CÍCERO TAVARES - CRÔNICA E COMENTÁRIOS

O juiz Carlos Roberto Gomes de Oliveira Paula, do Tribunal de Justiça do Maranhão, irmão do saudoso humorista Chico Anísio, renunciou aos trinta dias adicionais de férias, “para além dos trinta dias de descanso remunerado, assegurados a todos os trabalhadores,” aos penduricalhos e regalias fora da lei, como os auxílios moradia, alimentação, saúde e livro, licença prêmio por assiduidade, auxílio paletó, funerário, dentre outros privilégios pagos aos membros da magistratura. “Nunca é tarde demais para fazer a coisa certa” – justificou o digníssimo magistrado.

A conduta exemplar do juiz Carlos Roberto de Paula há muito está recebendo pesadas e injustas críticas dos “colegas” da Associação dos Magistrados do Maranhão (AMMA), que chegaram a ver no gesto do magistrado atitude de “pura hipocrisia” por rejeitar tantas regalias e privilégios.”

Sua excelência, Carlos Roberto de Paula, também não quer exercer o “direito” de gozar férias, trinta dias de férias adicionais, conforme consta no requerimento apresentado ao Tribunal de Justiça do Maranhão.

No documento, o magistrado chama de “privilégios inadvertidos da carreira”, como as férias de sessenta dias: “Há tempos este magistrado reflete sobre o impasse ético gerado por algumas prerrogativas da magistratura, que, quando analisada no contexto de desigualdade socioeconômica do país, evidenciam privilégios inadvertidos da carreira. Um dos pontos que causam incômodos, e hoje se torna certeza na minha consciência, é a inadequação da concessão de férias de sessenta dias.”

“Na oportunidade, renuncio à disponibilidade de sessenta dias de férias, assim como o percentual excedente do terço constitucional que ultrapassa esse período” – concluiu.

Uma alma limpa, uma voz isolada no meio da podridão

No país em que o rendimento médio real domiciliar per capita foi de R$ 1,2 mil por mês em 2018, sendo que em 2019 essa renda deve ter caído ainda mais, devido ao golpe, é sintomático que justamente quem deveria respeitar e fazer respeitar as leis seja é quem primeiro a violenta.

Não é o que acontece, o juiz Carlos Roberto Gomes de Oliveira Paula é uma voz isolada, uma alma limpa no meio da podridão do poder judiciário brasileiro.

Estudou com a ajuda do irmão mais velho

Carlos de Paula agradece a seu irmão mais velho, já encantado, que lhe ajudou para terminar os estudos, e honra esse gesto nobre fazendo justiça dentro da Justiça, mesmo sendo uma voz solitária e vilipendiada pelos “colegas de profissão.”

O Brasil é um país onde a honestidade está sempre surpresa e envergonhada com as ações nefastas dos homens que deveriam dar o exemplo.

16 pensou em “UM JUIZ DE PRIMEIRA INSTÂNCIA QUE HONRA O PODER JUDICIÁRIO

  1. Este ser humano digno merece, não só escapar da guilhotina que deverá decepar as cabeças da multidão de crápulas, como também ter uma estátua sua em praça pública.

    Honra e glória a este herói solitário!

    • Adônis,

      Eu e o mestre vamos disputar na arena de O Bom, O Mau e O Feio quem seria o executor de todos esses bandidos de togas que delapidam o Poder Judiciário com a caneta da impunidade.

      Honra e glória a esse herói solitário, e um basta a todos os salários de mais R$,300.000,00 recebidos por uma corja de mais de 327 capas-pretas do TJPE.

  2. Dois pontos:
    1. ” privilégios inadvertidos da carreira”, palavras bonitas para a falta de vergonha na cara de seus colegas e da tunga no povo.
    2. Não é irmão do Chico Anísio. Pela sua retidão, o Chico Anísio é que é irmão deste juiz de fibra. Enfrentar o sistema não é para qualquer um. Espero que não se candidate a nada e siga na sua bela carreira.

    • Estimado Carlos,

      Tens razão: enfrentar esse sistema podre e corrompido não é tarefa de fácil execução. Todos se manifestam contra quando alguém critica essa teta.

      O Brasil se tornou o feudo do Poder Judiciário. Enquanto não vier a estrovenga do Adônis Oliveira no pescoço desses esquerdopatas, a impunidade é o carimbó do povo.

  3. “Uma alma limpa, uma voz isolada no meio da podridão”.

    Ter dividido um cadinho as páginas do JBF com você foi gratificante.

    Um forte abraço,

    Schirley

    • Queridíssima Schirley,

      Em novembro de 2019, O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE) pagou R$ 1,29 milhão de salário a uma só juíza. Tal informação está no Portal da Transparência.

      Nome da felizarda: Marylusia Pereira Feitosa de Araújo, da 2; Vara de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher.

      Mais de 327 casos de super contracheques foram destinados a juízes e desembargadores do Estado, e continuam até hoje.

      A Associação dos Magistrados de Pernambuco não se manifestou. A imprensa esquerdopata pôs suspensório no rabo. O presidente do TJPE soltou uma notinha bosta solicitando informação. O circo fechou a lona e o dono do circo se recolheu à sua mansão, sem dar satisfação ao CNJ, que são farinha do mesmo saco e o povo continua na merda assistindo a tudo, infelizmente, calado.

      Obrigado, querida, por me fazer lembrar desse fato podre do Judiciário.

    • Beni Tavares,

      O juiz Carlos Roberto Gomes de Oliveira Paula, do Tribunal de Justiça do Maranhão, é uma gota de água no oceano a enfrentar esses tubarões de paletó que assaltam a nação com a conivência do “terceiro poder,” e o silêncio da imprensa esquerdopata.

      Adônis de Oliveira é um doido que tem juízo quando se insurge contra essa corja e se dispõe a me enfrentar quem seria o carrasco a torar o pescoço de toda essa camarilha a serrote e em plena praça pública, para servir de exemplo.

      O Poder Judiciário, no Brasil, tornou-se um longa manus da impunibilidade.

  4. E esta foi a critica do presidente da Associação dos Magistrados do Maranhão (AMMA), juiz Angelo Santos.

    Associação de juízes chamou colega que abriu mão de penduricalhos como auxílio moradia de hipócrita
    Kiko Nogueira
    3-4 minutos

    A decisão do juiz Roberto de Oliveira Paula de abrir mão dos auxílios moradia, saúde, alimentação e livro, desagradou a Associação de Magistrados do Maranhão, Amma.

    O caso ocorreu em novembro.

    Roberto entende que ainda não existe um entendimento pacífico sobre a legalidade desses benefícios.

    Em seu pedido, o irmão de Chico Anysio se declarou “incomodado” com “as justas críticas da população quanto a esses ‘penduricalhos’”.

    O presidente da Amma, Angelo Santos, acusou o golpe e classificou a atitude do colega como hipócrita no site da entidade. É inacreditável. Leia a nota:

    A Magistratura Nacional completará três anos sem que tenha sido contemplada com o reajuste anual de vencimento, conforme o art.37, X da Constituição Federal. O alerta foi feito nesta quinta-feira (9), pelo presidente da Associação dos Magistrados do Maranhão (AMMA), juiz Angelo Santos.

    Segundo o presidente da AMMA, a omissão do Congresso Nacional em não incluir o reajuste dos subsídios dos magistrados brasileiros na proposta orçamentária de 2018, coloca a Magistratura em situação inferior a todas as outras carreiras, contempladas com aumento de vencimentos no mesmo período.

    Angelo Santos esclarece, também, que todos os auxílios recebidos pela Magistratura Nacional são garantidos pelo Supremo Tribunal Federal, que na condição de guardião da Constituição Federal, jamais declarou a inconstitucionalidade dos mesmos.

    O auxílio-moradia, por exemplo, está previsto no art. 65, II da Lei Orgânica da Magistratura Nacional, estando em sintonia com a Constituição Federal.

    Além de haver previsão legal, Angelo Santos esclarece que os auxílios pagos aos magistrados do Maranhão não são recebidos automaticamente, necessitando de preenchimento de requisitos e, principalmente, de pedido expresso junto ao Tribunal de Justiça.

    “O Tribunal de Justiça jamais pagou qualquer auxílio ilegal ou inconstitucional à Magistratura maranhense, zelando pela transparência e probidade na administração do Judiciário maranhense”, afirma o presidente da AMMA.

    Angelo Santos disse, ainda, ter estranhado a postura de um juiz maranhense, que após ter recebido por longo tempo tais auxílios, vem agora abdicar dos mesmos, alegando ‘inconstitucionalidade’, sem qualquer menção de devolução dos valores percebidos. “A manifestação é pura hipocrisia e visa colocar a opinião pública com a utilização de argumentos distorcidos contra a magistratura que vem prestando relevante serviço ao país”.

  5. O homem sério e o comediante… Como abrilhantam o Brasil esses dois da família PAULA. Chico brincava de nos fazer sorrir falando sério através de muitos de seus personagenes e o juiz Carlos Roberto Gomes de Oliveira Paula surge e se insurge contra privilégios classistas. Ambos dignos de aplausos.

    Abraçação, Ciço…

    • Queridíssimo Sanchão,

      “O homem sério e o comediante”… que título fantástico para um filme de faroeste onde a lei não perdoava a quem andasse à sua margem!

      O juiz Carlos Roberto Gomes de Oliveira Paula há muito vem se insurgindo contra essas aberrações inconstitucionais: auxílio moradia, auxílio paletó, férias de 60 dias remuneradas, auxílio funerária, auxílio livro, numa era em que tudo é digital, auxílio xerox…

      É pra se lascar, meu nêgo! E tudo inconstitucionais. Cada Tribunal do Brasil cria suas próprias leis para beneficiar seus apaniguados e os homens dos cocos e os corretores de imóveis pagam a conta dos penduricalhos…

      É mole o quer mais?

  6. Estimado professor Maurício Assuero,

    Obrigado pela visita, apreciação do texto e a dúvida quanto “a que golpe se refere quando fala da queda de renda.”

    A resposta a essa indagação está no blog “Sol dos Carajás”, https://soldocarajas.blogspot.com/search?q=O+juiz+Carlos+Roberto+Gomes+de+Oliveira+Paula, matéria publicada em 2 de fevereiro de 2018, com o título de “Sem graça.”

    Eu omiti o ano a que se refere à percentagem, mas dá no mesmo. O que vale dizer que eu não omitir dados.

    Veja:

    Uma alma limpa, uma voz isolada no meio da podridão

    No país em que o rendimento médio real domiciliar per capita foi de R$ 1,2 mil por mês em 2016, sendo que em 2017 essa renda deve ter caído ainda mais, devido ao golpe, é sintomático que justamente quem deveria respeitar e fazer respeitar as leis seja quem primeiro a violente.

    Obrigado pela preocupação com os dados percentuais.

    Olhe que o juiz Carlos Roberto Gomes de Oliveira Paula, vem lutando contra os tubarões da Associação de Magistrados do Maranhão há muito tempo, como se pode observar na matéria.

Deixe uma resposta