CHEIA INCLEMENTE

o rio,
de tão denso,
esconde seus degraus.
e o que era raso
agora é profundo …
tanta água
deixa as margens
uma com saudade da outra,
distantes entre si,
cada qual em seu mundo …

nas enchentes,
o rio é o rei,
a tudo alheio,
soberano de tão cheio,
rumo ao mar …

Toda a obra de Xico Bizerra, Livros e Discos, pode ser adquirida através de seu site Forroboxote, link BODEGA. Entrega para todo o Brasil.

4 pensou em “CHEIA INCLEMENTE

  1. Excelente Xico Bizerra:

    As enchentes são a beleza do rio, Mestre.

    No sítio São Francisco, em Lagoa do Carro-PE, tem um açude construído pelo Velho Meu Pai há mais de quarenta anos.

    Quando chove suas margens ficam uma divorciada da outra, mas alegres porque os peixes, os sapos cururus e outros chupa-pedra, fazem a festa no porão.

    Papai ficava encantado quando mergulha e pegava vários com a sua tarrafa caseira.

    Ótimas lembranças, Grande Poeta! Lhe admiro demais as poesias.

  2. Talentoso Xico.

    Os rios são como artérias da terra. Mata a sede e leva esperança nos rincões sertanejos.

    Sua “poesiasinha”, a cheia e o seu rio rei, me remeteram a Mário Quintana:

    “Quem é que pode parar os caminhos? E os rios cantando e correndo? E as folhas ao vento? E os ninhos? E a poesia? A poesia como um seio nascendo…”

    Rio e poesia, tudo a ver!

  3. Temos todos os nossos rios, ainda que não mais os tenhamos, meu caro Marcos André. E eles são cheios de ternura e de saudade, cheias inclementes de tudo que é bom.

Deixe uma resposta