PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Nascemos um para o outro, dessa argila
de que são feitas as criaturas raras;
tens legendas pagãs nas carnes claras,
e eu tenho a alma dos faunos na pupila…

Às belezas heroicas te comparas
e em mim a luz olímpica cintila.
Gritam em nós todas as nobres taras
daquela Grécia esplêndida e tranquila.

É tanta a glória que nos encaminha
em nosso amor de seleção profundo,
que (ouço de longe o oráculo de Elêusis)

– se, um dia, eu fosse teu e fosses minha.
o nosso amor conceberia um mundo
e do teu ventre nasceriam deuses.

Raul de Leoni, Petrópolis-RJ (1895-1926)

Deixe uma resposta