PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Juro por tudo quanto é jura..,
juro por mim, por ti, por nós, por Jesus Cristo,
que hei-de esquecer-te! Vês? Estou seguro
contra o teu sólio, a cuja queda assisto.

E, visto que duvidas tanto, visto
que ris do que, solene, te asseguro,
juro mais: pelo ser em que consisto,
por meu passado, pelo teu futuro!

Pela Virgem Maria concebida,
pelas venturas de que vou no encalço,
por minha vida, pela tua vida…

Juro por tudo o que mais amo e exalço!
E depois de uma jura tão comprida,
juro… juro que estou jurando falso!!…

Hermes Floro Bartolomeu Martins de Araújo Fontes, Boquim-SE (1888-1930)

Deixe uma resposta