MAURÍCIO ASSUERO - PARE, OLHE E ESCUTE

Que Adão e Eva que nada! A ancestralidade do sertanejo é ZÉ QUALQUER E CHICA BOA! Um cabôco elefantado que sempre foi um matuto rezador devoto de Padim Ciço, mas nunca foi um MATUTO DOENTE DAS PARTES. O cabra é fã de COMICIO EM BECO ESTREITO e do seu DNA surgiu uma casta de gente que faz da fé UMA MERENDA CORRIQUEIRA, como se fosse o CUSCUZ DO DIA-A-DIA, e quanto mais difícil a vida mais pinta com tintas de esperanças a PAISAGEM DO INTERIOR. Não conheço um descendente desse casal que não vá ALÉM DAS PRECES, rezando, no mínimo, umas QUATRO AVE-MARIA BEM CHEIA DE GRAÇA.

Zé Qualquer, que não é um Zé qualquer, faz cada qual se sentir UM TURISTA BRASILEIRO que quando decide embarcar dizendo VOU-ME EMBORA PRO PASSADO, está, de fato, VOLTANDO PRO NORDESTE, essa nação imensa onde uma PAIXÃO PRA SANTINHA é sentimento comum nas mentes apaixonadas e foi-não-foi destrembrelha a quietude do matuto capaz inté de causar PROBLEMA CARDIÚCO.

Vejo Zé Qualquer com UM SONHADOR IMAGINANDO como esse povo sofrido, enganado por tantos políticos cafajestes, corruptos, dentre outros adjetivos, consegue manter viva a esperança e finca-se na terra como raiz adiando ao máximo a TRISTE PARTIDA. A natureza e a garra desses descendentes são COISAS PARA SE DIZER BENZÓ- DEUS!

Então, depois de muito ouvir falar no MR8 – Movimento Revolucionário 8 de outubro, vejo as inúmeras manifestações pelo Dia do Nordestino e não tem como não pensar em ZÉ QUALQUER E CHICA BOA. O MR8 nasceu para homenagear Ernesto “Che” Guevara que foi capturado na Bolívia em 08 de outubro pelas tropas comandadas pelo Capitão Gary Padro Sálmon e no dia 09 de outubro de 1967 foi fuzilado pelo Tenente Mário Téran.

Na outra ponta História, um cearense bom que só a peste, chamado Antônio Gonçalves da Silva e popularmente conhecido como Patativa do Assaré, nascido em 08 de outubro, serviu como base para homenagear o dia dos descendentes de ZÉ QUALQUER E CHICA BOA. Nada mais justo, visto que essa nação faz uma revolução por dia contra a seca, as injustiças sociais, a desigualdade de oportunidades, a miséria industrializada que torna rico os políticos da região, ao longo de duzentos anos já. A BANDEIRA NORDESTINA traz no centro nosso casal de ancestrais, olhando para o futuro. Nove estrelas orbitam em torno do olhar compenetrado. A bandeira é linda? LINDA NÃO, AQUELAS TUIA!

E essa nação, apesar dos problemas e da sacanagem politiqueira, tem uma gente de qualidade que valoriza a esperança como um recurso da fé. Que produziu inúmeros talentos em tantas artes. Que vê a ida dos filhos, mas se habituou em ver a volta tão cantada na Asa Branca, Luiz Gonzaga. Um dia, tudo muda. Um dia o nordestino vai se conscientizar de que devemos nos ocupar como átomos de um elemento puro e não como um aglomerado de íons. Vamos dar um chute na bunda dos políticos corruptos, ao som do forró, xote, baião, forroboxote de Xico Bizerra … E O POVO GRITANDO AMÉM

9 pensou em “DIA DO NORDESTINO

  1. Eu estava prontinho para defender o menage a trois de Adão, Lilith e Eva quando chega na parada a ancestralidade sertaneja representada por ZÉ QUALQUER E CHICA BOA!

    E fico no aguardo do chute na bunda dos políticos corruptos, que certamente o Adônis não concordará, solicitando destino mais à moda corda e forca.

    E vamos que vamos, que muita limpa necessita ser feita. Que o eleitor nordestino tire, de vez, a cor vermelha da urnas e faça a parte de cima do mapa bem mais em verde-amarelo.

    Abração, Maurício.

  2. Viva o povo brasileiro, em geral, e o nodestino, em particular, forte, antes de tudo. Viva a cultura de nosso lugar, nossos Poetas, nossa música e literatura. E obrigado, pela citação, ao final, aos Forroboxotes desse modesto ‘ajuntador’ de palavras e notas musicais. Por fim, sugerir ao Assuero que deixe um pouco de lado os números e se agarre, quando em vez, com as letras: fá-lo muito bem, texto limpo e gostoso de ler.

  3. Fazer referência a Jessier Quirino e a Xico Bizerra, Assuero, no “Dia do Nordestino,” é sempre um prazer imenso, ainda mais quando o mestre faz analogia às letras de músicas a aos forrobodoxote de todos.

    Parabéns pela crônica elogiosa, bem feita e articulada.

    Os homenageados merecem!

  4. Parabéns, prezado Maurício Assuero, pelo excelente texto, “DIA DO NORDESTINO”!

    Sua crônica homenageia, merecidamente, os grandes poetas nordestinos Jessier Quirino e Xico Bizerra, que nos honram com suas presenças no JBF,

    A citação dos títulos de formidáveis poemas de Jessier Quirino e do “som do forró, xote, baião e forroboxote do poeta Xico Bizerra”, enriquece o texto, como também a referência ao poeta cearense Patativa do Assaré, e ao insuperável compositor pernambucano, Luiz Gonzaga.

    Grande abraço!

  5. Pingback: DIA DO NORDESTINO | JORNAL DA BESTA FUBANA

Deixe uma resposta