MARCELO BERTOLUCI - DANDO PITACOS

Em um certo lugar, havia um só supermercado. Era a única opção para o povo de lá comprar comida, roupa, utensílios de higiene e tudo o mais. Os preços eram caros, mas o povo aceitava.

O supermercado tinha um costume curioso: a cada quatro anos, os clientes votavam para escolher o gerente geral e os sub-gerentes de cada setor. Antes de cada eleição, era uma festa. Os candidatos se desdobravam em promessas de preços baixos, brindes e mais um monte de coisas. Passada a eleição, os ganhadores esqueciam de tudo o que tinham prometido, e só pensavam em aumentar o preço das mercadorias e os próprios salários. Pior: se algum cliente ousasse reclamar, ouvia que o culpado era ele mesmo, que “não soube votar”.

Vários motivos faziam os preços do mercado serem altos. Um deles é que a quantidade de funcionários não parava nunca de aumentar. Outro, é que os próprios funcionários concediam benefícios a si mesmos: um dia era auxílio-uniforme, outro dia era auxílio-educação, os melhores planos de saúde, até carros com motorista para levá-los ao serviço todo dia. As férias eram longas, e folgas e feriados eram fartos.

Os gerentes do supermercado gostavam de criar regras. Já fazia muito tempo que eles haviam decretado que não poderia haver outros supermercados no lugar, porque isso, nas palavras deles, “seria ruim para o povo”. O povo não entendia direito o porquê, mas obedecia, porque ao criar a regra os gerentes também criaram uma equipe de seguranças armados. O dinheiro, naturalmente, vinha dos preços sempre mais altos das mercadorias. Com os seguranças para ajudar, ficou cada vez mais fácil inventar regras para os clientes cumprirem.

De vez em quando um sujeito na fila do caixa contava histórias que tinha ouvido. Diziam que havia lugares onde havia vários supermercados, e ninguém era obrigado a depender de um só. Diziam que por causa dessa concorrência, os mercados faziam de tudo para baixar os preços, ao invés de subir. Diziam até nesses lugares, ao contrário dali, os supermercados não tinham poder nenhum sobre a vida das pessoas e não podiam inventar regras que só beneficiavam a eles mesmos. Os que estavam em volta escutavam, incrédulos. Seria verdade? Seria possível viver assim, sem uma autoridade cerceando a liberdade de cada um decidir o que fazer com sua vida?

Observação: para quem achou essa historinha meio maluca, experimente trocar a palavra “supermercado” por “governo”. Talvez faça mais sentido.

18 pensou em “SUPERMERCADOS

  1. Infelizmente os cidadãos desse Brasil Varonil não podem mais ter o luxo de irem a supermercado. Melhor dizendo, podem ir, mas não podem comprar. Vão ao supermercado como vão aos shoppins, só para passear. Não têm dinheiro para comprar o alimento, não podem comprar o gás para cozinhar o alimento, até a passagem da condução está caríssima. Mas, vem aí o Auxilio Brasil! fora do teto, mas não fora da dívida. O que esse maldito governo vai deixar é uma imensa dívida para ser paga, pelo menos até os nossos netos.

    Havia uma brincadeira, na década de 80, que o Brasil não caía no abismo por ser maior do que o abismo. Bolsonaro e Paulo Guedes vão conseguir fazer o Brasilzão entrar no abismo.

    • Vamos ser justos, nem tudo está perdido os alagoanos de Ibateguara e Colônia Leopoldina vão ter a estrada asfaltada.
      Ordem de serviço garante recuperação de mais de 27 quilômetros da BR-416/AL entre Ibateguara e Colônia Leopoldina. O Governo Federal, por meio do Ministério da Infraestrutura, nesta segunda-feira (18), anunciou que vai investir R$ 75 milhões para recuperação da BR-416 que corta Alagoas. Na ocasião, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, resumiu o feito “Vamos trazer prosperidade para essa região”.
      Esse é o Brasil próspero. Viva Ibateguara e Colônia Leopoldina. Os moradores de lá com o Auxilio Brasil vão pode encher o tanque (um tanque de 50 litros com a gasolina beirando os R$ 8,00, vai dar na pinta) para desfilar na pista do Tarcisão do Asfalto.
      Pra frente Sucupira!

      • Atenção, atenção, atenção… URGENTE!

        É ordem de serviço. Tarcisão do Asfalto foi inaugurar a ordem de serviço. Quem sabe um dia será executado.
        Corre o sério risco de ser um novo cemitério de Sucupira, que nunca foi inaugurado

        • Ano passado, aqui no Paraná, para assinar uma ordem de serviço para duplicar uns 30 km de rodovia, veio o presidente, três ministros, dois senadores e onze deputados.

          Verdade seja dita: não foi o único caso, não foi o primeiro e com certeza não será o último.

  2. Em certos lugares, onde um dia argentinos, venezuelanos, nicaraguenses e cubanos viviam ás mil maravilhas, haviam supermercados com prateleiras sempre cheias e um povo próspero. E o povo de lá comprava comida, roupa, utensílios de higiene e tudo o mais. Um dia uma gente maravilhosa assumiu o poder em tais lugares. Não há mais supermercados com prateleiras sempre cheias por aquelas “bandas”.

    Por aqui, nesta terra brasilis há uma gente que torce muito para que uma turma de políticos igualmente maravilhosa, muito alinhada com os políticos daqueles lugares, venha novamente assumir o poder…

    • Para desespero do C da vida ,Sancho está certíssimo.
      Mas vou trocar super mercado por posto de gasolina.
      Por aqui nenhum deles obrigou uma localidade a não ter mais que um posto.
      Tem vários e apesar de medidas anunciadas pelo governo , eles não procuram cumprir . O preço não abaixa.
      Concorrência ? não…….. Falta do produto ?………não……
      Dirão alguns que isto só será feito se o governo tomar pulso. E se o governo obrigar , lá vem a velha ladainha.
      Governo tabelador , imprestável .
      Agora como não sou conhecedor do assunto e C Eduardo escreveu sobre rodovia . Como viveremos sem elas? Porque empresas não as projetam e constroem apenas com uma concessão , sem precisar de dinheiro público.
      E as ferrovias , porque não fazem o mesmo.
      C Eduardo poderia provar como fazer as coisas sem o dinheiro público ,sem uma concessão , apenas garantido pela iniciativa privada.
      Fazer caminhões , dá . Fazer aviões , dá . Navios , dá . Trens , dá . Mas estradas para os caminhões , grandes aeroportos para os aviões , grandes portos para os navios e grandes ferrovias para os trens parece-me muito mais complicado . Façamos o seguinte : C Eduardo esquece o governo e mande para nós os planos , porque seremos tontos o suficiente para vê-los .
      Governo é fruto de sociedade , não se pode viver sem ele .
      Cabe saber escolhe-lo , e mais de 56 milhões desta vez souberam.

      • 1) A gasolina não abaixa por culpa dos postos? Ora, mas a própria Petrobrás diz que distribuição e revenda ficam com 12% do preço final, e daí saem todas as despesas da distribuidora e do posto. Quanto os postos poderiam baixar: uns 5%? Não ia resolver muita coisa, mas eles trabalhariam no prejuízo.

        2) Será que o governo precisa controlar mais? Para abrir um posto, precisa licença da ANP, da prefeitura, do IBAMA, da secretaria do meio ambiente, da secretaria de saúde, e mais algumas que eu esqueci. Depois de aberto, o PROCON só precisa não gostar do preço para abrir um processo. Talvez esse monte de impecilhos explique por que tantos postos pertencem a gente que é muito ligada aos políticos e funcionários do governo.

        3) Iniciativa privada construit estradas, o governo nunca deixou. Ferrovias, portos, aeroportos, muitos foram feitas pela iniciativa privada em muitos lugares do mundo, mas o governo sempre dá um jeitinho para melar o negócio e tomar conta (lembra da gloriosa RFFSA?)

        4) Será que o histórico brasileiro anima alguém a investir em um negócio como construir uma estrada ou uma ferrovia? Sabe a tal da “segurança jurídica”? É por isso que empresas sérias dificilmente investem no Brasil. Sobram aquelas que são muito amigas do governo, e pegam dinheiro do BNDES para fingir que estão investindo.

        Chegando no final:

        “Governo é fruto de sociedade , não se pode viver sem ele”

        Supondo que seja verdade, o objetivo de meu pitaco foi perguntar: o governo existe para obedecer ao povo ou o povo existe para obedecer ao governo?

      • Em 2017 o governo Temer assinou a concessão de quatro aeroportos: Fortaleza, Salvador, Florianópolis e Porto Alegre.

        A empresa suíça que arrematou o aeroporto de Florianópolis construiu um terminal inteiro em oito meses. Mas não pôde inaugurar porque o governo não construiu a rodovia que deveria chegar lá.

        A empresa alemã que arrematou o aeroporto de Porto Alegre ficou um ano e meio esperando para iniciar a obra de expansão da pista. Foi o tempo que o governo levou para remover as pessoas que moravam ilegalmente no local e entregar o terreno para a empresa.

        Mas o brasileiro acredita que tudo que existe no mundo está lá por graça do governo.

        • Olha lá : O governo não fez! Quà !.
          Adianta não meu querido!. O governo sempre será o culpado. O Goiano usava está tática . Foi-se martelar em outro canto após anos . Pena , divertia tanto !.

          • Bom, se o governo manda em tudo e decide tudo, nada mais normal do que ele ser responsável por aquilo que faz.

            Mas só por curiosidade, vc realmente acha que nos dois casos que citei a responsabilidade não é do governo? Deve ser um raciocínio bem interessante.

            • Parece -me que o governo terá sempre que construir algo para complementar , e os interessados usufruírem . Ninguém faz nada de cabo a rabo. Mas pode-se culpar o governo através de malabarismos e consequentemente o povo que é seu financiador . Estamos todos errados.
              É melhor enfiar o saco na viola e ir curtir a dor ao lado da bomba de gasolina.

    • Pois é, por estas bandas os supermercados ainda estão com as prateleiras cheias. É verdade que está cada vez mais difícil de comprar, porque os preços não param de subir. Parece que a última desculpa é que vão usar o dinheiro para distribuir para os necessitados. O atual gerente dizia, antigamente, que isso era compra de votos, mas parece que agora ele mudou de idéia.

  3. Vocês esquerdistas procurem outro discurso, se o problema fosse apenas nesse país, eu até entenderia que tínhamos a quem culpar, mas continuem ficando em casa, todos estão pagando o preço. Em outros países não ví ninguém culpar autoridades por mortes e tudo mais, aqui nós temos muitos: governadores, prefeitos e a última instância onde vc não pode dizer o nome pois está sujeito a ser guardado sem ter o direito aonde recorrer.

    • Pois é, Luiz. Todo mundo acha que tudo o que o governo diz deve ser obedecido cegamente. Mandaram todo mundo ficar em casa. Deu problema. E mesmo assim todo mundo continua achando que o governo deve ser obedecido cegamente.

      Ah, em outros países também houve muita acusação e troca-troca de culpa. A única certeza que todo mundo, em todo lugar, sempre teve é que a culpa é dos outros.

  4. Ah, C.Eduardo,

    Repetes a enfadonha ladainha do ausente Goiano…

    E lá vai Sancho olhando moinhos…

    Digo sempre nestas páginas fubânicas:

    Quanto aos acusadores… Governos perfeitos jamais encontraremos fora dos sonhos.

    Quanto aos que esculhambam membros do atual governo, sempre digo: Desgosta-me sobremaneira a abundância de certezas, acusações definitivas, o deitar culpas, o apontar nos outros defeitos a torto e direito…

  5. Concordo com Sancho: Governos perfeitos jamais encontraremos fora dos sonhos. E é por isso que, enquanto estamos acordados, governos devem ser questionados, cobrados, e jamais deixados à vontade para fazer o que lhes dá na telha.

    • Marcelo,
      Concordo em gênero, número e grau.

      Governos (FEDERAL, ESTADUAIS E MUNICIPAIS) devem ser questionados, cobrados, e jamais deixados à vontade para fazer o que lhes dá na telha.

  6. “LA MIA NONNA” – DO ALTO DE SUA SABEDORIA ADQUIRIDA NAS CONSTANTES CURVAS DA SUA ÁSPERA ESTRADA DA VIDA (QUANDO OUVIA OU TINHA CONHECIMENTO DE ALGO) – TINHA, SEMPRE, UMA MESMA SÁBIA AFIRMAÇÃO.

    AFIRMAÇÃO ESTA QUE, NA MINHA VIVÊNCIA E CONVIVÊNCIA PERMANENTE COM OS/(E SEUS DESCENDENTES) DA MESMA ETNIA, SEMPRE SE REVELOU – E SE REVELA – VERDADEIRA (E QUE TRADUZIDA DO DIALETO VÊNETO, SEM AS HABITUAIS E PORNOGRÁFICAS INTERJEIÇÕES E IMPRECAÇÕES, SIGNIFICA):

    “ÉÉÉH…!!! NÓS, OS ITALIANOS, SOMOS – EM TUDO!!! – SEMPRE 8 OU 80.

    QUANDO DÃO PRA SEREM INTELIGENTES – TORNAM-SE UNS GÊNIOS QUE MARCAM A HISTÓRIA.

    MAS QUANDO DÃO PRA SEREM BURROS – ESTÃO SEMPRE CAINDO DE 4 E COMENDO O CAPIM ATÉ A RAIZ.

    E ESSES SÃO OS PIORES, POIS, ALÉM DE TUDO, SÃO CABEÇUDOS.

    QUE CAIA A BENDITA CARAPUÇA EM QUEM SERVIR!!!”

Deixe uma resposta