JESUS DE RITINHA DE MIÚDO

Inspirado em mensagem recebida e vinda da parte de minha professora, a Doutora Eva Barros, orientadora do meu TCC no Curso de Administração, desabafando comigo pelo Whatsapp, eu fiz uma breve análise do que se passa em Cuba, sob o que podemos de fato saber.

De tudo que já li sobre esses conflitos atuais em Cuba, e das mensagens que eu troquei com o meu amigo Ernandes (antes do sinal de Internet dele ser retirado do ar n’A Ilha), mais me vejo divagando sobre o verdadeiro sentido das palavras “honestidade e lealdade”.

Falo da honestidade comigo mesmo quando não me engano no que penso ser verdade ou mentira, e de eu ser leal aos princípios defendidos por mim como ideais para uma vida digna de um ser humano, em qualquer lugar deste planeta.

Depois desses conflitos atuais em Cuba, vez por outra eu me pego pensado na frase do atual ditador cubano: “Haverá uma resposta revolucionária.”

Aí, tanto Eva Barros quanto eu, imaginamos o destino dos pobres que se insurgiram movidos por nenhuma das alegações oficiais do seu governo; mas, sim, dos motivos que brotaram deles mesmos, espontaneamente, impostos pela história, pela falta de liberdade e pela vida vivida em privações das mais variadas.

A mesma liberdade aclamada e defendida em qualquer lugar deste nosso planeta.
Uma liberdade buscada por milênios em incontáveis sociedades organizadas, desde que o homem (gênero) resolveu abandonar a vida nômade e se juntar em territórios depois chamados de cidades, estados e países. Nações!

Lamento por todos os cubanos da minha geração, ou aqueles mais velhos que eu em uma dúzia de anos.

Uma geração nascida e criada no regime “dos Castros”.

Geração crescida sem saber o significado amplo e real da palavra liberdade. Uma geração “castrada” literalmente em seu direito de saber a verdade dos fatos.

O que pode ser mais fake new do que uma vida inteira vivida ante a ponta da lança do autoritarismo, e sob a quarta parte do significado real das palavras?

Uma mentira jamais será meia verdade. Será sempre e apenas uma mentira inteira.

O que é sólido se desmancha no ar“, já se dizia no famoso Manifesto Comunista, de Karl Marx e Friedrich Engels.

Nada eu discrimino. Mas tudo eu analiso.

Aprendi isso quando eu escrevia o meu TCC sob a orientação da Doutora Eva.

E os tempos nem eram lá tão diferentes dos atuais.

5 pensou em “TUDO QUE É SÓLIDO SE DESMANCHA NO AR

  1. Caro primo,
    Cuba é uma espécie de parque temático do comunismo. Freqüentemente vejo pessoas nas TVs europeias dizendo que seu desejo é ir à ilha presídio.
    Esquerdismo é realmente uma doença incurável.

    Morei em Miami por um tempo. Lá moram cerca de 1,5 milhões de cubanos. Vi a tragédia deles e é MUITO MAIOR do que aparenta. Inúmeras famílias separadas e sem NENHUMA ESPERANÇA de que voltem a se reunir. Muitos dos que se arriscam em balsas buscam exatamente isto.

  2. Caro Jesus, as vezes eu me pergunto: se Fidel, com meia dúzia de guerrilheiros armados fez uma revolução em Cuba, porque que a maioria da população em todas as cidades mais relevantes da Ilha não fazem também um levante no sentido contrário?

    Assista esta análise do excelente canal “Hoje no mundo militar” e terá a resposta.

    https://www.youtube.com/watch?v=PpJSQ_2qUVA

    V. verá que, para espanto de muito esquerdista, que os EUA também financiaram Fidel, achando que iriam se dar bem (Fugêncio Batista era muito corrupto). Deu no que deu.

  3. Durante 6 décadas, Fidel conseguiu fingir para sí e para o mundo, que seu governo estava imune a a síndrome da “espada de dâmocles”.

    Ao que parece, o prazo de validade da mais longa e letal ditadura das américas, esta sendo questionado pelo povo cubano.

    60 anos. Fidel sepultou toda uma geração (ou duas?), para tentar implementação e aceitação do seu conceito de “paraíso” implantado. A seu julgo, decidir o que é melhor para milhões de pessoas.

    Agora, essa bolha estourou.

Deixe uma resposta