XICO COM X, BIZERRA COM I

O assovio do vento anuncia a água que está por chegar, aumentando a esperança do povo daquele sertão. Ainda tímidas, espalham-se no céu nuvens de chuva tímida, de neblina preguiçosa. O mato espera fazer-se verde, e faz tempo, aguardaaquela visita tão desejada e rara. O chão, encalombado de tão seco, também confia no bendito líquido para voltar a ser terra. O homem pobre, encarregado de criar os bruguelos postos na vida, ora cada vez mais, joelhos ralados de tanta oração, promessas tantas acertadas com o povo do céu. Poderia um dia pagá-las, tantas que foram feitas? Mas o Pedro lá de cima, dono das chaves e torneiras celestiais, resolveu abri-las e derramar a chuva tanta que sobrou, ocupando barreiros e açudes, e enchendo de alegria, sobremaneira, o coração daquele povo sofrido e que só pedia água. Ela está ali, límpida e limpa, inodora e incolor, saciando sedes, matando vontades tantas vezes não supridas. A chuva veio. Com ela, a festa. Por quanto tempo ficará por ali?

Toda a obra de Xico Bizerra, Livros e Discos, pode ser adquirida através de seu site Forroboxote, link BODEGA. Entrega para todo o Brasil.

2 pensou em “A FESTA DA CHUVA

  1. Xico, parabéns! Texto testemunho de quem, pode até não ter vivido ali, mas nasceu. Conhece a carência e sabe os “porquês” dos êxodos que obrigam a procurar a vida. Não apenas a chuva da nuvem negra derretida pelo vento, mas, também, as águas transpostas que agora farão “só o bem” para quem não pede nada além de água. Cabaças serão cheias, potes, também. Quartinhas na janela e gamelas cheias com o que vai sobrar das terrinas. Obrigado Deus, por molhar o que é teu e nos permitir viver com dignidade.

  2. Obrigado, José Ramos. E haja água pra molhar nossa esperança e fazer florir um futuro bom. Abraço

Deixe uma resposta