ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

A SECA NOS VERSOS DOS REPENTISTAS

Na região nordestina
Que muitos chamam de norte
Eu sei que a cara da seca
Tem aspecto muito forte
Tem o sorriso da fome
E a gargalhada da morte.

Rogério Menezes

Sem cair chuva na terra
A seca faz ameaça
Como é triste ver um homem
Com um carro pipa na praça
Vendendo uma lata d’água
Que o céu derramou de graça.

João Paraibano (1952 – 2014)

No ano que a chuva falta
A terra nega as ofertas
As abelhas vão embora
As matas ficam desertas
E o sol queima as pétalas virgens
Das flores recém-abertas.

Pedro Bandeira (1938 – 2020)

Se faltar chuva na terra
Deus manda pra nossa mente
Deixa chuva e deixa a seca
E toque daqui pra frente
Se faltar chuva no céu
Sobra chuva no repente.

Oliveira de Panelas

Vejo o chão estorricado
Mas isso não me faz guerra
Pode emperrar a nuvem
Mas o verso não emperra
Que o cantador quando é bom
Abrindo a boca não erra.

Luciano Leonel

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

FRASES ANÔNIMAS BEM-HUMORADAS

“A felicidade é uma lazanha, quanto mais você abre o forno, mais ela demora em ficar pronta. Desista da ansiedade e deixe cozinhar.”

“Estava tudo indo bem no nosso relacionamento, até a gente ver que a comida não ia se fazer sozinha.”

“Não é porque eu me envolvo com uma pessoa diferente por semana, que eu não tenho sentimentos. Eu tenho tantos, que os espalho.”

“Um panda come durante 12 horas por dia. Uma pessoa na quarentena come igual a um panda por isso se chama pandemia.”

“Quando você está em um lugar pensando em outro lugar, você não está em lugar nenhum.”

“Talvez, o interessante da vida, seja saber que não sabemos absolutamente nada, e que muito provavelmente, nem tenhamos tempo para entender tudo.”

“Final de semana perfeito: dormir, dormir, acordar para ir ao banheiro e comer algo, dormir, redormir, em seguida dormir de novo e assim que der mudar de posição na cama para voltar a dormir novamente.”

“O amor não é aquilo que arde sem se ver, ferida que dói e não se sente. O nome disso é gastrite, o amor é outra coisa.”

“A gente toma leite que não é leite, toma cerveja que não é cerveja, usa gasolina que não é gasolina, come carne que não é carne, daqui a pouco… vamos ficar sabendo que o papel não é papel.”

“O transporte da minha cidade é tão precário, que o meteoro passou antes do ônibus e eu fui nele mesmo.”

“A maior prova que existe vida inteligente em outros planetas é que eles ainda não entraram em contato conosco…”

“Nunca faça algo permanentemente estúpido… só porque você está temporariamente desapontado.”

“Se algum dia eu for bem rico, não vou querer ver meus amigos passando dificuldades. Vou embora para bem longe.”

“Criança de hoje ganha celular, tablet e vídeo game. Na minha época, eu ganhava uma havaianas e uma surra com o próprio presente.”

“Primeiro disseram que o vírus não chega a 1 metro, depois 4 metros e agora flutua no ar. Daqui a pouco, ele chama no portão.”

“Se decepcionar com comida que você achou que ia ser boa, mas veio ruim, é pior que decepção amorosa.”

“Vocês perceberam que, depois de todo mundo passar a possuir celular de qualidade de imagem melhor, nunca mais apareceram Discos Voadores em fotos?”

“Pessoas maravilhosas vão entrar e sair da sua vida, mas a pessoa você vê no espelho estará lá para sempre. Seja sempre o melhor que você conseguir para você mesmo, seja sua melhor versão!”

“Se você é uma dessas pessoas que não tem sorte, quando vir a luz no fim do túnel… corra, pois é um trem.”

“Alguns reclalmam da segunda-feira. Se achamos um saco, estamos certo. Se achamos que é outra oportunidade, também estamos certos. Somos movidos por nossos modelos mentais, depende do ponto de vista.”

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

ALGUNS POEMAS BREVES

VIVER BEM SEMPRE

Cada ciclo da vida
Pode ter qualidade
Cuide bem da saúde
Cultive a amizade
Quem possui sabedoria
Sabe usar a energia
Vive bem toda idade.

TIMIDEZ

Timidez é entrave
Pra se socializar
Imagine ficar só
E não querer confessar
Calar não é consentir
Tem mais que evoluir
Invista no reeducar.

INVERNO NO SERTÃO

Não tem maior beleza
Do que chuva caindo
No solo sertanejo
Ver o povo sorrindo
Após tanta agrura
Deus manda fartura
Não há quadro mais lindo.

OBSESSÃO

Uma ideia persistente
Define a obsessão
Prejudica nossa saúde
Causa na mente indecisão
Pode a pessoa adoecer
Porém consegue vencer
Com foco na motivação.

PRIORIZAR

Deve-se ter na vida
Sempre prioridade
Família bem unida
Amigos de verdade
Ter prazer em trabalhar
Só no bem se inspirar
Isso é felicidade!

LOURO BRANCO FOI CANTAR NO CÉU

Louro Branco viajou
A tristeza irradia
Mas no céu é bem-vindo
Pois leva sua alegria
Na hora que ele chegar
Seus versos vão faiscar
Brilhando na cantoria!

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

ALGUMAS DAS MELHORES FRASES DE MANOEL DE BARROS

“A mãe reparou que o menino gostava mais do vazio do que do cheio. Falava que os vazios são maiores e até infinitos.”

“Quando meus olhos estão sujos da civilização, cresce por dentro deles um desejo de árvores e aves.”

“Sou hoje um caçador de achadouros da infância. Sou meio dementado e enxada às costas caçar no meu quintal vestígios dos meninos que fomos.”

“No descomeço era o verbo. Só depois é que veio o delírio do verbo. O delírio do verbo estava no começo, lá onde a criança diz: Eu escuto a cor dos passarinhos.”

“Afundo um pouco o rio com meus sapatos. Desperto um som de raízes com isso. A altura do som é quase azul.”

“Sou mais a palavra ao ponto de entulho. Amo arrastar algumas no caco de vidro, envergá-las pro chão, corrompê-las, – até que padeçam de mim e me sujem de branco.”

“Você vai encher o dia com as suas peraltagens e algumas pessoas vão te amar por seus despropósitos.”

“Guarda num velho baú seus instrumentos de trabalho
1 abridor de amanhecer
1 prego que farfalha
1 encolhedor de rios
1 esticador de horizontes.”

“Povo, criança, bêbados, psicóticos e primitivos renovam as linguagens. Inventam as maneiras de falar, criam fora dos livros.”

“Quem anda no trilho é trem de ferro. Sou água que corre entre pedras – liberdade caça desse jeito.”

“Que a importância de uma coisa não se mede com fita métrica nem com balanças nem barômetros etc. Que a importância de uma coisa há que ser medida pelo encantamento que a coisa produza em nós.”

“Meditei sobre as borboletas. (…) Vi que elas podem pisar nas flores e nas pedras, sem magoar as próprias asas.”

“[É preciso] desinventar os objetos. O pente, por exemplo. É preciso dar ao pente funções de não pentear. Até que ele fique à disposição de uma begônia. Ou uma gravanha. Usar algumas palavras que ainda não tenham idioma.”

“Tudo aquilo que nos leva a coisa nenhuma e que você não pode vender no mercado como, por exemplo, o coração verde dos pássaros, serve como poesia.”

“Estou feliz e dediquei um tempo dessa esquizofrenia a escrever. Sei que alguns vão reprovar este texto e serei chamado, carinhosamente, de imbecil. Uma pena. Fico emocionado e choro. Sou fraco para elogios.”

“Sei que fazer o inconexo aclara as loucuras. Sou formado em desencontros. A sensatez me absurda. Os delírios verbais me terapeutam”…”

“Penso que têm nostalgia de mar estas garças pantaneiras. São viúvas de Xaraés? Alguma coisa em azul e profundidade lhes foi arrancada. Há uma sombra de dor em seus voos. Assim, quando vão de regresso aos seus ninhos, enchem de entardecer os campos e os homens.”

“Dou respeito às coisas desimportantes e aos seres desimportantes. Prezo insetos mais que aviões. Meu quintal é maior do que o mundo. Tenho em mim um atraso de nascença. Eu fui aparelhado para gostar de passarinhos. Tenho abundância de ser feliz por isso. Meu quintal é maior do que o mundo.”

“A maior riqueza do homem é a sua incompletude. Nesse ponto sou abastado. Palavras que me aceitem como sou – eu não aceito. Não aguento ser apenas um sujeito que abre portas, que puxa válvulas, que olha o relógio, que compra pão às 6 horas da tarde, que vai lá fora, que aponta lápis, que vê a uva etc. etc. Perdoai Mas eu preciso ser Outros. Eu penso renovar o homem usando borboletas.”

“Poderoso pra mim não é aquele que descobre OURO. Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias (do mundo e as nossas).”

“… E aquele que não morou nunca em seus próprios abismos nem andou em promiscuidade com seus fantasmas não foi marcado. Não será marcado. Nunca será exposto às fraquezas, ao desalento, ao amor, ao poema.”

Manoel Wenceslau Leite de Barros (1916-2014) foi um poeta brasileiro do século XX, pertencente, cronologicamente à geração 45, porém formalmente ao pós-Modernismo brasileiro, localizando-se mais próximo das vanguardas europeias do início de século, da Poesia Pau-Brasil e da Antropofagia de Oswaldo de Andrade. O poeta mato-grossense Manoel de Barros buscava conjugar em sua obra elementos regionais com aflições existenciais e um surrealismo bastante particular. Sua formação era cosmopolita. Graduado em Direito e familiarizado com a modernas poesia francesa, chegou a viver no Rio de Janeiro, mas acabou se recolhendo a uma fazenda no pantanal.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

BREVE REFLEXÃO SOBRE ENVELHECER

O homem, como ser social, desempenha, ao longo de sua vida, vários papéis a partir de construções sociais idealizadas pela sociedade em que está inserido. Ele apreende essas condutas e vai se organizar segundo suas necessidades, motivações e capacidade de resolver os conflitos que surgirem.

A construção do tempo deve transcender a passagem inexorável das horas, dias, meses e anos.Ter lucidez de viver o presente com as experiências do passado e a perspectiva de qualidade de vida futura. O caminho em direção a essa construção é uma conquista a ser alcançada pela tonificação de novo projeto de vida para cada faixa etária, ou seja, respeitar os limites físicos e enfrentar os novos desafios com seu potencial máximo de energia.

Envelhecer depende do delicado equilíbrio entre as limitações e as potencialidades das fases vivenciadas pelo homem durante sua vida. Se no decorrer dessas fases houve um bom desenvolvimento de maturidade pessoal, é possível concluir o ciclo existencial com o refinamento da própria personalidade. A velhice, com sucesso, é condição individual e grupal de bem-estar físico e social no ambiente, consideradas as circunstâncias de história pessoal e de sua geração.

O repentista Odilon Nunes de Sá (1900-1997), um dos mais importantes nomes da poesia popular na Paraíba, deixou de herança uma bela e criativa sextilha sobre a velhice:

Admiro a mocidade
Não querer envelhecer:
Velho ninguém quer ficar,
Moço ninguém que morrer;
Sem ser velho não se vive,
Bom é ser velho e viver.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

O BOM HUMOR NOS VERSOS DOS REPENTISTAS

Eu sou feliz porque vivo
Cantar verso sem quebranto
Sou feliz por ser poeta
Isso aí eu lhe garanto
Sílvio Santos tem dinheiro
E não canta o tanto que eu canto.

Geraldo Amâncio

Me criei em Mossoró
No fundo de um landuá,
Estou servindo de rebolo
Pro Cão derribar juá;
Vim descobrir que sou gente
De um dia desses pra cá.

Luiz de Campos (1939 – 2013)

A calça desse garoto
Parece que está perdida
Foi esta a roupa mais feia
Que eu já vi na minha vida
Pra ser comprida está curta
Pra ser curta está comprida.

Bem-te-vi Neto (1922 – 1959)

O sopapo do meu braço
Todo cantador respeita
Do lado esquerdo espatifo
Lasco da banda direita
Aonde eu baixo a munheca
A bagaceira está feita.

Pedro Bandeira

Dizem que o planeta Marte
É realmente habitado,
Alô, alô! marciano
Deixa o cofre destrancado,
Que o Brasil vai aí
Pedir dinheiro emprestado.

Oliveira de Panelas

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

FRASES ANÔNIMAS INTELIGENTES

“Pessoas maravilhosas vão entrar e sair da sua vida, mas a pessoa que você vê no espelho estará lá para sempre. Seja sempre o melhor que conseguir para você mesmo.”

“Não há nada de nobre em sermos superiores ao próximo. A verdadeira nobreza consiste em sermos superiores ao que éramos antes.”

“A pandemia não transformou ninguém. Quem é bom, continuou sendo bom e demonstra isso em ações. E quem é mal continua sendo mal e mostra no dia a dia que não tem compaixão de ninguém.”

“Não existem erros, apenas lições. O crescimento é um processo de tentaviva e erro: experimentação. As experiências que não deram certo fazem parte do processo, assim como as bem sucedidas.”

” Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos outra metade. Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta: a gente cresce através da gente mesmo. Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável.”

“A saudade é a ausência de uma pessoa que você não pode ter por perto, mas que anda em seu coração, acariciando sua alma todos os dias.”

“Eu sou o meu único obstáculo. Cada vez que me supero é a mim que venço. Não nasci para ser mais, melhor, menos, nem pior do que ninguém, mas para vencer os meus limites. Não concorro em nada com ninguém. Eu sou o meu desafio.”

“Todos nós temos nossas máquinas do tempo. Umas te levam para trás, são chamadas de memória. Outras te levam para frente, são chamadas de sonhos.”

“Ninguém sabe o que se passa na vida de ninguém. Não sabe as dificuldades, as tristezas, as dores, as marcas que a vida deixou na pessoa. Então não julgue.”

“Saudável não significa ter uma dieta rigorosíssima. Saudável não é uma medida de peso. Ser saudável envolve sua mente, espírito e coração, tanto quanto envolve seu corpo. A versão saudável de cada pessoa é diferente. Doces não o tornam menos saudável, mas a tristeza sim.”

“A felicidade não depende do tempo, nem da paisagem, nem da sorte, nem do dinheiro. Ela vem com toda simplicidade, de dentro para fora, de cada um para todos.”

“Não interfira na vida de ninguém. Não tente forçar alguém a seguir a seguir um caminho que você acha que é o certo. Você pode segui-lo, pois é a sua liberdade, mas nunca imponha a ninguém mais.”

“Dizem quem perde o telhado ganha as estrelas. É assim mesmo. Às vezes perdemos o que não queríamos, mas conquistamos o que nunca imaginávamos.”

“O mundo não é dos espertos. É das pessoas honestas e verdadeiras. A esperteza, um dia, é descoberta e vira vergonha. A honestidade se transforma em exemplo para as gerações do futuro. Uma corrompe a vida; a outra enobrece a alma.”

“Quando entendemos que toda opinião é uma visão carregada de história pessoal, compreendemos que o julgamento é uma confissão.”

“Nada mais terrível do que um homem murado dentro de si mesmo. Aquele que corta toda comunicação profunda com os outros, que se isola, que se fecha, para se tornar inacessível, é o mais infeliz dos homens.”

“O bom da vida é que mesmo que não possamos mudar o que ficou para trás, ela nos dá oportunidade de escrever uma nova história…”

“É preciso permitir que as coisas maravilhosas aconteçam, porque a felicidade bate na porta, mas não gira a maçaneta. Quem decide se quer que ela entre ou não, é você. “

“O boneco de neve se aproximou da fogueira buscando calor, sem saber que às vezes o que a gente acha que precisa é o que nos causa mais dano.”

“Você tem que ir a três lugares para aprender a vida: hospital, prisão e cemitério. No hospital, você vai entender que nada é mais bonito do que a saúde. Na prisão, você verá que a liberdade é o bem mais precioso. No cemitério, você vai perceber o real valor da vida. O chão que nós caminhamos hoje será o nosso telhado amanhã.”

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

RESILIÊNCIA

A resiliência é um termo originado da Física e da Engenharia. Refere-se à propriedade de alguns materiais de acumular energia quando submetidos ao estressse e às forças externas, sem ocorrer ruptura. A psicologia pegou emprestada a palavra criando o termo resiliência psicológica para indicar como as pessoas respondem às frustrações diárias, em todos os níveis, bem como sua capacidade de recuperação emocional. E, expressando de maneira objetiva, afirma que a pessoa, quanto mais resiliente, mais fortemente estará preparada para lidar com as adversidades cotidianas.

Ao longo da vida, muitas pessoas passam por situações consideradas desvantajosas: perda de entes queridos, enfermidades, conflitos com pessoas da sua afetividade, desemprego e violência psicológica/física. Quando observamos os indivíduos, nos momentos difíceis, é possível perceber como as reações e formas de enfrentamento são distintas. Existem os que conseguem retomar o autodesenvolvimento a partir de novos aprendizados. E aqueles que não conseguem seguir adiante, sem arrastar as correntes que os mantêm presos aos fantasmas de um passado, que só traz dor e pesar.

A resiliência significa não esquecer completamente os fatos ruins acontecidos. Entretanto, tais fatos devem ser vivenciados como se tudo fosse apenas aprendizado, extraindo-se as coisas positivas dessas experiências. A superação é permitir-nos sentir raiva e tristeza ao lembrar dos fatos que causaram dor, aprendendo e vivendo sem deixar que os fantasmas do pretérito nos impeçam de crescer e seguir em frente.

Pessoas resilientes têm uma percepção de si mesmos de serem fortes, eles usam todos os meios possíveis para aprender a lidar com os problemas. Não se incomodam por não terem conseguido na primeira vez, eles consideram que toda tentativa é válida, pois a cada uma aprendemos um pouco mais. É possível se transformar em uma pessoa resiliente, mas para isso é necessário seguir alguns fatores: administração das emoções, controle dos impulsos, otimismo, análise do ambiente, empatia, autoeficácia e bom relacionamento social. Concluímos que a ferramenta necessária para atingir o objetivo de ser resiliente é investir no autoconhecimento.

Fonte: Este texto foi encontrado na internet com autoria desconhecida. As pessoas começaram a enviar para os e-mails dos amigos, então devido a importância do assunto resolvi publicar no JBF.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

CÂMARA CASCUDO

Luís da Câmara Cascudo (1898 – 1986) foi um folclorista, historiador, antropólogo, advogado e jornalista brasileiro. Pertencente a uma rica família potiguar, Câmara Cascudo tornou-se talvez o mais importante pesquisador da etnografia e do folclore brasileiro. Ele viveu quase toda sua vida no Rio Grande do Norte . Lia, recebia visita e escrevia muito. Em suas viagens, fazia amigos e ouvia histórias. Trocava correspondências com bastante frequência.

Exerceu várias profissões públicas, entre as quais professor, diretor de escola, secretário do Tribunal de Justiça e consultor jurídico do estado. Iniciou o curso de medicina, mas desistiu deste e acabou por se formar em Direito na velha Faculdade do Recife. Ao desejar ser jornalista, seu pai, um homem rico, instalou o jornal “A Imprensa” para seu filho, que neste mantinha uma coluna chamada de “Bric-A-Brac”, onde escrevia observações sobre a gente e a cena cultural de Natal. Iria colaborar, posteriormente, em vários outros jornais de capitais brasileiras, em especial no Recife.

Por ser um homem muito querido, Cascudo era constantemente abordado por pessoas, seja por escrito ou ao pé do ouvido, e acabava sendo um constante receptor de informações de toda a sorte, incluindo o relato de causos que embalaram o sono ou provocaram o susto em várias gerações. Como historiador, enriqueceu a sua obra com pesquisa sobre o homem no Brasil, deixando um precioso legado repleto de referências da sabedoria popular e da cultura brasileira. É notável que tenha obtido reconhecimento nacional e internacional publicando e vivendo distante dos centros Rio de Janeiro e São Paulo.

Uma pequena amostra do bom humor e do pensamento desse cientista social, responsável por disciplinar o conhecimento popular enquanto ciência:

“Faço questão de ser tratado por esse vocábulo que tanto amei: professor. Os jornais, na melhor ou na pior das intenções, me chamam folclorista. Folclorista é a puta que os pariu. Eu sou um professor. Até hoje a minha casa é cheia de rapazes me perguntando, me consultando.

“Domingo, 21 de abril, 39º aniversário do meu casamento. Ao despertar, a noiva de 1929 desaparecera. Fora assistir missa à missa na capela do Hospital. De regresso, beijos, abraços, congratulações. Dália declara não estar arrependida e me confesso capaz de reincidência com a mesma vítima.”

“Não se assombre, em Natal eu sou o único pecador profissional. Os outros são amadores.”

“Pescador é profissional do mutismo; deve ficar silencioso dentro da selvagem musicalidade do mar.”

“Quem não tiver debaixo dos pés da alma, a areias de sua terra, não resiste aos atritos da sua viagem na vida, acaba incolor, inodoro e insípido, parecido com todos.

“Comer de pé é modalidade de pasto, indispensável, justo, mas não humano, não natural, não social.”

“Meu pai dizia que a rede fazia parte da família. A rede colabora no movimento dos sonhos.”

“É o cinema em casa, o mundo em casa. É o tapete mágico de Aladim, em que você viaja sem sair do lugar. Tem função deturpadora, e não orientadora ou elevadora. Mas para os velhos surdos, meio cegos e jumentos como eu, aos 83 anos, é a vida. Para quem não chega á janela, não lê jornais como eu, a televisão é minha vida, a minha viagem.”

“Sou um homem mais de fé do que de culto. Posso recusar a extrema-unção, vou me entender pessoalmente com Deus.”

“O Piauí lembra um estômago cujo o piloro está voltado para cima e cai no Atlântico.”

“Vivi no sertão típico, agora desaparecido. A luz elétrica não aparecera. O gramafone era um deslumbramento. O velho João de Holanda, de Caiana, perto de Augusto Severo, ajoelhou-se no meio da estrada e confessou aos berros, todos os pecados, quando avistou, ao pôr do sol, o primeiro automóvel.”

“Amigo? É um parente por vocação. Parente? É um amigo por obrigação. O verdadeiro parentesco é aquele que você elege pelo afeto.”

“Sou um homem que não desanimou de viver e acho a vida cheia de encantos.”

“Foi apresentado a um figurão da diplomacia, no Itamaraty.

– Luís da Câmara Cascudo, Câmara Cascudo… parece que já ouvi falar no seu nome.

– O senhor é muito mais feliz do que eu. Estou absolutamente certo de que nunca ouvi falar no seu.”

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

A SAUDADE NOS VERSOS DOS REPENTISTAS

A gente só tem saudade
De quem vai e não vem
Eu vivo com a saudade
Graças a Deus, vivo bem
Quando a saudade morrer
Eu quero morrer também.

Rogério Menezes

Não é como explosão
Que destrói qualquer um prédio
É parecida com banzo
E é quase irmão do tédio
É um mal desconhecido
Que ninguém achou remédio.

Ivanildo Vila Nova

Em todo canto que for
Tem uma saudade atrás
O neto sente do avô
O filho sente dos pais
A gente só sente saudade
Daquilo que não tem mais. .

Raulino Silva

Nosso amor é um segredo
Só quem sabe é eu e ela
Mas como eu fui proibido
De viver ao lado dela
Fiz da saudade um correio
Pra trazer notícias dela.

Manuel Pedro Clemente (1921-2014)

Saudade quando se cria
No peito da criatura
A gente morre sofrendo
E do remédio a procura
Rezadeira não descobre
A medicina não cura.

João Lourenço