JESUS DE RITINHA DE MIÚDO

Partiu seu Hermes Medeiros
Pra aboiar no firmamento
Juntar gado nas estrelas
Nos vales do encantamento
Vaqueirando a eternidade
Encourado na saudade
Tão livre quanto o vento.

Por esse seu chamamento
Os céus todos se alegraram
Serafins bateram palmas
Querubins comemoraram
Nas veredas divinais
Dos campos celestiais
Os santos todos cantaram.

Com a sua chegada.

Vai! Planta um mourão lá no céu, macho bom e arretado, e instala nele uma porteira.

Qualquer dias desses eu abrirei sua tramela.

E espera por nós, bom amigo! Um dia chegaremos por aí também e a prosa continuará no mesmo gosto de sempre.

Ah! E obrigado pelo carinho, pelos conselhos e pelas boas risadas, Seu Hermes.

O senhor foi luz na vida de muita gente.

7 pensou em “VAQUEIRO ALADO

  1. Que o vaqueiro alado encontre seu lugar de estrela no firmamento. Na foto viu Sancho uma pessoa de muita luz na simplicidade do sertanejo. Valeu, poeta!!!!

    • Seu Hermes,
      Pego emprestado frase de Cícero para me despedir de Vossa Excelência: Um dia a gente se encontra por aí, proseando nas poeiras das estrelas.

      • Amigo Sancho, Seu Hermes foi uma espécie de Dom Quixote pelos sertões.
        Só que em tudo que se meteu saiu vencedor, fez bem feito, e não passou vergonha.
        Era um lorde sertanejo de alma e de gestos.

  2. Seu Hermes, o Sr. é luz na vida de todos nós, com seu exemplo de dignidade, honestidade e bons modos matuteiros.

    Seu ilustre admirador, Jesus Ritinha de Miúdo, lhe eternizou em versos tão livres quanto o vento, como o Sr. foi na Terra, quando a percorria com seus sonhos, desejos, vontades e realizações.

    Um dia a gente se encontra por aí, proseando nas poeiras das estrelas.

    Valeu, grande poeta Jesus de Ritinha de Miúdo, principalmente por não nos deixar rastro de que Seu Hermes Medeiros se encantou com seu gibão de couro e seu chapéu idem rumo ao firmamento.

    • Amigo Cícero, seu olhar com os olhos do coração lhe permitiu enxergar quem foi Seu Hermes Medeiros apenas por uma foto.
      Seu saudoso irmão Antônio Medeiros, também hoje campeando nas veredas celestiais, dizia que se “Hermes morasse sobre uma pedra, dela tiraria o sustento com dignidade”.
      As realizações desse meu querido não foram poucas: ao lado da nossa amada Dona Dudu – que Deus a conserve ainda muito tempo entre nós – educou e formou todos os filhos e os dois netos que criou.
      E mais! Deixou todos bem encaminhados na vida como pessoas dignas e honradas.
      Uma família linda!

  3. Jesus de Ritinha de Miúdo, com esse bilhete de recomendação poética ao destinatário, o braço forte do Onipotente, há de acolhe-lo com terna rejubilação.

    • Amigo Marcos, talvez Deus esteja precisando fazer açudes no céu.
      Nessa arte Seu Hermes era espetacular. Formou-se engenheiro “de paredes de açudes” pela Universidade da Vida.
      Carregava em si a ciência natural dos simples, sábio com o mexer da terra e do barro. O que intentava fazer fazia. E ficava feito!
      Perdeu as contas de quantos açudes e barragens construiu por esses sertões também de Deus.

Deixe uma resposta