PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Eu tinha o livro irmão desses cadernos,
Que tenho hoje espalhados na gaveta
Era escrito por mim com tinta preta
Tinha sonetos amorosos, ternos…

Branco, continha os madrigais eternos
Que nos lembra a saudade de um poeta…
Nele brilhava, lânguida, secreta
Toda min’halma de gelidez de invernos…

Um dia o livro me caiu dos dedos…
Arrastando consigo os meus segredos
Foi-se esse raio do meu morto brilho…

Fui procurá-lo loucamente aflito
E pela estrada ressoou meu grito
Lembrando um pai que procurasse o filho…

Colaboração de Pedro Malta

Deixe uma resposta