XICO COM X, BIZERRA COM I

Escrever, para mim, é um ato de amor. Pouco importa se poesia ou prosa, interessa mesmo é o gesto da escrita. É a troca de carícias entre o texto e o autor, o lápis e o papel, o cuidado de um com o outro, a simbiose perfeita entre o prazer e o querer bem. Papel e lápis à mão (ou teclado aos dedos), rabiscos preliminares antecedem parágrafos ou versos eretos com todas as estrofes molhadas, num gozo pleno de sílabas e palavras, um orgasmo poético, luxúria lasciva das letras. E assim faz-se o tempo, consuma-se o prazer, traduz -se o amor e a paz é apenas uma consequência. Simples, como tudo que tem por origem a inspiração, que tem por fim a felicidade. Que nem o amor. Que nem a palavra.

Toda a obra de Xico Bizerra, Livros e Discos, pode ser adquirida através de seu site Forroboxote, link BODEGA. Entrega para todo o Brasil.

2 pensou em “A PALAVRA E O AMOR

  1. Mestre Xico,

    Sua crônica é uma ode à felicidade, onde só cabe o amor.

    Escrever é um ato de prazer tão saboroso que muitas vezes, nos poucos tempos que me restam do trabalho, que passa a hora de comer, mas me pego feliz sem o rancor da barriga vazia.

    Chico Buarque me acompanha nessa empreitada, tijolo por tijolo no desenho mágico.

  2. Procurei mostrar a similaridade do ato de escrever com o ato de amar. Prazeres diferentes mas tão iguais. Abraço, Cícero. Com CBH você não poderia estar melhor acompanhado.

Deixe uma resposta