CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Rogério Araujo, em comentário feito em 27 de agosto, aqui no JBF, disse o seguinte:

“Estou para dizer que esta questão já foi paga.”

(clique aqui para ver a postagem)

Prezado ROGÉRIO, se alguém lhe disse que nossa ação de 1998 (22 anos) já foi paga, deve estar querendo confundi-lo. Nada foi pago.

Em 2009 o Santander tentou calar-nos oferecendo apenas DEZ POR CENTO do valor da ação, com perda total de todos os direitos. NÃO ACEITAMOS.

Para você ter ideia, o BANESPA sempre deu lucro. Teve semestre que recebemos DOIS SALÁRIOS ou DUAS APOSENTADORIAS de gratificações. Veja que o lucro líquido do Santander em 2019 foi de mais de QUATORZE BILHÕES de reais.

Nossa folha de pagamento (-70 milhões) é de quase MEIO POR CENTO desse valor, uma insignificância. No 1º trimestre deste ano, o banco teve lucro líquido de mais de TRÊS BILHÕES. E no semestre mais DE CINCO BILHÕES, mesmo com a pandemia.

Os hoje aposentados é que tornaram o EXTINTO BANESPA PODEROSO, e agora o BANCO ESPANHOL SANTANDER está usufruindo com ALTOS LUCROS. No nosso estatuto consta o direito dos aposentados de receberem gratificações. Os acionistas do banco retiraram do nosso ESTATUTO esse artigo.

Não podiam e nem podem mexer nos direitos que já existiam quando fomos admitidos. E o banco assinou respeitar, na privatização em novembro/2000.

Outra coisa, o Santander pagou SETE BILHÕES e 50 milhões pelo Banespa, subavaliado por um bilhão oitocentos e cinquenta milhões. Mas recebeu em troca 28 bilhões em ATIVOS FINANCEIROS; cinco bilhões de lucros de balanços não publicados (balanços de 1994 a 2000 escondidos por FHC e equipe para ter autorização da justiça para privatizá-lo), e mais cinco bilhões de lucro de 2001 a 2006, quando USURPOU dos salários e APOSENTADORIAS 35,5%, alegando que não demitiria os funcionários – o total foi de TRINTA E OITO BILHÕES DE REAIS.

Mas não cumpriu o acordo firmado no TST. OFERECEU PDV, com pequena oferta financeira, e criou TERROR nas agências, obrigando dobrar o número de seguros de vida. Isto é, os funcionários eram obrigados a fazer cinco seguros por mês, o banco passou a exigir o DOBRO. Foi um clima horrível.

Muitos achando que seriam mandados embora, pediram PDV. Hoje estão arrependidos, e vivendo só com o benefício do INSS.

Agora, durante a pandemia, o Santander da Espanha está cortando os salários pela metade; mas aqui, no Brasil, O SANTANDER está DEMITINDO!

Se você quiser saber quem é o Santander, veja este vídeo:

7 pensou em “ORLY GUERRA – VILA VELHA–ES

  1. Com todo o respeito pelos antigos funcionários que buscam seus direitos na justiça e, não os encontram. Porém, quando políticos ambiciosos como Orestes Quércia e Luis Antonio Fleury Filho,se apoderaram e afundaram o Banespa ,os então, bens pagos funcionários, nada fizeram para impedir o desmonte do grande banco paulista.

    • Paulo Terracota em 30 de agosto de 2020 às 16:35 disse:

      “bens pagos funcionários, nada fizeram para impedir o desmonte do grande banco paulista.”

      Prezado PAULO TERRACOTA, os funcionários do EXTINTO BANESPA tinham quadro de carreira, por isso os salários eram acima da média dos demais bancários. Os lucros eram enormes, apesar dos EMPRÉSTIMOS concedidos a POLÍTICOS e seus amigos a FUNDO PERDIDO (ninguém pagava), ordenados pelos governadores. Veja na internet os lucros líquidos do Santander desde 2001. Pagou sete bilhões e recebeu trinta e oito bilhões em troca, (cinco vezes mais). Nós tentamos por 5 anos na justiça não deixar o BANESPA ser privatizado. Gilmar Mendes, advogado geral da nação, fiel escudeiro de FHC “queimou” todas as liminares que não permitiam privatizar. Mas, como já disse, FHC e equipe, ESCONDERAM os balanços de 1994 a 2000 para provar à justiça que o BANESPA era deficitário (esses balanços renderam ao Santander mais de CINCO BILHÕES -LUCROS DE BALANÇOS NÃO PUBLICADOS). Em 2000 a justiça aceitou. O governador COVAS, que não pretendia deixar privatizar, assinou a autorização porque FHC só liberaria mais de CINQUENTA BILHÕES para SP se o Banespa fosse privatizado. Desse dinheiro foi repassado 24 bilhões, dívida das estatais e outros valores porque os deputados de SP não regulamentaram o FUNDO DE PENSÃO. Os aposentados tinham em novembro/1999 mais de 4 bilhões em TÍTULOS INEGOCIÁVEIS, com correção pelo IGP-DI mais juros de 12% a.a.; hoje o SALDO ATUARIAL é de mais de SESSENTA BILHÕES, usurpado pelo BANCO ESPANHOL SANTANDER. Então, PAULO, procure saber melhor o que realmente aconteceu na privatização do EXTINTO BANESPA. Leia a FALSA QUEBRA DO BANESPA: http://www.aloysiobiondi.com.br/spip.php?article725 – se você quiser saber mais: (orlyguerra@gmail.com).

      • PREZADO SR. PAULO TERRA COTA ALÉM DO QUE FOI COLOCADO PELO COLEGA ORLY GUERRA O GOVERNADOR ORESTES QUERCIA GANHOU O PROCESSO CONTRA OS QUE ENTRARAM NA JUSTIÇA CONTRA ELE E FICOU PROVADO, QUE O BANCO BANESPA NÃO ESTAVA QUEBRADO E TEM MAIS , POIS ATÉ HOJE ESTAMOS BRIGANDO POR NOSSOS DIREITOS COMO DIZ O COLEGA ORLY GUERRA E O COLEGA carlos zitelli em outra mensagem e VEJA : MAIS ISSO :ABAIXO QUE AGUARDAMOS UMA RESPOSTA URGENTE

        EXCELENTÍSSIMOS SENADORES E DEPUTADOS e MAGISTRADOS

        A NOSSA SOLICITAÇÃO DESTINA SE A SABER QUAL A POSSIBILIDADE DOS PODERES LEGISLATIVOS, JUDICIÁRIO E EXECUTIVO REGULARIZAREM A NOSSA SITUAÇÃO, QUE A CADA DIA O BANCO SANTANDER VEM ABSURDAMENTE DESRESPEITANDO NOSSAS LEIS E ATRAVÉS DE RECURSOS ABSURDOS QUE AS NOSSAS LEIS DEIXAM ÀS VEZES A DESEJAR, POSTERGA OS ANDAMENTOS DE NOSSOS PROCESSOS, QUE INICIARAM NOS ANOS DE 1998, 2002, E ATÉ HOJE AINDA A JUSTIÇA AINDA NÃO DECIDIU E SOMOS IDOSOS, MUITOS COM DOENÇAS GRAVES E GOSTARÍAMOS DE SABER SE OS PODERES CONSTÍTUIDOS DO PAÍS PODEM E DEVEM REALIZAR ALGUMA MEDIDA E POR ORDEM EM NOSSA VIDAS E TAMBÉM DE PARA TODA POPULAÇÃO BRASILEIRA .

        O BANCO DO ESTADO DE SÃO PAULOS/A “ BANESPA” OBEDECENDO AS DETERMINAÇÕES DA LEI6.435/77, E E NA LEI COMPLEMENTAR Nº 109/2001, FOI CRIADO UM FUNDO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, PARA OS FUNCIONÁRIOS APOSENTADOS ADMITIDOS NO BANCO DO ESTADO DE SÃO PAULO S/A ATÉ O DIA 22 DE MAIO DE 1975, DE ACORDO COM A LEI ESTADUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO DE Nº 200/1974, E NÃO ADERIRAM AO PLANO APRESENTADO PELO BANCO SANTANDER S/A, POIS OBRIGAVAM ABRIR MÃO DE TODOS DIREITOS ADQUIRIDOS NOSSOS, ATRAVÉS DE NOSSAS LEIS EXISTENTES NO BRASIL.

        O SENADO FEDERAL APROVOU A EMISSÃO DE TÍTULOS FEDERAIS INEGOCIÁVEIS EM ALGUNS BILHÕES DE REAIS, DESTINADA A CRIAÇÃO DE UM FUNDO DE PENSÃO PARA FAZER FRENTE FACE AO PAGAMENTO DAS COMPLEMENTAÇÕES E PENSÕES ATÉ A MORTE DO ÚLTIMO BENIFICIÁRIO.

        A FIM DE SE DAR CUMPRIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES PRÓPRIAS DA LEI Nº6435/77, NO QUECONCERNE AO PAGAMENTO DAS COMPLEMENTAÇÕES DE APOSENTADORIAS E PENSÕES DOS ANTIGOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO ESTADO DE SÃO PAULO S/A “ BANESPA “ ADMITIDOS ATÉ O DIA 22/MAIO/1975, EM VIRTUDE TAMBÉM DE LEI DO ESTADO DE SÃO PULO DE Nº 200/1974,FOI APROVADO SENADO FEDERAL,ATRAVÉS DA MENSAGEM 106/1997 E DA RESOLUÇÃO Nº 118/1997, A EMISSÃO DE TÍTULOS NO MONTANTE CORRESPONDENTE À DÍVIDA ATUARIAL DAQUELA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA, A PARTIR DE 1998,JUNTO A SEUS FUNCIONÁRIOS.

        SOBREVEIO, ENTÃO , A INSTITUIÇÃO DO PLANO DE COMPLEMENTAÇÃO DAS APOSENTADORIAS E PENSÕES COM O OBJETIVO DE PASSAR OS PAGAMENTOS, PARA O BANESPREV – FUNDO BANESPA DE SEGURIDADE SOCIAL, IGUALMENTE, PARA SE DAR CUMPRIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA LEI Nº 6435/77.

        OCORREU,POSTERIORMENTE,QUE A MAIORIA DOS FUNCIONÁRIOS APOSENTADOS E PENSIONISTAS NÃO ADERIRAM AO PLANO DE COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA E PENSÕES,EM VIRTUDE PELAS RESTRITIVAS CONDIÇÕES QUE LHES FORAM IMPOSTAS QUANDO DA INSTITUIÇÃO DO MESMO. SOB TAL ASPECTO,INEGÁVEL QUE AS DISPOSIÇÕES PRÓPRIAS DA LEI 6435/77, E DA LEI COMPLEMENTAR Nº 109/2001,COBRAM EFICÁCIA NÃO SOMENTE AOS QUE OPTARAM PELO PLANO DE COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIAS E PENSÕES, MAS A TODOS OS SERVIDORES DO “BANESPA “,APOSENTADOS OU NÃO ALCANÇADOS PELO CAPUT DO ARTIGO 87 DO REGULAMENTO DO PESSOAL DO “BANESPA “ EDITADO NO ANO DE 1975.

        POR FORÇA DISSO, A MENCIONADA EMISSÃO DE TÍTULOS DEVE ATENDER EFETIVAMENTE, A SUA FINALIDADE, QUAL, SEJA DAR LASTRO AOS PAGAMENTOS DAS COMPLEMENTAÇÕES DAS APOSENTADORIAS E PENSÕES DAQUELES FUNCIONÁRIOS. DE OUTRA PARTE, NO QUE DIZ RESPEITO AOS TÍTULOS EMITIDOS COM A APROVAÇÃO DO SENADO FEDERAL PARA PAGAMENTO DAS COMPLEMENTAÇÕES DE APOSENTADORIAS E PENSÕES DOS FUNCIONÁRIOS ADMITIDOS ATÉ O DIA 22 DE MAIO DE 1975, EM VIRTUDE DE LEI 200/74, ESTADUAL DE SP , CONFORME JÁ INFORMADO.
        inegável reconhecer que a emissão correspondente foi feita sob a modalidade nominativa e inegociável e que a atualização do valor do ativo deverá ser feita mensalmente, a cada dia 15, com base na variação do índice GERAL de PREÇOS – DISPONIBILIDADE INTERNA – IGP-DI DO MÊS ANTERIOR,DIVULGADO PELA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS -FGV(VIDE) CARACTERISTICAS DESCRIMINADAS NAS LETRAS “C E D” DA MENSAGEM Nº 106/97 DO SENADO FEDERAL,ALÉM DA INCIDÊNCIA DA TAXA DE JUROS REMUNERATÓRIOS EM RAZÃO DE 12% AO ANO (VDE) CARACTERISTICAS NAS LETRAS “C “D” E “E” DA MENSAGEM Nº 106/97 DO SENADO FEDERAL). ASSIM SENDO EVIDENCIA -SE MANIFESTAMENTE, INCONSTITUCIONAL O DESBLOQUEIO DOS TÍTULOS EM QUESTÃO POR OFENSA AO ARTIGO 52 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, QUE DIZ O SEGUINTE : ” COMPETE PRIVATIVAMENTE AO SENADO FEDERAL :

        VII – DISPOR SOBRE LIMITES GLOBAIS E CONDIÇÕES PARA AS OPERAÇÕES DE CRÉDITO EXTERNO E INTERNO DA UNIÃO, DOS ESTADOS E DO DISTRITO FEDERAL E DOS MUNICÍPIOS, DE SUAS AUTARQUIAS E DEMAIS ENTIDADES CONTROLADAS PELO PODER PÚBLICO FERAL;

        VIII-DISPOR SOBRE OS LIMITES E CONDIÇÕES PARA CONCESSÃO DE GARANTIA DA UNIÃO EM OPERAÇÕES DE CRÉDITO EXTERNO E INTERNO;

        IX – ESTABELECER LIMITES GLOBAIS E CONDIÇÕES PARA O MONTANTE DA DÍVIDA MOBILIÁRIA DOS ESTADOS DO DISTRITO FEDERAL E DOS MUNICÍPIOS.”

        PORTANTO, O DESBLOQUEIO DOS TÍTULOS FEITO ATRAVÉS DA PORTARIA Nº 386 DE 15/AGOSTO/2000, DA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL, TENDO CONSTADO DO SEU TEOR QUE A MESMA DECORREU DO DISPOSTO NA PORTARIA Nº 214/2000, DA MESMA SECRETARIA, NO DECRETO Nº 3540/2000 E NA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 1974/82, LOGO,É TOTALMENTE INCONSTITUCIONAL NÃO SÓ POR CONTRARIAR A DETERMINAÇÃO DO SENADO FEDERAL CONSTANTE DA SUA MENSAGEM 106/97,COMO RETRO-TRANSCRITO ARTIGO 52 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL.AINDA EXISTE, A NOTÍCIA E NOS PROCESSOS SEMPRE FOI APONTADO AO JUDICIÁRIO QUE OCORREU PELO SANTANDER O CONGELAMENTO POR TRÊS ANOS DOS SALÁRIOS do PESSOAL em atividade, SEM CONTEMPLAR OS APOSENTADOS IDOSOS, MUITOS COM DOENÇAS GRAVES E PENSIONISTAS ,OS QUAIS SEM NENHUM REAJUSTE.AO PESSOAL DA ATIVA FORAM CONCEDIDOS DIVERSOS BENEFÍCIOS, NÃO ESTENDIDOS AOS APOSENTADOS E PENSIONISTAS .

        OBSERVE SE QUE O BANESPA RECEBEU OS TÍTULOS FEDERAIS PARA FAZER FACE AO PAGAMENTO DAS ALUDIDAS COMPLEMENTAÇÕES, VALENDO LEMBRAR QUE ESSES TÍTULOS RENDEM JUROS DE 12% AO ANO, MAIS IGP-DI FGV.

        AINDA MAIS, O EDITAL PND Nº 3, DE 03/10/200,ELABORADO PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL, RELATIVO À PRIVATIZAÇÃO DO “BANESPA”,CONTEMPLA A OBRIGAÇÃO PELO PAGAMENTO DA COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA E PENSÃO EM FOCO,CONFORME CONSTA DO SEU ITEM 6.7.4, SOB O TÍTULO “INFORMAÇÕES ADICIONAIS:

        ” O BANESPA,CONSOANTE ESTABELECIDO EM SEU REGULAMENTO DO PESSOAL É RESPONSÁVEL PELO PAGAMENTO DE COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIAS E PENSÕES AOS SEUS EMPREGADOS ADMITIDOS ATÉ O DIA 22 DE MAIO DE 1975,QUE NÃO ADERIRAM AOS PLANOS DE PREVIDÊNCIA ADMINISTRADOS PELA BANESPREV”.

        LOGO,IMPOSSÍVEL DEIXAR DE RECONHECER QUE A COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIAS E PENSÕES DEVERÁ SER REAJUSTADAS NOS MESMOS MOLDES DOS TÍTULOS EMITIDOS PARA CUSTEÁ-LAS,SOB PENA DE PROVOCAR O ENRIQUECIMENTO SEM CAUSA DO BANCO,CUJA VEDAÇÃO ERIGE – SE EM PRÍNCIPIO DO SOBRE DIREITO DE HÁ MUITO TEMPO CONSAGRADO.

        SE NÃO BASTASSE,INEGÁVEL QUE A ALUDIDA COMPLEMENTAÇÃO REVESTE – SE DE NATUREZA ALIMENTÍCIA,O QUE EVIDENCIA O FUNDADO RECEIO DE DANO IRREPARÁVEL, OU DE DIFÍCIL REPARAÇÃO, AINDA MAIS SE FOR LEVADO EM CONSIDERAÇÃO A AVANÇADA IDADE DA MAIORIA DOS BENEFICIÁRIOS PELO FATO DE JÁ ESTAREM APOSENTADOS OU SEREM PENSIONISTAS E MUITOS COM DOENÇAS GRAVES.

        FINALIZANDO SOLICITAMOS COM URGÊNCIA, QUE O SENADO FEDERAL E SENDO NECESSÁRIO JUNTAMENTE, COM A CAMARA FEDERAL E O STF, OU A QUEM DE DIREITO, DETERMINAR O CUMPRIMENTO DE NOSSAS LEIS E O ATO JURÍDICO PERFEITO REALIZADO, E, DESRESPEITADO REALIZANDO TUDO O QUE FOR DE DIREITO PARA REGULARIZAR A SITUAÇÃO DE TODOS APOSENTADOS IDOSOS DO EX BANCO DO ESTADO DE SÃO PAULO ” BANESPA” HOJE BANCO SANTANDER QUE VEM USANDO E ABUSANDO DAS BRECHAS DAS LEIS E NINGUÉM CONSEGUE DETÊ LOS.

        DEVENDO O BANCO SANTANDER REPARAR OS PREJUÍZOS DOS APOSENTADOS IDOSOS E DEMAIS COLEGAS DESSES E TAMBÉM DEIXAR DE PRESSIONAR NOS PARA ENTRAR EM OUTROS PLANOS DEIXANDO NOS NO PLANO AUTORIZADO PELO ATO JURÍDICO ,PERFEITO DO SENADO FEDERAL resolução 118/97, QUE DESCREVEMOS ACIMA E TAMBÉM PAGUEM AS DIFERENÇAS QUE DEIXAMOS DE RECEBER POR TER DESBLOQUEADO OS TÍTULOS DURANTE TODO ESSE PERÍODO, QUE DEIXAMOS DE TER RENDIMENTOS .

        ATENCIOSAMENTE, GRATO PELA ATENÇÃO E TEMOS CERTEZA, QUE VOSSAS EXCELÊNCIAS VÃO TRAZER DE VOLTA NOSSOS DIREITOS E RECEBEREMOS OS VALORES QUE DEIXAMOS DE RECEBER DURANTE TODOS ESSE ANOS.

        JOSE MILTON DE ANDRADE MARQUES E MILHARES DE FAMÍLIAS DE COLEGAS COLEGAS APOSENTADOS DO EX “BANESPA”

  2. Caro Orly Guerra vc estava iluminado para fazer esta grandiosa e verdadeira matéria. Disse toda a verdade sobre a forma como o Banespa foi privatizado. Utilizaram maquiagem para esconder a verdade. Até na resposta ao comentário vc acertou na mosca. Tirou de letra. Mostrou conhecimento sobre os fatos. Parabéns. Vc é um especialista quando o tema envolve o Banespa.

  3. Sempre fui um grande admirador e, pequeno cliente do nosso inesquecível Banco Paulista. Uma pergunta que não quer calar, quem foi que modificou os Estatutos do Baneser ,criando um grande cabide de emprego para os amigos , correligionários e cupincha do homem de Pedregulho… Contava-se as centenas,os chupins que recebiam sem trabalhar . Infelizmente, o Ministério Público, ainda não tinha a força que tem hoje, mas, mesmo assim, conseguiu a demissão de mais de 18 mil funcionários admitidos sem concurso público. Como são as coisas . Quando a justiça não atende nossa reivindicações, pau nela ,mas, se, “absolve um cara do nosso time, por falta de provas”, loas à nossa justiça. Continuo com minha velha opinião de que, todos nos, brasileiros que morávamos no Estado de São Paulo, à época da tomada do Banespa por políticos ambiciosos, temos culpa no cartório, pelo nosso silêncio e imobilismo. Senhores, Orly e José Milton,continuem a lutar por aquilo que acreditam. O caso Banespa, infelizmente, está definitivamente encerrado.

Deixe uma resposta