O ESTRAGO FOI MUITO GRANDE

Comentário sobre a postagem TRABALHO

Rômulo Simões Angélica:

Prezado Marcelo,

Parabéns, Perfeito !!!

Acompanho, e guardo, seus textos, assim como de outros colunistas brilhantes, aqui do JBF.

Este, é um verdadeiro primor.

Sou professor de uma universidade federal, completamente aparelhada, como a quase totalidade das nossas IFES, ideologicamente, com gerações e gerações de jovens imbecilizados.

São imprestáveis para a sociedade, pois só aprenderam a repetir chavões e mantras de ditos professores, na verdade, deformadores.

Por vezes me comparo ao Prof. Adonis, na amargura de desesperança, que um dia as universidades – para não dizer, o país – possam ter jeito.

Falo das universidades por ser um dos elos da grande cadeia de formação e qualificação que poderiam iniciar a transformação de uma nação.

É claro que poderíamos falar do ensino fundamental, igualmente calamitoso. Mas os seus professores vem justamente das universidades aparelhadas.

Imaginem, o que os professores de história e geografia, por exemplo, recém saídos de IFES brasileiras, atualmente, vão ensinar para seus alunos, seja de escolas públicas ou privadas?

O estrago foi muito grande.

* * *

6 pensou em “O ESTRAGO FOI MUITO GRANDE

  1. Eu digo sempre que me impressiona um professor de faculdade privada que também dá aula em universidade pública: na primeira ele ensina as leis do mercado, o empreendedorismo, na segunda ele ensina luta armada, como agredir o capitalismo. Só invés de ensinar os desafios do mercado, ensina a desafiar o mercado

  2. Pelo que conheço das Universidades Públicas, o aoarelhamentos se dá principalmente na área de Ciências Sociais. É lá que a turma da esquerda deita e rola. Nas áreas de Exatas e Saude a coisa é diferente e há áreas de excelência como nas federais do Ceará e Santa Catarina, por exemplo.
    Este fato pode ser mais aprofundado aqui no JBF.

  3. Artemísia, eu fiz essa abordagem na minha coluna, mas antes da parada que o JBF deu. Você tem razão. Uma ex aluna queria fazer uma pesquisa no centro que trabalha, para obter créditos na minha disciplina, e o questionário dela não foi aprovado porque tinha “viés político”.

  4. Artemísia tem razão. O problema é que a turma da ciências sociais dominam as universidades e não deixam as áreas de exatas e saúde trabalharem. Aí os cérebros destas áreas vai para o exterior

  5. Artemísia, sem meias palavras, escreve 😮 aparelhamentos se dá principalmente na área de Ciências Sociais. É lá que a turma da esquerda deita e rola.

    Sancho complementa: para todo lado. que nos viramos só dá esquerda. Tudo dominado. Tão dominado está o Brasil que não há NENHUM partido de direita. Ou o partido é de esqurda ou de estrema-esquerda. É por essas e ouras que chamo o tal Bolsonaro de social-democrata, pois se realmente fosse de direita, não teria ficado quase 30 anos no parlamento pulando de galho em galho em partidos de esquerda. Gente com muito menor cacife político fundou um partido para chamar de seu.

Deixe uma resposta