SANCHO PANZA - LAS BIENAVENTURANZAS

“O VIRGEM NEGRA”

“O Virgem Negra”? Por que a ausência de concordância de gênero entre nome e adjetivo? Tem que saber muito de Pessoa para matar tal charada…

Toda a raiva de não conter isto tudo, de não deter isto tudo,
Ó fome abstracta das coisas, cio impotente dos momentos,
Orgia intelectual de sentir a vida!
(…)
[Poesias de Álvaro de Campos, Ed. Arcádia]

Plinio, el Viejo, escribió que todos los animales saben lo que necesitan, salvo el hombre… Me encontro no “aeroporto” de Desengano; embarcarei no próximo “navio” rumo ao JBF (Pompeyo Plutarco, dice: «Navigare necesse est vivere non necesse» ).

A nau está atrasada (ficou mais de uma semana sem navegar; disseram-me que “el capitán Berto” estava com problemas de coração: dizem boas e más línguas que se amasiara com Chupicleide; carece de confirmação).

Olho o bilhete de embarque no Royal Mail Ship Titanic. Temos o velho e péssimo hábito de acessar o JBF; alguns o fazem semanalmente, outros diariamente; alguns minutamente; registra-se até caso de gente que segundo a segundo respira as coisas fubânicas. A isso damos o nome de vício (frase que dice Frances McDormand en Nomadland: “what’s remembered lives”).

Escolhi o RMS Titanic pelo motivo único de que só contratam comissárias de bordo ruivas (verdadeiros aviões); todas as filhas de Eva deveriam nascer ruivas. Deus, sem nunca me explicar, nunca deu “muita bola” para esse meu ruivístico pedido.

Antes de iniciar viagem fiz questão de “avisar ao capitão” para tomar cuidado com icebergs. Oscar Wilde certamente me entenderia: “Causa-nos sempre desgosto perder os nossos hábitos, mesmo os piores. São estes, sem dúvida, os que mais se lamentam, tal é a importância que têm na nossa personalidade.”

«¡Querías más Berto y lo conseguiste! (todos os aplausos para um cabra de nome Sérgio Azevedo, o capitão do Titanic, que trouxe Berto a porto seguro)».

Akira Kurosawa tiene una película llamada ‘Madadayo’, a la que le “furto” el título para esta “felicitación”. Madadayo significa “Aún estoy aquí”.

“Aún estoy aquí”. A Deus agradeço por Berto ainda estar aqui; a Berto agradeço por Sancho ainda estar aqui.

Gire en redondo y vuelva al punto de origen, Sancho (“Ce qui m’oblige d’écrire, j’imagine, est la crainte de devenir fou” Georges Albert Maurice Victor Bataille).

Relembro aqui “schirleyana e recente frase”: Tive que ser mantida sedada tamanha crise de ” A Bestanência”.

Crise de abstinência é phodda… O Jornal da Besta Fubana – um fanático já se pronunciou com as seguintes palavras: “com a Gazeta Escrota fora do ar minha abstinência vira caso se polícia”.

Sim, o MAIOR jornal interplanetário “fora do AR” nos priva da convivência com “geniais gênios geniosos” de diversas artes, que BATEM PONTO no JBF e todos sabem quem são.

Just the beginning… Por onde terá andado Berto? La praya paradisiaca habria sido la guinda del pastel. E lá estava o filho de Quiterinha a caminhar na praia, a exatos 6 minutos a pé da suíte; estava com Chupicleide em uma ilha, no Burj Al Arab Jumeirah, em suítes com vista do mar, tendo à disposição 9 restaurantes exclusivos e um spa de serviço completo.

Continue lendo

SANCHO PANZA - LAS BIENAVENTURANZAS

ESPERPÊNTICO SANCHO

Chamam vintage a toda e qualquer velharia e por isso uma pulga está a me fazer coçar as orelhas. O JBF seria vintage? Até poderia ser assim qualificado, mas (benedicto mas), há esperança (e muita) de renovação das hostes fubânicas, pois o herdeiro desta escrota gazeta, preparando-se para ser o novo CEO da Berto’s Corporation (complexo midiático de tv, jornal, gazeta escrota, cabaré, rádio, cinema, editora e um vasto etcétera), já anda a ler 1984, do Eric Arthur Blair, que o mundo se acostumou a chamar de George Orwell.

Bernardo Soares, um cabra que andava na cabeça de um dos escritores que mais admiro, matou a charada: “A arte livra-nos ilusoriamente da sordidez de sermos.”

Como todo pasa tan rápido a veces hay que parar a pensar y reflexionar… Os velhinhos fubânicos (e bota velhinhos nisso) quando jovens, estavam presentes e torcendo muito, nas corridas de biga, pelo jovem Judah Ben-Hur. O tempo passou e “jovencitos” já não mais…

Alguns deles, como Berto99 e Schirl00ey estavam mais distantes no tempo, em uma moitinha no Éden, a ver uma “sapeca” Eva entregar ao Adão o fruto proibido.

Me lo dijo mi suegra: Yo no sé usted, pero yo ya he llegado a una edad en la que no me duelen ni las traiciones, ni las mentiras, ni los desengaños; lo que más me duele son las articulaciones.

Isso me fez lembrar a máxima do vegano que leva a garota para o matinho e come apenas o matinho. Quando ficar velho certamente irá se arrepender do que “não comeu” quando estava no matinho.

Que deixes as considerações vegetarianas para outra hora e cuides, “ó crónista”, do que realmente interessa. E cuide-se, pois anda a boca pequena que quando João Berto assumir o JBF irá “guilhotinar” algumas cabeças. E na listinha dos a serem defenestrados, que anda a percorrer os bastidores da gazeta escrota, seu nome está no topo.

Chegou tal lista a minhas mãos e lá está em primeiríssimo lugar para a degola um tal Luiz Carlos Sancho de Panza. O segundo a ser demitido será o… ops, não direi, pois não quero entristecer o final de semana de ninguém. Além do mais não cabe a mim tal tarefa. O último de nós na redação do JBF (quem será?), que apague a luz, pois está pelos olhos da cara o preço da energia elétrica.

Mas o real problema a afligir essa gente fubânica é outro: “The view after seventy is breathtaking. What is lacking is someone, anyone, of the older generation to whom you can turn when you want satisfy your curiosity about some detail of the landscape of the past. There is no longer any older generation. You have become it, while your mind was mostly on other matters.” William Keepers Maxwell Jr.

Continue lendo

SANCHO PANZA - LAS BIENAVENTURANZAS

MOMENTO TIM-TIM Y PUERCOESPÍN

Sérgio Marchió, lá de Mineiros-GO, “viniculou” em crônica schirleyana: “do meio da garrafa para baixo é mais gostoso”. “Saia”, portanto, Sancho em busca de lugar aprazível e em boa companhia, onde possas misturar à vontade vinho e belas.

Com a grana angariada no joguinho de pôquer familiar da semana passada, hospedei-me, com as quadrigêmeas amantes tailandesas, no Grand Mercure São Paulo Ibirapuera (que a Quesli não nos leia).

Paro e aprecio as belas, pois estou exatamente no meio de uma (♫ ♬ ♩ desce mais, desce mais um pouquinho / desce mais, desce devagarinho♫ ♬ ♩).

Como dois eventos maravilhosos e que demandam toda minha atenção e beberagem ocorrerão amanhã, estou a comemorar desde hoje, em ótima companhia e com bom vinho, pois como ensina o Di, “Quando o coração vibrar, pare para escutar”.

Escutemos… Amanhã milhares de corações vão vibrar, e muito, na capital paranaense, por Schirley (Feliz Cumpleaños, bela) y na francesa (Pool vs Madrid).

Taí uma frase perfeita e schirleyana: “Me queira bem que nada custa”. Nenhum retoque se faz necessário.

Me corrige a moça das araucárias, a garota huracán, dizendo para reduzir os tais milhares para apenas 300 (300 espartanos, entre familiares e amigos; convivas que lá estarão, com o coração a vibrar por ela).

Para quem não se lembra do filmaço campeão de bilheteria…In 479 B.C, one year after the Battle of Thermopylae (…).

Para quem não sabe quem é a curitibana, digo apenas que é uma dessas garotas especiais, que chegam de mansinho e tocam fogo na palha, aquecendo corações, fazendo amigos, incomodando, e muito, os “do contra”.

“As mulheres não meditam, contentam-se com entrever ideias sob a forma mais flutuante e mais indecisa. Nada se acusa, nada se fixa nas brumas douradas das suas fantasias. São apenas aparições rápidas, figuras vagas, contornos imediatamente desvanecidos. Dir-se-ia que nada se importam com a verdade das coisas.” Marie Catherine Sophie de Flavigny.

Li atentamente o texto acima da Flavigny e peço que as mulheres que por aqui passam me expliquem, pois confesso que não entendi “zorra nenhuma” da tal da verdade das coisas.

Continue lendo

SANCHO PANZA - LAS BIENAVENTURANZAS

KLLOSHAR

Escolher uma “gazeta escrota” para meditar e escrever tem o seu quê de elegância e de bom-gosto (não ria, caríssimo leitor) — é quase snob e elitista, o que contribui para elevar o padrão cultural que tão rasteiro anda neste Brasil, Brésil, Brazil de tanta gente supimpa.

William Faulkner nos ensina: “A sabedoria suprema é ter sonhos bastante grandes para não se perderem de vista enquanto os perseguimos”.

¿Quién ha dicho ‘imposible’? Ontem minha sogra, sentada ao meu lado no sofá, ficou aproximadamente quinze minutos a olhar hipnotizada para um puzzle sudoku recortado de um jornal. Pensei que estava orando a algum deus pagão. Só quando fui à cozinha questionar a Quesli é que descobri que a “véia” estava a resolvê-lo – preenchendo os quadradinhos mentalmente, sem o auxílio de lápis.

Incinerada ficou minha certeza de que a “veióta” estava ficando gagá. Sabiamente sempre diz Orozimbo, o carteiro, que certezas absolutas são tão míticas como a fada dos dentes e minha amiga MacuMeire.

Corra e leve Gersão pra casa nestes rigorosos dias de inverno glacial neste país tropical. Vai te aquecer e te dar muito prazer. Isso Sancho garante, pois Gersão já me deu várias noites de prazer, gozo, alegria e vontade de “quero mais”.

«O primeiro amante era o sol, andando em volta do corpo deitado, lambendo-o com a sua língua de lume, (…) e havia finalmente o momento em que se abandonava de todo a resistência e se afastavam também as pernas e se recebia o sol no meio do corpo – o sol, sim, o sol era o primeiro amante. » Teolinda Gersão, A árvore das palavras; Sextante, 6.ª edição, Maio 2008.

À beirinha do fim-de-semana, boto borracha no asfalto; foi ir num pé e vir noutro. Troquemos a palavra pé por pneus e está feito. Cá estamos, fiel leitor a viajar na mesma crônica.

Deixei a punheta para outra hora e… ops, melhor me explicar; estava Sancho ocupadíssimo com o “Elogio da punheta & O mistério da pós-doutora” de Sebastião Nunes, quando a sogrona me tirou o livro das mãos e colocou nas mesmas a chave do Quixote Véi di Guerra.

É dia de negócios no Mercado Municipal. Não serão lá grandes vendas, pois já não é tempo de meter água de cocos para refrescar dias quentes, pois anda a fazer frio, mais propício a chocolate quente e Fondue (fundida), um prato de origem suíça, originalmente à base de queijo aquecido sobre uma lamparina, também conhecida como espiriteira ou rechaud.

Mas nem sempre a vida se faz de coisas grandes. Como está frio, aqueçamos o coração. Parto do mercado em busca de amor carnal.

«E, pelos rasgões do chambre, um seio branco, rechonchudo, com mais vergonha que se o Padre Santo António lhe publicasse os segredos, mostrava o mamilo, tão rubro, tão jucundo como o morango primeiro que pinta no morangal.» Aquilino Ribeiro, «Andam Faunos Pelos Bosques»(1926).

Continue lendo

SANCHO PANZA - LAS BIENAVENTURANZAS

PECADO É NÃO PECAR?

Eita “preulaaaaaaa”…La vida dirá si tengo razón o no.

Cálice Barrot estava no restaurante. combinara almoçar com Sancho, cujo caminhão ali descarregaria cocos. Com a demora, acabou prestando atenção nas conversas paralelas que ocorriam no recinto…

Leleco gostava de cinema… Meu amigo Chiquim Minerim, granjeiro dos bons, vai ao cinema ver Doutor Estranho no Multiverso da Loucura e o bilheteiro pergunta:

– O que é isso no seu ombro?

– É meu galo de estimação, o Leleco, da raça Leghorn.

– Lamento senhor, mas não permitimos aves no cinema.

Chiquim não é homem de discussões; vai à toalete e enfia o galináceo na calça.

Volta, espera o bilheteiro que o barrara sair de cena, passa pelo bilheteiro que o substituíra, entra e senta-se ao lado de duas idosas que se deliciavam com pacotes grandes de pipoca.

Quando o filme começa, abre a braguilha para o “cinéfilo galo” ver sua musa Elizabeth Chase Olsen e o bicho coloca o pescoço pra fora.

Uma das idosas cochicha para a outra:

– Gervásia, acho que o cara ao meu lado é um tarado.

– Por quê? – indagou a outra.

– É que o cara botou o negócio pra fora!

– Ah, não te preocupa Chirlei, na nossa idade nós já vimos de tudo.

– Eu também pensava a mesma coisa, mas o negócio dele tá comendo as minhas pipocas!

A bela senhorita Barrot sorriu… Aprendera com Quintana, “A gente sempre deve sair à rua como quem foge de casa, / Como se estivessem abertos diante de nós todos os caminhos do mundo. / Não importa que os compromissos, as obrigações, estejam ali… / Chegamos de muito longe, de alma aberta e o coração cantando!”

E lá vai Sancho a colocar o Quixote Véi di Guerra na rua como quem foge de casa, a esquivar-se aos frios que aí andam… cruza o Quixote a Rua Tapaxanas em Diadema, aqui no ABC. Hoje é 13 de maio, dia de sonhar com rabanetes e privatizações…

Sabedoria ídiche: “Para o verme num rabanete, o mundo inteiro é um rabanete”.

Sem “corar” vamos de um “coraliano” Domizio… ” Desistir … eu já pensei seriamente nisso , mas nunca me levei realmente a sério; é que tem mais chão nos meus olhos que cansaço nas minhas pernas , mais esperanças nos meus passos que tristeza nos meus ombros, mais estradas no meu coração que medo na minha cabeça.” Cora Coralina.

Continue lendo

SANCHO PANZA - LAS BIENAVENTURANZAS

“SCHILICA E SHIÇO”

Como diria a bela McAdams: ¡Si! ¡Oh, no… murió! A CNN tascou e “acordar morto” repercutiu no JBF: o Comandante russo acordou morto na Ucrânia. Não deixou barato o “nosso muito vivo” Joaquimfrancisco: “Aos 71 anos, minha maior preocupação é como diz a jornalista: Acordar morto! Nem sei o que faria nesta hora.” Também Sancho não está nem um pouco a fim de “acordar morto”; que tal ocorra quando eu tiver meus 120 aninhos. Quero morrer em uma orgia sexual com 10 ruivas ninfomaníacas por todo um final de semana e “acordar morto na segunda-feira”.

Falando em acordar morto… Jesus, segundo a Bíblia, fez isso com “um lazarento” (foi não?) e o inverso fez o “Chasquido de Thanos”.

El chasquido del dedo se produce en sólo siete milisegundos, más de veinte veces más rápido que un abrir y cerrar de ojos. Sim, há diferença entre o estalo de dedos de Thanos e o estalo de dedos de Luiz Berto… um estalo de dedos é “a aceleração mais rápida já medida no corpo humano”.

“Mãe Berto” estalou os dedos e do Universo Fubânico sumiram Constância, Goiano, Anderson, D Matt, Artemísia, John Doe, Zé Hinácio, Chumbo Gordo, Sonia Regina, Árvore de Natal, Sabugueiro, Terceira Via, Bitina, Tia do Zap, Nikolai Hel, Hipólito, C.Eduardo, etc, etc, vasto etcétera.

O sábado foi uma criança, com direito a gengibre alucinógeno (louvemos a Deus) e muito “kiss” (por que beijar o rosto se a boca é tão perto?)… Um apoteótico Di Domízio em máquina do tempo, se encantando com Kiss no cirque du Soleil pirotécnico versão Rock’n Roll na “sabadal casa verde” e com um “cavalinho-de-deus” pousado no microfone e na vasta cabeleira do Paul Stanley.

Sobrou para Di abraços em César Maluco (como jogava, aquele doido). Não mordeu morcegos e pescoços o nosso Domizio, pois estava muito cabreiro com Melck Pickão…

Após degustar um “Mequi Picanha” sem picanha nas Perdizes, Melck Pickão largou minha amiga Meg na Burgers King, para degustar um Whooper Costela que não tem costela.

Meg (lembram-se dela?) é aquela que todos diziam ser, mas não era “piranha” (ainda alguém usa esse termo demodê? E alguém ainda fala ou escreve demodê?).

McDonald’s admitiu que seu McPicanha não tinha picanha e a Burgers King, informou que seu Whooper Costela não tem costela. Estranhos tempos estamos a viver.

Continue lendo

SANCHO PANZA - LAS BIENAVENTURANZAS

O ROMANCE DE MARIA BAGO MOLE

«Atribuímos à inteligência muito mais agudeza do que aquela que, na realidade, possui. Como é que podemos confiar numa mente que, quando está a dormir, aceita sem qualquer estranheza as fantasmagorias desatadas dos sonhos?» Antonio Muñoz Molina, Os Teus Passos nas Escadas (2019), p. 199.

O penúltimo momento para entrega de um texto bem merece que lhe nomeiem “deadline”, e embora seja improvável que o momento cause o fim do finito e incontornável cronista, de certeza lhe desgasta o cérebro e rasga a alma, pois haverá algum erro que na correção não conseguiu identificar? Relê em desespero a buscar a vírgula faltosa, o ponto inapropriado, o verbo mal conjugado, quase uma crise de nervos, com direito a jogar-se nas fétidas águas do Tietê, pois possui a certeza de que olhos astutos acharão uma miríade de erros.

E tudo piora quando é surpreendido, tendo que refazer totalmente um texto, pois iria anunciar que o Twitter seria do JBF…O bilionário sul-africano Elon Musk passou a perna em Luiz Berto, el Maestro de las Artes Fubânicas e, ao saber que o ziliardário editor-chefe do JBF faria uma oferta de 43 bi, adiantou-se e comprou 100% do Twitter. Estima-se que o valor total da operação seja de US$ 44 bilhões.

Berto terá que adiar tal sonho. Dos sonhos pulemos para as “fantasias”… Ir ao bordel pode ser muito educativo, pois com Zuleika Beijabolas aprendi que russos e ucranianos resolveram, já que estão em guerra, apimentar a discussão sobre a verdadeira nacionalidade da sopa de beterraba.

Deixemos o quarto em que Sancho e Zu falam de “beterrabas em guerra” e vamos dar uma espiadinha no quarto ao lado, onde Maria se espreguiçou, sorriu, olhou para Ciço com cara de “mulher bem comida” e foi ao banho cantarolando de felicidade, pois apenas com Ciço conseguia trair Bitônio Coelho sem sentir qualquer pontinha de arrependimento.

E que ninguém confidencie ao señor Coelho que apenas o Tavares lhe proporciona orgasmos múltiplos.

A maioria das mulheres jamais provou um orgasmo múltiplo, pois a maioria delas não teve o “múltiplo prazer” de conhecer Sancho, Di, Beni, Berto, Marcão ou Ciço, maiorais em tal mister.

Como era rotina quando desciam dos quartos, foram Ciço y Sancho tomar uma talagada. Estou sério e aproveitando a presença de Ciço, falo de pecados; pergunta-lhe Sancho: Quais os “pecaditos” que ainda não cometemos?

Me lo dijo hace unos días en una conversación personal: Por que se preocupar com pecados e pecadores, Sancho? El fin de la Tierra será el próximo 6 de mayo. Óh, céus, “es la semana que viene” ¿bulo o realmente ocurrirá?

Por los dioses, la tercera (buuum, war, buuuuummmmm. war, buuuuuuuuummmmmmmmm), el “gran apagón” o la “nueva Filomena”, la “nube tóxica” que ocasiona la llamada “lluvia de sangre”, los misiles hipersónicos de putinho, la calima producida por la borrasca Celia, os terríveis peidinhos das vacas nos pastos, o las numerosas y las latentes y peligrosas cepas del virus del Covid que nos amenazan. El miedo vende muy bien en estos tiempos.

Continue lendo

SANCHO PANZA - LAS BIENAVENTURANZAS

HOMER PERDIDO NOS PAÍSES BAIXOS VOANDO COM TANNGRISNIR Y TANNGNJÓSTR

«Qualquer palavra é o prolongamento da primeira: escrevemos, gritamos, amamos, destruímos, e tudo são sílabas que se juntam a essa palavra.», é o que diz Rui Nunes em Armadilha.

Muitas vezes os títulos das crônicas sanchianas são ou demasiado rebuscados, como até levam ao engano, porque não alcança por vezes, o leitor, as subtis razões que levam a esse nome. Já em outras ocasiões a coisa é bem explícita, ora pois…

Parece que foi ontem… 19 de abril de 1987… 35 años de Los Simpson (Homero, Marge, Lisa, Bart y Maggie). Matt Groening le puso los nombres de su familia a sus personajes más famosos.

Su padre se llamaba Homero. A su madre le decían Marge.

Las hermanas menores eran Lisa y Maggie. Sólo eludió la tentación de llamar al hijo del matrimonio con su propio nombre, le pareció demasiado petulante. Por lo tanto lo bautizó Bart. Todo e qualquer aplauso é merecido.

Só devem as “boas meninas” irem para a cama com um homem que curte a família amarela ou que está a ler um bom livro ou, ainda, que o acabou de ler.

E a vovozinha de Ciço, Dona Dinda, sapientíssima como poucas, que queria que o neto tivesse o nome de Homer Ciço, sempre dizia: “Nunca fique por trás de um jumento armado. Ele pode lhe dar um coice e arrancar seus trololós a cru”. Les petites choses; dói só de pensar…

Falando em trololós… Li por aí que os abuelos de Sweeney creen que tiene los mejores pechos de todo Hollywood – “Me dijeron que tengo las mejores tetas de Hollywood”, ha asegurado la guapa Sweeney.

Talvez falta a palavra de um especialista sobre o assunto e Sancho não se fará de rogado para analisar os atributos da moça, se convidado for para tal mister, o que não parece provável.

Continue lendo

SANCHO PANZA - LAS BIENAVENTURANZAS

OLAAAÁ, ENFERMEIRAS!!!

“A palavra, como tu dizias, chega / húmida dos bosques: temos de semeá-la; / chega húmida da terra: temos que defendê-la; / chega com as andorinhas / que a beberam sílaba a sílaba na tua boca”. Eugénio de Andrade.

¡Feliz Pascua de resurrección! Dica de uma série que eu estou assistindo? A série de erros que cometi na minha vida. Muito recomendo também Outlander (adaptación de la saga literaria de novelas “Forastera” escritos por Diana Gabaldon), com Claire Beauchamp Randall Fraser.

Ahí está la historia que Sancho tiene que contarvos… «Cuando entré en JBF, me sucedió algo interesante. Creo que me estaba tomando demasiado en serio todo esto de las cronicas; de hecho, estoy seguro de ello. Había ganado el sentido de la arte de escribir. Ya me divertía como nunca.

Era simpre en el JBF la persona que soy, ese tipo de bufón de la clase que encontró gracioso mover en las carreteras. Fue algo tan catártico poder tirar esa seriedad y convertirme en idiota que siempre quise ser en muchos sentidos (o herói de Sancho sempre foi o Superpateta, cujos poderes surgem quando come o super-amendoim que nasce em seu quintal. Sancho possui na horta caseira alguns pés de amendoim, que se revelaram, até hoje, ineficientes na produção de “superpoderes”).

Qual fubânico não possui um livro, um autor, um conto, uma crônica, um personagem, uma fábula, uma frase por onde se perde e se esconde ou se resguarda do surreal mundo que nos rodeia?

A idade que vou tendo ensinou-me que os livros estão em segundo plano, sempre; em primeiro sempre coloquei lindas ruivinhas na flor dos 20 aninhos; na casa dos 30, 40, 50, 60, 70 e 80 tem que vir com cérebro de acompanhamento, ora pois.

Sancho es lesbiano… E lá vinham elas…Hola, cariño. ¿cómo estás hoy? Junto das carinhosas palavras havia sempre um sorriso tão radiante quanto o sol que eu via pela janela, na capital colombiana. “¿qué haces en Colombia, Sancho?”

Pedimos más amor, por favor; el Día Internacional del Beso se celebró miércoles, 12/4 (beijar promove o bem-estar – quando beijamos o batimento cardíaco aumenta e consequentemente a oxigenação das células é maior, melhorando as funções circulatórias do organismo. Beijar alivia o stress – é um ótimo aliado da tranquilidade e do relaxamento. Beijar emagrece – queimamos calorias enquanto beijamos) y você, caríssimo leitor não beijou ninguém no dia consagrado ao beijo? Há muito que não beijas? Pobrecito… Sancho ganó cuatro besos en esto dia; las cuatro guapas enfermeras deram “um selinho” no velhote.

¡Atentos a cómo lucen ahora! Conhecera Sancho 4 enfermeiras (una colección de secundarias de lujo) e se apaixonara pelas quatro; como é facinho este nosso Sancho.

Continue lendo

SANCHO PANZA - LAS BIENAVENTURANZAS

FAZER O BEM SEM OLHAR A QUEM

Numa carta enviada a Louise Collet, em 1850, Gustave Flaubert escrevia: «O mundo vai tornar-se tremendamente imbecil. Neste 2022 quem poderá dizer que não estava com toda a razão o “pai da Emma”?

Marluce Amadeus, da petista Araraquara, do Edinho, vem a este JBF e tasca o seguinte, amizade: “Arrume outra forma de piorar sua vida. Porque votando no PT você piora a minha também. Falei e estamos conversados”.

Como discordar? Mi padre siempre me dice que enfoque en las cuatro ‘C’: chicas, cabeza, corazón y cojones (los mio por cierto). ¿Qué os parece a vosotros? ¿Creéis que ha sido un error o forma parte de un plan?

Pelo andar da carruagem há uma grande probabilidade de que as crianças futuras, em grande número, sejam portadoras do nome de Chatisse Mimizenta, tamanha a frescura que tomou conta do mundo politicamente correto que está a nos sufocar.

E lá virá o Di, ao final da crônica, “preocupadíssimo com tais estranhos tempos”, especular que 1,69 suscita muitas imaginações (fazer o bem sem olhar a quem).

Complementará Sancho que faz um bem danado; minha sogra, corintiana de 4 costados, maloqueira e sofredora, que de 1,69 gosta muito e de Palmeiras não gosta nada, dirá, só para chatear o Domizio, que 51 é pinga e que o Palestra não tem mundial.

Uma linda mulher me levará neste final de semana ao cinema para assistirmos “Me Tira da Mira”. Deve ser ruim, mas deve ser bom… ou não….

Cebollita, que planeja é ver The Batman, com o tal vampirinho Pattinson, deve estar pensando agora: “Bitina, minha linda, Me Tira da Mira”. Algo me diz que estarão, ainda este ano, juntinhas no Shopping Estação fazendo compras, irmanadas com a Gleisi.

Deixemos de exercitar uma inexistente clarividência sanchiana e mergulhemos sem escafandro na sétima arte. Creio que o D Matt não aconselharia “cinema nacional” (argh), mas (cinéfilo mas), lá irei apenas pela companhia.

“Arte pra mim não é produto de mercado. Podem me chamar de romântico. Arte pra mim é missão, vocação e festa.” Ariano Suassuna.

Como autômatos, vivemos a repetir ”bom dia” a estranhos que cruzam nosso caminho, sem nos darmos conta que, às vezes, há mesmo bons dias, ou melhor, excelentes dias. Como hoje, por exemplo… vamos à viajação sexta-ferina sanchiana desejando um ótimo dia para a simpaticíssima petista Bitina, amiga da bolsonarista Cebollitta…

Continue lendo