HÉLIO CRISANTO – UMA LUA, UM CAFÉ E UM BATENTE

Sou eu um Zé nordestino
Cheio de birra e pantim
Comedor de rapadura
Com fava quente e “toicim”
Sou versos de Fabião
Sou Elino Julião
Nas unhas do guaxinim

Sou nordestino, não nego
Sou Arlindo, sou João Bá
Genaro, sou camarão
Sou o coroné caruá
Eu sou pife de taboca
Nas mãos de Zabé da loca
Tocando em Taperoá

Eu sou cavalo marinho
Sou matuto campesino
Sou o reflexo de Valença
Num espelho cristalino
Vaqueiro e festa de gado
Eu sou o barro amassado
Pelas mãos de Vitalino

Sou do torrão nordestino
Água bebida em cumbuca
Sou humor de Ludugero
Eu sou ferrão de mutuca
Novena no mês de maio
Eu sou feira de mangaio
Pelos dedos de Sivuca

Sou da terra nordestina
Sou raiz de marmeleiro
Sou rama de jitirana
Sou xique-xique e facheiro
Fuba de milho e coalhada
Eu sou madeira talhada
Nas mãos de Chico Santeiro

4 pensou em “VIVA O POVO NORDESTINO

  1. Uma grande homenagem a uma grande parte do Brasil
    que está sempre bem representada pelo extraordinário povo nordestino,
    Os nordestinos, brasileiros de primeira grandeza, foram sempre
    um exemplo de como amar e respeitar a nossa brasilidade.Um grande abraço a todos os nordestinos, meus amados irmãos brasileiros.

  2. *
    Eu sou cria do sertão
    Nasci no meu Ceará
    Como cuscuz com jabá
    Tapioca em vez de pão
    A paçoca de pilão
    Como até não mais caber
    E chego a me embevecer
    Com esse mote agrestino:
    “Quanto mais sou nordestino
    Mais tenho orgulho de ser”
    *
    Glosa de Dalinha Catunda
    Mote Bráulio Bessa

Deixe uma resposta