7 pensou em “TÃO ARRANCANDO ATÉ A PENUGEM DO FURICO

  1. A esquerda comemorou antecipadamente o sucesso das manifestações do dia 7 último e chegou ao êxtase com os discursos inflamados do presidente Bolsonaro. Se preparou para se vitimizar mundo afora, pois, segundo sua paranoia, a intervenção militar já estaria em curso. Amaldiçoou Bolsonaro quando ele a chamou para o diálogo. Praguejou a incompetência de Adélio Bispo.
    O verdadeiro patriota ama o seu país, não abre mão da democracia. Por outro lado, o patriotismo inconsequente nada mais é do que a versão direitista do comunismo idiotizado. Se diferem apenas no modo de agir; os comunistas mentem com mais competência. Ambos definem o poder como prioridade.

  2. Quer dizer que ao invés da Liberdade MINHA , eu devo comemorar a liberdade do Mercado , é isso ?
    Será que o Bob Jerferson , o Eustáqio , o Daniel ,o Sérgio Reis , o Zé Trovão vão tomar essa cerveja e comemorar ?
    O PTB já mostrou que não . O Olavo de Carvalho também não . Então quem está errado ?

  3. Caríssimo Airton, nesse tabuleiro eivado de interesses não muito republicanos, um movimento em falso do presidente Bolsonaro pode significar a ressurreição da esquerda e condenar a direita conservadora a mais 40 anos de ostracismo político.
    Me desculpo antecipadamente se estiver errado, mas eu acredito que estratégia do presidente foi magistral. Quebrou a narrativa esquerda no meio.

  4. Caro Airton, o que vou escrever é somente a minha análise dos fatos ocorridos antes, durante e depois das manifestações de 7 de setembro, o q não quer dizer que ela esteja correta. Isso só o tempo dirá.
    Na minha humilde percepção, Bolsonaro quis mostrar ao mundo, principalmente à imprensa internacional, que se tem um golpe em andamento no Brasil, não é ele que está articulando.
    A esquerda está totalmente confusa, pois, sem saber se critica ou elogia a atitude do presidente Bolsonaro, partiu para o deboche.
    Se fosse outro o presidente eleito em 2018, acredito já teria renunciado ou, pior ainda, patrocinado um golpe militar. Em qualquer uma dessas circunstâncias, o Brasil seria hoje um inferno em ebulição.
    O rompimento institucional por parte do presidente é o sonho dourado da esquerda. Ela necessita desesperadamente disso para não ser destroçada nas próximas eleições presidenciais.
    O ano que vem será fundamental que elejamos principalmente senadores alinhados com o programa de governo do presidente Bolsonaro e comprometido com a vontade da maioria do povo brasileiro que quer a criação da cpi da toga, entre outros temas bastante complexos.
    Aguardemos, então, os acontecimentos. Eu, particularmente, ainda confio no capitão.

Deixe uma resposta