PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Nesta ausência que me excita,
tenho-te, à minha vontade,
numa vontade infinita…
Distância, sejas bendita!
Bendita sejas, saudade!

Teu nome lindo…Ao dizê-lo
queimo os lábios, meu amor!
– O teu nome é um setestrelo
na noite da minha dor.

Nunca digas com firmeza
que a mágoa apenas crucia:
a saudade é uma tristeza,
que nos dá tanta alegria!

Passo horas calada e queda,
a rever, a relembrar
as duas asas de seda
do teu langoroso olhar.

Se a mágoa nos não conforta,
por que é que a felicidade
tem mais sabor quando morta,
depois que se faz saudade?

Gilka da Costa de Melo Machado, Rio de Janeiro-RJ (1893-1980)

Deixe uma resposta