PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Eu queria saber o que era amor
E a todos quantos via perguntava:
Ao velho, ao jovem que na vida entrava,
Ao inocente, ao justo, ao pecador.

De minha mãe às vezes, indagava.
Ela estranhando, repetia: “amor!”
“Leia o vocabulário” me ordenava
O meu velho e sozinho professor.

Fui percorrer então o dicionário:
Amor… amor… amor… sentido vário
De mil explicações em labirinto…

Não cheguei a entender. E fiquei triste.
Ou o amor em verdade não existe,
Ou só existe aquele amor que eu sinto.

1 pensou em “PERGUNTAS – Benedicta de Mello

Deixe uma resposta