VIOLANTE PIMENTEL - CENAS DO CAMINHO

Diz o dito popular: “Em time que está ganhando, não se mexe.”

Devemos ter cuidado com as ideias que nos são apresentadas, gratuitamente.

Décadas atrás, um criador de galinhas recebeu em sua granja, a visita de um homem bem parecido, que se dizia também criador de galinhas e veterinário, especialista em galinhas poedeiras.

O forasteiro passou a dar conselhos ao antigo granjeiro, despejando sobre ele suas ideias de como criar galinhas e multiplicá-las, e conseguindo vender-lhes produtos para serem adicionados à ração.

O granjeiro caiu na lábia do visitante, adotando suas ideias e teve um tremendo prejuízo. Em duas semanas, morreram centenas de galinhas.

Um mês depois, o mesmo forasteiro, muito bem apessoado, voltou à granja, para fazer uma visita ao dono. Trouxe novas ideias e novos produtos para lhe vender. O velho granjeiro, já de “orelha em pé” se entusiasmou e terminou acatando as ideias do forasteiro e comprando os novos produtos para dar às galinhas.

A cena funesta se repetiu. Morreu um número ainda maior de galinhas.

Dias depois, o granjeiro recebeu novamente a visita do forasteiro, suposto criador de galinhas, dando-lhe novas orientações sobre a criação de galinhas, para que obtivesse lucro. O ingênuo granjeiro, novamente caiu na conversa do forasteiro e a mortandade de galinhas se repetiu, desastrosamente.

Os funestos resultados das ideias e produtos vendidos pelo forasteiro, que se dizia criador de galinhas e veterinário, deixou o granjeiro acabrunhado e decepcionado, pois viu que tinha caído nas mãos de um golpista.

Algum tempo depois, não desistindo de aplicar golpes no granjeiro, o suposto “criador de galinhas” apareceu na granja novamente, com produtos diferentes, querendo vendê-los, para que as penosas se reproduzissem com sucesso. E o forasteiro ainda teve coragem de dizer:

– Agora, trago novas ideias, produtos de último lançamento, com sucesso comprovado e garantido.

O granjeiro, já lesado diversas vezes por aquele forasteiro, expulsou-o da granja aos gritos:

– Saia daqui, seu trambiqueiro! Por sua causa, morreram todas as minhas galinhas!

4 pensou em “AS GALINHAS

  1. Violante,

    Uma crônica com seu bom humor que deixa cativo os leitores fubânicos. Vale lembrar o ditado popular: “Errar é humano, mas permanecer no erro é burrice”. A frase que inicialmente parece ser bem ofensiva está relacionada ao fato de que as pessoas têm até o direito de errar, mas também devem se ater a sabedoria e ao aprendizado e assim, evoluindo passa a não mais cometer o mesmo erro. É interessante esse pensamento porque se analisarmos o desenvolvimento do individuo como ser humano grande parte de sua evolução é baseada nos erros.
    Aprendemos o que é bom e o que é mal, o que faz bem e o que faz mal, e desse princípio, passamos a buscar gradativamente, desde que sintamos na pele o quanto é difícil e doloroso passar por determinadas situação, acabamos nos tornando mais sábios e consecutivamente mais fortes. Parabéns pelo excelente texto!

    Um final de semana pleno de paz, saúde e alegria

    Aristeu

    • Obrigada pelo gratificante comentário, prezado Aristeu Bezerra!

      Esse granjeiro, se tivesse um pouco de malícia, não se teria deixado enganar pela segunda vez. Ele pode ter se prejudicado pelo excesso de boa-fé nas pessoas..

      Realmente, “errar é humano, mas permanecer no erro é burrice”.

      Um abraço, e um final de semana muito feliz para você também!

      Violante

  2. Violante,

    Muito obrigado pela AS GALINHAS, crônica suave e verdadeira, que narra, com elegância, um fato corriqueiro muito comum no interior: os vendedores de mentiras.

    Interessante como papai sacava quando um desse chegava lá no sítio em Lagoa do Carro (PE): – “Lá vem o enganador.” Vou dizer para ele que só pago a “mercadoria” dele depois que ela fizer os efeitos prometidos.”

    Como o “vendedor” sabia que não funcionava mesmo, apenas dava umas prosas com papai e se ia sem oferecer nada!

    Feliz Natal para a nobre cronista e família. Que tenhamos um próximo Natal com todo mundo dando as mãos sem medo!

    • Obrigada pela gentileza do comentário, prezado Cícero!
      Os vendedores de sonhos e ilusões sempre existiram, como também as pessoas de boa-fé que acreditavam neles. A televisão abriu os olhos do povo, e atualmente é mais difícil alguém do interior cair da lábia desses charlatões.

      Ainda bem que o seu pai usava uma tática inteligente, para se livrar deles, que era dizer que só pagaria o produto milagroso, depois que visse o efeito prometido.: Bom demais!!!rsrs…

      Feliz Natal e um Ano Novo bem melhor, cheio de Esperança, Saúde e muitas realizações, para você e seus familiares!

      Grande abraço!

Deixe uma resposta