MAURÍCIO ASSUERO - PARE, OLHE E ESCUTE

Precisei fazer uma justa correção nesse texto, publicado no último dia 12, e o dedico a dois dos pilares fundamentais da cultura nordestina: Jessier Quirino e Xico Bizerra, ambos colunistas do JBF.

SE TU QUISER pode até acreditar que a humanidade descende de Adão e Eva, mas, que nada! A ancestralidade do sertanejo, por exemplo, é ZÉ QUALQUER E CHICA BOA! Zé Qualquer é um cabôco elefantado que cheira a FLOR DE ROMÃ, matuto rezador, CABLOCO DE FÉ, devoto de Padim Ciço, mas nunca foi um MATUTO DOENTE DAS PARTES. O cabra é fã de COMICIO EM BECO ESTREITO, apaixonado por CHICA BOA, essa MENINA BONITA que lhe faz companhia, e do seu DNA surgiu uma casta de gente que faz da fé UMA MERENDA CORRIQUEIRA, que se cobre com um COBERTOR DE ESTRELAS e se energiza com o CUSCUZ DO DIA-A-DIA, tratando dores, angústias e aperreios como se fosse um FARELIM DE NADA. Quanto mais difícil a vida mais pinta com tintas de esperanças a PAISAGEM DO INTERIOR, sempre ESPERANDO A FELICIDADE, que vem na “burrinha que nunca se atrasa”, como disse Santana, O cantador. Não conheço um descendente desse casal que tenha MEDO DA SOLIDÃO, porque quando a tristeza se abeira, rezam-se logo umas QUATRO AVE-MARIA BEM CHEIA DE GRAÇA, e vai-se TANGENDO A DOR como um vaqueiro aboiador, montado no CAVALO DO TEMPO, que tira do berrante o tom só compreendido pela boiada. Essa gente sertaneja vai, sempre e todo dia, ALÉM DAS PRECES.

Zé Qualquer, que não é um Zé qualquer, é mais do que um MATUTO. Tem a capacidade de fazer cada qual se sentir UM TURISTA BRASILEIRO que se sente dançando o ÚLTIMO XOTE EM PARIS! Esse pedaço de chão castigado pela estiagem é cativante demais, pois basta ver a tuia de gente que se aventurou mundo afora e agora está VOLTANDO PRO NORDESTE, alguns entrando pelo CRATO, ARARIPE, ASSARÉ, não importa! O bom é embarcar nessa viagem e dizer VOU-ME EMBORA PRO PASSADO, tratando o tal, como se ele estivesse DO OUTRO LADO DA RUA!

Não posso esquecer o JARRIM DE FLOR pra celebrar minha PAIXÃO POR SANTINHA. Quero pisar LÉGUAS DE CHÃO caminhando com os sonhos no bisaco da saudade e como se diz que caminhar é bom, evito PROBLEMA CARDIÚCO, pra esse velho coração que não bate… só apanha!

Essa nação nordestina, com esse povo sofrido, enganado por tantos políticos cafajestes, corruptos, dentre outros adjetivos, consegue manter viva a esperança e finca-se na terra como raiz adiando ao máximo a TRISTE PARTIDA. Externa a alegria e as crenças na época de São João, dançando, cantando, curtindo um FORRÓ CHORADO. A natureza e a garra desses descendentes são COISAS PARA SE DIZER BENZÓ- DEUS! Mensurar essa força motriz não é simples, é complexo, é intrínseco da gente, é coisa para especialista, PARA UM BOM ENTENDEDOR, para UM SONHADOR IMAGINANDO, porque se não for assim, nunca vai saber que a ORAÇÃO DOS SANFONEIROS e o BOLERO DE ISABEL são ritmados no bater das asas de MIL COLIBRIS.

EU VOU DIZER UM NEGÓCIO: se o sertão vai virar eu não sei, mas sei que CANDEEIRO APAGADO não nos deixa no escuro porque a BANDEIRA NORDESTINA tem luz própria. Nóis só quer ser nordestino. Que nos cobrem o IMPOSTO DO CÚPIDO se esta for a paga pra sentir O CHEIRO DO GANGOTE DELA e depois dar aquele BEIJO DE COALHO aos diversos PORES-DO-SOL, retratados pelo pariceiro Severino Souto, que sem palavras fala tudo desse chão, desse povo, dos seus costumes. A esperança não morre; a fé se renova. É chegando humilhação E O POVO DIZENDO AMÉM. Eu sempre serei nordestino!

Esse texto é um ajuste a outro que falei sobre o DIA DO NORDESTINO, 08 de outubro, fazendo uma referência ao MR8 – Movimento Revolucionário 8 de outubro, que nasceu para homenagear Ernesto “Che” Guevara. Ele foi capturado na Bolívia em 08 de outubro pelas tropas comandadas pelo Capitão Gary Padro Sálmon e no dia 09 de outubro de 1967 foi fuzilado pelo Tenente Mário Téran, acabando ali seu sonho de implantar o comunismo nessas bandas da América Latina. Sua experiência vitoriosa em Cuba fracassou diante do cerco que lhe foi imposto pelas tropas do Capitão Sálmon. “Hay que endurecerse, pero sin perder la ternura jamás”. Quando vivi meus dias de revolucionário, minha bandeira principal era acabar com os quartéis para usar as terras e construir casas para a população, eu achava divino esse lema e até cheguei a substituir, por um longo tempo, por outro que dizia “Ama a teus inimigos”.

Então, 08 de outubro tem se recheado de mensagens destinadas aos nordestinos e acabei me sentindo mais confortável com isso. De repente percebi que vivo numa nação de sonhos mais palpáveis que os de Guevara. Numa nação enorme de uma gente espezinhada, enganada por uma casta de políticos enriquecidos ao desviar dinheiro destinado para combater a seca do nordeste. Canalhas! Pagarão até o último cetil como disse um cabeludo há mais de dois mil anos.

Então, tinha escrito um texto sem muita pretensão, brincando com os títulos das poesias do Cardeal Jessier Quirino, até que outro baluarte da cultura nordestina, Xico Bizerra, fez um comentário por uma citação ao FORROBOXOTE. Daí, eu senti que não havia sido justo em não ter estendido o texto para citar a obra desse camarada pelo que tenho uma profunda admiração. Assim, juntei cimento, areia, brita, água e palavras e construí um texto misto com parte da arte desses dois baluarte da cultura nordestina. A ambos, meu abraço.

10 pensou em “DIA DO NORDESTINO

  1. Maurício, honrado com a deferência. Estar, no seu entender, equiparado à genialidade de Jessier deixa-me com o ego massageado por pelo menos 7 meses. É como eu sempre digo: amigo generoso é melhor que ganhar a supersena. Receba meu fraternal abraço e meu muito obrigado.

    • Mestre Xico,

      O mestre é o que é por puro capricho da Natureza.

      Se conforme com a sua genialidade porque do lado de cá nós só estamos nos deliciando com texto memorável desse em resposta à sua criação.

      Maurício Assuero foi em cima do ponto. Da mistura de Xico Bizerra e Jessier Quirino só esperamos obras-primas poéticas que engrandecem a Nação Nordestina.

      Parabéns Xoco! Parabéns Jessier! Parabéns Maurício que uniu os dois.

  2. Xico, você faz parte dessa engrenagem. Uma obra tão vasta, tão preponderante. Peço desculpas pelo atraso, mas procurei corrigir a tempo.

  3. Assuero, o Maurício, deita escrivinhação sobre dois hors-concours, mestres e pilares da cultura nordestina, que são Jessier Quirino e Xico Bizerra. Gastar palavras com gênios é chover no molhado, pois tudo já foi dito sobre tais luminares. E o que faz Sancho? Ah, Sancho presta sempre muita atenção, pois se aprende muito ao percorrer os caminhos traçados por grandes mestres.

  4. Maurício,

    O Altamir Pinheiro manda parabenizá-lo pelo texto brilhante em homenagem a esses dois gênios da Nação Nordestina em crônica memorável.

  5. Eu agradeço caro Cícero. Altamir é um cara que admiro bastante e que lamento a ausência. Meu contato está aberto pra ele e sem restrições. Abs

Deixe uma resposta