CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Caro Luiz Berto

É gopi!

Quem já estudou Ciências Jurídicas – Direito – conhece a expressão “Jus esperneandi”, situação em que sem nenhum fato novo, prova ou condição de ter sua pretensão atendida, resta espernear, gritar, tal qual criança embirrada; botar a bola debaixo do braço e impedir a continuidade do jogo.

É o que agora vemos nas eleições dos USA.

Sem ter como provar nada, o atual presidente – querendo se reeleger a qualquer custo – bota a boca no trombone e, incita o povo e demais interessados a reverter uma situação adversa.

Interessante, como pessoas se deixam levar por posições; o “eu” quero e sou, mostra rusticidade de que se parece ou tenta parecer educado, elegante e maior que seu físico.

Ego inflado, lá vai ele arrogante e indócil em busca de sua vitória, mesmo que comprometa um país inteiro e, por força de sua condição econômica boa parte do mundo.

Aproveita a enorme e confusa eleição dos USA – é preciso paciência e muito estudo para entende-la – para regurgitar ódio e ilusões de fraude.

Onde antes tínhamos um exemplo de democracia, agora aparece uma salada de números e, pior aparente fragilidade democrática.

Parece que só falta ao Trumpi berrar como as senadoras que transformaram o recinto do senado brasileiro em “fast-food”:

“É gopi”.

Inté!

11 pensou em “JOSÉ ALVES FERREIRA – SÃO PAULO-SP

  1. Replico apenas pequeno trecho de Guilherme Fiúza disponível nesta maravilhosa gazeta bertiana:

    “Parabéns! Não seria possível quebrar as pernas de uma democracia sem operar o instrumento básico dela – o voto. Foi encantador ver a pirataria embaçando tudo, transformando a vontade do eleitor confinado em malotes voadores ao sabor da picaretagem diligente.”

    Replico, ainda, texto de JRGuzzo: No fim das contas, Biden teve mais votos, mas Trump foi para o tapetão, reclamando de fraude; os votos “não-presenciais”, como se diz hoje, que são contados segundo os humores de quem controla a máquina da apuração, foram maciçamente a favor do seu adversário. É o tipo de discussão que tem tudo para não acabar nunca. Muito já se comentou sobre o quanto o Brasil teria a perder com a vitória de um ou de outro. Mas quem realmente está perdendo não é o Brasil, nem a Cochinchina. São os próprios Estados Unidos.

    Deixo Fiúza e Guzzo com seus textos e pergunto: Qual a legitimidade de um governante quando paira sobre ele suspeitas de fraude?

    • É a democracia mais moderna, pujante e justa do mundo livre! Lá todos os direitos são respeitados. Vejam vocês que se pode votar pelo correio, por e-mail e presencialmente; se pode votar sem identificação e para não correrem risco de fraude, carimbam a mão do votante; pessoas mortas também tem direito sim senhor, por que não? Não se pode discriminar os companheiros mortos, afinal, “Dead people matters”; Em um país que utiliza jardas, milhas, pés, onças e outras modernidades, o que poderia se esperar de seus cálculos eleitorais? Primeiro mundo meus amigos!

  2. Os EUA têm a maior e mais antiga constituição democrática do mundo. Isso faz deles uma nação forte e pujante, com segurança jurídica.

    Dito isso, há que se destacar que lá não rege uma democracia da maioria e sim uma república federativa, uma federação. Se fosse uma democracia, onde a maioria simples decide, os EUA não existiriam mais como nação há muito tempo. Cada estado federado tem uma constituição própria, mas não pode se desligar do poder central, sem que haja a aprovação dos demais.

    É muito difícil para o brasileiro “afegão” médio entender isso, mas é assim que funciona há mais de 230 anos e fez dos EUA a maior e mais influente economia do mundo.

    A Nova Ordem Econômica Mundial – NOEM * (sim, ela existe) reagiu forte quando um outsider chamado Donald Trump se elegeu há 4 anos sem o aval dos caciques Republicanos prometendo fazer a América grande novamente, uma vez que sob o domínio democrata do Obama, do Republicano Bush e do outro democrata Clinton, os EUA estava perdendo a supremacia para a China a olhos vistos, perdendo uma guerra sem que fosse disparada uma única bala.

    A NOEM reagiu e disse já em 2016 que isso não ocorreria novamente. Para tanto usou as falhas do sistema eleitoral americano para agir contra o que Trump estava fazendo o que prometera.

    Primeiro criou, via China um vírus que atrapalhou toda a economia americana que sob Trump estava de vendo em popa. Durante todo o mandato minou o governo com a história de que este fora eleito em 2016 com auxílio dos russos, quando a verdade era o contrário, os russos tinham interesse na Hilary.

    Nesta eleição fizeram o diabo para que Trump perdesse. Usando o medo da pandemia, fizeram com que mais da metade dos americanos votassem pelo correio, quando o normal seria cerca de 20%, o que facilitou muito a duplicação de cédulas, que mortos votassem, que lotes de votos de condados favoráveis a Trump fossem jogados fora e o pior de tudo, que lotes com mais de 150 mil votos unicamente do Biden fossem colocados na apuração dos estados chaves. 150 mil no total americano é pouco, porém nos estados chave é um número que reverte uma eleição.

    Agora a NOEM tenta ridicularizar o direito que Trump tem de contestar juridicamente o que acontece diante dos olhos da nação e do mundo que olha com muito interesse o que lá acontece e terá influência sobre todos.

    * A Nova Ordem Econômica Mundial – NOEM prega um governo mundial centralizado nas mãos de grandes corporações e o fim da soberania das nações. (assistam sobre isso no Brasil Paralelo, é fundamental para entender o que ocorre hoje). Fazem parte dela a grande imprensa mundial, o atual Papa, a China e grandes grupos empresários que querem se perpetuar.

    • João Francisco esqueceu de relatar que a Terra é quadrada, o que favorecerá a dominação mundial do comunismo pelas grandes corporações mediante a propagação de vírus de computador nos cérebros humanos e que, graças a isso, a esquerda tomará o poder em 2022 e transformará o Brasil em uma nova Coreia do Norte a serviço de Cuba e anexada à Venezuela.

      • Goiano, na sua falácia do espantalho v. cometeu um ato falho: Terra Quadrada é coisa do Lula. Direitista gosta de terra plana.

        • João Francisco, Terra Plana é uma teoria muito sofisticada, apta a ser provada, com provas fajutas, é claro, mas bastante convincentes para quem esteja munido de auto-referências e de viés de confirmação. Preferi Terra Quadrada porque essa é absolutamente impensável, como o advento de um governo único sobre todos os países do globo (muito embora a hipótese seja pensável, o que já constitui uma contradição de minha parte, uma vez que não é absolutamente impossível que um país faça guerra a toda a humanidade, vença e governe o mundo – Alexandre, O Grande, até tentou, dominou da Grécia até o Egito e invadiu a ìndia, mas daí teve de retroceder. Nem o Império Romano, que chegou a ter poder sobre vinte e um por cento da população da época, pôde dominar o mundo inteiro. Modernamente, temos Pink e o Cérebro perseguindo esse objetivo, mas fracassam diariamente. Entretanto, segundo pensadores marxistas, o comunismo seria uma forma de, em sua fase final, que seria o socialismo, construir um mundo sem fronteiras, mas nem essa ideia revela, necessariamente, a instituição de um poder central, isto é, de um governo único.

      • Goiano, eu cometi um erro, não é Nova Ordem Econômica Mundial – NOEM e sim Nova Ordem Mundial – NOM.

        A NOM foi decretada por Bush pai em 1991 logo após a queda da URSS. Defendia um mundo onde as instituições como a ONU passassem a ter um papel global mais abrangente o que representaria o fim da soberania das nações.

        A Wikipedia, totalmente e esquerda, trata como teoria conspiratória, mas o que Bush pai disse foi real e tal assunto já foi objeto de dissertações e matéria jornalística na mídia independente.:

        https://ubibliorum.ubi.pt/bitstream/10400.6/5884/1/4023_7799.pdf

        Até analistas do grupo UOL/folha, que tem viés definido, já trataram do tema, não como teoria da conspiração e sim coisa real.

        https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft0602200305.htm

        • João Francisco, se a Nova Ordem Mundial significa o domínio econômico do mundo pelo capitalismo, pelas grandes forças do capitalismo, pelas grandes corporações capitalistas e pelos países capitalistas mais poderosos, não é preciso esperar e estão aí as multinacionais, os Estados Unidos e a China dominando o mundo, aproveitando-se do domínio econômico para instilar, também, o domínio da doutrina do idealismo (doutrina do mundo ideal, aquele no qual, graças à democracia capitalista liberal, todos podem alcançar ou conseguir tudo, basta ter vontade e ir em frente, sem precisar que o Estado mexa uma unha – E por isso não se compreende que o Estado tenha de ficar dando Bolsas-Família e o escambau uma vez que os pobres só são pobres porque não se empenharam, não foram estudar e trabalhar, ficam só no bem bom, esperando que o mundo se acabe em barranco para morrerem encostados).

  3. .O “jus esperneand” ocorre aqui no Brasil desde 2018. A proposta de governo da oposição é baseada em 3 pontos: 1) Fora Bolsonaro; 2) Impeachment já. 3) Bolsonaro genocida. No meu entender, a vontade da maioria deve ser cumprida, seja o escolhido Trump, Bolsonaro ou Biden.

      • Sancho Pança, eu, particularmente, pergunto se as suspeitas pairam na cabeça dos setenta e cinco milhões de votos já apurados por Joe Biden, ou se estão na mente deletéria de, apenas, os míseros setenta milhões de votos de McDonald Trump.
        Segundo a mídia norte-americana e a internacional, todos escancaradamente comunistas que querem transformar o mundo em uma Cuba ou em uma nova Venezuela, não houve essa porra de fraude – erros podem acontecer em apuração de votos em eleições, e na verdade ocorrem, assim como fraudes também, mas nenhum desvio importante e proposital, que pudesse alterar o resultado de um pé na bunda do atual mandatário dos USA.
        Portanto, quem é da parte de Jair Messias Bolsonaro pode ir chorar na cama, que é lugar quentinho.
        Por outro lado, nada garante que Biden seja melhor para os Estados Unidos e para o mundo, mas aparenta ser mais civilizado, talvez seja capaz de administrar uma política direitista menos burra do que deveria ser (em seus próprios termos, referindo-me ao valor intrínseco do galináceo).
        A verdade é que o fenômeno da revolta contra a própria burrice tomou conta de parte do eleitorado norte-americano e eles disseram vamos tirar esse cara depressa porque fizemos uma cagada. Enfim, esperamos que Biden seja um cara assim meio que de esquerda, porque, como se sabe, quem compra a direita leva o pacote completo, que inclui tudo, inclusive.

Deixe uma resposta