DE QUARENTENA NA RUA

Tô saindo agora pra ir comprar abacaxi num supermercado aqui perto de onde moro.

Felizmente não ordenaram o fechamento desses estabelecimentos.

E depois vou passar na padaria pra comprar bolacha, pamonha, canjica e pão.

Sem abacaxi ou mamão, nas três refeições do dia, eu não consigo sobreviver.

Já a canjica e a pamonha são indispensáveis na janta.

Entendo e respeito quem segue a quarentena braba e não sai de casa de jeito nenhum. Cada um pensa dum jeito.

Mas eu não entro nesta onda de apavoramento que varre o país nem com a porra!

Tomo as medidas básicas e mínimas de precaução, recomendadas por quem entende do assunto, e sigo em frente, tocado normalmente minha rotina.

E, como já disse numa postagem que fiz esta semana, minha quarentena de preguiça, de coçar o saco e de tirar cochilo na rede, eu já cumpro há anos, desde que me aposentei no século passado.

Estou com o meu conterrâneo que foi entrevistado pela Globosta enquanto caminhava pela praia.

Estou com ele e não abro.

Vejam a estocada que ele deu no olho do furico do jornalisteiro:

8 pensou em “DE QUARENTENA NA RUA

  1. Na minha cidade , São Bernardo do Campo , o prefeito , que tem 46 anos e contraiu o vírus , baixou um decreto proibindo os com mais de 60 saírem de casa ( Desta forma, o idoso que precisar se deslocar deverá portar documento e justificar aos agentes da Prefeitura seu compromisso, sendo conduzido pelas autoridades de volta à sua residência. Em caso de reincidência, serão passíveis de penalidade de multa no valor de R$ 200.)
    Moro numa avenida que a uns 200 metros tem uma praça , por onde pessoas , simplesmente andam, e até disso estou agora privado .

    • Se não derem um basta nisto , logo será uma mina de dinheiro para alguns. Aliás a industria da extorsão , já está a todo vapor.

  2. Quem enxerga e pensa direito sabe, com certeza, que a tal quarentena não é tão importante, levando-se em conta diversos fatores e hábitos familiares. Estou com o Presidente. Mas, ele precisa ficar esperto, pois nem todo mourão é seguro e confiável.

  3. Velho (com todo respeito) certeiro da porra. Já deve ter sido “Polodoro” calibrado em muitas ocasiões ao longo da sua vida abençoada. Pra cima dessas bestas quadradas, mal intencionadas. Candeias, bela praia. Sol, mar e essa brisa constante. Vai ter vírus aonde? Como bem diz o Berto: ” de idiota e mato, o mundo tá cheio”. Vai procurar uma roupa pra lavar, sujeito!

  4. Grande Editor.

    Sou cabeça branca e com algumas comorbidades, mas conforme a minha meditação matinal (Mt 6:34): vivi o dia que Deus me concedeu.

    Saí, fiz compras e cuidei dos meus negócios. Debaixo desse cabelos grisalhos ainda existe um cérebro que pensa.

    Na minha cidade onde o pessoal é rústico e sistemático existe uma quase normalidade, quebrada unicamente pelas medidas restritivas da liberdade tomadas pelo governador. Se não fosse por isso não se perceberia problema algum.

    Nem é preciso dizer que “nóis é simprão de tudo” e entendemos perfeitamente e apoiamos, na grande maioria, o que o presidente falou.

    Quase ninguém de máscara. Nem mais os caixas do supermercado.

    Aquilo é um incômodo e muita gente já percebeu que ela só serve para quem estiver doente não contaminar os outros.

    Estou otimista e confiante que as demais atividades voltarão a rotina em breve, pois nosso povo não é bobo e já entendeu que tem como superar a pandemia sem destruir a economia.

    Deus lhe abençoe com mais vida, saúde e felicidade.

Deixe uma resposta