto pode virar material inspirador para o escritor de cordel. Para compreender essa criatividade poética, transcrevemos os versos do talentoso cordelista Francisco Diniz:

O QUE É LITERATURA DE CORDEL

Literatura de Cordel
É poesia popular,
É história contada em versos
Em estrofes a rimar,
Escrita em papel comum
Feitas para ler ou cantar.

A capa é em xilogravura,
Trabalho de artesão,
Que esculpe em madeira
Um desenho com punção
Preparando a matriz
Pra fazer reprodução.

Mas pode ser um desenho
Uma foto, uma pintura,
Cujo o título, bem à mostra,
Resume a escritura.
É uma bela tradição,
Que exprime nossa cultura.

7 sílabas poéticas,
Cada verso deve ter
Pra ficar certo, bonito
E a métrica obedecer,
Pra evitar o pé quebrado
E a tradição manter.

Os folhetos de cordel,
Nas feiras eram vendidos,
Pendurados num cordão
Falando do acontecido,
De amor, luta e mistério,
De fé e do desassistido.

A minha literatura
De cordel é reflexão
Sobre a questão social
E orienta o cidadão
A valorizar a cultura
E também a educação.

Mas trata de outros temas:
Da luta do bem contra o mal,
Da crença do nosso povo,
Do hilário, coisa e tal
E você acha nas bancas
Por apenas um real.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

ALGUNS POEMAS BREVES

VALE A PENA VIVER

Cair faz parte da caminhada
Pois o homem é imperfeito
Somos feito uma mistura
De qualidade e defeito
Tendo vontade e coragem
Remonta-se a imagem
Conquistando o respeito.

SER RACIONAL

Um mundo conturbado
Pessoas usam emoção
Costumam enerva-se
Evitando a razão
Devem ter lucidez
Pra evitar morbidez
Na mente e coração!

VIAJAR NÃO É REMÉDIO

A cura para o tédio
Dizem que é viajar
Perdão, não acredito
Não tem como concordar
Pois se está quebrado
O seu bolso furado
Como o ticket comprar?

COOPERAR É PRECISO

A vida não é competir
Temos de nos superar
Ajudar ao que cair
Dá a mão pra levantar
Não discriminar ninguém
A todos cooperar!

QUANTA SAUDADE CABE NO CORAÇÃO!

Queria muito conhecer
Detalhes do coração
Dizem ser um local bom
Onde mora a emoção
Saudade é na memória
É fruto de uma história
Consequência da razão.

POETA NOTA 10

Leonardo Bastião
Poeta analfabeto
Diplomado em poesia
Na rima é completo
Na metáfora é sublime
O seu verso imprime
Magia, graça e afeto.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

FRASES BEM-HUMORADAS DE MILLÔR FERNANDES

“Tudo passa. Chuva passa, tempestade passa, até furacão passa. Difícil é saber o que sobra.”

“Acabar com a corrupção é o objetivo supremo de quem ainda não chegou ao poder.”

“Idade da razão é quando a gente faz as maiores besteiras sem ficar preocupado.”

“Anatomia é uma coisa que os homens também têm, mas que, nas mulheres, fica muito melhor.”

“A Academia Brasileira de Letras se compõe de 39 membros e 1 morto rotativo…”

“Chato é aquele que explica tudo tim-tim por tim-tim… e depois ainda entra em detalhes.”

“Eu não quero viver num mundo em que não possa fazer uma piada de mau gosto.”

“Não é segredo. Somos feitos de pó, vaidade e muito medo.”

“O mal de se tratar um inferior como igual é que ele logo se julga superior.”

“O homem é o único animal que ri. E rindo ele mostra o animal que é.”

“Me arrancam tudo à força, e depois me chamam de contribuinte.”

“Errar é humano. Ser apanhado em flagrante é burrice.”

“O humor compreende também o mau humor. O mau humor é que não compreende nada.”

“Há homens que devem à esposa tudo que são, mas em geral, os homens devem à esposa tudo que devem.”

“O perigo de uma meia verdade é você dizer exatamente a metade que é mentira.”

“A todos os verdes: Só se controla a natureza controlando a natureza humana.”

“O problema do direito de ir e vir é que tem sempre um chato que teima em ficar.”

“Dinheiro não dá felicidade. Mas paga tudo que ela gasta.”

“Eu sei sempre do que é que eu estou falando. Tirando isso não sei mais nada.”

“Esta é a verdade: a vida começa quando a gente compreende que ela não dura muito.”

Milton Viola Fernandes (1923-2012). Autor e tradutor. Descobriu na adolescência que havia sido registrado erroneamente, graças a uma caligrafia duvidosa, como Millôr. De humor singular, humanista e moderno, com visão cética do mundo, Millôr Fernandes foi considerado uma figura de proa do panorama cultural brasileiro: jornalista, escritor, artista plástico, humorista, pensador. Destacou-se em todas essas atividades. No teatro, empreendeu uma transformação no campo da tradução, tal a quantidade e diversidade de peças que traduziu. Escreveu, com Flávio Rangel – Liberdade, Liberdade – uma das peças pioneiras do teatro da resistência à ditadura militar, encenada em 1965. Em seus trabalhos costumava-se valer de expedientes como a ironia e a sátira para criticar o poder e as forças dominantes, sendo em consequência confrontado constantemente pela censura.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

A SECA NOS VERSOS DOS REPENTISTAS

Na região nordestina
Que muitos chamam de norte
Eu sei que a cara da seca
Tem aspecto muito forte
Tem o sorriso da fome
E a gargalhada da morte.

Rogério Menezes

Sem cair chuva na terra
A seca faz ameaça
Como é triste ver um homem
Com um carro pipa na praça
Vendendo uma lata d’água
Que o céu derramou de graça.

João Paraibano (1952 – 2014)

No ano que a chuva falta
A terra nega as ofertas
As abelhas vão embora
As matas ficam desertas
E o sol queima as pétalas virgens
Das flores recém-abertas.

Pedro Bandeira (1938 – 2020)

Se faltar chuva na terra
Deus manda pra nossa mente
Deixa chuva e deixa a seca
E toque daqui pra frente
Se faltar chuva no céu
Sobra chuva no repente.

Oliveira de Panelas

Vejo o chão estorricado
Mas isso não me faz guerra
Pode emperrar a nuvem
Mas o verso não emperra
Que o cantador quando é bom
Abrindo a boca não erra.

Luciano Leonel