ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

TRIBUTO POÉTICO A MANOEL XUDU

O poeta paraibano Manoel Xudu (1932-1985), antes de ser grande cantador de viola, destacou-se pela profunda formação humanística. Respeitoso, espontâneo, modesto, gênio do repente e exemplo de decência e coleguismo. Sua personalidade se impunha pela maneira educada e gentil de se comunicar. Inspirava admiração, respeito e cordialidade em todos aqueles que tiveram a oportunidade de conhecer esse talentoso poeta e repentista paraibano que brilhou no admirável universo da poesia cantada.

Geraldo Amâncio, um dos expoentes da cantoria de viola, fez uma homenagem póstuma ao extraordinário Manoel Xudu glosando o seguinte mote:

A viola vestida de saudade
Pendurada na cruz do cantador.

Sendo vítima dos golpes da traição,
Da pessoa a quem tanto deu carinho,
De repente se vendo tão sozinho,
Resolveu enfrentar a solidão,
Por ser grande demais seu coração,
Não havia lugar para rancor,
Coração de poeta é como a flor
Machucada por pés, sem piedade,
A viola vestida de saudade
Pendurada na cruz do cantador.

O seu estro foi puro como o lírio
Cujas pétalas muitos buscam tê-las
Tinha o brilho opalino das estrelas
Nas chapadas azuis do céu empíreo
Fora preso, que pena, por delíreo.
Aos encantos do seu primeiro amor,
Quem nasceu com destino de condor,
Só na pátria de Deus tem liberdade,
A viola vestida de saudade
Pendurada na cruz do cantador.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

ARIANO SUASSUNA EM QUATRO TEMPOS

1 – Um amigo de Ariano Suassuna, ao encontrá-lo, falou: “Você, Ariano, eu nem elogio mais. É chover no molhado!”, disse, com uma demonstração calorosa, abraçando-o. Ao que o escritor retrucou, veemente: “Não senhor! Eu gosto de ser festejado! Passe pra cá meu elogio! Quero tudo que tenho direito! Se não recebo dos meus amigos, dos inimigos é que os aplauso não me chegam!”

2- O autor do Auto da Compadecida achava que era muito feio quem falava dos outros pela frente e explicava a razão: “É constrangedor para quem fala e também para quem está sendo falado. Muito mais correto é esperar a pessoa sair para que ela vire o assunto.”

3 – Na véspera da encenação de sua peça A Farsa da Boa Preguiça, pela Rede Globo, Ariano Suassuna disse ao jornal O Globo: “Televisão é como um machado. Se for usado para cortar lenha a fim de aquecer quem está com frio, sou a favor dele. Se for para lascar a cabeça de um menino, sou contra.”

4- O nosso consagrado teatrólogo e escritor pertencia a três Academias de Letras: a Pernambucana, a Paraibana e a Brasileira. Era, pois, imortal triplamente, embora dissesse ele, preferia ser imorrível.

Ariano Vilar Suassuna (1927-2014) foi um dramaturgo, romancista, ensaísta e poeta brasileiro. Idealizador do Movimento Armorial e autor de obras como Auto da Compadecida e O Romance da Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta. Em 1989, foi eleito para a cadeira nº 32 da Academia Brasileira de Letras. Em 1993, foi eleito para a cadeira nº 18 da Academia Pernambucana de Letras e em 2000, ocupou a cadeira nº 35 da Academia Paraibana de Letras. Poucos brasileiros foram tão geniais e de inteligência popular e erudita ao mesmo tempo como Ariano Vilar Suassuna, ou simplesmente Ariano Suassuna.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

O BOM HUMOR NOS VERSOS DOS REPENTISTAS

Quando eu calar minha lira,
Meu trabalho e minha trova,
A deusa desce do céu,
Vem visitar minha cova,
Dizendo nessa terrinha
Não tem outro Vila Nova.

Ivanildo Vila Nova

Dos animais que conheço
Eu admiro é o grilo:
De carne não tem um grama;
De osso, nem meio quilo;
Mas no lugar onde canta
Não tem quem durma tranquilo.

Geraldo Amâncio

Se hoje eu sou ruim
Pra aquele que me detesta
Deixo falar o que queira
Dizer isso é que me resta
Nós nunca seremos bons
Na boca de quem não presta.

Melão Repentista

Eu não estava dormindo
Apenas dei um cochilo
Sonhei que estava pescando
Nas águas do rio Nilo
Pescando cada traíra
Que a cabeça dava um quilo.

Zé Bernadino do Pajeú

Estou como um penitente
Que não possui um barraco,
Dorme à toa pela rua,
Um guabiru fura o saco,
Quando recebe uma esmola
Ela cai pelo buraco.

Manoel Xudu (1932-1985)

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

FRASES ANÔNIMAS BEM-HUMORADAS

“Se um dia você perder o controle, levante-se e mude de canal manualmente.”

“É uma pena que os homens não podem trocar seus problemas. Todo mundo sabe exatamente como resolver os problemas uns dos outros.”

“A pior coisa que uma pessoa pode fazer na vida é fugir de si mesmo; mais cedo ou mais tarde alcançar-se-á ainda por cima cansado.”

“O primeiro economista do mundo foi Cristóvão Colombo: quando saiu, não sabia para onde ia; quando chegou, não sabia onde estava e tudo por conta do governo.”

“Em certa idade, quer pela astúcia quer por amor próprio, as coisas que mais desejamos são as que fingimos não desejar.”

“Confie no seu eu do futuro, ele é capaz de fazer o que seu eu do passado não conseguiu e aquilo que seu eu do presente não está afim.”

“Considero a televisão uma coisa muito educativa, porque cada vez que alguém a liga na sala vou para o meu quarto ler um livro…”

“Um otimista lhe falará que o copo está meio cheio; o pessimista, meio vazio; e o engenheiro lhe falará que o copo é duas vezes o tamanho que precisa ser.”

“Eu gosto de deixar oportunidade de trabalho aos mais jovens. E tenho essa nobre atitude desde meus 15 anos.”

“Há três etapas na vida: temos que dormir a sesta e não nos apetece; queremos dormir a sesta, mas não temos tempo; queremos dormir a sesta, temos tempo, mas não conseguimos dormir.”

“A insônia te torna bom em matemática porque você passa a noite inteira tentando calcular quanto tempo vai poder dormir.”

“Compartilhe o verbo Facebook: eu posto, tu comentas, ele curte, nós compartilhamos, vós publicais,eles riem, ninguém trabalha.”

“Só não jogo tudo para o alto, porque depois quem vai ter que juntar será eu mesmo.”

“A humildade e a modéstia são virtudes necessárias, e apenas pessoas com a genialidade acima da média, como eu, percebem isso!”

“Dizem que todas as pessoas têm um lado bonito. Então, eu estou começando a achar que sou um círculo!”

“Se as pessoas repetem muitas vezes que voê está errado, você pode até esquecer que está certo.”

“Se passando álcool nas mãos você fica imune a várias bactérias, bebendo então… você fica quase imortal!”

“Estou me afastando de tanta gente que daqui a uns dias a solução vai ser conversar com as plantas.”

“É tão bom encontrar aquela pessoa especial que você quer incomodar pelo resto da vida.”

“Eu queria morrer igual ao meu avô, dormindo bem tranquilo… e não gritando desesperadamente como os 40 passageiros do ônibus que ele dirigia.”

“Já fui dono de várias empresas, tive carros importados, iates, mansões, mas nunca perdi a humildade porque os jogos imobiliários são educativos.”

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

QUADRINHAS DE PATATIVA DO ASSARÉ

A descoberta sem par,
Que causaria receios,
Seria o de adivinhar
Os pensamentos alheios.

Por uma causalidade,
Ou um ato milagroso,
Sai uma simples verdade
Da boca de um mentiroso.

A fogueira da vaidade
Vive acesa noite e dia,
Mas, da sua claridade,
Todos voltam de alma fria.

O poeta é um vagabundo
Que vive vagando além
Procurando neste mundo
O que este mundo não tem.

Quem mais bate é o coração,
Pois bate antes de nascer
E com a continuação,
Vai batendo até morrer.

Cada qual na sua lida
Trabalha constantemente
Anda a gente atrás da vida
E anda a morte atrás da gente.

Na vida, o que não espero
Gosta de me aparecer
Vejo sempre o que não quero
Em vez do que eu quero ver.

Desde o dia de tristeza,
Quando te deixei na cova,
Foi sepultado a beleza
Dos versos da minha trova.

Antônio Gonçalves da Silva (1909 – 2002), mais conhecido como Patativa do Assaré, foi um poeta popular, compositor, cantor e repentista brasileiro. O cearense de Assaré teve sua obra registrada em folhetos de cordel, em discos e livros. Aos 16 anos, comprou sua primeira viola e começou a cantar de improviso. Com uma linguagem simples, porém poética, registrava a vida sofrida e árida do povo do sertão. Projetou-se com a música “Triste Partida” em 1964, uma toada de retirantes, gravada por Luiz Gonzaga, o Rei do Baião. Seus livros, traduzidos em vários idiomas, foram temas de estudos na Sorbonne, a mais tradicional universidade francesa, na cadeira de Literatura Popular Universal.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

ALGUNS POEMAS BREVES

FELIZ ANO NOVO!

Desejo de coração
Um ano pleno de alegria
Quem chegue até você
Perceba sua harmonia
Pois os seus pensamentos
Geram uma boa energia.

PERDÃO

É tempo de refazer
A ferida logo sarar
Momento de refletir
A ofensar reparar
Liberte dessa prisão
Basta tomar uma ação
Ser capaz de perdoar.

VALOR DO DINHEIRO

Temos que admitir
O valor do dinheiro
Compra algumas partes
Porém não o inteiro
Sendo amor não tem vez
Quando é verdadeiro.

RESPEITAR PARA SIMPLIFICAR

A vida fica simples
Com o uso da razão
Não se pode ter a paz
Vivendo em discussão
Deve sempre respeitar
Ainda que discordar
De outra opinião.

LIVRO É BOA COMPANHIA

Sempre é bom você ter
Um bom livro por perto
Para se modernizar
É modelo correto
Quem não ler, não distingue
O tortuoso do reto.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

A RELIGIÃO NOS VERSOS DOS REPENTISTAS

A cada tarde Deus pinta
Um pôr de sol diferente
Nesse aspecto Deus parece
Um cantador de repente
Mas em vez de cantar
Pinta painéis no poente.

Ivanlido Vila Nova

Tire da Bíblia sagrada
Sua perfeita lição,
Seja humilde, ajude ao próximo
Ao faminto estenda a mão;
Console quem está aflito
Se quiser seu nome escrito
No livro da salvação!

Geraldo Amâncio

Deus querendo, todos comem
Que um dia Ele pregando
Mais de cinco mil pessoas
Que estavam lhe observando
Com cinco pães e dois peixes
Comeram e ficou sobrando.

Manoel Xudu (1932-1985)

Se Deus quiser num minuto
O mundo pode mudar
O verão pode ir embora
A chuva pode chegar
Um sadio pode morrer
E um doente escapar.

Valdenor Sousa

Se eu conversasse com Deus
Com minhas palavras mansas,
Mandava acabar a guerra
Quebrando facas e lanças
E a terra produzir mais
Pão para nossas crianças.

Zé Cardoso

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

FRASES SÁBIAS DE AUGUSTO CURY

“Os problemas nunca vão desaparecer, mesmo na mais bela existência. Problemas existem para serem resolvidos, e não para perturbar-nos.”

“A vida é um grande espetáculo. Só não consegue homenageá-la quem nunca penetrou dentro de seu próprio ser e percebeu como é fantástica a construção da sua inteligência.”

“O pior cárcere não é o que aprisiona o corpo, mas o que asfixia a mente e algema a emoção. Sem liberdade, as mulheres sufocam seu prazer. Sem sabedoria, os homens se tornam máquinas de trabalhar.”

“Sem sonhos, os monstros que nos assediam, estejam eles alojados em nossa mente ou no terreno social, nos controlarão. O objetivo fundamental dos sonhos não é o sucesso, mas nos livrar do fantasma do conformismo.”

“A capacidade de se colocar no lugar do outro é uma das funções mais importantes da inteligência. Demonstra o grau de maturidade do ser humano.”

“Não devemos enxergar apenas com os olhos da face, que só captam a luz exterior, as ondas eletromagnéticas. Precisamos também enxergar com os olhos do coração que captam os pensamentos e as emoções das pessoas.”

“Os nossos maiores problemas não estão nos obstáculos do caminho, mas na escolha da direção errada.”

“A sabedoria de um homem não estar em não errar, chorar, se angustiar e se fragilizar, mas em usar seu sofrimento como alicerce de sua maturidade.”

“Uma emoção doente é instável, mal-humorada, negativista, desprotegida, ansiosa. Qualquer problema a invade e fere. Uma emoção saudável é estável, motivada, protegida, alegre, tranquila e capaz de superar os inevitáveis períodos de ansiedade.”

“Às vezes não possuímos grandes bens materias, mas somos miseráveis, pois nos especializamos em reclamar e valorizar o que nos falta e não nos alegrar pelo que temos e somos. A sensibilidade depende de nossa visão e postura de vida.”

“Quando somos abandonados pelo mundo, a solidão é superável; quando somos abandonados por nós mesmos, a solidão é quase incurável.”

“Sábio é o ser humano que tem coragem de ir diante do espelho da sua alma para reconhecer seus erros e fracassos e utilizá-los para plantar as mais belas sementes no terreno de sua inteligência.”

“Os piores estranhos são aqueles que vivem na mesma casa e fingem que se conhecem. Conversam banalidades, mas nunca o essencial.”

“A sabedoria não está em não falhar ou sofrer, mas usar nossas falhas para amadurecer e nosso sofrimento para compreender a dor dos outros.”

“Por detrás de uma pessoa que fere há sempre uma pessoa ferida. Ninguém agride os outros sem primeiro se auto-agredir. Ninguém faz os outros infelizes, se primeiro não for infeliz.”

“Uma pessoa imatura pensa que todas as suas escolhas geram ganhos. Uma pessoa madura sabe que todas as escolhas têm perdas.”

“Não há céu sem tempestades, nem caminhos sem acidentes. Não tenha medo da vida, tenha medo de não vivê-la intensamente.”

“Temos que reconhecer humildemente: desenvolvimento tecnológico não trouxe o desenvolvimento psíquico esperado. Algumas coisas melhoraram, outras pioraram. Transtornos emocionais, solidão, crise de diálogo.

“A maior represália contra um inimigo é perdoá-lo. Se perdoamos, ele morre como inimigo e renasce a nossa paz. O perdão nutre a tolerância e a sabedoria.”

“Criar oportunidade é depender de si, esperar que apareçam é depender dos outros. Criar oportunidade é irrigar a terra, esperar que apareçam é aguardar as chuvas. Criar oportunidade é libertar a intuição criativa, esperar que apareçam é depender da sorte.”

Augusto Jorge Cury é um médico, psiquiatra, psicoterapeuta, doutor em psicanálise, professor e escritor. Nasceu em Colina, interior de São Paulo em 02 de outubro de 1958. Seus livros já venderam mais de 20 milhões de exemplares somente no Brasil, tendo sido publicado em mais de 70 países. O autor estudou com profundidade as dinâmicas da emoção e da construção dos pensamentos.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

ALGUNS POEMAS BREVES

SEPTILHA DA SERENIDADE

Um poder superior
Fornece serenidade
Quem anseia se transformar
Manter a sanidade
Amparo vem despertar
Você vai localizar
O bem na intimidade!

* * *

TREM DA VIDA

O trem que vem chegando
É aquele da partida
A hora do encontro
É também despedida
No local da estação
Ocorre a nossa vida.

* * *

MUDANÇA

Mudamos pra melhorar
Pois somos racionais
Conversão com rapidez
Não sendo tarde demais
Mutação por nós mesmos
Libertar de egoísmos
Por outra pessoa jamais.

* * *

QUALIDADE DE VIDA

Cada ciclo da vida
Pode ter qualidade
Cuide bem da saúde
Cultive amizade
Quem possui sabedoria
Vive bem toda idade.

* * *

VIVER E AMAR

Jamais deixe de viver
Por mais que exista dor
Saia desse pântano
Seja um bravo condor
Pouse em outra árvore
Colha o fruto do amor.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

BRAVATA NO REPENTE

A atitude de quem conta bravatas é uma das matérias-primas do admirável universo do repente. Cantar vantagens, sugerir grandeza, produzir mentiras absurdas constitui gênero de muito contentamento das plateias sertanejas. Tentar confundir o adversários com rimas incomuns, com demonstração de conhecimento gerando impasse é uma alternativa do repentista ansioso por mostrar que tem talento. São as chamadas pelejas, desafios, que formam torcidas entre os espectadores das apresentações dos cantadores de viola.

Nonato Costa e Raimundo Nonato são dois talentosos repentistas da nova geração que duelaram em Patos/PB, numa peleja dessa natureza, cantando o tema:

O cantador que me enfrenta.

Nonato Costa inicia com esta sextilha:

Todo cantador que tenta
Me enfrentar seu corpo esfria;
Fica criando piada,
Já que repente não cria,
Pra descontrair o povo
Que quer ouvir cantoria.

Raimundo Nonato parte da deixa do colega e constrói esta resposta, no mesmo tom de desafio:

E todo que me desafia
Eu considero um infante,
Um louco perto do lúcido;
Um anão próximo ao gigante
E um grão de areia debaixo
Da pata de um elefante.

A medição de forças continua. Adiante, Raimundo Nonato faz mais uma estrofe exagerando ao dizer que seu competidor iria terminar recorrendo a uma cadeira de rodas para conseguir se movimentar. Nonato Costa aproveita a deixa e elabora uma criativa sextilha:

Vindo de qualquer lugar
Pra me enfrentar, fica azedo!
Pede a Deus que acabe logo
Pra poder ir dormir cedo;
Começa roxo de raiva
E finda amarelo de medo.