XICO COM X, BIZERRA COM I

Dona Regina ‘Sem Arte’, sem palco, sem público, sem roteiro, sem chão: Na citação a Stálin e Hitler me assustou; cantar o hino da repressão, tortura e censura me amedrontou; o desrespeito à sua classe, ali representada por Maitê Proença, me aterrorizou; o desrespeito à memória de Aldir Blanc, Moraes Moreira e seu colega Flávio Migliaccio, me apavorou. Espantou-me, isto sim, ver gente tida como inteligente e esclarecida dar guarida e apoio às loucuras e devaneios dessa mulher. Fico triste. Seria o pum do palhaço de que ela falou? Senti o sub nitrato do pó do peido, diria Caetano.

Toda a série FORROBOXOTE, Livros e Discos, disponível para compra no site Forroboxote. – Link BODEGA. Entregas para todo o Brasil

13 pensou em “O PUM DO PALHAÇO NO CIRCO DA CULTURA

  1. Caro Xico, quanto ódio à Regina Malu Mulher Duarte.

    A Maitê , que resolveu afrontar à Regina Chiquinha Gonzaga Duarte ao vivo na CNN é melhor?

    Seria a Maitê, que faz 40 anos que vive com pensão de mais de 20 mil reais e diz que sobrevive de vaquinhas, uma mulher mais digna?

    Quanta patrulha, Xico, Deixa a Regina Viúva Porcina Duarte em paz.

  2. Xico, bom dia. Eu confesso: prefiro que vc continue fazendo suas músicas! Cada um de nós deveria ter a consciência de onde sentarmos: cada macaco no seu galho. Já dizia a canção, expressão popular Bahiana, difundida pelo seu, meu, nosso, Caetano que, aas vezes, pula também para galhos alheios.
    Sds

    • Namoradinha do Brasil… Tentei, juro que tentei DEFENDER Regina, mas minha cabeça-de-alfinete PENSANTE não conseguiu superar o texto do señor Nunes. Aí fui à luta e consegui convencer o señor Augusto Nunes a falar um pouco sobre Regina Viúva Porcina, Chiquinha Gonzaga, Ritinha Coragem (e tantas outras) Duarte:

      Escreveu Augusto: “Conheci pessoalmente Regina Duarte às vésperas da estreia da minissérie Chiquinha Gonzaga. Diretor de redação da revista Época, marquei um encontro no Rio com a estrela da Globo para preparar a reportagem de capa. A conversa vespertina em seu apartamento durou duas horas. Quando terminou, bateu-me a sensação de que, pela primeira vez em muitos anos, havia entrevistado alguém que dissera a verdade o tempo todo. Naquele momento, à admiração que sempre tive pela grande atriz somou-se o encantamento pela bela mulher que alcançara a graça a tão poucos concedida: a integridade absoluta”.

  3. ……Mas o ódio não é monopólio do Bozo? “27-Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia”

  4. Que bom que existam opiniões divergentes, mas não desrespeitosas. O nome disso é democracia, liberdade de expressão. Cada vez mais me convenço de que Nelson Rodrigues estava certo: toda e qualquer unanimidade é burra.

  5. Caro Xico. Seu comentário sobre a pessoa de Regina Duarte me comprova minha suspeitas que tive sobre vários artísticas que curtir na minha vida. Chico Buarque, Roger Water, Caetano, ex-ministro Gil, Gal, e outros tantos que vejo nestes manifestos contra Bolsonaro e equipe. O talento artístico destes é inversamente proporcional ào discernimento político. Desta maneira acredito que você tenha talento artistico

  6. Estimado poeta Xico Bizerra

    Surpresa e tristeza não convêm no momento desses, onde alguém de nossa estima e consideração artística nos decepciona. Tudo isso faz parte do jogo da vida.

    A mais expressiva palavra já inventada ao vocabulário universal chama-se: DEMOCRACIA, onde cada um tem o direito, o dever e a liberdade de se expressar como quiser e apoiar o que quiser. Com Regina Duarte não podia ser diferente.

    Também lamento algumas posições políticas dela, mas defendo com unha e dente seu direito de defendê-las e continuo a admirando. Nós também não pensamos o contrário?

    Valeu o questionamento, Mestre. Isso se chama a consolidação da liberdade de expressão.

  7. Quem um dia interpretou contos de fadas em nossas telinhas hoje é protagonista de um conto de bruxas de causar arrepios. Mesmo discordando tenho que respeitar quem com ela compartilha as ideias de tortura, de defesa dos tempos sombrios e das mortes não explicadas dos tempos do Pra Frente Brasil, dos ideais de Hitler e Stálin, do desrespeito à classe da qual faz (ou fazia) parte. A democracia exige isso. Mas algo me deixa feliz: a unanimidade discordante do meu posicionanento. Dos 10 comentários a respeito, todos discordaram de mim. Não sei bem a razão, mas gostei. Só pra terminar: pra mim o assunto exariu-se, nesse fórum. A ele não voltarei e sequer lerei comentários que estão por vir, temeroso que a unanimidade se esvaia. Abraco e obrigado a todos.

  8. Que vergonha! Seguindo à risca a cartilha Leninista, com o corpo de fora: “Acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é”.

Deixe uma resposta