PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

O Sol, no céu, me dá o tom da luz,
da cor, do som que me vem nu, que traz
na luz do Sol, no céu a cor da cruz
e sem ter dó em luz de dor me faz!

A dor que vem é dom que não faz jus
à cor, ao tom, à luz que tem na paz
e nu me faz à luz do Sol que pus
no céu de dor, e cor, e luz… não mais!

No céu de dor de um Sol sem par, na fé
eu vou, de luz em luz, na dor e sei
que a cor e o tom da luz de dor me vem…

E traz a mão que faz a cor da lei
da dor que vem, e sei que luz não é;
No céu de dor, meu Sol a luz não tem!

Ciro di Verbena, Pilar do Sul-SP (1962)

3 pensou em “SONETO MONOSSILÁBICO 7 – Ciro Di Verbena

  1. Ao Mestre Pedro Malta.

    Fascinante e de uma criatividade espantosa a construção poética. O autor domina e burila com maestria os monossilabos onde, de todo texto, só vamos encontrar 3 palavras com 4 letras.
    O advérbio mais; o verbo traz eo substantivo, cruz.

    Como sempre, primoroso e impecável a garimpagem do Mestre Pedro Malta. Não tem preço.

Deixe uma resposta