AS BRASILEIRAS: Catarina Paraguaçu

Catarina Álvares Paraguaçu nasceu na Bahia, supõe-se, em 1503. Indígena Tupinambá, esposa do português Diogo Álvares Correia, o ´´Caramuru´´ e primeira mulher a constituir família, em termos de civilização cristã ocidental, no Brasil. Confome certidão de batismo, realizado em 30/7/1528, na França, seu nome verdadeiro era “Guaibimpará“, segundo registro de Frei Santa Rita Durão em seu poema Caramuru. Neste sentido, exerceu papel fundamental na integração dos povos que formaram o povo brasileiro, constituindo-se no esteio e origem da família no País.

Ao naufragar na Bahia, Caramuru adquiriu proeminência entre os Tupinambás e recebeu-a como esposa oferecida pelo seu pai, o cacique Taparica. A história de sua vida é repleta de lendas, mas conta com documentos e um testamento existente até hoje no Mosteiro de São Bento da Bahia, no qual seus bens foram doados aos monges beneditinos e seus restos mortais encontram-se na Abadia de Nossa Senhora da Graça, em Salvador. Seu marido prosperou no negócio da troca de pau-brasil por utensilios de ferro com os navegantes, expandindo a aldeia com índios de outras tribos vizinhas.

Os negócios de Caramuru progridem ao ponto de permitir uma viagem do casal para conhecer a França, no navio comandado por Jacques Cartier (futuro descobridor do Canadá). Na cidade de Rouen, a esposa do comandante, Catherine des Granches, foi sua madrinha de batismo, cujo registro na certidão recebeu o nome de Cararina do Brasil. Pouco depois adotou o nome Catarina Paraguaçu, pelo qual ficou conhecida e famosa em sua terra. A viagen permitiu-lhe não apenas o conhecinebto de outra cultura tão diferenciada da sua. Aprendeu também a lidar com os conceitos de família e negocios dos ocidentais. De volta ao Brasil, bem estabelecidos, criam filhos e ela passa a ajudar o marido nos negócios da colônia.

Em 1536 surge o português Francisco Pereira Coutinho com uma carta do rei de Portugal designando-o senhor das terras ali existentes. Conta a história (ou lenda) que o cacique Taparica comandou sua expulsão de volta a Portugal. Mais tarde, em 1548, o rei Dom João III reconhece Caramuru como autoridade naquelas plagas e pede-lhe apoio na instalação do governo-geral. Assim, Tomé de Souza vem para cá já instruido de manter boas relações com a familia Caramuru. Os filhos homens são alçados a postos de comando na organização do governo e as filhas são encaminhadas por Catarina a se casarem com os portugues recém chegados, indicados pelo governador.

A familia Caramuru passa a ter certa importância no, digamos, métier social da colônia. Uma das filhas, casada com o português Afonso Rodrigues, ficou conhecida por deununciar práticas de violência contra os índios e propor a criação de uma escola para as crianças. Chegou a escrever uma carta dirigida ao Padre Manoel da Nóbrega, pedindo que as crianças indígenas escravizadas, “sem conhecerem Deus, sem falarem a nossa língua e reduzidas a esqueletos“, fossem tratadas com dignidade.

O padre ficou comovido com o pedido e intercedeu junto a Coroa pedindo permissão para a criação de escolas para crianças indígenas. Mas a rainha Catarina de Bragança indeferiu o pedido. Desse modo, entrou para a história, junto com a mãe, como precursora na defesa dos direitos humanos. Seu nome -Madalena Caramuru- foi lembrado séculos depois (em 2001), em homenagem prestada pelos Correios num selo de R$ 0,55.

Em 1557, com o falecimento de Caramuru, Catarina herdou não apenas a fortuna, mas o poder adquirido pela família desde os primórdios da organização do governo colonial. Com sua habilidade aprendida de seu povo Tupinambá e diplomacia aprendida com os europeus, passou a gerir os negócios da família, tiornando-se figura central na já afluente sociedade baiana. Sua atuação foi relevante no finanancimento de obras sociais e na fundação da Igreja da Graça. O casamento do neto de Catarina com o filho da família Garcia D’Avila resultou na construção da Casa do Castelo Garcia D’Avila, na Praia do Forte, considerado a primeira edificação portuguesa de arquitetura residencial militar no Brasil. Lá se encontra a Capela de São Pedro dos Rates, chamada hoje de Capela de Todos os Santos.

Catarina faleceu em 1583 e deixou um legado pouco reconhecido entre os brasileiros. Segundo Jorge Caldeira, em seu livro 101 brasileiros que fizeram história (2016), o reconhecimmento do “grande empreedimentio dessa mulher Tupinambá“ pelos historiadores, deve-se a méritos apenas ocidentais, desonhecendo sua origem indígena. E conclui seu verbete com uma denúncia: “Até que os modos de ser Tupinambá fossem estudados, apagou-se da história o papel essencial das mulheres nativas na construção de uma sociedade nova.

4 pensou em “AS BRASILEIRAS: Catarina Paraguaçu

  1. Rapaz!
    O texto é bom, nas o vídeo é uma aula de cultura.
    Quem é o cara do vídeo ?
    Tem algum site ?
    Ele é genial.
    E o livro Castanhas do Brasil, como faço para ter um exemplar dele, de preferência na forma digital, um pdf, por exemplo .

    • Meu quase xará Domingos

      O cara do vídeo é Eduardo Bueno. Veja no youtube diversos vídeos dele sobre História do Brasil. Quanto ao livro., veja com ele que certamente terá alguma indicação

Deixe uma resposta