CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Não votei em Bolsonaro. Nem também em nenhum dos outros aspirantes à Presidência. Desde que adquiri o direito de não ser obrigado a votar, desiludido e frustrado com os políticos em quem acreditei ao longo de meus 52 anos de eleitor, achei por bem passar ao largo de uma seção de votação.

Mas de certo modo recebi com agrado a vitória do Capitão. Antes ele do que o preposto de Lula, ou o destrambelhado coroné de Sobral, ou o apático picolé de chuchu; muito menos a mulher de voz gasguita, com o peso do agravante de ter feito o aprendizado político no PT.

E, formado o corpo de seus Ministros, arregimentados (com três, quatro exceções) fora dos viciados círculos político-partidários, privilegiado o conhecimento técnico – este coração de setenta e bote força me surpreendeu por ainda ser capaz de sentir esperança no futuro do nosso país. Esperança que não arrefeceu mesmo diante de aspectos da conduta do Presidente, como a tentativa de nomear o filho Eduardo embaixador junto à mais poderosa nação do mundo. Nem diante da decepção de ver que a imponência do cargo não conseguira frear as atitudes nem a língua sem tramela do seu passado de deputado federal. Sequer da danosa interferência dos três rebentos na sua administração. Nada, no entanto, que chegasse a prejudicar o andamento de projetos importantes para o país, como a reforma da Previdência, cuja concretização se tornou o maior feito do seu governo até aqui.

Infelizmente, com o passar do tempo, o estilo pessoal do Presidente, robustecido pela tentação do autoritarismo que acomete aqueles que possuem a Caneta e a chave do Cofre, sem falar do que lhe cochicham nas oiças os áulicos que cada governante agrega em torno de si, foi se transformando, gradativamente, no seu pior adversário. E como de roldão vieram os desentendimentos com o Ministro da Justiça e da Segurança e com os dois sucessivos Ministros da Saúde, que resultaram na saída dos três. E como desgraça pouca é tiquim (ensina a sabedoria popular), isso acontece durante a pandemia do Coronavírus. Em meio a tudo isso, Bolsonaro se volta para os parlamentares que compõem esse execrável Centrão, além de se reaproximar do gordinho sinistro que preside a Câmara, na tentativa desesperada de salvar o mandato do risco do impeachment. Ou seja: joga no lixo a promessa selada em campanha de não se imiscuir com gente dessa espécie, seguindo no rastro de seus antecessores.

Foi-se aí a minha esperança. Esse governo acabou para mim. Só não vou é passar para o outro lado, correndo avidamente atrás das opiniões dos opositores, deles quero manter a maior distância possível. Mas não serei mais dele um defensor, ainda que tímido e sem importância.

Pra terminar, só tenho a dizer, num misto de revolta e frustração, como é azarado este Brasil e seu povo! Depois de mais de vinte anos de regime militar, o que tivemos? Um Sarna pra nos coçarmos, aquele que não gosto de pronunciar o nome, o empavonado FHC, Lula e Dilma. E o que virá das eleições de 2022?

Pior de tudo é que, como Manoel Bandeira, nem podemos dançar um tango argentino.

19 pensou em “FRANCISCO SOBREIRA – NATAL-RN

  1. eu tambem ja no alto dos meus mais de sessenta anos de vida , continuo apoiando nao bolsoaro , ao qual tambem nunca meencantou mas sim um governo de mudanca , ..naao um giro de vento e oitenta graus , mas gradativo… sou a favor que um gro deste quilate so seria possivel se hoje tivessemos miltares patriotas e alinhados com um brasil grande , pois so assim como o cirurgiao que extirpa um orgao acometido pelo cancer em uma cirurgia drastica , talvez conseguiriamos , mudar o brasil afora isto com cirugias parciais os canceres instalados apos os governos militares terao sempre remissivas , e certamente o congresso eo stf sao as provas vivas e reais destes canceres que so com a cirurgia de um presidente mao corrupto nao e o fim da doenca corruptiva n brasil , ea prova disto e o artigo do doutor IVES GRANDA MARTINS ONDE ELE DEIXO CLARO QUE O UNICO QUE ESTA RESPEITANDO A NOSSA CONSTITUIÇAO AINDA QUE FRANKEISTEIN , E O PRESIDENTE , OS OUTROS COMO O CONGRESSO E O STFA ESTUPRAM E PISOTEIAM DIOTURNAMENTE ,, portanto emboranao concorde com tudo que faz o presidente , ha de se convir que com excecao o ministerio tecnico formado por itamar franco , depois dos governos mlitares e o melhor corpo de ministros que tivemos e olha que nenhum presidente , nem mesmo itamar franco teve tantas pessoas e partidos e stf para o torpedear , como acontece com o governo bolsonaro , alem de que nunca a china teve tantos governos para criar a vibora venenosa que hoje solapa o mundo , e fhc e lula foam os que mais apoiaram os genocidas comunistas chineses…

  2. Caro Francisco, estou com o Caro Alberto, do comentário de cima.

    Nunca me isentei de votar, mesmo quando as opções se resumem a dois, como no segundo turno. Já votei até no Lula, quando a outra opção era Collor (ops, esqueci que não se pode dizer este nome). Só me arrependi quando votei agora no Dória, porém não vi outra opção à época.

    Apoio, não o Bolsonaro e sim o Brasil. Ele é o que temos par o momento.

    Se JB não tem uma postura de um lorde, como FHC, de um operário semianalfabeto, como Lula ou de sei lá o quê, como a anta da Dilma; pelo menos ele é autêntico. É o mesmo na frente e atrás das câmeras, o que o torna diferente.

    Sabe, Francisco, ser um isento não nos livra de responsabilidades e nem das consequências do que um governante faz.

    Somos cobrados pelos nossos atos e omissões também.

    • Pego o gancho: Apoio, não o Bolsonaro e sim o Brasil. Ele é o que temos para o momento.
      Complemento: a lista contendo as outras opções possíveis para o cargo de PRESIDENTE DO BRASIL parece até filme da Família Addams: só tem assombração.

      Ouso ir mais longe E ATÉ EXAGERAR na dose: até a presente data o tal Bolsonaro, que dizem ser um péssimo maestro, rege um orquestra de virtuoses (um virtuoso, do latim tardio virtuosus, derivado de virtus, “virtude”, é um indivíduo que possui uma habilidade fora do comum e consegue combiná-la com habilidades na técnica e na teoria. Os virtuosos também são por vezes denominados virtuose, palavra da língua francesa com a mesma etimologia.)

      Eis o TIMAÇO:

      Otávio Santana do Rêgo Barros, porta-voz da Presidência da República

      Braga Netto, Ministro de Estado Chefe da Casa Civil da Presidência da República;

      Paulo Guedes, Ministro de Estado da Economia;

      Fernando Azevedo, Ministro de Estado da Defesa;

      Ernesto Araújo, Ministro de Estado das Relações Exteriores;

      Tarcísio Gomes de Freitas, Ministro de Estado da Infraestrutura;

      Tereza Cristina, Ministra de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;

      Abraham Weintraub, Ministro de Estado da Educação;

      Bento Albuquerque, Ministro de Estado de Minas e Energia;

      Marcos Pontes, Ministro de Estado da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações;

      Ricardo Salles, Ministro de Estado do Meio Ambiente;

      Marcelo Álvaro Antônio, Ministro de Estado do Turismo;

      Rogério Marinho, Ministro de Estado do Desenvolvimento Regional;

      Wagner Rosário, Ministro de Estado da Controladoria-Geral da União;

      Damares Alves, Ministra de Estado da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos;

      Jorge Antônio de Oliveira, Ministro de Estado Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República;

      Luiz Eduardo Ramos, Ministro de Estado Chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República;

      Augusto Heleno, Ministro de Estado Chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República;

      André Luiz de Almeida, Advogado-Geral da União;

      Roberto Campos Neto, Presidente do Banco Central;

      Rubem de Freitas Novaes, Presidente do Banco do Brasil;

      Gustavo Montezano, Presidente do BNDES;

      Pedro Duarte Guimarães, Presidente da Caixa Econômica Federal.

      Não coloquei o Onix porque o Goiano não gosta dele.

  3. Li apenas o trecho “Robustecido Pela tentação do autoritarismo ” e vi que não tinha sentido perder tempo com tal leitura . Pois primeiro : quando entrou recebeu um “belo discurso de uma integrante do supremo , que miseravelmente está calada. Vimo o mesmo supremo autoritário legislar e podar os poderes “autoritários”do presidente eleito . Vimos também gente que nós ufanávamos se virar imbecilmente contra o presidente , na esperança de que , apesar dele ter dito que não se candidataria a reeleição , o venha fazê-lo. Um direito que assistiu todos os outros e que hipocritamente querem retirar . Substituir quem quem que seja dos cargos de confiança quando necessário , sabemos que não significa que a pessoa na maioria das vezes seja incapaz ou corrupto , pois se ele achasse que alguém é incapaz ou corrupto não dar-lhe-ia um cargo . Mas pode-se tornar empecilho a frente para o governo em questões políticas . Alem do mais o cargo é de confiança Basta ver o comportamento do Senado e Câmara , que pela constituição ele tem que aceitar. Isto é questão política !, se ele não a seguir aí sim , seria autoritário!. Criticar , acusar é mais fácil que governar. Se todos que vi até agora conseguissem governar nestas circunstâncias , porque não se candidataram , e porque os que o fizeram não foram eleitos. E porque muitos eleitos agora vão ter que responder por desvios de verba que constitucionalmente ele foi obrigado a conceder.

    • Também parei no tal robustecido pela tentação do autoritarismo. Impossível não lembrar certos governadores que estão ROBUSTECIDOS pela tal tentação e pelo tal autoritarismo para trancar o “véi e pançudo Sancho Pança em casa.” Saudade danada das fiéis raparigas, que a cada nota de 100 mangos me juram amor eterno.

      • Isto é transparencia…. A puta cobra aberto, coisa que os cafajestes do Maia e Alcolumbre fazem por baixo do pano…..
        Serviço pago, serviço prestado.
        Elas me amam….

  4. Entrou mais um no esquema: trata-se de CARLOS MARUN que veio se juntar a Bob Jefferson e Valdemar da Costs Neto.
    O Bolsonarismo é o Lulopetismo com viés de direita e a hipocrisia religiosa, lastreada por Malafaia, Edir Macedo e o negão pilantra, Valdemiro do chapéu cowboy.

    P.S.: – Como diria Caetano Veloso: “A coisa mais certa de todas as coisas”. Ou seja, esse sexteto comendo no mesmo cocho…

  5. Maia e Alcolumbre são presidentes porque contaram com apoio de bolsonaristas .No caso do senado poderiam ter apoiado a Tebet para presidência e preferiram o filhote do Renan .
    Se o Tofoli não for presiidente do STF, e isso , é temporário , será , como já foi Gilmar Mendes , Lewandoski , Marco Aurélio , Alexandre de Moraes , Rosa Weber . O que mudaria ?
    Reaproximar do gordinho é , na semana em que ele estava em queda , numa semana em que a #FORAMAIA tinha sido o líder mundial de twitter , Bolsonaro resolveu trocar o superintendente da PF e provocou a saída de Moro . Ai , o gordinho , voltou ao seu normal , dando entrevistas como primeiro ministro .

  6. Eu assumo que votei no Bolsonaro. Entre um maluco honesto e um ladrão escroto, eu vou estar sempre do lado do maluco, seja ele quem for.

    • Fica escrevendo que votou no maluco honesto Bolsonaro e deixarão de jogar pedra na Geni para apedrejar Beni.

      Sancho Pança, vidraça preferida por muitos, já inaugurou até pedreira com o estoque que possui. Reafirmo: votei no Bolsonaro, única opção disponível na urna, que aproximava-se do que entendo por administrar um país e como não vejo no horizonte ninguém mais qualificado que o desqualificado Jair, votarei nele denovo, novamente e outra vez.

      É uma pena que sempre que vamos as urnas, os possíveis candidatos sejam um HORROR. O Brasil há muito parece a Mansão Addams.

  7. Longa tradição brasileira e latino-americana:

    Escolhe-se um caudilho. O caudilho é proclamado pelos seus seguidores como perfeito, inquestionável, impoluto, o salvador da humanidade.

    O caudilho quer ter todo o poder. Não divide com ninguém. Quem não está com ele, está contra o povo.

    O povo aplaude. Quem não apóia incondicionalmente o caudilho é inimigo.

    Tudo que dá errado nunca é culpa do caudilho. A culpa é sempre dos inimigos.

    Quando o povo cansa de esperar, derruba o caudilho e coloca outro no lugar.

    Recomeça do início.

    Por essas e outras Simon Bolívar, um dos primeiros caudilhos, disse que fazer reformas na América Latina é tão inútil quanto usar um arado no mar.

  8. Aos isentões que falam de boca cheia que não votaram no Bolsonaro, desculpem-me, voces não tem o direito de cobrar nada. Pecaram pela omissão, então, chupa que a cana é doce, como diria o safadão de 9 dedos…

Deixe uma resposta