RLIPPI CARTOONS

DEU NO JORNAL

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

A POESIA – Luciano Dídimo

Às vezes, se o poema está contente,
Eu toco a poesia em instrumentos,
Cantando doces versos para os ventos,
Recebo a poesia na nascente.

Às vezes, se o poema está doente,
Eu sofro a poesia nos tormentos,
Gemendo amargos versos em lamentos,
Oferto a poesia no poente.

Nas Rosas, eu encontro a poesia,
Nas cores e no aroma, em cada espinho,
Nos versos que, das pétalas, escorrem.

Diferem os poemas, todavia,
Das rosas, em seu rápido caminho,
Que brotam, desabrocham, depois morrem!

Luciano Dídimo Camurça Vieira, Fortaleza-CE, 1971

DEU NO X

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

DEU NO X

J.R. GUZZO

ATÉ LULA RECONHECE QUE TENTATIVA DE IMPORTAR ARROZ NÃO PASSOU DE “FALCATRUA”

Lula - derrotas - política interna - política externa

O “Arrozão”, falcatrua (palavra do próprio presidente Lula) montada para fazer propaganda do governo, arrumar negócios para o MST e tirar proveito da tragédia das enchentes no Rio Grande do Sul, flopou. Mistura de safadeza, burrice e incompetência-raiz, a coisa toda foi a pique, justamente, por ser uma falcatrua muitíssimo mal armada – o “roubar e não poder carregar”, como se dizia antigamente.

Lula e os magos da “comunicação” que emprega em seu governo acharam uma boa ideia comprar arroz estrangeiro, sabe-se lá de onde e em que condições, e vender aqui a preço subsidiado com dinheiro público – naturalmente, com uma etiqueta em vermelho na embalagem para dizer que a oferta era obra do governo federal. Deu tudo errado.

Logo no primeiro leilão, já houve bandalheira na cara de todo mundo (a “falcatrua” de que Lula falou) e o plano travou. Tiveram de anular o leilão, anunciar outro e começar de novo. Continuou dando errado. A última notícia a respeito é que decidiram parar a coisa toda até segunda ordem, ou desistir logo de uma vez. O certo é que até agora, 40 dias após o anúncio triunfal das tais importações, o brasileiro não viu um único grão do arroz que o governo prometeu colocar na sua mesa. O que ficou foi mais uma grife na vitrine da corrupção neste país: o “Arrozão”.

É uma das marcas mais notáveis do Lula-3: o governo quer errar mas não consegue, porque não tem o mínimo da competência necessária para cometer o erro. “Decidi autorizar a importação de 1 milhão de toneladas de arroz”, proclamou Lula durante as enchentes, como se estivesse anunciando o desembarque aliado na Normandia. “Não é possível”, como ele sempre diz, o povo pagar preços “exorbitantes” pelo arroz; ele ia entrar em ação e acabar com o problema. Mais uma vez, Lula não decidiu coisa nenhuma.

A inundação no Rio Grande do Sul, que produz 70% do arroz brasileiro, não tinha afetado a safra em nada – na verdade, a maior parte da produção já havia sido colhida. Nunca faltou arroz para ninguém, em lugar nenhum. Os preços, depois de um nervosismo temporário, voltaram para onde estavam antes da enchente. O Brasil, na verdade, está exportando arroz. Os produtores brasileiros, enfim, levaram mais uma vez na cabeça e por conta da agressão que sofreram do governo pode haver problemas com a próxima safra.

Para coroar o bolo, verifica-se agora que não está mais em cogitação a importação que daria uma força na “imagem” do governo. O Ministério e o ministro da Agricultura foram, mais uma vez, desmoralizados em público: a operação, que deveria estar a seu cargo, foi expropriada sem cerimônia nenhuma para as capitanias do MST no governo Lula.

A desgraça da enchente foi devidamente explorada – não deu certo, mas isso são outros 500. O arroz continua onde sempre esteve. Lula, enfim, vai falar mais adiante que “foi preciso um operário” para “resolver” um problema que “o mercado não resolveu”. É um documentário fiel deste governo. Demagogia explícita em público e zero elevado à potência zero em matéria de resultado.

SEVERINO SOUTO - SE SOU SERTÃO

LAUDEIR ÂNGELO - A CACETADA DO DIA

DEU NO X