3 pensou em “EM FRENTE DE CASA

  1. Severino, quando eu era menininho pequenininho lá em Lajinha, Minas Gerais, anos cinquenta, a gente morava na beira da rua e quando ouvia o cantar da roda do carro de boi todo mundo saía para ver e se encantar. Havia disputa de qual era o que cantava mais bonito e a gente comparava se esse aquele que estava passando ou se era o que passou cantando anteontem.
    É que o canto do carro de boi não era aleatório, o carreiro tinha o seu jeito de fazer o seu carro cantar diferente do outro, trabalhando a cantadeira.
    A “cantadeira” é a peça untada com uma pasta de sebo e pó de carvão, para fazer o carro gemer, quando atritada durante a marcha. “Carro que não canta não presta. Não é carro”!… O seu gemido característico, ligeiramente modulado, constitui motivo de orgulho para o carreiro que não o dispensa nunca.
    Alguns carreiros que passavam na minha cidade permitiam que a molecada pegasse uma pequena carona, correndo e pulando sentados na borda traseira do carro. Fiz isso muitas vezes.
    Ô, saudade! Brigado!

Deixe uma resposta