FELIZ ANO NOVO

Cada ano que se inicia, faz-me lembrar que já carrego no corpo, na alma e no coração, as tatuagens do tempo. No entanto, não devemos deixar que a alegria fuja de nós, nem devemos parar de sonhar.

Já houve, na minha vida, várias entradas de Ano Novo, felizes, que hoje são saudades. Nesse tempo, meu Pai e minha Mãe estavam vivos. A vida me sorria e tudo me parecia cor de rosa.

Hoje, Dia de Ano Novo, 1 de janeiro de 2020, essas lembranças dos tempos idos e vividos fazem abrir no meu coração um leque de saudades. As recordações da minha infância e juventude estão muito vivas e a saudade dói em mim..

A vida é uma escada com muitos batentes. O melhor da vida é o meio da escada. Contando as pessoas que já estão em cima, ficamos tristes. Mas, como a tristeza nos faz baixar a cabeça, vemos que embaixo de nós vem muita gente. E isso nos alegra. A subida dos batentes, até o meio da escada, é o que tem de melhor. Puxar os que estão embaixo, para o meio da escada, é o que nos dá satisfação.

Levando em conta, que todos nós temos que cumprir a mesma escalada da vida, vemos que ninguém é melhor do que ninguém. A efemeridade da vida nivela ricos e pobres.

Entretanto, há ricos prepotentes, que se julgam acima de todos os homens. Isso é estupidez. A influência da estupidez é muito pior no homem do que nos animais irracionais..Os prepotentes esquecem que o tempo é inexorável e a vida tem prazo de validade. Quando o homem alcança o fim da escada, não existe caminho de volta..

Por isso, devemos pensar no Sermão da Montanha, onde Jesus Cristo proclamou a bem-aventurança de todos os pobres, os que tem fome e sede de justiça, os que padecem perseguições e os limpos de coração.

No Sermão da Montanha, Jesus disse: “Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei o bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e oprimem, – para que sejais filhos de vosso Pai que está nos céus, e faz que o sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.” Disse ainda:

“Porque àquele que tem, se dará, e terá em abundância; mas àquele que não tem, até aquilo que tem lhe será tirado. Por isso, falo por parábolas: porque eles, vendo , não veem, e ouvindo, não ouvem nem compreendem. Neles se cumpre a profecia de Isaías: “Ouvindo, ouvireis, mas não compreendereis, e vendo, vereis, mas não percebereis.”

Jesus sabia que o seu reino não era deste mundo. Reclinou a cabeça, afinal, na cruz, onde foi morto pela primeira vez.

E todos os dias, Jesus Cristo continua sendo crucificado.

Há pessoas que tem a alma amarga e não se comovem diante do sofrimento do seu semelhante. São as pessoas que se julgam as donas da verdade e do País. Vivem sob a volúpia do poder.

Mas tudo tem seu fim.

10 pensou em “FELIZ ANO NOVO

  1. Violante, que beleza de texto. Que bom, para nós leitores, que você tenha dado vazão ao dom herdado da família. Sim, Violante é o expoente vivo da geração dos Pimentel, conhecidos no Rio Grande do Norte pela bonita produção literária.
    É um deleite para a alma ler os seus textos. Neste “Feliz Ano Novo” você se superou.
    Parabéns, Violante Pimentel, obrigado e feliz Ano Novo para você também.

    • Obrigada pela gentileza do comentário, josé narcelio! Há dias, em que é impossível segurar a emoção e a saudade, da escalada dos primeiros batentes da nossa vida. E abrem-se as torrentes do nosso “céu interior”…
      Obrigada pelo elogio à geração dos “Pimentel”!

      Só me resta desejar a você, novamente, um FELIZ ANO NOVO!

  2. Há quem diga, eu também digo que, uma das melhores sensações que existe é quando você está à toa, aí vem uma lembrança boa e você solta um sorriso bobo…

    • Obrigada pelo comentário, prezado Altamir Pinheiro! Não aprendi a esquecer os momentos felizes da minha vida. Vez por outra, olho o retrovisor do passado e isso me faz bem!
      FELIZ ANO NOVO!

  3. Violante,

    Os leitores fubânicos são presenteados com uma prosa poética rica em belíssimas metáforas. Gostei demais da conta de ler uma reflexão citando o Sermão da Montanha.
    Aproveito esse espaço democrático do Jornal da Besta Fubana para lhe desejar um feliz Ano Novo compartilhando este poema de Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1987):

    RECEITA DE ANO NOVO

    Para você ganhar belíssimo Ano Novo
    cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
    Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
    (mal vivido talvez ou sem sentido)
    para você ganhar um ano
    não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
    mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
    novo
    até no coração das coisas menos percebidas
    (a começar pelo seu interior)
    novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
    mas com ele se come, se passeia,
    se ama, se compreende, se trabalha,
    você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
    não precisa expedir nem receber mensagens
    (planta recebe mensagens?
    passa telegramas?)

    Não precisa
    fazer lista de boas intenções
    para arquivá-las na gaveta.
    Não precisa chorar arrependido
    pelas besteiras consumadas
    nem parvamente acreditar
    que por decreto de esperança
    a partir de janeiro as coisas mudem
    e seja tudo claridade, recompensa,
    justiça entre os homens e as nações,
    liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
    direitos respeitados, começando
    pelo direito augusto de viver.

    Para ganhar um Ano Novo
    que mereça este nome,
    você, meu caro, tem de merecê-lo,
    tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
    mas tente, experimente, consciente.
    É dentro de você que o Ano Novo
    cochila e espera desde sempre.

    Saudações fraternas,

    Aristeu

    • Obrigada pelo gratificante comentário, prezado Aristeu Bezerra! Fiquei feliz com as suas palavras! O Sermão da Montanha é a mais importante lição que Jesus Cristo nos deixou. Deveria ser lido, diariamente, pelas pessoas opressoras, que vivem sob a volúpia do poder.
      Gostei imensamente do poema “RECEITA DE ANO NOVO”, do grande Carlos Drummond de Andrade, que você, gentilmente, compartilhou comigo!

      A você, o meu agradecimento, e meus votos de um FELIZ ANO NOVO!

      Violante

  4. Violante, muito bom seu texto. Parabéns.
    A longevidade nos ensina e nos faz ver que a humanidade é composta de arrogantes/vaidosos e humildes/caridosos. No fim, tudo igual, cinzas.
    Alegria para alguns e tristeza para muitos, essa é a rotina da vida.
    O bom é que a crença num ser superior, faz-nos aceitar a vida como ela é, na esperança, sempre, de alcançarmos os degraus de cima da escada, como recitava Florbela Espanca: Tudo no mundo é frágil, tudo passa, podem voar mundos, morrer astros, que tú és como um Deus, Principio e Fim.
    Salvador Pedroza
    Sobral-Ce.

  5. Obrigada pela gentileza do comentário, prezado José Salvador Pedroza! Adoro o poema Fanatismo, de Florbela Espanca, musicado por Fagner. Ele reflete o que eu sinto diante da efemeridade da vida. Por que tanta arrogância e prepotência de uns, em detrimento da humildade e da pobreza material de outros? A pobreza maior que existe é a da alma. E o fim de tudo é um só,

    Meus votos de um FELIZ ANO NOVO!

  6. Linda mensagem de Ano Novo, Violante Pimentel.

    Realmente, o homem nunca vai deixar de ser estúpido; e com essa estupidez ele vai acabar com o mundo; e quando incendiar já é tarde demais.

    O Greenpeace tem razão: “Somente quando for cortada a última árvore, poluído o último rio, pescado o último peixe, é que o homem vai perceber que não pode comer dinheiro!”

    Sua excelente e reflexiva crônica, Feliz Ano Novo, me veio à mente as lindas e comoventes palavras de Olívia, uma das personagens mais magníficas criada por um romancista brasileiro, Érico Veríssimo, dando conselho ao egoísta Eugênio Pontes.

    “Quero que abras os olhos, Eugênio. Que acordes enquanto é tempo. Quero que pegues a minha Bíblia… Leias o Sermão da Montanha… Nele encontrarás a paz que tanto desejas…

    Lindo, não?

    Obrigado, querida cronista por excelente crônica!

    Feliz 2020 para a nobre cronista, extensivo a toda família, amigos e pessoas de estimas e consideração.

  7. Obrigada pelo comentário gentil, prezado cronista Cicero Tavares! Os estúpidos só pensam em Deus nos momentos de amargura, quando constatam que o dinheiro não compra a saúde e muito menos a vida! Fantástica, a reflexão citada por você: ” Somente quando for cortada a última árvore, poluído o último rio, pescado o último peixe, é que o homem vai perceber que não pode comer dinheiro!”

    O “Sermão da Montanha” é uma das mais belas lições que Jesus Cristo nos deixou. Deveria ser lido diariamente, pelos estúpidos e prepotentes, que vivem sob a volúpia do poder, prejudicando o povo e assaltando o erário público..

    Feliz Ano Novo, querido amigo! Muitas realizações, Saúde e Paz, para você e sua família!

    Um grande abraço!

Deixe uma resposta