JESUS DE RITINHA DE MIÚDO

Mote de Troya D’Souza:

O caderno do tempo é testemunha
Dos bilhetes que fiz pensando nela.

Ante o tronco de um velho umbuzeiro
Com o meu canivete numa mão
Desenhei com cuidado um coração
E pus dentro seu nome com o aceiro.
Logo abaixo escrevi um “xis” arteiro
Pra juntar o meu nome ao nome dela
Esse tronco até hoje é uma cela
Que traz preso o amor naquela cunha
O caderno do tempo é testemunha
Dos bilhetes que fiz pensando nela.

Inspirado em uma décima do Poeta Marcílio Pá Seca Siqueira

3 pensou em “UMA GLOSA

Deixe uma resposta