JESUS DE RITINHA DE MIÚDO

Glosas que fiz com o mote dado pelo poeta Dedé de Dedeca:

Quando Deus manda o inverno
Manda junto a fartura

A seca acabou com tudo
Matou homens e animais
Causou muitos funerais
Deixou o pobre desnudo
O gado ficou ossudo
Morreu a agricultura
Para salvar nossa agrura
E acabar com o inferno
Quando Deus manda o inverno
Manda junto a fartura.

As chuvas estão caindo
Os açudes estão sangrando
Os peixes estão tão pulando
Nosso povo está sorrindo
A fome está partindo
Acabou-se a amargura
A vida virou doçura
Graça ao nosso Pai Eterno
Quando Deus manda o inverno
Manda junto a fartura.

* * *

Esta última eu fiz na chamada Glosa Clássica, na qual o primeiro verso do mote segue no quarto da poesia, e o segundo verso do mote, vai no décimo da poesia.

O maior amor paterno
Eu sinto em meu coração
Olhando para o Sertão
Quando Deus manda o inverno.
Por isso em versos externo
A Sua eterna candura
Faz cair de toda altura
A chuva que nos encanta
E em Sua bondade Santa
Manda junto a fartura.

Deixe uma resposta