AS BRASILEIRAS: Cacilda Becker

Cacilda Becker Yáconis nasceu em Pirassununga, SP, em 6/4/1921. Atriz das mais destacadas do teatro brasileiro. Filha de Edmondo Iaconis e Alzira Becker, separados quando ela tinha 9 anos. Junto com a mãe e duas irmãs, foram morar em Santos, onde concluiu os primeiros estudos, um curso de ballet e foi diplomada professora. Aí manteve contatos com o circuito boêmio e de vanguarda da cidade. Pouco depois foi viver em São Paulo, montou sua companhia e sofreu um aneurisma cerebral no palco.

Disposta a seguir a carreira de atriz, mudou-se para o Rio de Janeiro, aos 20 anos, e foi acolhida pelo grupo do “Teatro do Estudante”, dirigido por Paschoal Carlos Magno. Em seguida foi trabalhar na companhia de Raul Roulien e passa a afirmar-se como atriz com a peça Trio em lá menor, de Raimundo Magalhães Jr. ao lado de Raul e Laura Suarez. Dois anos após, regressa a São Paulo e integra-se ao Grupo Universitário de Teatro-GUT, fundado por Décio de Almeida Prado, onde participa de 3 montagens: Auto da barca do inferno, de Gil Vicente; Irmãos das almas, de Martins Pena e Pequeno serviço em casa de casal, de Mario Neme. Por essa época conheceu Zbgiev Zienbinski, um polonês fugido da II Guerra Mundial e experiente ator, disposto a revolucionar o teatro brasileiro.

Pouco depois voltou ao Rio, convidada para trabalhar no famoso grupo “Os Comediantes” na remontagem da peça Vestido de noiva, em 1946, de Nelson Rodrigues e dirigida por Zienbinski. Enquanto isso, em São Paulo, o GUT se junta ao Grupo Experimental de Teatro, dirigido por Alfredo Mesquita, em 1948, para fundar o Teatro Brasileiro de Comédia-TBC. No mesmo ano é fundada a Escola de Arte Dramática-EAD junto a USP. Pode-se dizer que este é o inicio do teatro profissional no Brasil, comandado pelo industrial italiano Franco Zampari. Cacilda e Zienbinski são contratados ao mesmo tempo em que ela passa a lecionar interpretação na EAD. Pela primeira vez atores e diretores têm um contrato profissional.

A partir daí o teatro brasileiro teve extraordinário desenvolvimento, com o TBC realizando 4 a 5 montagens anuais. Cacilda atuou em boa parte das peças até 1955, quando os diretores italianos regressaram à Europa e o TBC começou a entrar em declínio. Por essa época, os atores mais famosos passaram a fundar suas próprias companhias teatrais. Cacilda e Walmor Chagas, já casados, alugaram o teatro da Federação Paulista de Futebol e inauguraram o Teatro Cacilda Becker, em 1958, contando com a participação de Zienbinski, sua irmã Cleide Yáconis e o cenógrafo Fredi Kleemann. A primeira peça encenada foi O santo e a porca, de Ariano Suassuna. Aí o casal atuou em diversas peças, incluindo Quem tem medo de Viginia Woolf?, em 1965, uma das melhores interpretações de Cacilda.

Durante os “anos de chumbo” da ditadura militar, em1968, suspendeu as atividades da Companhia e foi presidir o Conselho Estadual de Teatro, um cargo não remunerado, cuja função era mediar a difícil relação dos artistas com o governo militar, ou seja, encarar a censura e a repressão policial, como na invasão do Teatro Ruth Escobar, enquanto era encenava a peça Roda Viva, de Chico Buarque. No mesmo ano, no lançamento do espetáculo Primeira Feira Paulista de Opinião, que sofreu 71 cortes da censura, com os censores e agentes federais presentes, ela surge no proscênio e se responsabiliza pela apresentação do texto na íntegra, num ato de rebeldia e desobediência civil.

No ano seguinte foi convidada pelo diretor Flavio Rangel para interpretar o vagabundo “Estragon”, na peça Esperando Godot, de Samuel Beckett. Atuou ao lado do marido Walmor e do filho Luís Carlos Martins, em sua estreia. A peça era citada como importante fato cultural daquele ano. No intervalo da apresentação de 6/5/1969, em seu teatro, sofreu um aneurisma cerebral e não voltou ao palco. Foi levada para o Hospital São Luís ainda vestida como seu personagem. Ficou 38 dias em coma, e veio a falecer em 14/6/1969. O velório causou uma comoção no meio artístico em todo o País e contou com a presença de diversas autoridades. O Governador Abreu Sodré esteve presente e soltou uma nota: “Perco uma grande amiga. Os artistas perdem uma grande líder e o povo brasileiro uma grande interprete. Extingue-se um grande talento. Fica um grande exemplo”. E determinou que seu nome fosse dado ao teatro-auditório da TV Cultura.

Ao longo da carreira, encenou 68 peças, 3 filmes e uma telenovela, em 1966, na TV Tupi. E como é o costume de se reconhecer os grandes talentos somente após a morte, seu nome vem sendo lembrado com certa frequência. Em 1988, a Prefeitura de São Paulo inaugurou o Teatro Cacilda Becker, na Lapa. Em 1994, quando se deu o 25º ano de sua morte, a Cia. de Teatro Uzina Uzona, celebrou a vida da atriz encenando a peça Cacilda!!!, de José Celso Martinez Corrêa. Esta celebração foi ampliada e reapresentada mais duas vezes no Teatro Oficina em 2009 e 2013. Foi também retratada como personagem no cinema (Brasília 18%, 2006) e na TV com a minissérie Um só coração (2004). Agora há pouco, em 14/6/2019, no cinquentenário de sua morte, a família Yáconis abriu as portas de sua casa, no Itaim Bibi, ao público e conta com um projeto para torná-la um espaço cultual dedicado à sua memória, pesquisa e estudo.

Os interessados em conhecer melhor a “grande dama do teatro” brasileiro, podem acessar dois bons ensaios biográficos: Uma atriz – Cacilda Becker, de Nanci Fernandes, publicada pela Editora Perspectiva, em 1984, onde se apresenta uma “Cacilda por ela mesma”, com depoimentos seus, de seus colegas e seu legado. Seu amigo e conceituado crítico teatral Décio de Almeida Prado, também deixou suas impressões no capitulo Cacilda: paixão e morte, inserido no livro Peças, pessoas e personagens, publicado pela Cia. das Letras, em 1993.

10 pensou em “AS BRASILEIRAS: Cacilda Becker

  1. Caríssimo memorialista Brito:

    O poeta de Drummond exaltou a genialidade dessa atriz-fenômeno que era Cacilda, com a mesma generosidade de entrega, a mesma capacidade de mergulhar até o fundo em cada personagem, a mesma inquietação, tenacidade, a mesma coragem na composição, pedra por pedra, de um repertório coerente.

    E o poeta Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1987) completa:

    “A morte emendou a gramática.
    Morreram Cacilda Becker.
    Não era uma só. Era tantas.
    Professorinha pobre de Piraçununga,
    Cleópatra e Antigona
    Maria Stuart
    Mary Tyrone
    Marta de Albee
    Margarida Gauthier e Alma Winemiller
    Hannah Jelkes a solteira
    A velha senhora Clara Zahanassian
    Adorável Júlia
    Outras muitas, modernas e futuras
    irreveladas.
    Era também um garoto descarinhado e astuto: Pinga-Fogo
    E um mendigo esperando eternamente Godot.
    Era principalmente a voz de martelo sensível
    martelando e doendo e descascando
    a casca podre da vida
    para mostrar o miolo da sombra
    a verdade de cada um nos mitos cênicos.
    Era uma pessoa e era um teatro.
    Morrem mil Cacildas em Cacilda”.

  2. Brito, belíssima lembrança essa de nos trazer Cacilda Becker de volta. A nós que acompanhamos toda sua trajetória no desenvolvimento da cultura brasileira. Essa cultura brasileira que se tornou nacional e que nasceu em S.Paulo com pessoas assim como Cacilda.

    • Tens razão, Mestre Plinio.

      A cultura brasileira nasceu em São Paulo com a Semana de Arte Moderna no Teatro Municipal, sem teatro. Mas logo veio Cacilda e completou o enredo.

  3. Abre ALAS. uma Atriz, com cara de atriz. Cacilda tinha tanta personalidade e cara de atriz que se um dia fosse ao Azerbaijão , seria imediatamente reconhecida
    como uma grande atriz, mesmo sem atuar. Porque ? Porque ela tinha tudo
    de atriz, diga-se com justiça, foi a maior atriz brasileira de todos os tempos.
    Não falo por ouvir dizer, eu assisti a inúmeras peças no RJ com essa
    fenomenal atriz, muitas delas com o seu marido Walmor Chagas, também um
    grande ator. Porem, a nossa Cacilda tinha tanta personalidade que os demais
    atores se apequenavam junto à ela no palco.
    Ela nunca atuou numa peça ” menor ” , não sei se por exigência ou porque
    em todas as peças que atuava se tornavam um clássico, ou quase.
    Cacilda entregou sua vida a arte pura, nunca se aproveitou da sua
    fama para fazer proselitismo político. Uma extraordinária atriz e uma
    grande mulher de personalidade notável.

    O grande José C. Martinez Corrêa, acima disse tudo,simplesmente CACILDA.
    Caro Brito, mais um domingo em que você acertou em cheio.
    Obrigado.
    seu aluno d.matt

    • Caríssimo D.matt:

      Aluno e mestre, discípulo da sabedoria e sapiência, amigo do peito a quem admiro e estimo, seu comentário enriquecedor foi mais um desses de se tirar o chapéu pela precisão e colocação das palavras.

      Nosso querido memorialista Brito está feliz com tamanho elogio merecedor!

      Ótimo final de semana ao amigo do coração e família!

      Obrigado pelo comentário à minha crônica semana passada. Vou escrever a resposta a todos que comentaram.

    • Caro D. Matt

      Você é um privilegiado na vida e no palco. Viu mais de uma vez Cacilda Becker contracenando com Walmor Chagas, seu marido.

      “It’s not mole não!”, diria o filósofo cearense Falcão, que entende de Teatro

      O cara tem que ser menor de 100 anos, gostar e frequentar teatro. Consideremos, dois tipos difíceis de se encontrar por ai. Pode-se até encontrar um bocado de tipos com 80/90 anos; mas entre estes, achar aqueles adepto, adicto, viciado, digamos assim, será bem mais difícil.

      Daí, temos a dimensão do privilégio outorgado ao nosso .amigo d.matt. Um privilégio que, imagino, os leitores, colunistas e nosso Editor Luiz iBerto, também compartilham “por tabela”, por .ter sua presença constante nessa “Gazeta Escrota”.

      Seus comentários ,todos eles, têm acrescido informações preciosas à biografia dos Memoráveis. Espero continuar recebendo-os até completarmos 200 nomes, em setembro de 2022, no Bicentenário da Independência.

      Abs
      Brito

      .

      ..

Deixe uma resposta