CARLITO LIMA - HISTÓRIAS DO VELHO CAPITA

Nos anos dourados, 50/60, em nossa cidade, na virada de ano, ainda não havia festa de fogos de artifícios na orla. As festas populares eram de rua, na Praça Afrânio Jorge ou Sinimbu, onde se armavam palcos para o pastoril dançar e apresentações dos exuberantes folclores: chegança, guerreiro, reisado. O povão comemorava a passagem de ano nas barracas com a família ou em casa

A classe média organizava a festa da virada de ano nos clubes. Eu, como um bom morador da Avenida da Paz, festejava o ano novo no animadíssimo Réveillon do Clube Fênix Alagoana. Baile chique, homens trajavam smokings pretos com gravatas borboletas, faixas na cintura e as mulheres em cintilantes vestidos de bailes longos. Ao romper o ano novo no salão nobre do clube, os abraços não davam para quem queria. Momentos de alegria, beijos, chapeuzinho e apito. Também um bom momento para rever amigos que estudavam ou moravam fora.

O baile era animado pelas melhores orquestras do Brasil, Tabajara de Severino Araújo, até a Casino de Sevilha. Muito charme, champanhe, comidinhas e moças bonitas desfilando em seus vestidos prateados, deslumbrantes. A mesa de meu pai era constantemente visitada para abraços e doses de uísque. Eu não parava, dançando com uma moça bonita ou cumprimentando os amigos. Tomava um bom uísque nas mesas mais animadas de Benedito Bentes, Teotônio Vilela, Jorge Quintela, Ardel Jucá. Cerca de duas horas da manhã a orquestra suspendia a música para anunciar a rainha do Clube Fênix. As jovens desde o início desfilavam informalmente, como se nada quisessem, eram candidatíssimas ao cetro de rainha.

Os metais sinfônicos tocavam músicas da época, bolero, chá-chá-chá, casais de namorados dançando de rosto e corpo colados no salão. Pelas quatro da manhã, de repente: uma, duas, três batidas de bombo anunciava o carnaval. A moçada e as senhoras de belos vestidos longos e cintados, os homens de smokings caíam no passo com o Vassourinhas ou cantando com alegria as marchinhas de Capiba.

“Mandei fazer um buquê para minha amada, mas sendo ele de bonina disfarçada…o brilho da estrela matutina…adeus menina linda flor da madrugada….” (escute a música no final da postagem…)

Iniciava o ano novo com um animado carnaval. Nada mais alegre, mais feliz. Ao despontar o dia, o Maestro Passinha descia com a orquestra em direção à praia tocando as mais belas canções e frevos de carnaval acompanhado pelos foliões bem vestidos. Amigos de braços dados, namorados aos beijos continuavam a festa vendo surgir um ano novo, amanhecendo o dia cantando e dançando embaixo das amendoeiras da Avenida, com direito a mergulho de roupa no mar calmo de uma luminosa manhã. Surgiam novas esperanças..

Namorados ainda bêbados, alegres, com o paletó do smoking aberto, o vestido caprichosamente costurado durante meses para o baile do réveillon, mergulhavam no mar ainda alaranjado pelo sol nascente, saudavam Iemanjá, Netuno e a vida. O réveillon dos anos dourados, da gente dourada, acabava na praia, como se fora a abertura do carnaval.

No primeiro dia do ano, depois de uma virada carnavalesca, eu acordava tarde, vestia um velho calção de banho, descia à praia da Avenida. Nas rodinhas de conversa, de paquera, embaixo das sombrinhas, o assunto era o réveillon, quem namorou, quem acabou o namoro, a rainha não merecia, tinha moças mais bonitas, essas conversas de jovens saindo da adolescência.

Na hora do almoço as meninas iam para casa, enquanto nós jovens, sadios, com força e vigor, continuávamos o primeiro dia do ano tomando uma cachacinha nos bares da praia em Jaraguá, perto dos trapiches, frequentados pelas raparigas amantes de banho de mar, às vezes, subíamos as escadas dos casarões para desejar um feliz ano novo às jovens que faziam vida nas pensões do bairro boêmio.

Os homens em suas imaginações férteis, às vezes maldosas, criam previsões infactíveis, como: o fim do mundo; um cometa destruirá a terra nos próximos anos; a existência de uma teia de aranha cobrindo o nosso planeta e outras babaquices. No final de 1959 um astrólogo do sul do país espalhou que o homem negro na passagem para 1960 iria virar macaco. Foi criado um verdadeiro terror, quem era realmente negro, analfabeto, ficou bastante preocupado com essa possível transformação em macaco. A brincadeira de mau gosto correu como uma onda em Maceió. Um amigo, Gerson, negro que nem um tição, melhor jogador de futebol da praia, me confidenciou, estava com medo da chegada do dia 31 de dezembro. Eu custei a convencê-lo que não passava de uma galhofa de péssimo gosto. Houve um clube que decorou o salão com bananeiras e bananas, foi o Réveillon da Banana.

Nelson Ferreira grande compositor pernambucano pegou essa notícia esdrúxula e compôs um frevo, muito tocado durante carnaval, dizia mais ou menos assim:

“Dizem que em sessenta… Negro vai virar macaco… Vejam só a grande confusão… Se for verdade essa Operação Macaco… Penca de banana vai custar um milhão.”

Terminava a música se lastimando que o Brasil ia perder Pelé e Didi. Hoje, certamente, Nelson Ferreira seria crucificado.

Assim eram nossos réveillons, cheios de charmes e histórias fantásticas. Um excelente 2021, que todos sejam vacinados, e que amanhã tudo volte ao normal, deixa o ano acabar, deixa o barco correr, deixa o dia raiar…

* * *

4 pensou em “MEUS QUERIDOS RÉVEILLONS

  1. Amigo Carlito,
    Você narra com exatidão como eram as passagens de ano, na nossa querida Maceió dos anos 50/60 do século passado. São ótimas lembranças de um tempo que já se foi. Não sei se o Amigo está sabendo da existência do Cabaré do Berto, evento internético que acontece às quintas-feiras, a partir das 19h30min., onde fubânicos de todos os quadrantes, por vídeo conferencia, se reúnem , em torno de um tema qualquer e dão boas gargalhadas das histórias e “causos” que surgem nesses “meetings”. É viciante. Você, com certeza, fará grande sucesso com suas histórias agradavelmente picantes. Participe. Um feliz 2021, com saúde total, para ti e os teus.

  2. Em que pese o Clube Fênix Alagoano está edificado no Bairro do Jaraguá, nunca mais li bons textos de Carlito Lima se referindo às moçoilas do aprazível bairro do Jaraguá antigo…

  3. Caro Hélio eu não tenho os equipamentos devidos para esse papo maravlhoso. Prometo que vou comprar.

    Altamir meu, irmão prometo que virão obras de sacanagem no bairro boêmio de Jaraguá,

Deixe uma resposta