ROQUE NUNES – AI, QUE PREGUIÇA!

Leitores Fubânicos.

O texto abaixo não é de minha lavra, mas do grande escritor fluminense José Cândido de Carvalho sobre o qual fiz meu Mestrado.

E, para gaudio de nossa confraria trago o texto dele abaixo.

* * *

Tatão, O Esquartejador

Era domingo que pita cachimbo e Tatão Chaves aproveitou para pedir Lili Mercedes, mestra de letras, em casamento. A cidadezinha de Monte Alegre, sabedora da novidade, botou a cabeça de fora para presenciar Tatão em cima das botinas de lustro e por baixo das panos engomados. Para avivar a coragem, Tatão bebeu, no Bar da Ponte, meio dedo de licor, coisinha de aligeirar a língua e aromar a boca. Como achasse o licor educado demais, mandou cruzar a bebidinha com cachaça de fundo de garrafa.

E recomendativo:

– Daquele parati mimoso que até parece flor de jardim.

De talagada em talagada Tatão perdeu a mira da cabeça. Embaralhou o pedido de casamento com negócio de disco-voador, imposto de renda e busto de moça. A essa altura, gravata desabada e camisa fora da calça, Tatão preveniu:

– Sou o maior dedilhador dos desabotoados das meninas já aparecido em Monte Alegre. Sou Tatão Chupeta!

Gritava que era monarquista, que era a favor da escravidão e que o prefeito de Monte Alegre não passava de uma perfeita e acabada mula-sem-cabeça. E para arrematar, ganhando a porta do Bar da Ponte, garantiu:

– Só queria que aparecesse neste justo instante um boi cornudo para Tatão esfarinhar o chifre do sem-vergonha a bofetada!

Nisso, um boizinho desgarrado apontou na esquina da Rua do Comércio. Tatão cumprindo a promessa armou o maior soco do mundo. E atrás do soco saiu Tatão, atravessou a Praça 13 de Maio, entrou no Mercado Municipal, desmontou duas barracas, esfarelou um comício de tomates e só parou no Açougue Primavera. E meio adernado sobre um quarto de boi que sangrava em cima do balcão:

– Soco de Tatão é pior que canhão de guerra. Mata e esquarteja!

5 pensou em “TATÃO

  1. Desses causos que temos aos montes neste Brasil de Mãe Preta e Pai João.
    De Tatão o Brasil afora tem um tantão assim!
    Roque, imaginei a cena todinha. Desenhei Tatão quase à imagem de um Chicó de Suassuna.
    Valente um feito porco manso.

  2. Tantinho, tantão… TATÃO… Tá tão bão dimais da conta, sô!!!! Esses causos e acausos são o melhor. Recordam-me sempre os fantásticos tempos que lia a seção O AVESSO DA VIDA, no cariquíssimo jornal O DIA.

    Aproveito Roque para mandar um beijo para Renata, a paranaense, que poderia aparecer mais nas icônicas páginas fubânicas…

Deixe uma resposta