A PALAVRA DO EDITOR

“O fim do dia parece
Com o fim da vida da gente”

Mote de Sebastião Dias

Chega à noite sepultando
Os restos mortais do dia
Deixando como vigia
A lua no céu brilhando.
A tarde se amofinando
Na placidez do poente,
O sol se deita impotente
Cansado logo adormece:
“O fim do dia parece
Com o fim da vida da gente”

Deixe uma resposta