NÃO GOSTA DE PRETO MAS GOSTA DE AZUL

Comentário sobre a postagem JULGAMENTO DE QUARTO MUNDO

Goiano:

Seja como for, ele está dizendo que os dados substanciais de contas e de IR só podem ser compartilhados com autorização judicial.

Esse é o ponto.

Se ele errou e está voltando atrás equivale a Bolsonaro dizer que gosta de preto.

* * *

Goiano tem razão: Bolsonaro não gosta de preto.

Este presidente racista gosta mesmo é de tirar fotos ao lado de um cabra azulado.

24 pensou em “NÃO GOSTA DE PRETO MAS GOSTA DE AZUL

    • Em uma entrevista dada ao programa Custe o Que Custar (CQC), no dia 28 de março de 2011, ao ser perguntado pela cantora Preta Gil sobre o que faria se seu filho caso apaixonasse por uma garota negra, Jair Messias Bolsonaro, que veio a ser eleito o presidente do Brasil e está firme no cargo, graças ao apoio de milhões de brasileiros que votaram nele com orgulho, e que continuam orgulhosos, disse que “não discutiria promiscuidade” e que “não corre esse risco porque seus filhos foram muito bem educados”, uma das declarações que mais causou polêmica na entrevista.
      Jair Messias Bolsonaro também tem fotos publicadas abraçando viados, embora seja declaradamente contra os gays. Ele disse, por exemplo: O filho começa a ficar assim meio gayzinho, leva um coro, ele muda o comportamento dele. Olha, eu vejo muita gente por aí dizendo: ainda bem que eu levei umas palmadas, meu pai me ensinou a ser homem. Ou seja,Jair Messias Bolsonaro odeia viados, embora os abrace para convencer-te do contrário, ao mesmo tempo em que á favorável à chamada “cura gay”, só que na porrada.
      A questão é que Jair Messias Bolsonaro apresenta uma série de comportamentos, ideias e opiniões de quem tem rabo de porco, orelha de porco, pé de porco e cara de porco e tu vens e dizes que o cara não é porco, é feijoada.

      • Se você conseguir provar que o programa não foi editado e que a pergunta feita a ele foi a que apareceu na TV , eu leio o resto do seu comentário. Parei no nome do programa .

        • Ô, doido, é a primeira vez que eu vejo alguém levantar a suspeita de que a fala de Bolsonaro com a Preta Gil foi editada. O caso foi até para o judiciário com sentença e o escambau, não me lembro de ter visto em alguma publicação os envolvidos protestarem por falsificação do material,me lembro apenas que um dos filhos do Bolsonaro alegou aquele “não foi bem isso que ele quis dizer”, do mesmo jeito que o filhotão falou que ele disse AI5 mas não era o que ele queria dizer e assim por diante.
          Pode ler o resto, tá no ré?

    • Airton, para ti as coisas são simples assim, abraçou um preto = não tem preconceito.
      As manifestações de Jair Messias Bolsonaro parecem indicar uma pessoa que despreza homossexuais, mulheres, pretos e petistas.

      • Petista não é só ele .
        Abraçar é bem diferente de ser amigo ou ter amizade . Você até poderia abraçá-lo num gesto de urbanidade , mas nunca seria amigo e vice-versa .Da Maria Rosário também não é só ele , e eu me incluo na lista . Se incluir Gleise , a deputada por Brasília , algumas do PSOL também entrariam na lista .
        Homossexuais o Lula também despreza ( ou dizer que uma determinada cidade é um polo exportador de viados é ?)
        Respeitar a mulher ,o Lula também não ( é só ler o livro do Neumanne ,, que mostra o que ele pensava das viúvas de companheiros . Ele poderia ter processado o jornalista , não o fez )

        • Esse negócio de achar que alguém que não processou nos crimes contra a honra é como confessar que é culpado do que foi acusado é pura bobagem, já esclareci isso tantas vezes aqui que meu saco periga dar um papouco.
          Tens razão quando falas no abraçar por urbanidade, mas não tens quando pensas que por ter um amigo negro a pessoa não é racista. (Segundo Marcelo Tieppo, é hora de dar um basta para as desculpas esfarrapadas na luta contra o racismo: “Flagrados, os corajosos irmãos que ofenderam o segurança do Atlético Mineiro com injúrias raciais, no Mineirão, se arrependeram na delegacia. Um deles lembrou que tem um irmão negro, amigos negros e até negros que cortam seu cabelo. Um depoimento comovente em que ele garantiu que não falou macaco e sim palhaço.” Ele continua: “O outro irmão, que cuspiu e soltou um: “olha a sua cor”, pediu perdão e garantiu que ensina os filhos a respeitarem ao próximo. E assim de desculpa em desculpa, vamos sobrevivendo. Afinal, chega de mi mi mi, não é mesmo? Vale tudo na cabeça dessa gente “de categoria”. Pode ofender à vontade, é só se desculpar depois.”)
          Eu mesmo conheci muita gente que desprezava os negros e quando chamados de racistas se defendiam dizendo que até tinham algum amigo negro, mas quando falavam de pretos demonstravam considerá-los de raça inferior. Na verdade, como acontece com muitos brasileiros, nós achamos que não temos preconceito, até a hora em que nosso filho quer se casar com uma negra.
          Precisamos, realmente, lutar contra algumas de nossas heranças culturais, procurar compreender as razões de nossas más tendências e tentar aprimorar nossa visão humanística da realidade (mas, cuidado! isso é coisa de esquerdista!).

    • Maurício, a dúvida talvez seja aparente, ou não. Segundo compreendo, o Coaf.que agora é UIF, e a Receita Federal, podem comunicar a existência do fato, por exemplo, que determinada pessoa apresenta movimentação financeira suspeita, no primeiro caso, ou que há indícios de irregularidades e incompatibilidades, no segundo, cabendo ao MP providenciar o pedido de acesso aos dados ao judiciário para proceder à investigação.
      Confesso a ti que embora tenha entendido dessa forma, não estou a par de particularidades desses procedimentos.
      Quem sabe teremos exposições esclarecedoras de mais alguém aqui neste JBF onde tudo é bom e nada presta.

      • Meu nobre, para definir o que é substancial será preciso uma lei complementar. O que Toffoli fez foi a maior babaquice do mundo e não reconhecer isso é outra do mesmo tamanho. Uma movimentação
        financeira substancial na conta de quem ganha um salário mínimo é 13o. Goiano, defender isso não faz o menor sentido.

        • Caro Maurício, eu usei o termo “substancial”, não creio que esteja nos votos dos Ministros do STF, foi a palavra que eu achei que expressava o que compreendi da embrulhada.
          É que me pareceu que o Tófolli, e quem sabe o Moraes, estão votando pela possibilidade de compartilhamento de informações “a respeito” de movimentações e dados suspeitos, e não propriamente a respeito do conteúdo, ou seja, dos dados, números, valores, importâncias existentes nas contas, cadastros e declarações, mas… ainda vamos ver como terminam as votações para compreender o resultado conciso, algo como o somatório, dos votos dos ministros.
          Acho que devemos adiar nossas conclusões até a decisão final do STF.
          Anotei uma parte de um trabalho que defende que o STF mantenha o “entendimento anterior” (Marcelo Figueiredo e Elizabeth Martos), onde se diz que: “O § 2º do artigo 5º da LC 105/01 dispõe que as informações transferidas se restringem a informes relacionados com a identificação dos titulares das operações e os montantes globais mensalmente movimentados, vedada a inserção de qualquer elemento que permita identificar sua origem ou a natureza dos gastos a partir deles efetuados.
          Importante entender que o conteúdo do RIF produzido pelo Coaf é de caráter meramente indiciário, apto a auxiliar, sozinho ou de forma conjugada com outras diligências, a obtenção de ordens judiciais para a produção de outros meios de provas para então sustentar eventual persecução penal.”

    • Bom, se até o Goiano não entendeu direito o que o Tóffoli quis dizer em seu voto de 4 horas, aí fudeu; ninguém mais irá.

      A coisa é pior que eu pensava.

Deixe uma resposta