CÍCERO TAVARES - CRÔNICA E COMENTÁRIOS

Havia num determinado quartel muitos recrutas aspirantes a tão sonhada carreira de soldado, subtenente, cabo, sargento, tenente, suboficial, dentre outras patentes mais elevadas.

Todas as vezes que os recrutas se encontravam no pátio para fazer as devidas continências, ouvir o discurso do superior, cantar o Hino da Bandeira e o Hino Nacional, um por um, os recrutas iam perguntando entre eles:

– Comesse filé já hoje? Já comesse filé já hoje? E os outros respondiam: Sim! Sim! Sim! Sim!

Essa cantilena se repetia todos os dias, o que deixava o capitão ouriçado, sem entender patavina nenhuma daquele linguajar de gueto.

Um dia o capitão amanheceu emburrado, virado num tamanduá-açu cheio de manguaça, enquanto reunia os recrutas no pátio para cantar o Hino da Bandeira e o Hino Nacional, ouvia-os repetirem as mesmas ladainhas:

– Comesse filé já hoje? Já comesse filé já hoje?

Quando terminou a greia do “já comesse filé já hoje”, o capitão, com voz de trovão e cheio de moral, curioso para saber o significado daquele linguajar de malocas, perguntou ao último recruta que ficou no pátio:

– E você aí, rapaz, já comeu filé já hoje?

Surpreso com a pergunta embaraçosa do capitão e com medo de omitir a verdade e depois ser repreendido por ele, o recruta respondeu:

– Capitão, o filé sou eu!

Discreto, o capitão fingiu que nada entendeu. Mandou o recruta acompanhar os outros noviços na limpeza do capinzal, e advertiu-o:

– No mato, só tenha cuidado com a urtiga brava ou a cobra jiboia. A primeira coça muito e a segunda, pica e mata! Não é feito filé que só deixa o cabra mole!

4 pensou em ““COMESSE FILÉ JÁ HOJE?”

  1. Boa, Mestre Cícero

    Muita diversão e humor em plena segunda-feira.

    Imagine a alegria de Filé quando descobrir que jiboia não mata… só PICA.

    O amor dele a ofidiofilia vai aflorar mais ainda.

    Forte abraço

  2. Caríssimo Amigo Cícero.

    Estamos notando com muita satisfação, que o amigo está se
    especializando em crônicas levemente bem humoradas.

    Isto é muito bom, pois uma crônica bem bolada e bem arejada
    faz um grande efeito à nossa disposição, principalmente quando o
    humor é saudável, levemente crítico e nunca gratuitamente pornográfico.

    Sou a favor de todo tipo de humor, mas acredito que cada um tem a sua
    hora e o seu lugar. Quando bem colocado, mesmo o levemente
    pornográfico, tem o seu valor e o nosso aplauso.

    Devido a isso, todos nós aceitamos, amamos e reverenciamos os motes
    do genial escritor poeta lusitano Bocage.

    Um grande abraço .

Deixe uma resposta