CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Caro Luiz Berto,

Segue, abaixo, a história e o vídeo da música, composta pela cantora canadense Loreena-McKennitt, que cai muito bem aos dias de hoje, bem como para semana santa.

A canção traz à lembrança os dias sombrios de uma das maiores atrocidades de Josef Stalin. Ditador soviético, que conseguiu colocar em prática uma de suas célebres frases: “A morte de uma pessoa é uma tragédia; a de milhões, uma estatística. ”

“A oração de Dante” – Loreena McKennitt – uma bela oração que veio do inferno

São poucas as canções que me lembro perfeitamente do dia e do lugar onde as ouvi pela primeira vez. Esta é uma delas. Era 6 de janeiro de 2000. Os Magos me trouxeram um presente magnífico: um álbum duplo de Loreena intitulado “Live In Paris And Toronto”. As faixas deste álbum foram gravadas em concertos nessas duas cidades. A última música do primeiro disco é “A oração de Dante”, que apareceu pela primeira vez no seu álbum “O Livro dos Segredos”, publicado em 1997. Lembro que estava sentado na cama quando ouvi essa música pela primeira vez, e tanto a melodia quanto a letra me deixaram emocionado. Mas de onde veio essa emoção?

DE UMA VIAGEM FRIA PARA UM LUGAR QUE FOI UM INFERNO PARA MUITAS PESSOAS

Loreena McKennitt explica que essa música teve origem em uma viagem na Transiberiana, a maior ferrovia do mundo (mais de 9.200 quilômetros). Nesse trem, em 17 de dezembro de 1995, Loreena escreveu: “Agora é o quinto dia desta viagem de trem através do inverno da Sibéria. Viajando sozinha, é estranho não poder conversar com ninguém, mas aprendi o quanto pode ser transmitido por meio de ações, linguagem corporal, olhar nos olhos … ” Outra anotação apareceu datada de 18 de dezembro de 1995: “ Dante A Divina Comédia ”continua passando pela minha mente enquanto eu olho para a paisagem que passa diante de mim, pensando nas pessoas e como eles compartilham esta condição humana … Como o Ocidente chegou a este lugar de transição? Nossas vidas são realmente o que eles imaginam? ”

Imagine por um momento a situação: naquela época, já se haviam passado quatro anos desde a queda da união soviética. A Sibéria era um lugar inóspito em que muitas pessoas morreram durante as deportações stalinistas. Na Sibéria foram instalados muitos campos do gulag (campos de prisioneiros onde eram punidos com trabalhos forçados, torturas físicas e psicológicas), o que o tornou um inferno para centenas de milhares de seres humanos , com episódios tão assustadores quanto o da estrada dos ossos . Foi, sem dúvida, um bom lugar para relembrar a viagem ao inferno que Dante fez na “Divina Comédia”, e das pessoas que Loreena conheceu naquela viagem, certamente ela percebeu a mesma sede de salvação que esta música transmite.

Existem vários vídeos, com tradução em português no You Tube, mas escolhi este:

2 pensou em “VANDERLEI ZANETTI – SÃO PAULO-SP

  1. Simplesmente me arrepiei!

    Fazia anos que não escutava Loreena e não fazia ideia da origem por trás dessa melodia.
    Sempre achei essa composição uma das melhores de toda sua discografia, e agora sabendo de seu significado ampliou colossalmente meu apreço por ela.

    Uma importantíssima partilha, Vanderlei (inclusive pelo seu valor histórico em nos reforçar a imagem do que estamos enfrentando).

    • Conheci esta música de Loreena McKennitt o ano passado. Gostei e me emocionei, ficando intrigado. Por que Loreena foi fundo em sua criação, usando como base a “Divina Comédia” de Dante?
      Quando gosto muito de uma música procuro saber a história de sua criação.
      De posse da história da canção “Oração de Dante’, consegui traçar um paralelo, em minha mente, com a relação do Stalinismo (repressão, fome e morte) – que ela fez, com o momento atual. Lógico, que numa dimensão menor, mas, com mesmas raízes (repressão, fome e morte).
      Resumindo:
      * As pessoas com certo grau cultural e formação acadêmica em casa, trabalhando remotamente.
      * As pessoas com baixa escolaridade na entrega de alimentação aos que podem “Fique em Casa”.
      *Duas classes uma em casa e outra fora de casa.
      * Uns com trabalhos intelectualizados e outras com trabalhos manuais e de produção, porque todos têm de comer, ter eletricidade, ter água, ter gás, ter transporte, ter manutenções em seus utensílios, e por aí vai…. Não dá para bloquear, ou seja, parar todos os trabalhos e produção. A sociedade tem de funcionar.
      * Bairros ricos índices menores de infecções e bairros pobres com índices maiores de infecções.
      * Trabalhadores ricos em automóveis. Pobres em transporte lotados urbanos.
      * Menores fardos nas costas dos ricos e maiores fardos nas costas dos pobres.
      * Funcionários públicos casta privilegiada. Empregados da iniciativa privada “pagam as contas”, via impostos, da casta privilegiada.
      * Casta do funcionalismo e ricos com PLANOS DE SAÚDE e pobres sem nada ou no máximo o SUS e olhe lá.
      * Para piorar a situação, uma verdadeira catástrofe de revelações de tiranetes, em todos os níveis dos poderes da República, tendo simbiose com a síndrome do pequeno poder, chegando a lembrar Abraham Lincoln, quando disse que “se você quer testar o caráter de um homem, dê-lhe poder”.
      * Pessoas ignorantes e com baixa autoestima executando tarefas para as quais são incapacitadas.
      * Autoritários impondo à força, de maneira agressiva, sua incompetência e ignorância sobre os pobres “famintos” e trabalhadores.
      * Ditadores de Fundo de Quintal.
      * Estados de sítio inconstitucionais em diversos municípios.
      Concluindo, só posso deduzir que os desafortunados, os pobres, os paupérrimos e os que necessitam trabalhar para não morrerem de fome, estão vivendo, desde março de 2020, em um “VERDADEIRO INFERNO”. E somente DEUS pode confortá-los. “ Quando a noite escura parece interminável… Por favor, lembre-se de mim…”

      Em abril de 2017, Loreena McKennitt tocou “Oração de Dante” na homenagem aos soldados canadenses mortos na Batalha de Vimy em 1917, por ocasião do centenário daquele combate sangrento ocorrido no Norte da França na Primeira Guerra Mundial. Um bom momento para cantar aquele “Por favor, lembre-se de mim” em nome daqueles jovens que caíram tão longe de suas casas:
      E a respeito dessa homenagem, uma nota: Loreena McKennitt é coronel honorária da Royal Canadian Air Force desde 2015. Anteriormente, em 2006, ela havia recebido a mesma distinção do 435 Transport and Rescue Squadron, pois em 1998 fundou o Cook-Reese Fundo Memorial para Busca e Segurança na Água, após a morte de seu noivo em um acidente náutico (por que ouvi-la cantar sua “Canção de Penélope” – sobre uma mulher que espera e anseia por seu amor no litoral – É especialmente triste).

Deixe uma resposta