MAURÍCIO ASSUERO - PARE, OLHE E ESCUTE

Em meio ao clima pandêmico que o Brasil atravessa, o TSE manteve as eleições municipais no mês de novembro e no dia 29 o pleito foi definido onde havia segundo turno. Como se sabe, o PT não conseguiu eleger nenhum prefeito nas capitais. Teve dois candidatos no segundo turno: Recife e Vitória do Espírito Santo e nos dois casos os candidatos do PT tiveram menos votos que as abstenções, nulos e brancos. Por exemplo: se Marília Arraes estivesse concorrendo sozinha ela teria ficado em segundo lugar. Mas, cabe falar dos casos de São Paulo e Porto Alegre.

Em São Paulo, Boulos chegou mais longe do que eu poderia imaginar: 40% da população votou nele. O cara teve contribuições financeiras de Caetano Veloso, Paula Lavigne e Petra Costa, que fez aquele documentário ridículo sobre o “gópi”. Boulos é um idiota. Enunciou que a forma de equilibrar a previdência era fazendo concurso público para aumentar o volume de contribuição afinal a previdência fica só pagando. Considerei isso um teorema e resolvi demonstrar matematicamente. Vejam a demonstração (a Matemática é bem simples, daquela que Roque Nunes ensina aos seus alunos):

Sejam, S o salário e C a contribuição que será paga pelo concursado ao longo de n meses. Essa contribuição acumulada, a uma taxa de i% ao mês, formará uma poupança que deve ser maior ou igual ao total de salários pagos, ou seja,

O lado esquerdo da desigualdade é o valor acumulado das contribuições.

Agora vem a parte mais difícil da demonstração. Usando o Binômio de Newton (que diabo se lembra disso, hein Roque?) pode mostrar que (1+i)^n ≥ 1 + ni, de modo que o numerador fica ni e com isso,

Ideia fabulosa: a contribuição do concursado deve ser maior do que o salário que ele recebe. O que eu não entendo é o motivo de Boulos ter tido 40% dos votos. Aliás, levando em conta o perfil do seu eleitor – morador dos Jardins, Petra Costa, etc. até se entende que se trata de um toma-lá-dá-cá.

Em Porto Alegre, o candidato Sebastião Melo, MDB, fez uma crítica ao comunismo no último debate. Manuela Avião D´Ávila, respondeu dizendo “foi bom tu trazer esse bicho-papão do comunismo” e citou Flávio Dino, governador do Maranhão, como modelo de gestão. Vamos aos dados do Maranhão, todos extraídos do site do IBGE e da ANS.

O estado tem 7,114 milhões de habitantes e somente 7% da população tem plano de saúde privado. A renda per capita é R$ 636,00, um pouco maior do que auxílio emergencial, que todo mundo criticou. A nota do IDEB para anos iniciais é 4,7 e para anos finais é 3,7. O IDH é 0,639 maior, apenas, que o IDH de Alagoas. O número de beneficiários do Programa Bolsa Família é o dobro dos empregos formais. A taxa de desemprego se mantém, de 2016 para cá, acima de dez pontos percentuais.

Esse negócio do Programa Bolsa Família é sério. Há dez estados no Brasil onde há mais beneficiários do programa do que trabalhadores formais. Dos dez estados, seis são nordestinos e quatro são da região norte. Pernambuco e Ceará tem uma relação quase de um para um, mas com o desemprego por aqui, acredito que em janeiro estes dois passam a engrossar essas fileiras. A região nordeste está uma desgraça econômica e vejam que coincidência: Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), Ceará, Camilo Santana (PT), Piauí, Wellington Dias (PT), Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, (PT), Paraíba, João Azevedo, (PSB), Pernambuco, Paulo Câmara, (PSB), Alagoas, Renan Filho (MDB), Sergipe, Belivaldo Chagas, PSD e Bahia, Rui Costa, (PT). Em suma: de nove estados, temos 8 governados pela esquerda (incluindo Renan Filho porque o MDB é hermafrodita). Vou analisar se há uma correlação ou uma relação de causalidade entre esquerda e indicadores sociais: miséria, desemprego, drogas, gravidez na adolescência, dentre outros.

A política é adotada nesses estados é aquela do vício: um pouco de droga, grátis, para fazer o cliente comprar mais. Os governantes investem na miséria para continuar nos seus cargos.

29 pensou em “ELEIÇÕES MUNICIPAIS

  1. Outra coluna do cara se rasgar e não parar de ler, por mais que a mulher grite da cozinha “café na mesa”.
    Oxente! E eu vou deixar e perder o fio do raciocínio de Assuero?
    Esse protocolo do isolamento social, patrocinado pela suspeita do Covid 19 no meu organismo, até tem me feito bem.
    Só colunas arretadas nesta sexta-feira.
    Assuero o oitava e nono parágrafos estão de encangar um ContrlC+ContrlV nos grupos de WhatsApp.
    Vou encangar logo é o link todo da coluna, espalhando-o pelo oco do mundo.
    “Café na mesa!” De novo?!
    Aguento mais não.

    • Outra coluna do cara se rasgar e não parar de ler, por mais que a amante grite do quarto de motel “buceta prontinha na cama”. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        • O meu control-c/control-v foi logo é no texto inteiro.
          Mas tenho uma coisa para reclamar, Assueiro.
          As equações me deram muuuuuito trabalho.
          Elas “não foram”, para o whatsapp, quando copiei o texto inteiro.
          Resultado.
          Tive que copiar primeiro uma parte do texto, como “texto”, e colar.
          Depois copiar uma equação, como “imagem”, e colar.
          Depois texto de novo….. e imagem de novo…
          Ou seja, deu muuuuito trabalho.
          Vê se dá menos trabalho prá gente, da próxima vez.
          kkkkkkk
          Brincadeiras a parte, parabéns pelo excelente trabalho amigo.
          De rigor acadêmico refinado.
          Esse povo farsante não vive dizendo que “falta ciência” ?
          Pois aí está uma abordagem refinada, analítica, sem achismos, politiquismos, coitadismos, pieguismos, frescurismos, baitolismos, canalhismos, farsantismos……
          Um grande abraço ao mentor e coordenador do grande Cabaré do Berto.

  2. “O binómio de Newton é tão belo como a Vénus de Milo. O que há é pouca gente para dar por isso.” (Álvaro de Campos, heterônimo de Fernando Pessoa)

  3. Caro Maurício, não entendes como Boulos pode ter tido 40% dos votos em SP?

    Covas teve menos votos que as abstenções e Boulos foi ao 2º turno graças ao apagão do TSE. A coisa foi muito descarada.

    Nosso Arthur aqui do JBF foi quem alertou e demonstrou a infâmia das proporções de votos que não se alteraram desde que 0,38% dos votos tinha sido apurados até os 100%, numa probabilidade matemática quase impossível de acontecer.

    O NE vai mudar na hora que tiver água no sertão. Sua terra é muito rica para a produção agrícola irrigada. Só que como demonstra um tuíte esquerdista mais abaixo, não podem deixar o Bolsoringa gerar empregos.

    • Caríssimos João e Maurício… Boulos 40% dos votos em SP? Que nos contem outra, pois esta é impossível engolir… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Pois é JF, eu evitei colocar isso no debate. Agora, como é uma fração, o denominador aumenta, mas o numerador também, então a fração tende a se manter. Acho que o melhor seria auditar o sistema

  4. Maurício, muita modéstia sua dizer “não entendo o motivo de Boulos ter tido 40% dos votos”. Você sabe que estes 40% e muitos mais, mesmo tendo frequentado as escolas da “pátria educadora” e recebido seus diplomas, não tem a menor idéia do que significa uma inequação como a que você apresentou; muitos desses já não lembram sequer o que é uma potência ou raiz. E também não sabem usar a lógica para perceber que as idéias de Boulos não fazem sentido, com ou sem demonstração matemática.

    Não lembro se já contei essa história que li em outro blog:

    Um professor universitário contou que em uma aula do primeiro ano estava tentando explicar que a relação entre certa coisa e outra certa coisa era explicada por uma função matemática, e disse aos alunos “vou fazer um gráfico para ficar mais fácil”. Foi o tempo de riscar no quadro-negro um eixo vertical e um eixo horizontal para um aluno levantar a mão e dizer “Professor, não pode usar essas matemática cabulosa nesse curso não!”.

    No meu tempo, representar f(x) = ax + b em um plano cartesiano era ensinado na sexta série. Mas eu aposto a fortuna que não tenho que os eleitores brasileiros capazes de fazer isso não chegam a 10%.

    • Marcelo.
      Não faz tanto tempo assim, aliás, faz sim (1983)… no meu tempo de sexta série também aprendi fazer a representação no plano cartesiano, tanto que até hoje, ainda exercito esse meu lado.
      Agora deu uma saudade de minha professora Romilda Cáceres…. um gênio da Matemática que respirava cartesianismo.

      • Pois amigos, faço isso com frequência, no primeiro dia de aula do curso de mineralogia, que precisa de base de química, para alunos do primeiro ano da graduação em geologia.
        São apenas duas perguntas:
        1) Desenhar um par de eixos cartesianos X-Y e plotar o ponto (2,3).
        2) Explique o que representa o símbolo Cu.

        A primeira, a grande maioria não consegue. Incrível.
        E as respostas para a segunda pergunta são sensacionais !!!!!

            • Mas é esse justamente o objetivo.

              Um universitário de exatas que não sabe a Tabela Periódica!

              Não sabem que o símbolo do elemento químico cobre é “Cu”.

              Eles acham que estou de sacanagem e falam/escrevem sobre o orifício anal.

              Impressionante!!!!!

    • Marcelo, para min foi surpresa ele chegar ao segundo turno. Se houvesse bom senso ele teria ficado ali com 5%, 6%. Mas, chegou com toda imbecilidade possível apoiado por outros imbecis, como a Petra Costa. A demonstração é pura ironia. Tinha um corolário que era kkkkkkkkkkkkkkkk, mas não coloquei.
      Eu sou matemático e por isso me apeguei a frieza do número. Todo mundo diz que 1+1=2, mas se perguntar se isso é verdade eu vou querer saber primeiro qual sistema o cara está considerando. No sistema binário 1+1=10.

  5. Mauricio… essa história de binômio de Newton você tirou mesmo do fundo de um caçuá…. nem eu me lembrava mais, mas fico “gardecido” pela lembrança terna. E, se você me “apermete”, como diz um bom caeté, vou traduzir na linguagem do povão os 40% do Boulos. Como tem idiota na cidade de São Paulo. A vantagem foi que, quando viu a chance de ganhar e ter que trabalhar, o Boulos foi logo arrumando um atestado médico. Foi salvo pelos idiotas, pouca coisa menos que os eleitores dele.
    Quanto aos meus irmãos nordestinos (sou neto de pernambucano, descendente de Filipe Camarão), só rezo para que eles tenham mais iluminação em 2022 e parem de eleger seus carracos. Afinal, no namoro entre a corda e o pescoço…. bem, deixa pra lá…

Deixe uma resposta