COMENTÁRIOS SELECIONADOS

Comentário sobre a postagem CLEIDÃO – RIACHO DE SANTANA-BA

Roberto Custódio:

Olá, desde que há alguns anos conheci o JBF, indicado pelo jornalista Ricardo Setti, sou testemunha do caráter democrático deste veículo de informação e entretenimento.

Ás vezes concordo com os posts dos mais distintos segmentos ideológicos aqui apresentados. E às vezes discordo.

Fico emputecido com algumas coisas e me alinho a outras, que são colocadas nesse espaço.

Independência editorial é o lema do Jornal da Besta Fubana.

Eu, por exemplo, sou fã do ex-juiz e agora ex-ministro Sérgio Moro, mas aceito tranquilamente as críticas que a ele são dirigidas, algumas ofensivas até demais da conta.

A luta dele contra a corrupção em nosso País é um fato histórico indelével.

E, ao mesmo tempo, repilo veementemente (como diria o Goiano Braga Horta) quem defende tortura e ditadura de todos os tons ideológicos.

Um abraço a todos – de esquerda, de direita e do centro.

* * *

Nota do Editor:

Não apenas o leitor Roberto Custódio, mas também inúmeros outros conheceram o JBF através de várias notas e referências que foram feitas pelo grande jornalista brasileiro Ricardo Setti, citando esta gazeta escrota na revista Veja. 

Assim como Setti, também o jornalista Augusto Nunes costumava citar o JBF em sua coluna naquela revista. 

Clique aqui e veja uma das várias postagem que Augusto Nunes fez na Veja transcrevendo na íntegra um texto deste Editor.

9 pensou em “NO TEMPO EM QUE O JBF APARECIA NA VEJA

  1. Caro Berto, assinei a VEJA por mais de 20 anos. Desisti há 2 anos depois que proibiram meu acesso à VEJA digital. Fiquei puto, reclamei mas não houve diálogo pois queriam me cobrar um adicional para poder acessar.
    Saliento que era o período de renovação da minha assinatura e de outra assinatura que dava de presente para um cunhado.
    A VEJA já havia perdido o Setti, o Guzzo e outros colunistas de igual quilate.
    Resumindo, cancelei as duas renovações e depois disso já recebi trocentas ligações me propondo vantagens à perder de vista para nova assinatura.
    Desculpe escrevinhar tanto, mas só lamento não assinar mais a VEJA porque perdi o contato com o Augusto Nunes e a Isabela Boscov que faz os melhores comentários sobre cinema e séries.
    Em tempo: não consegui abrir a porra do link para ler o Augusto Nunes.
    Um abraço!

  2. Pasmem os fubânicos de todos os credos e ideologias, pois, até eu, direitista convicto e votante no social-democrata Bolsonaro (infelizmente não há partidos de direita no Brasil), estou, com toda veemência, ATÔNITO, PASMO e confuso com o tsunami de champanha que a esquerda anda abrindo para comemorar a cisão que hora impera na Brasil.

  3. segundo algus videntes , o ex diretor da abin e agora diretor geral da pf , , trara a publico material colhido pela abin e repassado ao entao diretor da pf e a sergio moro ,,, e esperar para ver .. agora que ele tinha como assessora a nora de miriam leitao , disto nao se tem a menor duvida e que ele quando expos print da carla zambelli , ainda mais particulares cque e sua afilhada de casamento , nao foi papel de homem nao foi , ainda tenho respeito pelo outrora juiz sergio moro , mas como ministro da justiça foi no maximo sofrivel e como homem na sua saida um zero a esquerda ,,, muita sujeira vira , e o novo diretor da pf tem apoio muito grande dentro da corporaçao muito mais que valeixo , que eles costumavam chamar de comporta chegava la e parava , principalmente nas investigaçoes de witzel e do cao adelio .

  4. Quando eu imagino que o presidente americano Abraham Lincoln pagou com a própria vida, sendo assassinado covardemente por um adversário dentro do teatro, para aprovar a Emenda Constitucional n.º 13 que pôs fim a escravidão naquele pais, vou acreditar que o Brasil tem jeito.

    O tempo não vai mentir!

    A decisão de Lincoln ajudou, mas não eliminou o preconceito racial nos Estados Unidos. Anos depois, ainda houve acontecimentos que marcaram a História americana, como por exemplo a Lei da Segregação Racial.

    Por aqui não vai ser diferente. Estamos lindando com macacos que usam calças e que tem interesses ilimitados.

  5. ¿Los hijos de la pandemia? Una pareja filipina ha llamado Covid Marie a su bebé recién nacida en medio de la pandemia, una inspiración que llega a Filipinas después de que otra pareja en la India bautizara a sus gemelos Covid y Corona.

    • Gente , precisamos rir um pouco . Cadê o Goiano ?.
      Caríssimo. Eu avisei anteriormente que o Goiano, de cabeça e texto privilegiadíssimos está desesperado, fazendo e reazendo e depois desazendo texto, pois para elogiar o social-democrata Bolsonaro tem que criticar o novo social-democrata Moro e vice-versa sem mexer com o cidadão de Caetés. Aguardemos mais um pouco as sábias palavras do parisino.

  6. Mestre Luiz Berto,
    Conheci o JBF através da coluna do Ricardo Setti na Veja, da qual fui assinante durante muitos anos e que abandonei quando ela deu sua incrível guinada à esquerda, levando junto até o Reinaldo Azevedo, que se bandeou de mala e cuia para os lados dos corruptos da canhota. À morta-viva Veja só restaram de jornalismo decente os textos e vídeos do Augusto Nunes. Mas a vira-casa hebdomadária serviu para me trazer um hábito muito gratificante, edificante, pujante, estimulante, galante, gigante, vibrante, possante, pensante, elegante, chocante, vicejante, rutilante, relevante, ofuscante, faiscante, brilhante, cativante, dominante, triunfante, retumbante e, principalmente, constante, que é ler o JBF tomando o café da manhã, pois não há tempo a perder.

Deixe uma resposta