PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Helena, vão bem longe aqueles dias,
Lindas manhãs de nossa mocidade.
Como eu te amava, como me querias,
Com todo o amor de tua puberdade!

Que luz serena, quantas alegrias,
Na natureza quanta majestade!…
Tudo cantava, só porque sorrias
Sem ter as tristes notas da saudade.

O sol da vida aos poucos foi subindo;
As ilusões com ele foram indo,
Com elas o viver, viver de enganos.

Aurora, luz, amores e cantares
Tudo se foi… ficando só pesares,
Mudou-se tudo no correr dos anos.

Rodolfo Marcos Theóphilo, Salvador-BA (1863-1932)

Deixe uma resposta